rakblack Rak Black

Seungyoun é um jovem produtor musical que nunca havia se prendido muito à relacionamentos até conhecer e se apaixonar por Hangyul. O amor entre os dois era tão forte que, mesmo com pouco tempo de namoro, decidiram que era a hora de casar. E as coisas até que foram bens no começo, mas com dois anos morando juntos a primeira crise começava a se fazer presente. E, como se não bastasse, agora teriam que lidar com uma criança que, ao que tudo indicava, era filho de Seungyoun. (Dohyun kid)


Фанфик Группы / Singers 18+.

#yaoi #kpop #poliamor #258 #victon #X1 #Seungyoun #Woodz #Hangyul #SeungWoo #UNIQ #Ryeonseung #Seungyul
0
1.5k ПРОСМОТРОВ
В процессе - Новая глава Каждую субботу
reading time
AA Поделиться

I Don't Wanna Fight Tonight

NOTAS INICIAIS



OLÁ!!!
Fanfic nova *-*

Coisas importantes:
1- Será longfic, mas não sei quantos capítulos ainda
2- NÃO É MPREG
3- Cada capítulo vai começar com uma frase/trecho de músicas produzida/escrita/composta pelo nosso Seungyoun ^^
4- View em Flash *-*

Boa leitura

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------



“Eu não quero brigar essa noite

Eu não quero brigar essa noite

Estar sozinho no ar gelado, não consigo sem você

Eu não quero brigar essa noite

Eu não posso dormir e não posso respirar

Estar sozinho no ar gelado, não consigo sem você

Como eu posso ir embora?”

I Don’t Wanna Fight Tonight – Mr-X



Quando Seungyoun decidiu que se casaria, ouviu de vários amigos que aquilo era loucura, que no auge de seus 23 anos deveria pensar apenas em sua carreira, e que seu relacionamento com Hangyul deveria amadurecer antes de partirem para algo tão sério. Um ano de namoro era tão pouco...

Também ouviu que não era possível viver apenas de amor, que casamento não era um mar de rosas e que eles seriam testados constantemente. A tal “crise dos 5 anos” também não ficava de fora das críticas e mais críticas que recebia por conta daquela “ideia furada”.

Mas ele não ouviu, é claro. Como bom leonino, tomou sua verdade como única e deixou de lado qualquer coisa que as outras pessoas falavam para, enfim, se ver casado com o homem que amava.

O problema era que, pelo que parecia, as pessoas estavam certas o tempo todo.

Casamento era complicado.

Viver junto era complicado.

Ou melhor, o fato de quase não conseguirem conviver, mesmo morando sob o mesmo teto, era o mais difícil.

Não que tivessem brigas ou coisas do gênero, mas o trabalho de ambos tomava muito tempo. Seungyoun se dividia entre ficar em casa, trancado no estúdio, e viajar para a China, onde tinha os melhores contratos, como produtor e compositor. Hangyul, por outro lado, passava o dia no estúdio de dança, dando aula e preparando coreografia para os grandes nomes do kpop. No fim do dia, quando os dois conseguiam ir para a cama no mesmo horário (o que já era bem raro) eles mal se tocavam ou tinham ânimo para compartilhar seu dia.

Se focar unicamente em suas vidas profissionais não era a prioridade, mas eles sabiam que se deixassem para depois, talvez não tivessem chances tão boas como as que estavam tendo. Hangyul principalmente, já que a idade cobrava caro quando se tratava do mundo do entretenimento. Saber daquilo impedia que existissem cobranças de ambas as partes, mas não impedia que o relacionamento se desgastasse muito.

- Eu não sei o que fazer, hyung... – Seungyoun desabafava, claramente chateado, com Yixuan, nem se importando de usar o honorífico na língua materna do amigo chinês. – São dois anos, mas parece que são 20. Eu não vejo o Gyul faz quase uma semana, e eu viajo amanhã e nem sei se ele vai conseguir chegar cedo em casa pra gente se despedir. – ele suspirou, bagunçando os cabelos com a mão que não segurava o celular e olhando o post it colado na geladeira, onde tinha o horário de seu vôo, na madrugada seguinte. – Mas nem posso cobrar nada também, porque temos projetos, contas e... – ele estava mesmo desabando, porque quase não conseguiu segurar a vontade de chorar. E ele não era assim.

- Eu não sei como te ajudar, porque qualquer coisa que eu falar pode te magoar ainda mais, Seung... E eu não quero isso. – Yixuan era sempre muito sincero, mas também muito cuidadoso e se sentia como um verdadeiro irmão mais velho para o coreano. – O que eu posso te aconselhar é que vocês conversem. Às vezes tudo o que vocês precisam é de diálogo e entrar em um acordo sobre a agenda. Ou... – Yixuan demorou um pouco para completar o raciocínio, com medo da reação do amigo. – Ou vocês podem optar pelo divórcio também.

Aquela era a frase que Seungyoun não queria ter que ouvir. Era a ideia que não queria nem ter que pensar. Seu coração pesava e apertava só de imaginar que era tão incompetente como marido que talvez perdesse Hangyul para sempre depois de apenas dois anos de casamento.

- Eu... Eu não quero que as coisas acabem assim. Eu amo o Gyul demais e eu só vou pensar nessa opção se ele pedir.

- Então faça algo para que ele não tenha que pedir. – o mais velho foi enfático, mas se arrependeu em seguida. Quando se tratava de Seungyoun ele era coração mole. – Olha, por que você não faz algo diferente? Um jantar, um bom vinho, uma conversa.

A ideia era interessante e era bem provável que funcionasse, então não conseguiu conter o sorriso que não aparecia em seus lábios há um bom tempo, e agradeceu Yixuan.

- Quando eu chegar aí vou comprar um monte de comida pra você. – aquela era a forma mais simples de agradar o mais velho.

- Vou ficar esperando. E espero que não seja igual a música que você me prometeu e não me mandou até agora.

A conversa se desenrolou por mais um tempo, mas não foi tão demorada porque Seungyoun estava animado para preparar o jantar. Há quanto tempo não fazia algo do tipo?

Há quanto tempo não tinham uma noite apenas dos dois?

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Era para Hangyul chegar cedo aquele dia. Era para ter ignorado aquela turma desfalcada e sem a menor vontade de aprender a coreografia, e ir para casa, mas ele não fez aquilo.

Uma parte de si gritava que estava esquecendo algo, e não existia arrependimento maior do que o dele quando colocou os pés dentro de casa e se deu conta de que deveria ter ouvido sua consciência. A sala estava decorada ao estilo Seungyoun, com um ar despojado, porém caprichoso, a meia luz dava um ar calmo ao jantar que estava disposto sobre a mesa de centro. A garrafa de vinho era a única coisa que parecia ter sido realmente tocada, já que estava tombada e o líquido manchava o tapete abaixo da mesa.

Outra coisa que destoava da decoração bem preparada era o fato de Seungyoun estar cochilando no sofá, com o rosto enterrado na almofada e o braço para fora do móvel, em uma posição que, com certeza, não era confortável. Hangyul olhou para o relógio, constatando que passava das 1h da manhã e quis se socar por lembrar, apenas naquele momento, da viagem que o outro faria em apenas algumas horas. Não conseguia acreditar que perdera a oportunidade de aproveitar aquele tempo com ele por nada.

Não se surpreenderia se o marido se recusasse a voltar da China e pedisse o divórcio de lá mesmo. Era um idiota relapso.

- Gyul... – Seungyoun resmungou, despertando e coçando os olhos, em uma confusão típica de quem acaba de acordar. – Você demorou... Que horas são?

Ele olhou o celular e pulou do sofá, sabendo que teria pouco tempo para se arrumar antes de sair de casa.

- Eu sei, tive uma turma iniciante no último horário e acabou levando mais tempo do que imaginei. Esqueci da sua viagem. – ele se aproximou, mas viu o marido se afastar e encará-lo irritado.

- Esqueceu? Te falei hoje de manhã. Deixei a droga de um papel na geladeira também. Mas você ignora tudo o que eu falo quando não tem relação à suas aulas e coreografias. – esfregando o rosto com as mãos para espantar o resto do sono, não se deu conta que pisava na poça de vinho no chão. Ele queria gritar, xingar, brigar. Seu lado menos racional queria culpar Hangyul de tudo de errado que estava acontecendo entre eles.

- Igual você faz quando se tranca no estúdio o dia todo e esquece até que eu existo? – Hangyul rebateu – Eu posso ser um péssimo marido, mas não sou o único. Ou você achou mesmo que um jantar ia resolver todos os nossos problemas. – não podia esconder o quão cansado estava também.

Os dois se encaravam com raiva, mas permaneceram em silêncio depois daquela afirmação. Não estavam nervosos apenas com o outro, mas com eles mesmos, por isso se controlavam para não falar mais nada que pudesse não te mais volta, por mais que as palavras ecoassem em suas cabeças, os autodestruindo.

Foi Seungyoun quem tomou a iniciativa de falar, tentando não soar tão magoado quanto estava.

- Eu só queria um momento nosso. Queria conversar e entender o que está acontecendo. – ele não desviava os olhos dos de Hangyul, mostrando uma força que não sabia se tinha de verdade. – Não quero brigar... Não quero ir pra porra de outro país brigado com você. – ele engoliu seco. – Eu sei que não tenho sido a melhor pessoa nesse relacionamento, mas eu não sou o único. A culpa é de nós dois e a gente tem que sentar e conversar pra ter certeza que ainda estamos na mesma página dessa história. Pra eu ter certeza que você ainda pensa em mim do mesmo jeito que eu penso em você. Mas isso vai ter que esperar, porque eu preciso ir agora.

E ele foi. Deixou Hangyul na sala, sozinho, enquanto tomava um banho rápido e pegava suas coisas.

Eles não se despediram como de costume. Mal se olharam.

Ambos precisavam pensar antes de, finalmente, conversar.

Continua...


12 апреля 2020 г. 2:43:21 0 Отчет Добавить Подписаться
0
Прочтите следующую главу It's OK

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~

Вы наслаждаетесь чтением?

У вас все ещё остались 13 главы в этой истории.
Чтобы продолжить, пожалуйста, зарегистрируйтесь или войдите. Бесплатно!

Войти через Facebook Войти через Twitter

или используйте обычную регистрационную форму