Короткий рассказ
0
3.8k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

único

Suas emoções explodem uma a uma dentro desse vívido universo em tons pastéis que você tem se tornado aos meus olhos. É incomum. Tu quase sempre deixas apenas migalhas de confusão transparecerem por esses pequenos cílios, e apesar de recolher todas essas pequenas pedras que caem da bagagem pesada que carregas, ainda assim não sei o que lhe dizer para espantar essa agonia.

Lágrimas molham meu ombro esquerdo, e quando acordo da tal letargia vejo a mim mesmo chorando com (por) você. As palavras se esvaem. Desde o início, todo o nosso problema foi essa distância incômoda e cega a qual cada um se prendeu.

Foi desconfortável conversar contigo no princípio, e você não botou fé em nossa amizade até de fato, ver o quão próximos estávamos.

Nós nunca juramos nada um ao outro. Nossa confiança não precisou dessas promessas cegas.

“Eu já imaginei um ‘nós’, mas prometo que já parei com isso” Digo, enquanto a tarde se faz amarelada e tenho quase certeza de que tu não me olhas.

Minha covardia impede de falar na tua cara. Parece errado te ver assim. Não quero te manchar, afinal, você já carrega demônios demais.

“Tudo bem. Eu também já pensei nisso” E por algum motivo, você sorri. Não com os dentes à mostra, ou qualquer traço de ânimo maior. Tu és leve até nisso.

É como verde hortelã e azul claro.

Traz paz. Como o som do vento frio daquela parte escondida da ilha que só nós conhecemos.

E talvez seja comum esperar o clichê do beijo de amor verdadeiro, mas nenhum de nós o deseja, e ele não vem.

É o nosso modo de amar. É o que nos faz permanecer.

E está tudo bem assim.

25 февраля 2020 г. 17:56:47 0 Отчет Добавить Подписаться
0
Конец

Об авторе

Bar-t-t-tender pequena criatura invisível

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~