Like the first snow Подписаться

noveluas Tata C

Taehyung esperava pela véspera de natal todos os anos, mesmo que soubesse que para ele, ela não seria como para o resto de Seul. Mesmo que soubesse, que jamais poderia ter sua noite favorita de volta. Mesmo assim, o Kim ainda esperava pela véspera de natal e pela primeira neve. [taejin; bts]


Фанфик Группы / Singers 13+.

#lgbt #boyxboy #seokjin #taehyung #vjin #taejin
Короткий рассказ
1
1.8k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

I will go to you

Seokjin se encontrava parado, encostado entre a parede de uma loja de chocolates e uma de perfumes. Enrolado em cachecol branco e um casaco preto, o mais pesado que ele conseguiu achar no armário. Olhava para o relógio de cinco em cinco minutos. Afinal, Taehyung tinha prometido que estaria ali antes das cinco e já passava da cinco e quarenta. O loiro não era de se atrasar e isso só aumentava sua ansiedade.

Quase às seis, o moreno ouviu seu nome ser chamado ao longe. Procurou por entre as pessoas que vinham do fim da rua e depois olhou para o outro lado. Viu Taehyung acenando de longe, parecendo esbaforido, porém, muito animado. Diferente do dia anterior, em que o loiro tinha um bico estampado na cara e mal respondia as perguntas do mais velho.

Taehyung atravessou a rua apressado, chegou até o namorado mais rápido do se imaginaria possível e o surpreendeu com um abraço. Ali, no meio da rua lotada. Apenas o abraçou, afundou o rosto no pescoço e permaneceu ali por longos segundos. Seokjin se espantou, mas não conseguiria resistir ao mais novo, em nenhuma circunstância. Apenas deixou que ele demorasse o quanto quisesse.

— O que foi, Taetae? — perguntou quando o outro se afastou.

— Desculpa, hyung...

— Não precisa pedir desculpas, mas é que você tava meio bravinho ontem e hoje tá todo meloso — disse quase rindo.

— Ah! Não... não tô bravo não, na verdade, me desculpe — disse com o semblante sério. —, por qualquer coisa que eu tenha dito ou feito! Me perdoa, de verdade!

— Taehyung? — Levou uma das mãos até a testa do loiro. — Você tá passando bem?

— Jinnie! — reclamou. — Claro que sim, é que eu sei que não sou o melhor...

— Sh! Não quero ouvir! — Virou o rosto. — Não ouse dizer que não é o melhor namorado, Kim Taehyung!

— Aish...

— Mas chega desse papo estranho, nós viemos aqui ter um encontro de natal, não foi?

— Sim, vamos fazer tudo o que você quiser! Absolutamente tudo!

Seokjin sorriu largo para o namorado, que fez um grande esforço para não o abraçar de novo e lhe beijar. Queria mais que tudo poder o beijar, mas não poderia ser ali, teria que esperar. Mais um pouco do que já havia esperado.

Os dois saíram da avenida principal, caminhando tranquilamente, mesmo que as ruas estivessem cheias e o tempo frio. Os dois amavam o clima que a cidade tinha no natal, as lojas enfeitadas, uma ou outra com músicas natalinas. Famílias juntas, crianças animadas com seus presentes, os menus especiais dos cafés e restaurantes, além da possibilidade de nevar.

Seokjin amava quando nevava, criar anjinhos no quintal, fazer um boneco de neve e sentir os floquinhos caindo no rosto. Ele amava tudo sobre a neve, até mesmo dizia que podia sentir o cheiro da neve, antes mesmo que ela começasse a cair. E naquele dia, havia a promessa da previsão de que a neve finalmente chegaria, mas o Kim não mantinha as esperanças altas, seria sorte demais a primeira neve cair no natal.

¨¨

Taehyung agarrou a mão gelada do moreno assim que entraram em uma zona menos lotada. Entrelaçou os dedinhos nos dele e como uma criança balançou os braços. Sorriu divertido para o mais velho, que o retribuiu com facilidade, era impossível não sorrir ao ver o loiro sorrindo. Talvez fosse o detalhe preferido no outro, aquele sorriso largo, quadrado, doce e sincero. Era definitivamente o seu detalhe preferido.

— O que exatamente quer fazer? — perguntou.

— A fonte tá ligada e com luzes, deveríamos ir lá mais tarde! Por agora precisamos comer...

— Chocolate quente e bolo? — Ergueu as sobrancelhas, animado com a possibilidade.

— Jantar bolo, Kim Taehyung? — questionou sério. — Melhor impossível!

Os dois foram a cafeteria preferida, onde encontravam o bolo de frutas vermelhas, que julgavam como o melhor de toda Coréia. Tiveram alguma dificuldade em encontrar uma mesa livre, mas depois de alguma espera puderam aproveitar de uma ao lado da grande janela de vidro. Enquanto apreciavam o jantar não convencional de natal, olhavam para a rua cheia e seu movimento silencioso. Ao menos Seokjin observava o movimento.

Taehyung apenas tinha olhos para o mais velho. Observava cada detalhe, cada linha do rosto impecável, o brilho nos olhos, a delicadeza dos movimentos. Foi pego em flagrante quando Seokjin voltou o olhar para ele e o viu focado em si, sem ao menos perceber o que estava a sua volta. Mas não foi exatamente isso que o moreno reparou ao se voltar para o namorado.

— Seus olhos estão cheios de lágrimas... o que foi? — perguntou preocupado.

— Ei... nada! — Tentou desviar. — É que você é tão lindo que eu fico até emocionado!

— Tae! Não brinque comigo, se há algo errado, apenas me diz.

— Meu amor, nada está errado. Eu tô exatamente onde desejei estar, de verdade, você é tudo, absolutamente tudo — disse com a voz embargada, estava a ponto de deixar as lágrimas caírem, mas se segurou.

— Taehyung... eu amo você! — falou o olhando com carinho, não estava entendendo exatamente a emoção do mais novo, mas não poderia negar que sentia o mesmo. — Não tem outro lugar que eu queria estar, além de aqui, com você!

Depois das confissões repentinas, apaixonadas e emocionadas, eles terminaram o bolo em silêncio. Mas não um que fosse incômodo, mas tranquilo. Podiam ficar em silêncio o tempo que fosse, tudo estava bem, estavam juntos. Era tudo que importava para ambos, mesmo que a intensidade do que estavam sentido fosse desproporcional. Não por um desequilíbrio nos sentimentos, mas por razões que vão além da compreensão.

¨¨

O casal andou por quase todo o centro de Seul naquela noite. Entraram em um canto ou outro, de lojas ou bares, para trocarem um beijinho ou dois. Taehyung estava tendo dificuldades em resistir aos lábios vermelhos, que ficavam ainda mais convidativos com o tempo frio. Não que Seokjin tentasse resistir, esse nunca era o caso, talvez ele merecesse o título de “o pior em resistir às investidas de Kim Taehyung”. Ele aceitaria o título com muito orgulho, resistir era um desperdício de tempo, segundo ele mesmo.

Já passava das onze e meia quando chegaram até a fonte iluminada. Muitas famílias e casais se aglomeravam ali, Seokjin estava encantado com as águas que caiam de formas diferentes em segundos e com as cores brilhantes que as iluminavam. Mas o mais novo não queria ficar ali, em meio a tantas pessoas, naquele dia, naquele momento, ele precisava de um lugar mais afastado.

Pegou o namorado pela mão e o puxou para algum ponto mais afastado da fonte, onde ninguém tinha interesse em ficar. Seokjin não entendeu muito bem, mas não reclamou, de onde estavam, ainda poderia ver a fonte, ainda sentia a energia das pessoas e poderia ficar mais pertinho do garoto que tanto amava.

— Tae... tá sentindo? — disse, olhando para o céu, que não deixava nenhuma estrela ou lua a vista. Estava carregado.

— Sentindo o que? — perguntou, puxando o outro para si, envolvendo sua cintura com os braços.

— Neve — disse. —, cheiro de neve. — Sorriu para o loiro e uniu os lábios aos dele.

O selo foi longo, calmo e doce. Como sempre era. Como Taehyung se lembrava. Quando se separaram, Seokjin sentiu os primeiros floquinhos tocarem sua pele branquinha. Sorriu largo e riu. Riu porque era sorte demais, estar no natal, abraçado ao homem que mais amava, sentindo todo o clima natalino, vendo a primeira neve cair na cidade. Era bonito, era felicidade, era amor.

— Jinnie... — o chamou. — Olhe pra mim, só um pouquinho.

— Já é quase natal, Taetae! — disse o olhando.

— Sim. E eu preciso te dizer uma coisa.

— Okay!

— Nunca duvide, tá? Nunca duvide que eu vou estar com você, que eu vou lembrar de você, que eu vou amar você... nada mais importa. Só se lembre disso, tenha certeza disso. Mesmo quando o céu parecer estar caindo, quando o verão parecer distante demais. Eu vou amar você, seja hoje, seja amanhã ou no natal que vem. — As lágrimas caiam involuntariamente. A voz grossa saindo falhada.

— Tae... — Não conseguiu falar nada. Não pensava em nada, Taehyung estava mais intenso do que jamais vira, não sabia lidar com aquelas palavras.

Seokjin abraçou o namorado mais uma vez, uma última vez. Demorado, apertado, saudoso. Ao menos para um deles. Não perceberam quando o relógio bateu as doze badaladas, não perceberam quando as pessoas começaram os murmurinhos de felicitações. Não perceberam que aquele dia acabara, que a neve não pararia, muito menos o tempo.

¨¨

Taehyung abriu os olhos mesmo que sua mente pedisse para não o fazer. Ele estava em frente a fonte, não havia mais água ou luzes brilhantes. Já não era mais véspera de natal, nem mesmo era dois mil e treze. O dia de natal estava pálido e gelado, como sempre foi. Mas em especial, aquele parecia um pouco mais. O loiro se sentou por um momento, no chão beirando a fonte e deixou que o choro lhe tomasse. Chorou, soluçou, reclamou com Deus, com o cosmos e sentiu o peito doer mais uma vez. Demorou o tempo necessário para que as lágrimas fossem embora, ao menos o suficiente para que ele pudesse enxergar de novo.

O Kim se levantou e olhou uma última vez para a praça. Voltou a caminhar e foi até o carro preto que deixou estacionado na rua de trás. Não ligou o rádio, apenas dirigiu para onde deveria ir naquele dia. Passou pelas paisagens bonitas, branquinhas pela neve, até que chegou ao campo aberto, cheio de árvores, agora secas. Antes de fechar o carro, abriu a porta de trás e retirou um grande buquê de flores de Edelweiss.

Caminhou por alguns minutos, até que encontrasse a lápide próxima a uma grande cerejeira. Antes mesmo que chegasse até ela, as lágrimas tomaram os olhinhos novamente. Taehyung se agachou em frente ao local, com a placa de bronze, que dizia — Kim Seokjin, o nosso amor. Deixou as flores ao lado e se sentou, como fazia toda semana, como fazia todo natal.

— Meu amor... — começou, mas foi interrompido pelo choro. — Eu consegui de novo. Consegui ir te ver mais uma vez — disse, enxugando o rosto. —, dessa vez eu te convenci a jantar nosso bolo de frutas...

O mesmo choro teimava em voltar e Taehyung não conseguia mais contar como fora aquela véspera de natal. Talvez não em voz alta, mas em sua memória, cada véspera de natal depois de dois mil e treze, eram mais especiais, cada vez mais. Seokjin foi obrigada a deixa-lo antes do natal de dois mil e quatorze. Não teve tempo de sentir o cheiro da neve daquele ano e não pode ir encontrar o mais novo no centro de Seul.

Naquele ano, a última coisa que a doença lhe permitiu dizer, Taehyung jamais esqueceria:

“Meu Taetae, nunca se esqueça de mim, sim? Não se preocupe, eu vou vir até você, de várias formas, das mais bonitas que eu conseguir. Mas de uma delas você pode ter certeza. Eu virei até você, Taehyung, como a primeira neve. Tudo bem? Apenas espere, perceba o cheirinho dela, perceba o céu, deixe seu rosto para cima e sinta quando eu cair gentilmente sobre seu rosto. Eu vou te amar assim, de agora em diante.”

Taehyung esperou pela primeira neve, como uma criança espera os pais voltarem para casa, como uma mãe espera o nascimento de um filho, como uma senhora espera o marido voltar de uma guerra. Uma espera ansiosa, feliz e sem esperança. Seokjin não poderia voltar, e tudo que lhe restava era recriar aquela última noite de natal, esperar a primeira neve cair e sentir que seu amor estava ali de novo.

O Kim amaria cada detalhe deixado por Seokjin naquela cidade, em sua casa, em seu corpo, amaria cada detalhe que conseguia se lembrar e guardariam em cada pedacinho de sua memória o homem que mais amou. Mesmo que não pudesse mais tê-lo ali, ele daria um jeito de sentí-lo, assim como ele lhe prometeu. O natal poderia ter se transformado no dia mais melancólico da vida do Kim, mas não foi o caso. Nada poderia ser melancólico quando se tratava de Kim Seokjin, tudo era apenas, bonito, tranquilo, divertido, tudo era apenas amor.

Seokjin era amor e sempre seria o amor da vida de Kim Taehyung.

23 января 2020 г. 18:17:18 2 Отчет Добавить 3
Конец

Об авторе

Tata C Tata, 25y

Прокомментируйте

Отправить!
Isis Isis
POR QUEEEEE eu vim aqui toda felizinha por ver uma TaeJin, pensei que sairia daqui quentinha (mesmo com toda a neve e tals) mas TO CHORANDO 😩😩😩 então eu pergunto POR QUE????? Foi uma história muito bonita de imaginar visualmente e mesmo que meu coração esteja quebrado com o pano de fundo da história, realmente foi um amor

  • Tata C Tata C
    aaaaa eu sei q quebrei o coração de todo mundo, mas nossa, eu tinha q fazer uma taejin inspirada na trilha sonora de goblin. que bom que gostou apesar de tudo hahah January 30, 2020, 16:21
~