E
Evyeer .


Bilhetes marcavam o lugar, e segredos eram mantidos lá, afinal, ninguém poderia saber que Park Jimin e Jeon Jungkook gostavam de cada segundo que passavam dentro daquela pequena sala em reforma esquecida, da adrenalina de correrem o risco de serem pegos, e principalmente, do prazer envolvido a cada encontro. |Antigo user: EveDreams / Park Laye; |Wattpad: Evyeer;


Фанфик Группы / Singers 18+.

#pwp #jikook #kookmin #bts #fanfic #yaoi #hot #+18 #híbridos #shortfic
2
5.1k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Ninguém pode saber.

“O mesmo lugar, na mesma hora.”


Um bilhete aparentemente confuso e sem nexo para grande parte das pessoas que o lessem, caso o mesmo caísse em mãos erradas. Mas essa era a intenção desde o início, afinal:


Ninguém poderia saber.


Ambos sabiam disso, sendo assim, tinham total ciência de que aquilo era “errado” desde o início. Mas aparentemente, nenhum deles estava disposto a parar, e sendo sinceros consigo mesmos, nem queriam.

Os dois gostavam de cada segundo que passavam naquela pequena sala em reforma esquecida, gostavam da adrenalina de correrem o risco de serem pegos, adoravam quebrar as regras. E, principalmente, do prazer envolvido a cada encontro.

Quando Jeon Jungkook entrou naquele colégio, ele acreditava estar preparado para tudo, principalmente para os olhares, tanto os de inveja quanto os de desejo. Ele não culpava ninguém por conta disso, sabia que sua espécie era rara, poderia até mesmo dizer que gostava disso.


Afinal o garoto era um híbrido de Leão.


Um ser que de fato era digno de admiração. Jungkook tinha cabelos sedosos, um olhar marcante e um porte físico forte. Tudo em si era convidativo, ele sabia disso, sendo assim, estava certo de que sua chegada em um novo colégio não seria diferente das demais.

Entretanto, estava errado, pois nunca imaginou que encontraria outro de sua espécie naquele lugar.

Os demais alunos ficaram eufóricos com a notícia da chegada de Jeon, sabiam que híbridos de leão eram extremamente territoriais e esperavam que no mínimo algumas brigas ou troca de palavras ríspidas fossem ocorrer. De fato ocorreram, mas não do jeito que todos imaginavam, pois enquanto os demais alunos estavam em suas devidas salas de aula, Park Jimin e Jeon Jungkook se encontravam dentro da sala do antigo prédio da instituição, onde de fato “brigavam pelo comando”.

Jeon tentava manter Jimin parado, enquanto o mesmo insistia em rebolar lentamente sobre o colo alheio, arrancando do mais alto gemidos involuntários que serviam apenas para motivar ainda mais o Park. Este que sorria contra o pescoço do outro.


— Nós precisamos parar. — disse ofegante, o mais alto apoiava-se contra a antiga mesa do professor, tentando falhamente manter Jimin parado.


— Já ouvi isso antes. — disse ele, sorrindo contra a pele alva de Jungkook. Atrevido, depositou um beijo singelo no local, mordendo-o logo após, enviando uma onda de dor pelo corpo de Jeon que grunhiu em resposta, amenizando sua expressão penosa após sentir Jimin lamber o lugar posteriormente ferido. A dor fora prontamente substituída pelo arrepio que sentiu com aquele contato.


— Jimin, e-eu vou ficar noivo. — disse de uma vez, antes que o loiro conseguisse acabar com o pequeno fio de sanidade que lhe restava.


Jimin parou, e Jungkook respirou fundo, sem saber ao certo se era por alívio ou apenas frustração. Finalmente teve a atenção do outro, mas estava frustrado pelos movimentos do quadril alheio e as carícias terem parado.


— De quem? — Jimin se afastou, o suficiente para poder fitar o mais alto.


— Não sei, meus pais me disseram ontem que encontraram alguém. — Foi sincero, e por mais que não admitisse, Jimin sabia que Jungkook não estava nem um pouco feliz com aquilo. Mas entendia que contar para os pais que estava se relacionando com alguém da mesma espécie, era tão complicado quanto.


— Tudo bem. — respondeu simplista, deixando o moreno confuso ao se afastar de seu tronco.


— Tudo bem? — Por aquilo ele não esperava, conhecia o Park e esperava qualquer outra reação, menos aquela.


Menos a aceitação.


— Claro, não é como se eu pudesse impedir, não é mesmo? — Ambos sabiam que esse momento chegaria, hora ou outra teriam que dizer “adeus”, mas Jimin não perderia aquela oportunidade de ter Jungkook.


Se aquela era a última vez que se encontrariam naquele lugar, que fosse para valer a pena.


Então calmamente Jimin saiu do colo de Jungkook, este que ainda se sentava na beirada da mesa, estando agora de pé em sua frente entre suas pernas. Jungkook poderia perguntar se aquilo era sério ou não, se Jimin iria realmente virar as costas e o deixar para trás, perdendo aquele último momento que teriam juntos, mas antes que pudesse dizer algo, reparou no olhar do mais baixo.

Ele conhecia melhor do que ninguém aquele olhar, como também o sorriso ladino que tomou conta dos lábios de Jimin, expressão que não demorou muito tempo para ser refletida na face do próprio. Se por algum momento estava com dúvida de que Jimin havia saído de seu colo para ir embora, tal questionamento acabará de sumir nesse exato momento.


— Eu espero, Jungkook, que ela saiba te tocar como eu… — começou, passando as mãos pelas coxas fortes do moreno, subindo do joelho, indo em direção ao local que implorava por atenção desde que Jimin começou a rebolar sobre si, apertando vez ou outra a pele coberta pelo tecido do uniforme sem deixar de encarar Jungkook durante o processo.


— Espero que ela saiba te deixar duro como eu deixo… — Nesse momento suas mãos que estavam próximas demais do volume da calça de Jeon, tomaram outro rumo, de forma que somente os polegares roçaram o local, enviando uma pequena onda de prazer para o garoto que sentiu seu membro pulsar. Jeon apenas apertava as laterais da mesa, assistindo e aproveitando das provocações que recebia.

O instinto falava mais alto que a razão. Jungkook, com seu lado teimoso, queria mostrar ter o controle sobre si. Já Jimin, provar que poderia tirar-lo.

Mas a sanidade duraria pouco e os dois sabiam…


A questão era: por quanto tempo?


Jimin se aproximou mais, analisando a expressão convencida de Jungkook como se ele silenciosamente lhe dissesse: — Só darei o que você quer, quando, e se eu quiser.


Park então sorriu, e deu um passo para frente, estando agora com seu peito praticamente colado ao de Jeon. Então aproximou-se de sua orelha e continuou em baixo tom, sem nunca parar as carícias em suas coxas.


— Espero que ela grite o seu nome melhor do que eu quando gozar, Jungkook-ah.


— Espero… — afastou o rosto dali depois de mordiscar o lóbulo de sua orelha, estando cara a cara com o moreno, extremamente próximo, de forma que Jungkook podia sentir o hálito de Jimin se chocar contra sua própria boca, — extremamente tentador. Pensou, antes mesmo de Jimin continuar a frase — … Que ela saiba te beijar tão bem quanto eu.


Nesse momento, Jimin deixou um pequeno selar no canto dos lábios de Jeon, este que sorriu com o gesto, como se dissesse: — É só isso que você tem?


— Ah, Jungkook-ah, eu também espero que ela te aperte bem gostoso, como eu te aperto na hora em que você me adentra. — Nesse exato momento Jimin de fato o tocou, a mão do mais baixo envolveu o volume doloroso de Jungkook em uma carícia suave e o moreno estremeceu, fechando os olhos logo em seguida, se deliciando com as carícias que recebia.


Ele não estava preparado para o que viria a seguir…


— Eu espero Jungkook, que ela te chupe tão gostoso quanto eu. — Assim que ouviu aquela frase, abriu seus olhos há tempo de ver Jimin já agachado entre suas pernas, depositando um beijo no local antes de começar a desfazer o fecho da peça de roupa.

Sorriu.

Entre todas as coisas que já haviam feito naquela sala, ter a boca de Jimin sobre si era uma das partes favoritas de Jungkook, que na intenção de ajudar o Park em sua tarefa, levantou brevemente o quadril da mesa, para que o menor pudesse puxar a peça de roupa com mais facilidade.


Jungkook observou atentamente cada movimento, desde o mais simples piscar de olhos, até o momento em que os dedos ágeis de Jimin o envolveram. Estremeceu, haviam passado tempo demais juntos, e o Park sabia exatamente o que fazer para ganhar os mais belos gemidos de Jungkook. O moreno lutava para manter os olhos abertos a medida que Jimin iniciava um vai e vem lento, ao passo que rodeava sua glande com o polegar de forma calma.

Era delicioso e torturante…

Era excitante.

Porém, não durou muito, Jungkook queria mais e se Jimin queria tirar o moreno do sério, ele havia acabado de conseguir, pois o pequeno fio de sanidade que ainda lhe restava se foi assim que a língua alheia o tocou.

Jeon levou uma das mãos até aos fios loiros de Jimin, segurando com firmeza para impulsionar o quadril para cima. A posição era desconfortável mas nada mais importava, ele queria mais contato, queria ir mais fundo e não pararia até ouvir o som familiar de Jimin engasgando com tudo o que tinha.

Jeon desceu da mesa e se colocou de pé, Jimin sabia exatamente o que viria a seguir. Ele havia conseguido. Relaxou então a garganta e deixou que Jungkook se movimenta-se, apoiando as mãos nas coxas tão desejadas do moreno enquanto se esforçava para engolir todo o membro de Jungkook. Cada vez que o mesmo se impulsionava para frente, chupava o quanto conseguia, deixando vez ou outra que seus dentes entrassem em contato com a região sensível e excitada, recebendo em troca os gemidos que tanto amava.


— Porra Jimin… Isso… Engole tudo… — aprovava enquanto continuava a se movimentar, poderia, e gozaria daquela forma… Mas não era o que faria.


Com o punho cerrado em meio aos fios loiros, Jeon afastou Jimin de si, este que gemeu pela dor em seu couro cabeludo olhando para cima. Agraciando Jungkook com uma das cenas que mais amava, Jimin com os lábios inchados e a respiração falha, extremamente próximo ao seu membro enquanto um pequeno filete de baba os conectava…


— Gostoso pra caralho… — disse antes de obrigar Jimin a se pôr de pé, para então o prensar contra a mesa em que antes se sentava.


— Sabe o que você fez, Jimin? — perguntou enquanto fitava a boca dormente do loiro.


— Eu espero que eu tenha acabado de garantir uma cadeira de rodas pelas próximas semanas, Jeon. — provocou com a voz falha, e em resposta pode ouvir a risada rouca de Jungkook. O moreno afundou o rosto na curva de seu pescoço, onde se concentrou em marcar cada pedacinho possível daquela área, enquanto que suas mãos foram de encontro a cintura de Jimin, este que gemeu ao sentir o aperto forte de Jeon sobre si, sorrindo ao sentir as mãos do moreno irem até sua bunda,onde apertou com vontade uma das partes que mais amava no loiro.


— Porra, Jungkook… — Jeon o levantou, Jimin não precisou de um convite para envolver sua cintura com as pernas, antes que fosse posto sentado na mesa atrás de si.


— Provocou… — puxou Jimin bruscamente, fazendo com que os seus quadris se chocassem — Agora aguenta.


— Hum… — Jimin começou a rebolar, causando uma deliciosa fricção entre ambos, os dedos de Jungkook o apertavam com tanta força que Jimin sabia que ficaria marcado, mas adorava aquilo. Precisava de mais.


— Acho que você mais fala do que faz, Jungkook-ah. — disse travesso. — Eu ainda estou completamente vestido.


— Mas já está duro sem eu nem ter te tocado de verdade. — rebateu, e antes que Jimin pudesse falar algo, Jeon puxou a camiseta do alheio arrebentando alguns dos botões no processo.


— Caramba, Jeon… — Jungkook o calou, Jimin não recusaria desfrutar daquele beijo, não havia delicadeza ali. Nunca houve, aquilo era desejo, vontade, luxúria.

Nenhum dos dois queria perder mais tempo, estavam ofegantes quando o ósculo teve fim e Jimin se apressou em livrar Jungkook da camiseta que usava, enquanto que o mesmo se empenhava em remover a calça de Jimin.


— Gostoso demais. — disse quando finalmente livrou-se — com alguma dificuldade — da peça de roupa, juntamente com a box branca que usava, tendo por fim o contato direto que tanto gostava com a bunda farta de Jimin…


Céus… como amava aquela bunda.


— De quatro pra mim, Jimin. — Não era um pedido, Jimin obedeceu quase que imediatamente, subiu na mesa e apoiou as palmas das mãos no meio do móvel, firmando os joelhos próximos a beirada, dando total acesso a Jungkook, para que ele fizesse o que bem entendesse.


— Que delicia, Jimin… — começou acariciando uma das suas nádegas.


— Tão branquinho… — Um tapa — É como se implorasse para ser marcado.

Outro tapa e a pela alva passava a ter agora um tom avermelhado.


— A-Ah…


— Você gosta, Hyung?


— M-Muito, Ah!...

Outro tapa.


Jungkook, sem se conter, com ambas as mãos estando uma de cada lado de suas nádegas, as afastou, tendo a visão privilegiada da entrada rosada de Park, esta que implorava por atenção.


— Nunca vou me cansar disso… — Jimin escutou a declaração, mas antes que pudesse responder, sentiu a língua de Jungkook o tocar, rodeando sua entrada.


— A-Ah! — estremeceu, passando a apoiar seu corpo com os antebraços na mesa, enquanto se deliciava com os movimentos habilidosos da língua do mais novo sobre si.


Jungkook forçou a língua naquela região, ao passo que apertava Jimin de forma possessiva. Marcaria o mais velho inteiro, mas não tinha pressa para isso. No momento apenas se concentrava nos gemidos que ganhava.


— Caramba, J-Jungkook-ah, isso…


Jimin se empinava cada vez mais em busca de mais contato, aquilo levava Jeon a loucura, queria sentir aquela região apertando outra coisa que não fosse sua língua. Sendo assim, afastou-se excitado, e antes que Jimin pudesse protestar, sentiu o membro de Jungkook o provocar.


Jimin não sabia se amava ou odiava quando Jeon fazia aquilo, brincava com sua entrada, ameaçando o penetrar diversas vezes apenas para pincelar seu membro naquela região.


Ficaria louco…


— Jungkook! Por favor, anda logo!


— Não sei se te ouvi, Hyung… — poderia ser apenas provocação, mas de fato Jeon não sabia se tinha ou não entendido a frase, uma vez que estava entretido demais observando aquela cena tão suja entre seus corpos.


— Me fode, Jeon.


Ah… Isso, com certeza, ele ouviu.


— Com prazer. — forçou seu membro contra a entradinha rosada de Jimin, se deliciando ao se ver ser sumindo dentro dele.


— AH! Porra…


— Caralho, Jimin. Tão apertado… — gemeu, sentindo o interior de Jimin o envolver, não importava quantas vezes tinham feito aquilo. Jimin continuava apertado.


— Tão gostoso… — Jeon anunciou antes de começar a se mover, praticamente saindo do Park para então se impulsionar para frente e entrar novamente com força, indo o mais fundo que podia.


— H-hum... — grunhiu, enquanto Jimin apenas abriu um pequeno “O” em seus lábios, em um grito mudo. Ambos gostavam daquela forma… Fundo, forte, bruto.


E não pararam por aí. As estocadas continuaram uma mais forte e rápida do que a outra, até que Jeon finalmente encontrou o ponto certo dentro de Jimin.


— Isso! Ah, caralho Jeon, bem aí… — Jungkook havia acabado de acertar a próstata de Jimin. E se empenhou em continuar a acertar aquele lugar, e cada vez que conseguia, Jimin contraia involuntariamente sua entrada, apertando Jungkook dentro de si.


O aperto que Jeon mantinha nas nádegas de Jimin se desfez apenas para que pudesse ter suas mãos livres para dar mais uma palmada na pele antes alva do menor, para então se acomodarem na curva da cintura alheia. Queria Jimin parado, mas o mesmo insistia em rebolar contra si, chocando sua bunda contra a pélvis do mais alto.


— A-Ah…. — Jimin não aguentaria por muito tempo, Jeon sabia disso, mas não queria acabar com tudo agora, então saiu de dentro do Park e rapidamente o mudou de posição, deixando Jimin agora deitado de costas sobre a mesa. Jeon sorriu malicioso com aquela cena.


Tinha diante de si, Jimin excitado, com alguns fios de seus cabelos colados em sua testa pelo suor, e as pernas totalmente abertas para si. Ele poderia passar horas vendo aquilo, mas Jimin não queria ser apenas observado.


— Vai ficar só olhando? — perguntou, com a voz rouca, levando a mão até a própria excitação, movimentando sua destra lentamente enquanto sorria para Jeon, este que umedeceu os lábios diante daquilo. Jimin já havia se masturbado na frente de Jeon diversas vezes e o garoto sabia que nunca se cansaria disso.


— Terei que me foder sozinho, Jeon? Não é homem o suficiente para terminar o que começou?


Odiava ser desafiado, detestava ter seu ego ferido, em uma ocasião comum, foderia Jimin de forma bruta em forma de punição, mas nesse exato momento, algo lhe veio à mente:


É a última vez…


Jeon não era o tipo de pessoa que chorava, não era nenhum pouco sentimental. Porém sabia que os dois já haviam fodido de forma bruta tantas outras vezes, que nem se quisesse, poderia contar. E se aquela seria a última vez que veria Jimin, daria a ele a experiência completa, nem que se fosse por pouco tempo.


— Jeon? — Park havia notado a mudança de olhar do mais alto, o que antes era apenas um olhar de puro desejo e brutalidade, havia se transformado em algo intenso, algo que o garoto era incapaz de decifrar.


Algo havia mudado.


Jeon não respondeu, apenas fitou o corpo alheio querendo gravar cada detalhe antes de puxar uma das pernas de Jimin para si e depositar um beijo em seu tornozelo. Jimin observava a cena com atenção, apoiando seu corpo em seus cotovelos, permitindo-se apreciar a trilha de beijos que Jungkook depositava na extensão de sua perna. Estava intrigado.

Hipnotizado, era incapaz de desviar o olhar, até mesmo no momento em que Jeon aproximou a boca de sua excitação e o lambeu.


— H-Humm…


Adorava a língua de Jungkook, não importava onde. Assistiu o mais novo depositar alguns beijos naquela região sensível, antes que ele se afastasse, continuando com sua trilha, alternando entre chupões, mordidas e beijos até chegar em seu pescoço, onde se demorou um pouco mais.


— Caramba, Kookie… — gemeu, era extremamente sensível naquele lugar, adorava receber aquele tipo de carícia.


Jungkook sabia. Mas mesmo assim afastou a boca dali para então tomar os lábios de Jimin para si. Não em um beijo apressado, e sim em um ósculo mais calmo. Queria memorizar o gosto de sua boca, a forma como suas línguas se entrelaçavam e o morder de lábios logo ao final ,quando a respiração se fazia necessária.


— Vou sentir falta. — admitiu, deixando Jimin sem palavras pela primeira vez em muito tempo, mas antes que o mesmo pudesse processar o que acabara de ouvir e formular uma resposta, Jeon o penetrou novamente, dessa vez lentamente, em uma tortura deliciosa para ambos.


Não estavam acostumados a ir com calma. Aquela sensação de ser preenchido lentamente levou Jimin aos céus em poucos segundos, Jeon começou novamente suas estocadas, indo tão fundo quanto podia, aproveitando o que aquela posição em que estavam que lhe permitia. Jimin entrelaçou as pernas em torno da cintura de Jeon e passou a rebolar conforme era penetrado, aumentando a sensação e o atrito que sentia em seu membro quando roçava no abdômen definido alheio.

Os movimentos alternavam, ora rápido, ora lento. Prolongando as sensações e o momento até que finalmente atingiram o clímax, Jimin primeiro, já que não conseguiu se conter quando sua próstata fora atingida novamente, e Jungkook logo em seguida, aproveitando das contrações involuntárias do orgasmo do loiro para dar suas últimas estocadas e se desfazer dentro do Park.

Alguns minutos se passaram. Ambos em silêncio e ofegantes, não sabiam ao certo o que dizer, então apenas permaneceram assim enquanto se separavam e voltavam a se vestir.


— Sabe que isso não precisa acabar. — Jimin foi o primeiro a falar, abotoava a camiseta com os botões que restaram, enquanto observava as costas largas de Jeon que já terminava de se vestir.


— Sabe que não podemos continuar.


— Poderíamos tentar.


— Sabe que as coisas não são fáceis assim Jimin, nós dois sabíamos que esse momento chegaria quando tudo isso começou.


— E…?


— E que eu não quero ser a causa de sua vida ir ladeira abaixo. Sabe o que vai acontecer se levarmos para fora desta sala o que acontece aqui. — Jimin sabia, seria deserdado, mal visto, muito mais do que o próprio Jeon. Ele era o híbrido passivo, e isso jamais seria aceito em sua espécie como o próprio relacionamento entre os dois.


Híbridos de Leão são másculos, fortes, machos, desejados e… Héteros.


— Jeon…


— Tudo o que é bom um dia acaba, Jimin. Eu tive a sorte de te conhecer. — disse, aproximando-se de Jimin.


O beijou com calma, explorando a boca alheia pela última vez, pouco preparado para dar fim a melhor coisa que que já havia acontecido em sua vida.


— Obrigado, por tudo. — disse, por fim, saindo da sala, fechando a porta atrás de si, deixando toda uma “história” para trás.


— Eu não posso… — respondeu em voz alta, para ninguém em especial, ele não choraria e nem se abateria. Era teimoso, e não deixaria que as coisas acabassem assim…


Não deixaria Jeon se casar.

Não poderia.

18 января 2020 г. 18:46:29 0 Отчет Добавить Подписаться
3
Прочтите следующую главу E se eu quiser que eles saibam?

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~

Вы наслаждаетесь чтением?

У вас все ещё остались 1 главы в этой истории.
Чтобы продолжить, пожалуйста, зарегистрируйтесь или войдите. Бесплатно!

Войти через Facebook Войти через Twitter

или используйте обычную регистрационную форму