suximy Karolayne Feijó

Por não se sentir bem com os feriados de final de ano, Kim Taehyung havia decidido deixar de comemorá-los, porém, no dia 31 de dezembro, ele recebeu a visita inesperada de seu antigo amor, Jeon Jeongguk.


Фанфик Группы / Singers Всех возростов.

#romance #lgbt #bts #jungkook #vkook #taekook #kookv #taehyung #jeongguk
Короткий рассказ
1
3.8k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Jeongguk ainda espera por você - Capítulo único

Com a chegada do mês de dezembro, a grande maioria das pessoas decoram suas casas com enfeites e luzes brilhantes, montam suas árvores de natal e compram presentes uma para as outras. Todos a minha voltam estavam fazendo seus planos: onde iriam passar o natal e o ano novo, quem convidariam, qual roupa iriam usar.


Você já sabe pra onde vai no natal?”

“Já começou a decorar sua casa?”

“Vamos fazer um amigo secreto?”

“Não quer passar o ano novocomigo e minha família?”


Milhares de perguntas eram feitas a mim em todos os dias de dezembro, perguntas as quais eu não aguentava mais ouvir. Não, eu não queria participar de um amigo secreto estúpido. E não, eu não queria passar o natal ou o ano novo cercado de pessoas desconhecidas. Eu simplesmente queria ficar sozinho.

Fazia anos desde que a magia de final de ano havia acabado. Dei tudo de mim enquanto cursava minha faculdade, fiquei tão obcecado, colocando os estudos acima de tudo, até que consegui uma bolsa para cursar os três últimos semestres na melhor universidade da capital, que ficava a dez horas de distância da minha cidade. Todo o meu esforço felizmente acabou gerando resultados, os quais, após terminar de estudar, consegui um emprego em um dos mais renomados escritórios de advocacia da cidade.

Eu não me empolgava mais com datas comemorativas pelo simples fato de que eu sempre estive ocupado fazendo coisas que, até então, eu achava mais importantes. Eu pensei tanto nos estudos e no trabalho que sequer percebi quando deixei minha família e todos que me cercavam de lado.

Somente no último ano que passou que notei que havia aberto mão de muitas coisas para chegar até ali, coisas que bem lá no fundo eu gostaria de ter de volta. Não sei dizer exatamente quando foi a última vez que conversei direito com meus pais para saber se estavam bem, apenas trocamos um feliz natal vazio dias atrás e, provavelmente, daqui algumas horas trocaríamos apenas mensagens de ano novo. Quanto aos meus dois irmãos, volta e meia faziam chamadas de vídeo comigo já que a maior parte do tempo eu estava trabalhando, então não tinha muito tempo livre.

Ah, eu sentia falta deles demais, sentia falta da minha cidade, sentia falta de um antigo amor que não tive a chance de desfrutar direito. Se eu pudesse voltar ao passado, é provável que eu faria as coisas diferentes, não abriria mão das coisas que tenho agora, mas pelo menos teria aproveitado mais aqueles que sempre estiveram a minha volta.

Talvez agora eu pudesse estar casado e, quem sabe, com meus irmãos morando perto de mim.

Eu chamo de antigo amor, mas a verdade é que eu o amo até hoje. No início, ele era apenas aquele garoto irritante de dezesseis anos que me enchia o saco até me deixar irritado, mas aos poucos ele foi conquistando meu coração de uma forma inexplicável. Ele passava as noites acordado comigo apenas me vendo estudar até que em uma delas um beijo casto aconteceu. E, a partir dali, vivi os meses mais felizes da minha vida.

Seu nome era Jeon Jeongguk, ele tinha a pele tão branca quanto o a neve que caía no mês de dezembro, seus cabelos eram tão negros quanto a escuridão das noites que ele passava em claro comigo e, o mais especial, seus olhos brilhavam como fogos de artifício cada vez que ele estava junto de mim.

Ele, sem dúvidas, era a pessoa mais importante que havia aparecido em minha vida.

Mas, tudo durou pouco tempo. Após terminar o sétimo semestre, deixei tudo o que tinha para trás com a promessa de que, assim que terminasse os estudos, voltaria. Deixei um Jeongguk esperançoso para trás, um Jeongguk que me mandava mensagens ao acordar e antes de dormir. Isso durou até eu terminar a faculdade e, quando ele achou que eu iria voltar, eu consegui meu emprego. Então, conforme o tempo foi passando, cada vez eu fui mais deixando de responder as mensagens, não atendia as ligações... E nem percebi quando deixei de falar com meu namorado.

Há alguns meses, mais especificadamente no meio do ano,em uma chamada com um dos meus irmãos mais velhos, Namjoon, ele fez um breve comentário sobre Jeongguk que fez meu coração queimar como fogo.E foi naquele momento que eu nunca mais consegui ficar sem pensar nele. Antes, enquanto estudava ou trabalhava, Jeongguknunca passava pela minha cabeça, mas agora, eu poderia estar fazendo mil e uma coisas que ele continuava ali.

Quando você vai vir nos visitar?perguntou meu irmão do outro lado da linha.

Você sabe muito bem que eu não tenho tempo pra isso.

Cara, não esqueça que ainda somos a sua família.

Nem se eu quisesse vocês iriam deixar de ser minha família... Se querem tanto me ver, por que simplesmente não me visitam?

E por acaso já fomos convidados para ir aí? Nunca.

Não me enche, Namjoon.

Você age como se não se importasse, mas eu sei que no fundo você só não tem coragem de voltar depois de todo esse tempo. Acorda pra vida, mano!

Como se fosse simples assim.

É simples, você que dificulta tudo, Taehyung.Ficamos alguns segundos em silêncio até ele resolver continuar.Jeongguk ainda espera por você.

Depois de todos esses anos?

Depois de todos esses anos.Ao ouvir sua resposta, lágrimas silenciosas começaram a escorrer de meus olhos.

Pois ele não deveria. Eu estraguei a vida dele.

Não, maninho. Você estragou a sua e ele só está esperando a oportunidade de você o deixar te ajudar a consertá-la.Simplesmente não consegui mais respondê-lo.


Meio assustado acordei. Lágrimas grossas desciam de meus olhos. Eu havia sonhado com Jeongguk de novo, igual a todos os outros dias de dezembro. O inverno me lembrava ele, o natal e o ano novo me lembravam ele, e os fogos de artifício me lembravam ele. Eu odiava essas coisas, mas ele me fez aprender a amá-las.

Sequei minhas lágrimas e olhei em volta. Estava tudo escuro, ao que tudo indicava, já havia anoitecido. Meu corpo estava gelado e minhas costas doíam bastante, eu tinha adormecido em cima da mesa enquanto analisava um processo que eu estava trabalhando; por sorte, eu não tinha molhado nenhuma das folhas. Eu estava me sentindo um verdadeiro adolescente por estar chorando assim. Logo, coloquei um casaco bem grosso e liguei a tela do meu celular para ver o horário.

23 horas e 45 minutos do dia 31 de dezembro de 2019. Faltavam apenas quinze minutos para um novo ano começar, isso me deixava mais triste ainda. Seria mais um ano sem Jeongguk comigo.

Passei as mãos em meus cabelos e os segurei com força. Eu arrancá-los, queria gritar, queria tirar toda essa dor do meu coração. Não era possível que eu poderia ter sido tão burro. Eu coloquei o meu tudo fora. Ah, como eu odiava o ano novo.

Eu, definitivamente, queria morrer. Do que adiantava ter tantos bens e ser vazio por dentro?

De relance, em meio as lágrimas que começaram a descer novamente, vi um envelope no chão próximo a porta. A quanto tempo aquilo estava ali? A passos lentos fui de encontro ao mesmo. Não havia nada demais além de um “Para Kim Taehyung” escrito a mão.

Eu conhecia aquela letra.

As pressas e de qualquer jeito o abri. Havia uma pequena carta dentro.


Os meus natais e anos novos não têm sido a mesma coisa sem você, a minha vida nunca mais foi a mesma coisa depois que você se foi. Mas, como eu te prometi, continuei te esperando. Não sei se em algum momento você deixou de me amar, mas eu ainda te amo com todas as minhas forças. Só que agora eu estou cansado, Taehyung. Cansado de esperar. Essa, provavelmente, vai ser a última tentativa de falar com você. Eu queria que, antes de 2019 acabar, você se desse a oportunidade de viver esse amor novamente.”


Eu não conseguia ler uma palavra sequer sem molhar o papel com minhas lágrimas. Eu o abandonei, mas ele nunca havia me abandonado. Jeongguk era a pessoa mais incrível desse universo. Mas, eu não podia fazer isso com ele. Ele merece uma pessoa muito melhor que eu, um Taehyung quebrado só iria trazer tristeza para sua vida.

Escorado na parede e com o rosto escondido entre os braços, eu segurava aquela carta com todas minhas forças. Essa seria minha última lembrança dele. Eu o amava tanto a ponto de eu mesmo enxergar que eu não era merecedor de todo esse amor.

Então, virei o papel para ver o verso. Haviam mais algumas palavras escritas e as li em voz alta.


“Eu sei que você vai achar que não consegue. Então, por favor, abra a porta e me deixe te ajudar a consertar todos os seus pedacinhos quebrados. Me deixe te dar o meu coração que eu te mostrarei o amor verdadeiro.”


Não sei dizer exatamente o que aconteceu. Meu corpo se moveu sozinho e, quando menos percebi, eu já estava frente a porta com ela aberta.

A neve caía em meio as casas enfeitadas, minha respiração formava uma pequena nuvem de fumaça, o céu estava tão escuro que era quase impossível se ver estrelas, poucos carros passavam na rua. Mas, no momento que vi a sua figura parada em minha frente, nada mais importava.

Ele estava ali.

Jeongguk estava ali.

No meio de todas aquelas roupas de frio e daqueles traços mais maduros, ele continuava o mesmo garoto que havia ficado a dez horas de mim. Os cabelos negros caídos nos olhos, o nariz e as bochechas avermelhadas pelo frio, aquela pequena pintinha abaixo do seu lábio inferior. Era ele mesmo.

Meu corpo havia congelado. Da mesma força que eu queria correr para si, também queria correr para longe de si. Eu não sabia o que fazer. Mas, mesmo assim, conseguiria ficar o resto da minha vida apenas o observando enquanto a lua o iluminava. Jeongguk era perfeito de todas as forças e em todos os sentidos.

— Admito que estava com muito medo de estar aqui, tinha imaginado mil e uma coisas, mas não que o senhor fosse ficar aí igual a um idiota me encarando, Taehyung — disse ele dando um breve riso no final, o que me acordou do transe.

Ah, o seu sorriso era fodidamente lindo.

— Eu... eu...—Tentei falar alguma coisa, mas nada saía, por mais que eu tentasse.

Então ele veio a passos lentos de encontro a mim e ficou parado a poucos centímetros de distância. Calmamente, levantei minha mão direita e a levei até seu rosto, o que fez ele fechar os olhos com o toque. Não, aquilo não poderia ser real.

Tirei minha mão de si bruscamente e dei dois passos para trás. A essa altura, mais uma vez, eu já havia voltado a chorar. Não era real, eu sei que não.

—Eu sei que isso é um sonho— falei olhando para o céu.

— Não se preocupe, Taehyung. Isso não é um sonho.

Mais uma vez ele se aproximou, mas, dessa vez, ele quem tocou em mim. Segurou minhas mãos e levou-as novamente de encontro ao seu rosto.

—Eu estou bem aqui.

Acariciei seu rosto, seguido de seus cabelos. Eu queria tocar em cada parte de seu corpo para ter certeza que ele realmente estava ali comigo. Com isso, juntei minhas forças e o abracei, sendo retribuído logo em seguida. Eu sentia tanta falta do seu abraço, do seu toque.

—Você não deveria estar aqui—sussurrei próximo ao seu ouvido.— Deveria estar na sua casa com a sua família, perto das pessoas que você gosta.

—Você é a minha família. É com você que eu quero estar. Você é tudo pra mim, Taehyung.— Então ele colocou uma de suas mãos em meu coração e continuou.—Só precisa me dar mais uma chance de estar por perto novamente.

—Você sabe como eu sou. Não vou conseguir te fazer feliz o tempo todo, se é que eu vou conseguir te fazer feliz. Eu sou uma pessoa horrível, Jeongguk. Eu prometi que iria voltar e nunca mais voltei. Eu não mereço você.

Com isso, ele entrelaçou seus braços em volta de meu pescoço e ficou bem perto de mim, olhando no fundo dos meus olhos. Ele chorava junto comigo.

—Eu não me importo com o passado. O importante é o agora e o agora somos eu e você aqui, resolvendo todas nossas pendências. Haverá momentos os quais eu também errarei, todos nós erramos. Mas eu não tenho dúvidas que serei o homem mais feliz do mundo ao seu lado, eu confio em você e espero que confie em mim também.

E, naquele momento eu não tive mais dúvidas. Aquele era o homem da minha vida e eu queria passar todos os dias da minha vida ao seu lado.

— Eu posso te beijar?—sussurrei.

—É claro que pode, afinal de contas, você nunca terminou comigo de verdade.

Não esperei mais um segundo sequer e coloquei nossos lábios. E, nesse mesmo instante, o relógio virou meia-noite e os fogos de artifício invadiram o céu.

Mesmo depois de todos esses anos, eu nunca havia esquecido o gosto do beijo de Jeongguk. Era simplesmente o melhor e mais viciante beijo que eu já havia provado, e tinha sorte de tê-lo só para mim. Era um ato sem malícia, um beijo puro. Uma mistura de sentimentos nos invadia, saudade, amor, paixão, dor. Eu gostaria de congelar o tempo aqui.

Não sei quanto tempo ficamos ali, mas quando abri os olhos, dei de cara com ele sorrindo enquanto me olhava. Os fogos ainda não haviam acabado e era exatamente isso que refletiam nos seus olhos.

Os fogos de artifício brilhavam nos olhos de Jeongguk.

—Feliz ano novo, Taehyung. Eu te amo.

E, foi nessa noite, que mais uma vez eu me apaixonei de por Jeongguk e pelos seus fogos de artifício.

31 декабря 2019 г. 19:14:17 0 Отчет Добавить Подписаться
1
Конец

Об авторе

Karolayne Feijó Dançarina e escritora nas horas vagas, mas queria mesmo era ser uma Mestre Pokémon!

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~