Doce Travessura de Halloween Подписаться

thammirb Thammi RB

Izuku sempre foi fascinado pelo Dia das Bruxas, não por causa da festa ou do “Doces ou Travessuras”, seu interesse vinha das lendas antigas que giravam em torno daquele dia, onde supostamente a magia se tornava mais forte e criaturas sobrenaturais acordavam para se alimentar depois de um longo sono. À noite o seduzia e ninguém poderia imaginar qual seria a travessura que aconteceria naquele Halloween especifico. TodoBakuDeku Theesome Fantasia Yaoi [+18] [1/2]


Фанфик Аниме/Манга 18+.

#bha #bnha #todobakudeku #threesome #deku #bakugo #todoroki #halloween #yaoi #bokunohero
3
576 ПРОСМОТРОВ
В процессе - Новая глава Каждые 15 дней
reading time
AA Поделиться

Parte 1


Doce Travessura de Halloween

O motorista do carro resistiu à vontade de olhar para o passageiro no banco do carona, o rapaz estava muito quieto e também não era para menos, Midoriya tinha perdido a única parenta viva, sua mãe, em um assalto a menos de dois meses e agora se mudava para a casa do padrinho Toshinori Yagi. Mas claro que o luto ainda estava muito recente para ele demostrar a alegria que lhe era comum.

- Izuku eu soube pelo Toshinori que você gosta muito do Halloween... Sabia que a nossa cidade é chamada de forma não oficial de Cidade do Halloween? Porque nós levamos esse feriado muito a sério por lá.

Os olhos esverdeados que estavam sombreados pela tristeza e observavam a paisagem através do vidro da janela sem nenhuma vivacidade se voltaram para o senhor de idade que trabalhava há anos para seu padrinho, ninguém sabia o nome verdadeiro dele, só o chamavam de Gran Torino.

Sentiu um comichão interno ao ouvir falar no feriado que já estava as vésperas. Era o seu favorito na vida. Desde muito novo sua mãe fazia suas fantasias com muito carinho, ela nunca soube explicar o porquê dele ser tão fascinado por criaturas sobrenaturais e seus incríveis poderes assim como a ligação que eles tinham com a noite. Amava a escuridão, as estrelas e todas as fases da lua. E agora, ela não estava mais lá para comemorar com ele, assistir a pilha de filmes velhos que sempre assistiam. Abracadabra, Coraline, Casa Monstro... O Estranho Mundo de Jack. Todos clássicos da sua infância que viu ao lado dela.

Engoliu a seco para tentar afastar o bolo que se formou na sua garganta e sentiu o lábio inferir tremer.

- E por que ela é conhecida assim?

- Bom, mitos antigos sugerem que clãs de criaturas sobrenaturais viveram lá há muito tempo. Existe até um castelo medieval que está sempre aberto ao público e parece ter saído de um desses filmes de terror. – Se cumprimentou internamente ao ver os olhos juvenis recuperarem um pouco do brilho.

- E de quem é esse castelo? Tem alguma evidência? Algum livro que conte a história de quais eram as criaturas que viviam por lá? Bruxas? Lobisomens? Fantasmas? Vampiros?

Gran Torino riu baixinho com a empolgação do rapaz e sacudiu a cabeça de leve.

- É só ação de marketing para promover a cidade Izuku, mas no castelo que eu mencionei mais cedo tem uma belíssima festa organizada pela família Todoroki toda véspera de Halloween, seu padrinho com certeza vai querer te levar. É como um baile de mascaras só que com fantasias.

Midoriya segurou a vontade de torcer a boca em desgosto e apenas concordou voltando a olhar pela janela. Ele em uma festa? Achava difícil. Sempre foi extremamente antissocial, não por escolha, mas sua estrutura menor, os grandes olhos e as pequenas sardas nas bochechas pareciam funcionar como um farol para valentões na sua antiga cidade e por isso sua vida escolar nunca foi muito fácil. Optava por ficar com os livros e filmes, sempre na companhia de sua mãe. Quem sabe as pessoas ali podiam ser menos cruéis.

De forma inconsciente começou a cantarolar a música que sua mãe sempre cantava para ele naquela época quando estava triste.

Já é halloween! já é halloween!
Halloween! halloween! halloween! halloween!
Halloween, halloween!

Um bom susto nunca faz mal,
Desde que bem original.
Todos nós vivemos assim,
Na cidade do halloween.

Queria poder apreciar melhor o Halloween, mas nem isso o estava deixando verdadeiramente animado.

Arregalou de leve os olhos quando o carro passou pelo portão da cidade e vislumbrou o castelo negro do alto da colina bem ao norte da cidade. Ok, talvez ir naquela festa não fosse uma opção tão ruim assim, com certeza precisaria ver aquilo de perto.

~*~

Venha aqui, não tente fugir.
Todo mundo espera pra se divertir.

....

Já é halloween! já é halloween!
Halloween! halloween! halloween! halloween!
Este é o lugar
Onde os monstros vão te pegar.

- Esse é o lugar onde os monstros vão te devorar – um sorriso macabro surgiu nos lábios ao modificar a ultima estrofe daquela canção infantil, mas que por algum motivo gostava tanto.

- Cantando essa merda de novo?!

Os olhos bicoloridos se reviraram nas órbitas ao ouvir a reclamação do companheiro. Katsuki Bakugo não mudava, já fazia o que? Quase trezentos anos que estavam juntos e ele continuava do mesmo jeito. E o pior era que nem podia reclamar. Sabia exatamente qual era o temperamento do líder dos licantropos quando decidiu ficar com ele, claro que na época ele ainda era apenas o herdeiro, mas agora estava no topo da hierarquia de seu clã.

- Eu gosto da música. – Colocou as mãos atrás da cabeça expondo ainda mais os o corpo nu sob os lençóis de seda negra e segurou a expressão orgulhosa ao ver os olhos vermelhos brilharem de interesse pela sua pele pálida. Uma grande ironia era ele ser o vampiro e o lobisomem era quem tinha os olhos vermelhos.

- Quem olha para você nem imagina esse seu gosto para musicas infantis de filmes para crianças – O Katsuki retirou a pele que sempre usava em volta dos ombros e a deixou cair no chão. – Como estão os preparativos?

Todoroki Shoto deu os ombros, como filho do líder do clã dos vampiros era de se esperar que estivesse mais inteirado do baile dado pela sua família para atrair fundos para a cidade que eles tinham fundado há tantos séculos e também para se alimentar com mais facilidade. Era a melhor noite para comer sem se preocupar.

Certos lugares do mundo tem mais magia que outros aquela cidade era um exemplo. Quem entrava nela se via preso em um tipo de loop e dificilmente conseguia deixa-la por muito tempo ou nunca mais voltava.

- Minha irmã esta no controle de tudo.

- E quando ela não está seu maldito pavê? – Bakugo resmungou deitando na cama ocupada pelo outro. – Ela é a única com algum senso nesse castelo.

- Nisso nós temos que concordar. – Shoto deslizou as mãos pelas costas definidas do lobisomem.

- Não provoca cacete – As íris escarlates se estreitaram ao ver o estado um tanto trêmulo do outro. – Quanto tempo faz que você não se alimenta?

- Não estou achando nenhuma presa que desperte meu apetite – admitiu, por serem de espécies diferentes, não era sempre que podia beber o sangue do companheiro, mas em casos de urgência ou em outros mais prazerosos, o líquido vital era sempre bem vindo.

- Morde logo porra! – Não gostava nada de ver o outro sofrendo por falta de alimento, geralmente o ajudava a caçar suas presas, mas precisou se afastar por alguns dias e aquele imbecil não tinha comido por causa disso.

Shoto deixou os caninos crescerem como pressas pontiagudas bem lentamente, Bakugo negava com fervor, mas sabia que ele tinha um fetiche pelos seus dentes. Puxou os fios claros para expor melhor o pescoço dele e cravou os dentes sem se abalar com a forma que foi xingado. No fundo sabia que aquele era exatamente o jeito que ele gostava. Sugou devagar no limite que não lhe faria mal, de longe era o bastante para lhe satisfazer, porém foi o suficiente para não sofrer de fome.

- Isso doeu merda – Bakugo reclamou.

- Então porque isso aqui está duro, heim? – Indagou apertando a ereção que se esfregava contra sua barriga.

O Katsuki bufou e girou o outro na cama, colando seu peito nas costas dele e a pélvis na bunda arrebitada. Mordiscou o pescoço pálido com certa rudeza, e pensar que houve um tempo que aquele maldito era todo recatado.

- Vamos achar alguém para você se alimentar nessa maldita festa.

- Eu não acho que vá ser tão simples assim, já que a minha pressa tem que agradar tanto a mim quanto a você e nós sabemos como você é exigente.

- Cala a boca! Mas não custa tentar.

- Então nós vamos nos divertir até a noite chegar? – Se arrepiou com os carinhos brutos.

- Ah vamos... – sussurrou antes de lamber a orelha do vampiro. – Como vamos.

~*~

Se acomodar na casa do padrinho foi exatamente como Izuku esperava, o antigo lutador de vale tudo conhecido como All Might tinha espalhado pela residência troféus e pôsteres dos seus tempos de campeão. Ele ainda tinha o recorde de derrotas por nocaute e apesar da estrutura maciça era muito gentil e acolhedor. Quase sentiu como se tivesse uma família de novo e ele ficou muito feliz quando disse voluntariamente que iria a festa da cidade.

Já fazia trinta minutos que estava ali no meio daquelas pessoas que não conhecia. Até que simpatizou com uma menina e um rapaz, Tenya Lida e Ochaco Uraraka. Os dois foram amigáveis e se ofereceram para mostrar o restante da cidade, mas não conseguia se sentir no clima ainda. Na verdade, tudo o que queria era explorar aquele castelo. Conseguiu escapar por uma das portas laterais e caminhou pelo jardim até chegar a um chafariz que tinha algumas espécies de carpas. A sua frente tinha aquele clássico jardim em forma de labirinto, muito usado para filmes de terror.

Ali seria um ótimo lugar para escrever um conto, sua mãe sempre elogiava a forma como escrevia, mas nunca tinha levado fé de verdade nesse suposto talento. Molhou a ponta dos dedos na água, distraído, mas quase escorregou para dentro do chafariz quando um uivo de lobo ecoou pela noite. Arregalou os olhos sentindo coração bater de forma acelerada, ninguém lhe falou que podiam ter lobos por ali. De repente teve a impressão que um par de olhos brilhantes surgiu no escuro, contudo ao piscar já tinha ido embora e levantou em um salto. Esperava não ter andando para muito longe da festa, mas aquela era uma esperança vã já que nem ouvia mais a música do salão.

“Calma Izuku, calma... É só você refazer o caminho que você fez. Não tem nada aqui, não tem absolutamente nada aqui...!”.

- AAAAAHHH! – Gritou ao esbarrar em alguém e teria caído no chão se mãos brutas não tivessem segurado sua cintura com firmeza.

- Cuidado por onde anda merda!

Izuku abriu os olhos e engoliu a seco ao se ver diante de um homem loiro com incríveis olhos avermelhados, que tinham que ser lentes de contato, e quase encolheu com a expressão agressiva.

- M-Me desculpe eu p-pensei...

- Não seja rude Bakugo.

Se possível às íris esverdeadas se arregalaram ainda mais quando outro homem saiu do escuro. Esse era mais deslumbrante ainda, olhos bicolores e metade dos cabelos escarlates e a outra metade branca como a neve. Gran Torino havia dito que as pessoas levavam o Halloween a sério por ali e agora mais do que nunca não duvidava. Esse parou ao seu lado, quase o cercando e só então se deu em conta que o primeiro ainda não tinha largado sua cintura, mas ao olhar a expressão raivosa dele ficou até temeroso de pedir que lhe soltasse.

- Mmmhmm...

- Eu sou Todoroki Shoto e esse é Katsuki Bakugo, não se preocupe que ele não morde. – Sorriu deixando-o vislumbrar seus caninos e sentiu vontade de completar “quem morde sou eu”. – O que estava fazendo sozinho no escuro?

- Eu... Eu sou novo na cidade e...

- Não gostou dessa porcaria de festa? Tá um saco mesmo – As mãos de Bakugo apertaram mais a cintura delgada.

Mais cedo quando ambos foram embriagados pelo perfume doce de uma pressa, não podiam esperar que encontrariam um jovem homem, que mais parecia um garoto no meio do jardim. O rosto dele lhe dava a impressão de ser um daqueles nerds que passavam horas e horas lendo sem parar, mas os olhos verdes e pele leitosa tinham seus atributos. Percebeu que Shoto estava se movimentando lentamente para trás do recém-chegado e sorriu. Parecia que alguém finalmente ia conseguir uma refeição decente.

- Qual seu nome? – O meio a meio perguntou com a boca a milímetros da nuca do esverdeado. Como vampiro sabia usar muito bem a hipnose quando queria e podia ser pelo olhar, pelo cheiro e até pela voz.

- Midoriya I-Izuku – respondeu de forma automática, estava se sentindo tonto, como se uma cortina de fumaça estivesse na sua frente nublando seus sentidos.

- Bem vindo à cidade Midoriya – Shoto murmurou encarando Bakugo que sorriu assentindo. O vampiro puxou os fios negros com nuances verdes para o lado e mordeu a lateral do pescoço delgado, ouvindo com satisfação o grito de dor e surpresa que ele deixou escapar, grunhiu pelo gosto maravilhoso que encheu seu paladar. Levou a outra mão até os lábios do humano que para seu deleite mordeu seus dedos instintivamente.

Ver o parceiro se alimentar era algo que sempre o enchia de luxuria, Bakugo respirou fundo para tentar controlar seu desejo, mas o cheiro daquele humano estava mexendo demais consigo. Era límpido, quente, gostoso. E a julgar pela forma afoito que Shoto bebia o sangue dele, o vampiro devia estar sentindo exatamente a mesma coisa.

- Cuidado para não tomar demais – avisou após alguns segundos e relutantemente o Todoroki se afastou.

Ainda com a boca contendo o gosto de Izuku, puxou o lobisomem para um beijo afoito e depravado. Os ofegos do jovem humano pareciam destruir o controle deles e sabiam que precisavam se controlar.

Ali estavam muito expostos.

A consciência voltou devagar para Midoriya que se viu sentando em um banco de pedra com Shoto agachado a sua frente e Bakugo de braços cruzados. Estava tonto, o que diabos tinha acontecido?

- O-O que a-aconteceu?

- Você pareceu ficar indisposto, não lembra? – Shoto parecia genuinamente preocupado. – Quer que a gente chame alguém?

- Não, não precisa o meu padrinho está na festa – tentou se levantar e oscilou de leve, mas conseguiu se manter em pé. – Obrigado pela ajuda.

- Você disse que é novo na cidade, não é? Gosta de Halloween? – A forma como as bochechas sardentas coraram estava lhe despertando a vontade de mordê-lo mais uma vez. Sabia que o garoto era apaixonado por aquele feriado, conseguiu “sentir” ao provar o sangue dele.

- Gosto sim – franziu a testa, porque seu pescoço estava dolorido?

- Gostaria de conhecer o castelo?

- Eu – franziu a testa confuso, já não estavam no castelo?

- Quero dizer sem essa gente toda, amanhã teremos uma reunião só para os mais íntimos, sinta-se a vontade para aparecer, eu posso te mostrar os recantos mais escondidos.

Mais uma vez Izuku se viu tonteado por aquela nevoa estranha e sacudiu a cabeça para afastar a sensação.

- Claro... Eu vou tentar... Obrigado pela ajuda e até logo.

Bakugo estalou a língua no céu da boca irritado por precisar esperar para se satisfazer. Tinha certeza de que ele iria obedecer à ordem de Shoto, o maldito havia usado aquela porcaria de hipnose para convencê-lo. E mesmo que ele conseguisse resistir, não existia a possibilidade de deixa-lo partir antes de experimentar aquele corpo. Lobisomens era movidos por uma veia luxuriosa assim como os vampiros por sangue, agora era a fome dele que precisava ser saciada.

Nunca havia ficado tão ansioso por uma noite de Halloween.


(***)

Na prorrogação do segundo tempo eu consegui postar essa pequena homenagem de Halloween.

A ideia da fic surgiu quando eu estava vendo o filme “O Estranho Mundo de Jack” , inclusive a música que é citada aqui pertence ao filme e por isso:

© Todos os direitos reservados.

O casal é BakugoXTodorokiXMidoriya

As imagens da capa foram todas pegas no pinterest e editadas por mim, créditos aos seus devidos autores.

Isso aqui é para ser uma one que, infelizmente, precisei dividir em duas partes porque um problema pessoal me impediu de termina-la do jeito que eu queria e a parte 2 vem em breve.

Espero que tenham gostado, é a minha primeira fic de BNHA e ´primeira vez que tendo desenvolver threesome.

1 ноября 2019 г. 3:11:45 0 Отчет Добавить 0
Продолжение следует… Новая глава Каждые 15 дней.

Об авторе

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~