Rush Подписаться

donnadan Donna Dan

Às vezes, a loucura de uma pessoa casa com a loucura de outra. Quem irá julgar? Fanfiction feita para o fictober 2019! Serão dois capítulos usando as palavras do dia 04 e do dia 05. Dia 04: Adrenalina Dia 05: Cadeira Fic Sasunaru com lemon. Não gosta, não leia.


Фанфик Аниме/Манга 21+.

#policial #fetiche #naruto #sasuke #sasunaru #fictober #Fctober2019
1
787 ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Capítulo 1

Uzumaki Naruto não acreditava que estava sendo colocado no banco, para cuidar do trabalho administrativo e ser babá dos estagiários. Sabia que a culpa era toda sua pelo tédio que iria viver nos próximos dias, mas não sabia ainda como lidar com a situação.

Entendam: Naruto é viciado em adrenalina.

Desde moleque vivia aquele vício, sem nem mesmo entender os porquês de suas atitudes. Aprontava diversas travessuras em seu bairro, apenas pela emoção de ser perseguido antes de aplicarem sua punição. O sangue correndo quente nas veias, o coração disparado, a energia extra nas pernas, o quanto tudo parecia tão acelerado e em câmera lenta ao mesmo tempo, o formigamento na pele… Achava incrível todas as sensações que vivia naquele pequeno estado de perigo.

Entretanto, as coisas ficaram um pouco mais sérias à medida que foi crescendo. Depois de assistir diversas perseguições policiais em seu bairro, considerado como barra pesada, teve uma certeza: queria ser um policial! Não qualquer um, mas um policial destemido, que enfrenta qualquer perigo sem pensar duas vezes, um herói.

Em parte, tudo isso acabou acontecendo. Os civis de sua área o viam como um ícone de coragem e justiça. Porém, a imprudência e impulsividade do Uzumaki também acabavam trazendo muitos problemas à delegacia.

Queixas oriundas da atuação do policial não eram escassas, assim como seus ferimentos.

Sua última atuação em campo resultou em um tiro no ombro esquerdo, um hotel parcialmente destruído e muitos feridos. Foi a gota d’água para o capitão o designar para o trabalho que nenhum policial apaixonado por ação queria fazer: papelada e novatos.

Naruto não conseguia se ajudar. Mesmo que fosse apenas uma operação exploratória, ele já havia matado a charada daquele crime e via o criminoso tão perto de seus dedos… Especialmente por estar em total desvantagem aquela situação era tentadora.

E, como acontecia algumas vezes, as coisas não saiam como esperado.

Cumprir a licença até que seu ombro melhorasse já foi uma tortura e agora, entre um relatório e outro, algumas “cestas” usando bolinhas de papel e a lixeira, já estava com o trabalho adiantado e muito inquieto.

Até a sala de evidência estava organizada e limpa!

Pela primeira vez aquela semana, seu capitão, o Nara, resolveu almoçar fora do escritório, provavelmente mais tranquilo pelo Uzumaki estar cumprindo com sua sentença e indo regularmente ao terapeuta da corporação.

Poucas pessoas estavam no escritório aquela hora. Analisando a sala via apenas um ou outro oficial com menos tempo de casa que não tinham família o esperando em casa (como era seu próprio caso) e aquele estagiário, como sempre focado em qualquer coisa o tempo todo.

Com um pouco de esforço lembrou o nome dele: Sasuke Uchiha.

Boas notas na academia, aparência de mauricinho e sempre com aquela cara fechada, de poucos amigos.

Um gato, mas um chato.

Bateu a mão na mesa atraindo atenção que não queria, mas já não tinha como. Pegou suas chaves, distintivo, carteira e o colete que estava em sua cadeira e foi andando em direção ao estagiário, que o acompanhava com o olhar a medida que se aproximava.

“Já terminou seu almoço?” - Perguntou assim que estava perto o suficiente para que o assunto não fosse da conta dos outros presentes na delegacia.

“Sim, senhor, Uzumaki” - Respondeu sem alterar a voz ou a expressão facil.

“Então, vamos.” - Naruto não deu muito tempo para questionamento e foi indo em direção a saída da delegacia, prontamente seguido por Uchiha.

“Temos um chamado, Senhor?”

O tratamento formal e respeitoso o incomodava um pouco. Seus colegas de trabalho já estavam acostumados com seu jeito informal e brincalhão durante o experiente. Mas não repreenderia alguém que mal o conhecia.

“Vamos fazer uma patrulha, coisa simples. Pode relaxar.” - Respondeu querendo que ele entendesse tanto que não precisava ser formal, quanto que estava alí cumprindo seu dever de “supervisionar”.

Shikamaro ficaria uma fera se descobrisse, mas precisava sair do escritório ou morreria sufocado.

Não houve mais questionamentos do estagiário. Naruto pegou a viatura, guiando o carro com Sasuke ao seu lado no lado do passageiro.

Dirigiu com calma, com o rádio ligado tocando uma música qualquer. Sasuke não parecia ser muito de falar e faria seu melhor para respeitar o jeito dele.

As ruas estavam atipicamente calmas naquele dia, para seu desespero.

Entretanto, algo o deixava intrigado. Não sabia se era paranóia sua, mas sentia que estava sendo analisado pelo homem ao seu lado; mesmo que, quando o observava discretamente, ele nunca o estava olhando.

Devia ser coisa da sua cabeça.

Devia estar meia hora dirigindo, virando uma rua depois da outra, quando a presença do novato ao seu lado parecia natural, quase passava despercebida.

Ou talvez estivesse distraído demais olhando a rua.

Vez ou outra perdia o foco observando uma pessoa ou outra que passava. Era sexta feira, achava que era quando as pessoas estavam mais bonitas, caprichavam mais para sair depois do expediente.

Até tentava captar alguma movimentação estranha e sonhava que algum delinquente estivesse planejando um furto para se meter em uma perseguição, mas se distraiu totalmente quando viu, de longe, um conhecido passando.

Até remexeu-se incomodado no banco do motorista. Tinha muito tempo que não via Gaara, seu ex-namorado. Ele parecia charmoso, como sempre. O jeito dele até lembrava o do homem ao seu lado.

Foi quando esse pensamento surgiu que parou de encarar o ruivo na rua, piscando algumas vezes para voltar sua atenção totalmente para o trânsito. Seu amigos da companhia sabiam sobre sua sexualidade, mas não era uma informação totalmente aberta. Foi um desafio inicialmente e tentava manter aquele assunto longe do trabalho, revelando aquela intimidade apenas àqueles que tinha algum contato em suas horas vagas.

A risada, baixa e anasalada, do parceiro ao seu lado que o tirou de seus devaneios. Inicialmente irritado, olhou para o lado com uma sobrancelha erguida, questionando sem palavras aquela atitude.

“Não se ofenda, eu fico mais aliviado.”

Naruto deve ter feito uma expressão muito engraçada de estranhamento, porque o outro continuou, se explicando:

“De não ser o único viado na companhia.”

Naruto ficou perplexo com o quando ele podia ser direto. Não sabia se ficava ou não ofendido com aquele comentário. Incrivelmente ficou sem saber o que dizer, como em poucos momentos na vida.

Sabia que aquele maldito realmente estava o analisando e era muito perceptivo.

“Todos sabem?”

A falta de negativa, pareceu ter incentivado o outro a falar.

“Não. Só algumas pessoas. Não recomendo a falar para qualquer um, não foi muito agradável na outra delegacia que trabalhei.”

“Hmm. Imagino.”

Mais uma vez houve silêncio no carro. Naruto já estava pensando em começar uma rota para voltar à delegacia quando Sasuke falou outra vez:

“Não devíamos ter saído, não é?”

“E de todos os assunto ele quer me dar um sermão.” - Foi o que Naruto pensou antes de se prununciar.

“Não estamos fazendo nada de errado. As patrulhas fazem parte do treinamento dos estagiários. E, sim, o Nara vai ficar puto. Mas não se preocupe que não vai sobrar pra você.”

“Qual o seu problema?” - Naruto estranhou o tom em que a pergunta foi feita, já que não carregava o tom de julgamento que normalmente a acompanhava. - “Já tinha ouvido falar muito do seu trabalho antes. Seus números são impressionantes. O que te levou à esse castigo?”

Aparentemente seus colegas de trabalho estavam evitando o assunto, em prol de seu ego e de sua sanidade.

“Eu sou viciado nessa emoção de perseguição do trabalho. Acabei causando problemas na última operação e levei um tiro. Um monte de gente que não tinha nada a ver com a situação acabou se machucando também. Ainda tenho que cumprir umas sessões com o terapeuta antes de poder ir pra ação de verdade de novo… Desculpa, mas acabei te usando pra ver se a gente não acabava encontrando alguma coisa pra fazer na rua. Eu tô ficando doido naquele escritório, não sei como tem gente que consegue ficar o dia inteiro nisso.”

Naruto acabou se empolgando no seu discurso. Era naturalmente tagarela e as horas prolongadas de tédio não estavam a manter-se calmo e centrado.

“Viciado em adrenalina? Ou violência?”

Naruto riu, e se não estivesse doido aquilo parecia ter atraído ainda mais a atenção do Uchiha. Pensou que ele era uma pessoa um tanto diferente e interessante. Falava de coisas complicadas com muita calma, como se falasse do tempo.

“Adrenalina” - Respondeu simplesmente. A violência em si não o atraía nada, até preferia quando não era necessária.

“Hmm. E está morrendo de tédio sem sua ‘droga’”.

Naruto não respondeu, levemente irritado pelo quanto ele parecia seu terapeuta falando.

“Tem planos pra hoje à noite?”

Aquela pergunta simples deixou Naruto intrigado. Com o carro parado no estacionamento da delegacia, soltou a direção e olhou o outro com mais atenção. Certamente faria planos com ele! O cara era estranho, mas com certeza era lindo.

“Me chamando pra sair, Uchiha?”

Ele deu de ombros, como se não fosse nada demais antes de dizer: “Se quiser matar um pouco do tédio, estou livre hoje.”

Quis rir da pretensão dele, assumindo que seria uma companhia interessante e o tiraria do tédio. Resolveu por apenas sorrir e confirmar que estava disponível já que não estava mais designado para os plantões noturnos ou fins de semana durante seu molho.

“Ok. Qual seu telefone? Te mando o endereço mais tarde. Nos encontramos às 20:00”

Achando graça do jeito prático e apático dele passou seu contato. Aparentemente a falta de expressão dele não era falta de interesse, e isso Jera engraçado.

O resto do dia passou mais devagar do que imaginava, ainda mais depois da bronca de seu chefe por ter saído da delegacia. Escutou com paciência, e até tentou interceder em sua defesa alegando que os estagiários precisavam aprender.

Já sabia previamente que não funcionaria, então apenas aguentou a carranca de Shikamaro durante o resto do dia e o trabalho extre revisando os relatórios extras que lhe foram designados, dos casos que não podia participar.

O Nara sabia bem como o importunar.

Quando o relógio marcou 17:00 ficou aliviado. O trânsito da hora do rush não iria permitir que pegasse a via rápida até em casa, pois estaria congestionada. E pegar aquela via sem acelerar na moto não tinha graça. Pegou o capacete e suas chaves analisando o fluxo de trânsito pelo celular pelo bairro.

Ainda não tinha recebido o endereço para encontrar com Sasuke e aquilo o fez pensar que talvez ele tivesse desistido. Enviou uma mensagem apenas com o horário e uma interrogação, como forma de confirmar o compromisso já que não o viu no escritório.

Instantes depois a resposta chegava confirmando, alegando que em breve mandava o endereço.

Naruto deu de ombros e foi para casa. Aquele cara era estranho, mas ainda tinha algumas horas até o horário marcado.

Aquele mistério sem sentido até o deixava ansioso, e aquilo não era ruim. Só esperava não se decepcionar se, no fim, ele ficasse simplesmente calado a noite inteira do jeito que era na delegacia.

Comeu algo rápido que já estava na geladeira. Deixou o noticiário ligado enquanto procurava algo para ocupar o tempo até ir se arrumar. Impressionantemente até isso era um desafio, já que em um momento de tédio agudo fez faxina em seu apartamento.

Nada interessante nas redes sociais também. Já ia largar o telefone quando recebeu a mensagem de Sasuke.

Jogou o endereço no mapa e reconheceu a esquina, Era fast food do estilo drive-true, não muito longe da sua casa - confortável para ir a pé. Não vivia mais no bairro de sua infância, mas aquela não era também uma região de muitos bares que pudessem ir, apesar de pensar em uma ou outra opção.

Questionou o Uchiha se iriam longe, se precisaria da moto. Ele negou e disse que o buscaria lá.

Deixou o celular de lado e foi tomar seu banho. Sasuke queria que ele dependesse da sua carona, podia interpretar isso de várias maneiras. Preferiu acreditar na possibilidade da noite se estender já que nenhum dos dois trabalharia no sábado, e isso não era ruim. Parecia ter fica claro que tinha interesse nele, e que era recíproco.

Tomou seu banho, fez sua higiene íntima para o caso da noite ser boa, colocou uma roupa que julgava bonita, um jeans e uma camisa preta e se perfumou. Decidiu sair de casa, mesmo um pouco adiantado, pegaria um caminho um pouco mais longo para não ficar parado esperando.

Chegou no endereço com alguns minutos e vantagem. Esperou na lateral do drive-true, fora do caminho dos carros. Não estava muito movimentado naquele dia, e naquela esquina tinha um beco escuro, que servia de entrada e saída do restaurante. Aquele lugar dava a sensação de medo de uma cena de filme de terror e Naruto gostou daquilo.

Morria de medo dos filmes de horror, mas adorava assistir apenas para experimentar as sensações da adrenalina que vinha com o medo. Gostava de incentivar o medo para viver mais daquelas sensações, por isso mesmo ficou de costas para o local escuro, lembrando de algumas cenas de seus filmes favoritos.

Pulou de susto quando sentiu seu celular vibrando, por estar distraído com seus pensamentos assustadores.

Era apenas uma mensagem de Sasuke, avisando que estava chegando, conferindo se ele já estava lá. E Naruto começou a digitar sua resposta sorrindo, sentindo o coração acelerado pelo susto.

Antes de enviar sua mensagem, escutou barulho de passos. Não sabia se era sua mente o pregando peças por causa do corredor escuro em suas costas e memórias dos filmes de terror, mas o instinto o fez virar rápido para checar.

Infelizmente não foi rápido o suficiente e tudo aconteceu rápido demais. Sentiu alguém colar em suas costas, cobrindo sua boca com um pano. Não sabia se era uma tentativa de roubo, mas sua mente treinada pela profissão leu a cena rápido. Sabia que era um homem, tão alto quando ele, forte e perigoso.

Com o corpo pressionado contra a parede, o pânico o antigiu, assim como as sensações tão conhecidas por si. O braço que não estava contra a parede sofria com o abraço apertado do elemento. Justamente o braço que havia ferido recentemente, as chances não eram boas.

Foi pior ainda quando sentiu a mente se apagando a força lhe abandonando. O clorofórmio no pano em sua boca fazendo efeito. Estava ferrado, só conseguia torcer para Sasuke chegar à tempo.


.....oooOOooo…..


Não sabia ao certo quanto tempo ficou apagado. Pela sua experiência, diria que menos de meia hora. Pelo visto Sasuke não tinha chegado à tempo.

Respirou fundo, tentando forçar a mente a trabalhar mais rápido, livrando-se da entorpecência. Aquilo o lembrava muito uma operação que havia realizado algum tempo atrás. Fez com que seu disfarce de policial fosse descoberto de propósito, andava com um rastreador a todo momento, esperando quando seria capturado e interrogado.

Ninguém tinha coragem o suficiente para aquele tipo de atividade, tanta coisa poderia dar errado. Não sabia como não recebeu uma suspensão naquela época. Programou um alerta para Shikamaro caso saísse das rotas programadas no GPS e deixou seu plano em segredo.

Deu muito certo. Mas seu chefe ficou irado.

Estava em uma posição diferente agora. Não estava em serviço e nem conseguia imaginar que poderia estar por trás daquilo.

Seus olhos estavam vendados. Sentia o corpo inteiro preso, provavelmente por cordas. Estava de pé, com os braços abertos e os pés também um pouco separados, dando pouca mobilidade para tentar uma fuga.

“Ferrou.” - Pensando que não tinha muitas opções além de esperar.

Enquanto esperava curtia os efeitos da adrenalina no corpo. Ao longo dos anos já tinha cansado de se recriminar e se achar um maluco por aquele tipo de coisa. Ele sabia do perigo, não queria que nada de ruim acontecesse consigo; ainda assim não conseguia evitar.

Sem saber quanto tempo ficou daquele jeito, seus ouvidos subitamente ouviram passos novamente. Aquilo servia apenas como lenha na fogueira para as sensações físicas do perigo.

Pelos sons a pessoa parou perto, bem perto. Não o suficiente para sentir a presença, mas ainda assim perto.

“Que porra é essa?” - vociferou à quem quer que estivesse lá. - “Quem é você e o que você quer, caralho?”.

Um risada baixa. Mas não era um risada maníaca, era calma, daquelas que a pessoa nem parece ter aberto a boca para produzir o som. Sua pele inteira se arrepiou.

“Digamos que…”

“ESPERA AÍ” - Naruto pensou - “Eu conheço essa voz!”

“..eu seja como um traficante, e você precisava de uma dose.”

“Sasuke?” - Naruto arriscou, totalmente abismado. A venda foi tirada de seus olhos, e logo depois de seus olhos se acostumarem com a claridade, lá estava ele, o maldito estagiário. Com as mesma postura despreocupadas, com as mãos nos bolsos da calça escura.

Naruto ainda processava as palavras dele, entendendo todo o significado por trás daquela situação. Sabia que ele era meio estranho, mas agora achava que ele era também maluco. Obviamente ousadia era uma característica muito estimada pelo Uzumaki, mas aquilo estava além de sua imaginação.

“Eu também tenho meus vícios, sei como é ruim quando fico privado deles… Eu li sobre o caso que você resolveu com seu próprio sequestro e pelo que me falou mais cedo…” - Naruto sentiu que ele parecia meio incerto sobre como continuar, e ele apenas conseguia escutar, ainda de “queixo caído”.

Não conseguiu evitar a risada. E ela saiu alta, frenética. Aquela situação toda era uma loucura sem tamanho. Sasuke descobriu que era viciado em adrenalina e resolveu servir uma dose de sua “droga”?

“Você é maluco” - foi tudo que conseguiu dizer ao Uchiha quando conseguiu controlar o riso.

“Talvez… um pouco.” - Ele respondeu com um pequeno sorriso… talvez um pouco constrangido. Naruto não sabia dizer. - “Não queria que entendesse isso como um desrespeito à um superior. Já percebi que você não é tão ligado à formalidades no escritório.”

Nunca tinha visto Sasuke falando tanto antes. Estava ainda incerto de qual reação deveria ter com aquela loucura toda. O Uchiha se moveu e foi até os apoios onde as cordas que o prendiam estavam e começou a soltá-lo.

Só naquele momento começou a analisar o cômodo onde estavam: Era um quarto. haviam quatro pilastras de madeira, bem no meio do cômodo, que formavam um quadrado no meio. Duas delas eram usadas para prender seus membros.

Sentiu o sangue correndo novamente para as mãos quando abaixou os braços. Sasuke estava abaixado, libertando seus pés. Ficou pensando em quão forte ele deveria ser para ter conseguido o carregar até alí e fazer tudo aquilo. Realmente ele parecia forte, mas não imaginava que seria tanto. Afinal, ele mesmo era um homem um tanto pesado.

“Se não estiver com raiva, podemos ir para algum bar, ou se preferir…” - Sasuke apontava para a pequena mesa atrás de si, perto da cama que ficava de frente à pilastra. Um balde com um pouco de gelo e uma garrafa de vinho. - “.... podemos ficar por aqui.”.

Naruto ainda estava incrédulo, e não fazia ideia da expressão que tinha no rosto. Tinha uma pequena noção que ao mesmo tempo que ria devia parecer confuso.

“Onde estamos?” - Naruto resolveu perguntar.

“Na minha casa.”

“Realmente um mauricinho.” - Pensou, sabendo que tudo naquele quarto deveria ter sido caro para adaptar. Apenas pilastras, cheias de ganchos, que também estavam presentes no teto, a cama grande, o frigobar e a decoração… Não parecia algo que faria com o salário de policial.

“Eu acho que nossos vícios combinam, de certa forma.”

Aquela frase chamou atenção de Naruto, e ele era todo ouvidos.


....ooo0 Continua 0ooo…..

5 октября 2019 г. 2:56:41 2 Отчет Добавить 1
Прочтите следующую главу Capítulo 2

Прокомментируйте

Отправить!
KL Kitsune Lyra
Por que parou? Parou porque? Eu preciso da continuação disso! Queria dizer que 00:14 já é dia 6 e eu quero o capituloooo, por favoooor. Eu amei!
5 октября 2019 г. 22:08:11

  • Donna Dan Donna Dan
    hauahauhauhauahuha Boa noite Kitsune! Acabei de postar. Demorei porque fiquei um tempão olhando pra cara da história... e não gostei muito do resultado final xD Espero que tenha uma experiência diferente da minha! Mas escrever todo dia tem disso... tem dia que era melhor pular xD 5 октября 2019 г. 22:28:07
~

Вы наслаждаетесь чтением?

У вас все ещё остались 1 главы в этой истории.
Чтобы продолжить, пожалуйста, зарегистрируйтесь или войдите. Бесплатно!

Войти через Facebook Войти через Twitter

или используйте обычную регистрационную форму