Tamamo-no-Mae Подписаться

aikimsoo Ai KimSoo

Do Kyungsoo, por alguma razão, resolveu que queria conhecer a Pedra Mortífera. Futuramente, revela que aquele ato era o mais longe que o seu egoísmo permitira. Mas ao contrário do que fora buscar, encontrou algo muito melhor.


Фанфик Группы / Singers Всех возростов.

#gay #yaoi #kaisoo #aikimsoo
Короткий рассказ
1
1510 ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Encontrei a vida

Kyungsoo era um viajante de Joseon. Sessho-seki ou Pedra Mortífera, era o que tinha atraído o pequeno camponês estrangeiro. Havia ouvido muitas lendas sobre a origem da pedra e como sempre era muito cético, resolveu encontrar o objeto de sua curiosidade. Queria tocá-la e ver se seria atormentado por Hoji.

-Não toque. - ouviu no momento em que estendeu suas mãos. Se assustou, afinal, tinha ouvido o rapaz falar no seu idioma real. Não estava em Joseon e sim no Japão.

-Quem és tu, que se escondestes pela paisagem? - o pequeno Do ingagou.

-Alguém que almeja ajudá-lo. - a voz retornou e Kyungsoo continuou a procurar.

-Quem dissestes que quero ajuda? - tornou a questionar. Iria ouvir bem a voz e tentar segui- la.

-Temi que fosses um leigo. - e Kyungsoo se sobressaltou, pois havia tido as palavras ditas bem ao pé de seus ouvidos. - Desejas morrer?

-Como falastes o meu idioma? - o menor indagou, se afastando bruscamente do moreno estranho.-Apenas desejei algo falar. - o moreno respondeu e sorriu. Kyungsoo sentiu que aquele sorriso era perigoso. - Vestes estranhas. Não és Nipon.

-Vim de Joseon. - Kyungsoo justificou. - Todavia, não ei de ser o único a usurfruir de vestes estranhas. - pontuou.

O moreno, que parecia tão enigmático, encarou o jovem rapaz à sua frente e percebeu que o mesmo idicou - com seus enormes olhos - as vestes alheias. O moreno nada vestia, a não ser, calças curtas e rasgadas.

-Tu não és Nipon, não estás trajando uma yukata. De onde és? De que província? Como viestes parar aqui? - o alvo indagava com tamanha entonação. Queria respostas.

-Eu sou o que quisestes que eu seja. - o estranho respondeu e se aproximou do menor. - Acaso, sentistes frio? - e imediatamente a manga direita das vestes de Kyungsoo começaram a pegar fogo.

-O QUE FIZESTES COMIGO?! - Kyungsoo gritava desesperado. - Apague este fogo, raposa ardilosa!

-Oh! Estás enganado. Não sou uma raposa. - o estranho esclareceu, mas continuava rindo divertido ao ver o cordão enfeitado do chapéu, do estranho, se mexer, enquanto o mais baixo procurava apagar o fogo que não queimava.

-És um Oni? - Kyungsoo indagou, desistindo de tentar apagar aquela porcaria de fogo que não queimava. - Sinto que se comportas como um kitsune.

-Acaso já ouvistes falar de Hanyou?

-O que haveria de ser? - Kyungsoo perguntou, mas então recordou-se. - Oh! Não pode pedir que eu acredite.

-Pois acredite, viajante. Eu sou o filho de Tamamo-no-Mae que vigia a Pedra Mortífera. - declarou.


-x-


Fazia uma semana que Kyungsoo voltava ao local em que conhecera o Hanyou. Tentava arrancar respostas do rapaz, afinal, nunca soubera que a maior Kistune que existiria, tinha tido um filho. O estranho, que não tinha recebido um nome ao nascer, alegou ter sido concebido do casamento da kitsune com o falecido imperador Konoe.

-E por que não assumistes teu lugar por direito? - Kyungsoo indagou. Era o oitavo dia que visitava o ser lendário.

-Por que eu deveria assumir? - recebeu uma pergunta em troca. - Se quero ouro, basta apenas uma folha e a transformo no objeto de meu agrado.

-Olho para ti e só consigo notar a solidão em que vive. - Kyungsoo murmurou. - És obrigação sua guardar o "túmulo" de sua mãe?

-Não deverias ser obrigação do filho cuidar de seus pais?

-Quando estão em vida e não quando estão em morte. - Kyungsoo justificou, mas viu que o moreno não pareceu convencido. - Anoitecera e eu preciso ir.

-Voltarás amanhã, jovem Kyungsoo? - o hanyou indagou. Gostava da presença do alvo, mas não queria admitir em voz alta. Tinha acabado de negar sua solidão e não podia dizer que gostava da compainha alheia.

-Até que o convenças a ir comigo, ei de voltar. - o menor estava convicto e viu o sorriso ladino do ser mítico.

-Deverias desistir deste objetivo. - o moreno aconselhou.


-x-


E o moreno pensou que o alvo tinha desistido de seu objetivo, seguido seu conselho. Aguardou a presença tão comum o dia inteiro e não a teve. Preocupou-se de início, porém, lembrou de suas palavras e deduziu que o menor tinha desistido de si. Sentiu-se triste e se surpreendeu com isso, afinal, era um novo sentimento que sentia.

Desde que o jovem estranho tinha aparecido, trouxera consigo muitas coisas diferentes. O moreno não sabia o nome de nenhum sentimento, mas cá estou eu - a narradora omnipresente - que irá nomeá-los. Com a chegada de Do Kyungsoo, o jovem hanyou passou a sentir diversão, alegria, curiosidade e carinho. Naquele momento, onde não encontrava com o jovem estrangeiro, sentia decepção e saudade.

Mas o que não sabia, era que o jovem coreano corria - como se sua vida dependesse daquilo - para encontrar com o hanyou. Havia sumido, porque fora procurar uma veste melhor para o moreno. Estava decidido a levá-lo embora consigo, mas de repente havia entrado em um pequeno sono.

E esse sono lhe trouxera um sonho, onde mostrava o moreno lutando com um sacerdote. A Pedra Mortífera estava para ser purificada e o moreno não queria deixar que tirassem sua mãe de si. Só que o moreno morria no sonho de Kyungsoo e o menor não queria permitir isso.

Correu e correu tanto, mas infelizmente chegou tarde. O corpo moreno encontrava-se no chão, parecendo sem forças, enquanto um sacerdote tocava na Pedra Mortífera e soltava um mantra. Kyungsoo correu desesperado até o corpo caído e foi puxado para longe, mas não se deixava ser levado.

Os estranhos que tentavam segurá-lo, falavam algo em japonês, enquanto Kyungsoo tentava mandar que o soltassem em coreano. Era um momento completamente estranho e perturbador, porque os seres não se entendiam e - talvez - a vida do moreno pudesse estar se esvaindo.


-x-


Kyungsoo acordou de supetão e tentou se levantar, mas fora impedido por um peso sobre si. Olhou para o lado e encontrou o moreno adormecido. Não lembrava como tinham parado naquela situação, a última coisa a qual se lembrara, era a de pedir para que o soltassem.

-Ei, hanyou! - Kyungsoo optou por chamar o moreno. - Acorde!

-Kyungsoo! - o moreno sentou-se e estava ofegante. - Kyungsoo, encontra-se bem? - perguntou preocupado.

-Eu quem deveria indagá-lo! - Kyungsoo rebateu e passou os olhos pelo corpo do outro, percebendo que o mesmo estava com uma vestimenta coreana azul. - Como viemos parar aqui? Como conseguiste roupas?

-Eu... Oh! - o moreno arquejou ao lembrar-se. - Minha mãe...

-O que tem ela?

-Entrou em meu sonho e me disse que era hora de nos despedirmos. - respondeu, mas Kyungsoo ainda se encontrava confuso. - Ela se foi, Kyungsoo.

-Mas ela já não se encontrava aqui. - o menor argumentou.

-Seu espírito estava na pedra, agora não mais. - explicou e suspirou com pesar. - Deu-me de presente uma vida. Ela dissera que concederia meu maior desejo.

-E qual seria seu maior desejo? - Kyungsoo questionou, sentindo o coração palpitar.

-Viver em sua terra, ao seu lado. - respondeu e sorriu. - Tu fostes a única pessoa a falar comigo. És tão especial para mim, quanto minha mãe. - confessou em sua ingenuidade plena, vendo Kyungsoo corar.

-Tu és especial para mim também. Posso dar-te um nome? - Kyungsoo indagou. Não aguentava mais chamá-lo de hanyou ou qualquer outra coisa.

-Ficarei lisonjeado. - o moreno respondeu e Kyungsoo sorriu, deixando o coração em seus lábios a amostra.

-Jongin. A partir de hoje, se chamará Jongin. - decretou.


-x-


Fazia um ano que Kyungsoo e Jongin viviam juntos em Joseon. Quando acordaram, há um ano, encontraram-se na divisa do Japão com a China. Tiveram que contar com a capacidade de adaptação de Jongin, para poder voltarem ao país de origem do mais baixo.

Por ser um meio-youkai e meio-humano, Jongin possuía capacidades especiais. Falar o idioma que quisesse era uma delas. Não conseguia manipular sonhos, mudar de aparência ou fazer seu fogo realmente queimar, mas isso não importava para nenhum dos dois. Por mais que a fascinação de Kyungsoo tenha sido iniciada por Jongin ser um ser mítico, o baixinho não se importava se Jongin era um humano ou um hanyou.

E durante as jornadas que fizeram para voltarem ao lar do pequeno Do, acarretou em vários sentimentos compartilhados. Jongin até mesmo descobrira a razão de Kyungsoo para ir procurar a Pedra Mortífera. O pequeno alvo tinha perdido seus pais em uma epidemia e queria morrer, mas não tinha coragem de tirar a própria vida e por isso optou ir em busca da pedra. Se fosse lenda ou não, pelo menos teria tentado. Era o máximo que sua coragem permitia.

Mas mesmo não conseguindo tirar a prova de que a lenda sobre a pedra era real, encontrava- se feliz. Acreditava ter sido escrito nas linhas da vida que seus pais precisariam morrer, para que deixasse suas terras em busca de seu destino em outro país. Pretendia perder a vida quando chegou ao Japão e encontrou a Pedra Mortífera.

Apenas pretendera, porque continuava vivo e agora completamente recheado de felicidade. Jongin tinha sido a luz em sua vida, a chama que não machucava, que apenas iluminava, aquecia e era bela.-Iremos ficar juntos até a nossa morte. - sussurrou no ouvido do moreno adormecido.

Jongin estava no plano dos sonhos e por isso não ouvira o que o coreano dissera, mas sentira vontade de agarrar o corpo alvo mesmo assim. Apertou o mais baixo em seus braços e o sentiu se aconchegar ao seu corpo. Se era a chama bela na vida de Kyungsoo, Kyungsoo era - finalmente - seu sopro de vida.

Era irônico pensar que encontraram a vida na busca pela morte.

27 июля 2019 г. 4:00:47 0 Отчет Добавить 0
Конец

Об авторе

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~