Uma B!tch de Fanfic Подписаться

nonna.ayanny Nonna Costa

-Eu sou seu melhor amigo, Naruto. - Sasuke enfatizou o "eu" e Naruto riu ao ver o ciúme despontando no rosto pálido e frio dele. Era uma satisfação particular vê-lo expressar sentimentos como ciúme por si, mesmo que nunca admitisse em voz alta. Sua vadia interior vibrava. E a recatada também. - Se Shikamaru é seu melhor amigo, eu sou o quê? -Quer mesmo que eu diga? Naruto e The Purge pertence aos seus respectivos idealizadores. O enredo, porém, é meu, por favor evite plágio. Contém violência, assassinato, sexo e relação entre homens, se não gosta, não leia. Universo Alternativo, casal SasuNaru.


Фанфик Аниме/Манга 18+.

#romance #yaoi #naruto #sasunaru #pwp #universoalternativo #ThePurge
4
3.5k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Parte 1

SOOOOOOOLTA NEGADA!

Como vamos indo?

Então, esta será (provavelmente) a última fic majoritariamente PWP que irei postar este ano.

Antes que comecem com os prantos, saibam que tem uma penca de fics PWP no meu perfil e esta é enorme (tanto q dividi em partes), sem choro!

Ai vc me perguntar o motivo disso. Bom, eu pretendo me dedicar a outras fics que tenho, além dos originais, que são "mais história" e menos pornô (vamos ver se vão gostar tanto quanto as PWPs). Tem histórias muito lindas e divertidas que quero trazer pro mundo ver, então darei um tempo pra me dedicar bem a esses projetos e garantir que fiquem supimpas :3

Ok?

Ok

Simbora.




Em menos de 40 minutos, a noite mais longa e mais conturbada do ano começaria e, por sorte, já estava bem seguro em casa, protegido de todas as formas que conhecia e fizera o impossível, até, para kgarantir que não tivesse inimigos ou desavenças.

E caso houvesse alguém querendo meter-se a besta consigo, tudo bem, ele estava calmo e tranquilo quanto a isso, afinal se preparou bem para todas as situações que sua mente criativa e lógica pensou, até mesmo as mais inusitadas, como… Palhaços.

Ouviu batidas fortes na porta, meio agoniadas, como se alguém estivesse com pressa. Parou de mexer a mistura que estava preparando e buscou seu celular, para verificar a câmera externa de seu apartamento. Sorriu de lado ao saber quem era e foi até ela para abrir e sair do meio, pois um furacão entrou.

Acabou rindo do seu melhor amigo atordoado, agarrando a própria mochila laranja como se ela fosse feita de biscoito e ele fosse perseguido por 50 crianças remelentas e famintas pela guloseima.

-Então, Naruto, o fantasma dos Natais passados surgiu para cobrar as dívidas? - debochou ao trancar tudo de novo depois de verificar se ele fora perseguido por alguém. A rua estava tão vazia quanto ele achava que deveria estar naquele horário.

-Não faça piadas. Meu chefe quase quis me prender no trabalho e logo hoje! Quase o matei! - berrou lançando-se no sofá alheio, como se aquele fosse o único lugar onde pudesse respirar em paz.

-Se tivesse esperado mais uns minutos, não seria quase. - continuou o deboche enquanto voltava para a cozinha. Ouviu um suposto rosnado e acabou rindo disso ao mexer a mistura com a colher de pau.

-Para de me zoar, Sasuke! Eu estava com tanto medo que nem fui para casa, vim direto para cá correndo porque era mais perto. - ouviu-o se aproximar e se apoiar no balcão para observar, mais atento, o que o outro fazia. - Sabe que odeio hoje.

-Sei sim, Naruto, sei sim. - os dois se fitaram e sorriram, cada um à sua maneira. - Mas você sabe quais são as consequências para estar aqui hoje, interrompendo meu momento especial de solidão?

-Sei e sei mais ainda que sou o único que pode quebrar a regra da sexta-feira à noite, "Nada de visitantes, nem parentes e nem ninguém". - foi sua vez de debochar. Abraçou-o e lhe deu um beijo no pescoço, fazendo-o sorrir. - Pode fazer o que quiser comigo hoje à noite, desde que me proteja dos demônios que vão ser soltos em vinte minutos.

-E seu namorado não vai reclamar amanhã?

-Que namorado o quê?! - Naruto guinchou, se soltando dele para rir ao se deparar com o semblante desconfiado de Sasuke. - Desculpe, gostosão, mas Shikamaru é apenas meu melhor amigo.

-Eu sou seu melhor amigo, Naruto. - Sasuke enfatizou o "eu" e Naruto riu ao ver o ciúme despontando no rosto pálido e frio dele. Era uma satisfação particular vê-lo expressar sentimentos como ciúme por si, mesmo que nunca admitisse em voz alta. Sua vadia interior vibrava. E a recatada também. - Se Shikamaru é seu melhor amigo, eu sou o quê?

-Quer mesmo que eu diga? - ousou ao abrir sua mochila e suspirar, agradecendo mentalmente a qualquer um que fosse por não ter esquecido nada. Fitou Sasuke, que se aproximava com uma tigela cheia de um dos seus famosos patês e outra cheia de todo tipo de "snacks" para acompanhar.

-Vadia. - ele soltou ao lhe sorrir e lhe dar uma tapa na bunda de leve.

-Não me elogia se não vou achar que me ama. - brincou e buscou sua escova de dente e sua nécessaire de higiene pessoal para tomar um banho. Parou antes de entrar no banheiro social do apartamento bem projetado enquanto fitava Sasuke. - Ei. - chamou. Ele terminava de arrumar o ambiente para que os dois pudessem comer e ver filmes.

-Diz.

-Deixa eu cortar seu cabelo. - pediu de forma quase inocente e sincera, olhando-o daquela forma, cheia de luz e de felicidade de quando tinha 15 anos. Sasuke assentiu de lá e seguiu para o outro corredor, paralelo ao que levava ao banheiro social e ao quarto de hóspedes, além do pequeno quarto de bagunças.

Naruto terminava de se lavar, depois de feita as higienes adequadas para a noite, sentado na banheira com água morna enquanto lia o rótulo do shampoo de Sasuke, que por sinal ele adora o cheiro tanto quanto seu, quando a sirene tocou alto e os avisos de segurança ecoaram pela cidade.

A noite em que tudo, ou quase tudo, era permitido começara. O dia do Expurgo. Crimes dos mais violentos aconteceriam com pessoas, inocentes ou não, e não haveria ninguém para protegê-las. Muitos morreriam naquela longa noite.

Duas batidas, discretas e leves, fizeram-no olhar para a porta.

-Naruto? - era Sasuke. - De boas aí?

-De boas. - arfou aliviado por ser ele. Odiava aquela noite porque temia perder pessoas que lhe eram importantes, como seus pais, seus amigos… Sasuke. - Já saio daqui. Não precisa sentir saudades. - provocou, mesmo que seu semblante dissesse o contrário.

-Por que não aproveita e se afoga na banheira de uma vez e me poupa o trabalho?

-Porque você se arrependeria amanhã.

-Convencido. - Naruto riu, mais à vontade naquela considerável pequena banheira, e suspirou por saber que pelo menos conseguiu manter Sasuke seguro por mais um ano de Expurgo.

Já era o terceiro ano que fazia aquilo. Nos anteriores, Sasuke era como os loucos que estavam lá fora, atirando e matando todo mundo, mas ao invés de ser um louco propriamente dito, era um justiceiro. Ele rastreava e matava quem merecesse a morte, na sua concepção, chegando à marca de 55 mortes numa noite de Expurgo. Sem tortura ou espetáculos, apenas um tiro na cabeça e fim da história para eles.

Naruto terminou seu banho, vestiu-se depois de enxugar o piso e ficou na porta. Assim que viu Sasuke, soltou um "Psiu" e indicou o banheiro. Seu amigo veio com um banco e se acomodou lá.

Na pia, Sasuke teve seus cabelos lavados e logo estava sentado no chão com Naruto bem atrás de si, no banco, penteando seus fios um pouco mais longos que da última vez que foi ao cabeleireiro.

-Obrigado por ficar em casa hoje, Sasuke. - sussurrou quando começou a cortar, notando-o bem relaxado entre suas pernas. O outro apenas fez um gesto de descaso com a mão. - Sério, cara.

-De boas, Naruto. - ele se virou quando a tesoura parou. - Seu pedido foi sincero e seus argumentos válidos, então não esquenta. - fez um carinho na perna perto de suas costas ao endireitar a postura para que ele continuasse. - Relaxa.

-'Tá. - deu-lhe um beijo perto da nuca e penteou os fios para continuar o corte.

Depois de dez minutos, Sasuke teve seu cabelo secado e logo os dois estavam na sala, sentados no enorme sofá, com as pernas sobre a mesa de centro. Comiam os snacks com o patê temperado e bebiam suco, enquanto assistiam o primeiro da seleção de filmes para aquela noite. De um lado de Sasuke, estava Naruto, com a cabeça apoiada no ombro dele e as pernas sobre as coxas masculinas, e do outro estavam as armas do Uchiha.

Perto da porta estavam Iza e Nami, duas Dobermanns treinadas para vigiar e para matar qualquer um que ouse se aproximar do apartamento e de seu dono, o melhor sistema de alarme que Sasuke poderia querer para se proteger.

-A gente… - Naruto sussurrou ao botar uma mão para dentro da camisa dele e lhe afagar a barriga. Ergueu o suficiente para que o peitoral aparecesse e o beijou com carinho um pouco mais perto da axila, depois foi para o mamilo. - Vai fazer hoje? - perguntou ao atrair sua atenção.

-Já está com vontade de dar? - Naruto assentiu e endireitou sua postura para tirar as tigelas do colo de Sasuke para que pudesse montá-lo assim. - Quem quer me dar hoje? A vadia ou a recatada, Naruto?

-As duas, mas a recatada quer ser comida primeiro. - sorriu com carinho ao lhe fazer uns cafunés delicados, para então lhe dar um selinho. - Faz tempo que não fazemos com força e com gosto, Sasuke, então será que hoje podíamos…?

-Eu dito as regras, Naruto, mas é você que manda em mim. Faço tudo o que a minha vadia quiser. - Naruto sorriu mais ao se curvar para beijá-lo com sensualidade, sentindo as mãos grandes passarem por seu corpo e lhe delinear as curvas.

Naruto começou a rebolar bem devagar, no ritmo do beijo do seu homem, para estimulá-lo. Na cama, entre quatro paredes, onde quer que estivesse, quando fosse transar especificamente com Sasuke, ora queria amor, ora queria sexo. Ora era recatada, ora era vadia, apenas importava o que queria e era prazer, o mais forte e inominável prazer.

Beijavam-se daquela forma que lhe deixava de pau duro sem nem precisar fantasiar, bastava sentir a língua dele deslizar por sua boca, preenchendo-lhe como forma de indicar o que logo aconteceria.

A mão dele foi para o meio de suas pernas e Naruto se arrepiou quando a ponta foi propositalmente tocada e apertada pelos dedos. Soltou sua boca para atacar o pescoço a fim de marcá-lo como seu ao passo que se esfregava agora, ansioso para estar nu com ele. Sasuke lhe apertou a bunda com uma mão, fazendo as pélvis se aproximarem mais para que o pau alheio tocasse na entrada coberta ainda daquela forma.

Naruto mordeu o lábio inferior ao sentir o pau dele praticamente forçar seu short e sua cueca, como se tivesse vida própria e já quisesse entrar. Os dois se olharam com desejo e sorriram um para o outro, parando com aquela "brincadeira". Naruto saiu do colo dele e abaixou lentamente seu short, erguendo sua camisa de forma erótica para mostrar a ereção.

Usava uma cueca com um estilo quase calcinha infantil, vendo Sasuke lamber os lábios e engolir o bolo de saliva quando percebeu a pequena mancha escura onde a cabeça do pênis estava.

-Me beija. - Naruto pediu de forma carente. Sasuke ficou um tanto sério, quase que hipnotizado pelo corpo de seu amante. Ajoelhou-se aos pés dele e iniciou os beijos pelos coxas com um pouco de pelos "aloirados". - Sasuke…

Fechou os olhos e curtiu os toques quentes em sua pele: as mãos indo para onde deviam ir, a boca a caminho do seu pau ansioso, os dentes raspando para lhe provocar ainda mais do que já estava.

Então parou. O rosnado de Iza fez Sasuke parar e se levantar. Naruto rapidamente subiu seu short e foi para detrás do balcão da cozinha, buscar uma pistola que Sasuke sempre mantinha ali. Ele pôs o colete à prova de balas, pegou suas armas no sofá e foi para a porta, descarregar parte de sua raiva.

Mas não a de entrada. Ele abriu a porta do quarto de hóspedes, buscando sua máscara, uma delas, na cômoda de lá, cobriu sua cabeça e fez sinal para Naruto. O outro assentiu, segurando firme na arma, abriu a porta da frente e saiu.

Tiros ecoavam do lado de fora e havia pessoas morrendo, o cheiro do sangue era real. Naruto parou na soleira da escada e viu cinco pessoas mascaradas do lado de baixo, fora da casa que ficava em cima de outra, como uma espécie de sótão em outros verões. Sasuke assobiou uma vez e suas cachorras vieram quando abriu a janela e saiu.

-Boa noite, senhor. Estamos aqui para exercer o nosso direito de matar e você pode exercer o seu de morrer. - eles zombaram. Naruto engatilhou a pistola e mirou neles, mas não atirou. Não tinha coragem de matar e nem conseguiria por mais que tentasse.

Mesmo que sua vida dependesse disso e era por causa de sua postura pacifista que Sasuke se transformava em "El Juez" e matava quem quer que cometesse crimes violentos ou dignos de morte.

Matava quem tentasse tocar Naruto e muitos homens quiseram lhe violentar ou lhe matar por ser gay assumido e se negar a deitar com outros que não fossem Sasuke, isto é, apenas aumentou sua longa lista negra de criminosos.

Naruto reconheceu aquela voz. Era um dos seus colegas de trabalho. Sentiu sua mão tremer de nervoso, mas logo parou ao ver a sombra na varanda. Entrou em casa rápido e trancou a porta.

-Aonde vai, Naruto? Temos muito o que…

-"Yo soy El Juez. Ustedes son inmundos. Ustedes serán juzgado. E la sentencia es la muerte". - Sasuke disse com a voz grave e furiosa. Os homens mascarados olharam para o alto, mas dois deles receberam tiros na cabeça e morreram. Outro foi violentamente atacado pelas cachorras, que tentavam a todo custo arrancarem pedaços dele.

Outro tentou fugir, mas quando olhou para trás, se deparou com um homem usando uma máscara de Caveira Mexicana e empunhando um taco de beisebol com uma parte envolta em pregos e esta parte o acertou em cheio na cabeça, cegando-o e o matando.

Restava apenas um e estava encurralado na escada. As cachorras destroçaram o rosto e os braços do quarto e agora rosnavam para o quinto. Ele apontou o taco pingando de sangue para a face dele.

-O que…?

-"Tú mueres". - Sasuke ergueu parte da máscara para mostrar o sorriso sádico. - "Com mucho gusto, señor". - acertou-lhe a cabeça três vezes para ter certeza de que ele estaria morto.

Deixou os corpos ali, subindo as escadas e fazendo a batida secreta ao chegar na porta. Naruto lhe deixou entrar. Colocou suas armas contra a parede e foi se certificar que a janela por onde saiu estava bem.

-Tudo bem, Sasuke? - perguntou ao vê-lo se livrar das roupas de matador e da máscara ali mesmo na sala. Ele bebeu um pouco de água e assentiu. - Certeza, Sasuke, você acabou de matar…?

-Faz três anos que não tenho sangue nas mãos. - ele tirou as luvas e suspirou. - Três anos que faço o que me manda nesta noite e em outras do ano. Eu te obedeço - ele se aproximava enquanto retirava a camisa de forma sensual. - e você é meu. Lembra das regras? Da promessa? - Naruto assentiu.

-Que se dane essa noite de merda, Sasuke, vem me foder. - exigiu. O outro assentiu e o pegou no colo, levando-o para o seu quarto. Assobiou e suas cachorras vieram, entrando no ambiente antes que a porta fechasse de vez.

Naruto não gostava de transar naquela noite por causa da adrenalina que ela causava. A qualquer momento alguém poderia invadir aquele ambiente e torturá-los ou matá-los. Mas aumentava sua vontade de estar com Sasuke todo o ano e desejar a luz do sol do dia seguinte ao lado dele.

Sasuke estava de joelhos, retomando o que começara antes da interrupção. Beijava com demora as coxas arrepiadas e de vez em quando mordiscava os testículos cobertos pela cueca listrada. Lambeu de baixo para cima o membro coberto e sorriu ao ouvir Naruto gemer abafado enquanto mordia a camisa. O loiro virou-se e passou as mãos por suas nádegas, incitando-o a querer mais ainda aquela parte.

Naruto arfou mais alto ao sentir os beijos pela pele exposta e as lambidas bem no meio, molhando mais a curva central da sua bunda. Sorriu quando abaixou de forma sensual sua cueca e gemeu alto ao sentir as mãos calejadas apertarem os músculos. Sasuke deu a primeira lambida e isso o atiçou mais: não se fez de rogado ao devorar aquela parte, metendo a língua dentro e chupando com os lábios.

-Isso, meu macho, pode comer! É toda sua. - ouvir a respiração forte dele e os sons da boca contra a sua bunda era o mais excitante naquela preliminar. Era uma fera que só podia ser domada por Naruto. Rebolou contra a cara dele, sentindo seu pau pulsar e pingar de tanto tesão que precisou apertá-lo.

-Vadia gostosa. - Sasuke arfou ao bater forte na bunda de Naruto, vendo-o gemer e olhá-lo de forma carente. Se levantou e fez aquela bunda grande se chocar com a sua virilha coberta. - Minha vadia.

-Meu macho. - Naruto o beijou de forma intensa, bem molhada, enquanto rebolava com mais vontade, ansioso por sentar naquela ereção enorme. - A recatada quer dar primeiro. - sussurrou.

-Claro. - beijou-lhe o pescoço com carinho, perdendo aquela agressividade. Naruto suspirou manhoso e se soltou dele para ir até a cama. Tirou sua cueca de vez e se deitou, chamando-o. - Tesão…

-Vem, Sasuke, aqui tem tudo o que precisa para passar esta noite. - chamou mais carente e carinhoso. Sasuke respirou fundo e tirou sua calça e sua cueca, mostrando sua ereção para ele. - Ah, vem logo, Sasuke! Já estou piscando por você.

Sasuke buscou o lubrificante que mantinha no criado-mudo enquanto observava Naruto lhe sorrir em plena felicidade ao passo que se deitava de bruços. Numa noite sangrenta e violenta, ele sempre queria fazer amor com calma e muito carinho. Colocou-se ao lado dele, deitado de perfil, depois de despejar um pouco do líquido na entrada rosada.

Os dedos entraram, já velhos conhecidos do canal ansioso e pulsante, e escorregaram até o final, fazendo o homem loiro arfar baixo, deitando a cabeça no travesseiro e sorrindo de satisfação.

-Quer que eu te chupe? - Sasuke indagou enquanto o assistia curtir a massagem naquele espaço onde gostava de se enterrar. Ele negou. - Certeza?

-Tenho. Um boquete eu nego, mas uma punheta não. Por trás. - mordeu o lábio ao vê-lo ir para detrás de si e deslizar uma mão por sua barriga para lhe tocar o pênis. A massagem ali começou na mesma velocidade em que era penetrado pelos dedos.

Os dois se beijaram com demora quando Naruto se sentou no colo de Sasuke para dar-lhe a liberdade necessária para prepará-lo.

-Sem camisinha hoje. - sussurrou ao se sentir bem relaxado. Sasuke assentiu enquanto lhe beijava os ombros e o pescoço suado. - Quero te sentir. - afagou-lhe os fios cortados e lhe beijou o rosto.

-Quer sentar? - Naruto negou. - Mas você adora sentar. Briga comigo para sentar. - ele riu baixo e se deitou, afastando as pernas para chamá-lo.

-Sou recatado agora, Sasuke, e quero fazer amor. Eu amo sentar em você, mas agora… Quero assim. Me dá ele… - afagou o pau de Sasuke com seus pés e sorriu quando o viu arfar, deliciado.

Sasuke se colocou sobre ele depois de lhe punhetar mais um pouco e o penetrou com calma. Os dois gemeram juntos quando se acomodaram sobre a cama e se abraçaram. Enquanto se beijavam de maneira romântica, Sasuke rebolava contra sua bunda, estocando como Naruto queria.

Acelerava aos poucos. Apoiou-se nos cotovelos para olhá-lo melhor, apreciando o sorriso quase apaixonado de seu amante tão doce. Faria qualquer coisa por ele, essa que era a verdade.

Naruto era seu. Mesmo que nunca houvessem firmado um compromisso sério, todos sabiam que os dois estavam juntos, que se amavam. Amava-o desde pequeno, quando nem sabia o que era o amor. Aprendeu, em sua primeira lição amorosa, que o amor nunca deixava por mais que se quisesse fugir. A segunda era que não existem motivos para fugir.

Sasuke ajoelhou-se para segurar as coxas dele e o penetrar bem devagar, indo fundo como ele gostava, enquanto o assistia se tocar.

-Tão gostoso, Sasuke. Teu pau é tão bom…! - ele rebolava devagar e pressionou o membro duro, sentindo-o maior e mais dentro de si. - Mais rápido, por favor… - choramingou.

-Meu tesão…! - Sasuke franziu as sobrancelhas ao acelerar um pouco mais. Adorava ver Naruto alcançar o primeiro orgasmo. Era como o prelúdio de um grande espetáculo.

Os dois tornaram a se abraçar com furor quando sentiram que seus corpos estavam mais quentes, mais famintos, mais necessitados pelo momento que se libertariam daquela tensão.

Estavam aferrados e desejosos de tal maneira que nem mesmo perceberam quando chegaram juntos ao orgasmo e se sujaram de porra. Naruto começou a rir ao parar de se tocar e ao sentir o pau dele sair. Sasuke sentiu seu rosto arder de vergonha, meio mareado, por ter gozado e nem saber como aconteceu, mas manteve-se ajoelhado na cama, o fitando.

15 июля 2019 г. 2:50:36 0 Отчет Добавить 1
Прочтите следующую главу Parte 2

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~

Вы наслаждаетесь чтением?

У вас все ещё остались 2 главы в этой истории.
Чтобы продолжить, пожалуйста, зарегистрируйтесь или войдите. Бесплатно!

Войти через Facebook Войти через Twitter

или используйте обычную регистрационную форму