Mermaid Подписаться

sophiagrayson Sophia Grayson

O sonho de Haruka era fazer parte da água, do mar. O sonho de Ariel era de ser humana. Por uma estrela cadente tudo se faz realizar.


Фанфик Аниме/Манга Всех возростов.

#conto-de-fadas #magia #drama #A-Pequena-Sereia #free
Короткий рассказ
1
3.7k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Capítulo Único - Mermaid

Haruka Nanase, desde a terna infância tinha uma conexão intensa com a água. Podia sentir seus movimentos, suas ondas, a maré, se estava tranquila ou energética. Ela era viva. Sabia dos perigos e tinha que ser cuidadoso em dias tempestivos, onde mostrava suas presas. Em seu interior tinha a consciência de não a enfrentar diretamente, que era tudo questão de como se movimentava. Abraçava a água.

A maior parte do tempo vivia na água, em piscinas ou na banheira em casa. Ninguém entendia o menino, achava-o estranho e com problemas. Quem em sã consciência passava todo o tempo embaixo d'água?! Até mesmo os pais não sabiam o que fazer. Médicos não davam jeito em sua natureza incomum. Remédios só o dopavam e lhe tiravam sua vontade de viver. Sua harmonia com a água. Tudo era preto, cinza e triste.

O moreno já era isolado por sua natural condição e preconceito. O pequeno não entendia o motivo dos outros não enxergarem que a água era amiga, que não fazia mal, isso claro se estivesse em harmonia. E que ele não tinha problemas mentais por ter tal afeição.

Com isso sua natureza ficou imparcial e gélida, com feições blasé. Fechou seus sentimentos a sete chaves e quando sua família resolveu interna-lo em uma clínica psiquiátrica com seus catorzes anos, ele fugiu uma noite antes. Foi para o mar mais próximo. Sua intenção era de sair daquele mundo. Mas como?

Nanase era um ser humano, logo não poderia viver no mar. Bom, ele não era louco por amar a água, era? Como diziam. Pareceria que tinha nascido na forma errada. Talvez deveria ser um peixe ou golfinho. Para abrir fendas no mar e conviver em plenitude.

Mas como? Sentou-se no rochedo, fitando as ondas calmas e escuras. O luar entregava uma iluminação bela. Não queria voltar para casa. Não queria ir para uma clínica psiquiatra para o resto da vida. Sabe se lá o que faziam nesses hospícios.

Ao longe escutou um canto, melancólico e belo, como nunca tinha presenciado. Uma jovem dama encontrava-se do outro lado as enormes rochas. Os olhos de Haruka se arregalaram. Era uma sereia? Estava realmente ficando louco?!

A calda era verde esmeralda com bifurcação arroxeada. Seus seios eram cobertos por um sutiã em forma de conchas. Os cabelos ruivos soltos e transados. Um colar pendia no pescoço com pérolas e conchas. Autenticas e preciosas.

Não demorou muito para a moça visse sua presença. Ela entrou em pânico, pois homens não deveriam ter contato com sua espécie. Jamais. Eram um mito e deveriam continuar assim, desde a queda de Atlântida. Infelizmente foi descuidada. Mas seu desejo de se tornar humana era maior, queria muito viver em terras secas. Não se sentia bem no mar, sempre foi diferente dos outros. Tinha essa curiosidade e desejo desde que criança.

Se preparou para sair em um salto quando a voz de Haruka pediu para esperar. A jovem Ariel viu nos olhos do moreno que ele não era perigoso. Na verdade, sentia que eram muito parecidos.

Acabou por baixar a guarda e deixá-lo se aproximar para conversarem. Cada um se viu que estava a viver vidas erradas. Ou para Nanase viver nos mares. Ariel era a do tipo invejosa e egoísta, o moreno percebeu só pela conversa.

Mas mesmo assim não mudava o fato deles terem corpos diferentes. Mas para a felicidade de ambos um clichê enorme aconteceu. Uma estrela cadente cruzou aos céus. Elas tinham o poder de realizarem pedidos. Não era mera superstição. E a sereia apontou animada segurando as mãos do mais novo. Depois de uma resistência inicial – por ele ainda achar um pouco de absurdo tudo aquilo – Haruka fechou suas safiras junto com a ruiva e fizeram o pedido.

Em efeitos luminosos cada um se tornou o que desejava. Haruka um tritão e Ariel uma humana. Era como se tivessem feito uma Troca Equivalente.

Ambos estavam incrédulos com a transformação, o menino mais que a moça, no qual sabia dos poderes das estrelas cadentes. Haruka olhava para seu corpo, que da cintura para baixo, uma calda azul escuro neon se compunha. Em partes esporádicas dava para se ver um pouco de escamas, assim como os dedos de suas mãos eram ligados por uma fina membrana.

A ruiva ganhou seus pares de pernas que tanto queria. Ariel estancou. Queria correr para a cidade, mas não antes de direcionar Haruka para Atlantis. Ou se desejava uma vida nômade, como se comunicar com a vida marinha. No qual era extremamente fácil. Só não explicou bem as dificuldades. Assim como não deu tempo de o moreno dizer o básico na vida da terra, pois a outra disparou em ansiedade para as luzes da cidade.

Puxou a moça antes que ela se fosse correndo de emoção. Pegou um pedaço de papel que tinha em sua antiga calça e escreveu rapidamente uma despedida a seus pais. Pediu para a ruiva deixasse em seu quarto, indicando o endereço, era só colocar no correio.

- Boa sorte Nanase – desejou a garota, já cortando os ares e terras, não dando tempo do mais novo continuar a afirmação. Bom, aprenderia sozinha. Assim como ele.

O moreno deu um meio sorriu antes de pular nas águas.

- Digo o mesmo Ariel.

Agora ele e o mar eram dois. A única falta que sentiria era de seus progenitores. Doía por abandona-los dessa forma. Mas nunca iriam entende-lo. Não era como a ruiva que só pensava em si mesma, não se importando com a família, Haruka perguntou se ela queria que ele levasse algo para os pais, mas a jovem se deu por egoísta e egocêntrica.

Suspirou, sentindo a água fria do mar em seu corpo quando mergulhou. Um arrepio passou pelo seu corpo. Tratou logo em se mover para se aquecer. Em seu campo de visão a vida marinha surgia, com peixes a fugir quando sua presença os perturbava. A pressão do mar não incomodava, mas ainda a sentia.

Deu uma volta antes de se responsabilizar e ir para a cidade perdida, tinha muito o que aprender para a nova vida.

2 июня 2019 г. 20:33:31 4 Отчет Добавить 2
Конец

Об авторе

Sophia Grayson Só uma garota que gosta de escrever.

Прокомментируйте

Отправить!
Sakura Angeli Sakura Angeli
Ainda que eu não tenha conseguido terminar Free!, eu amo as mensagens dessa história. Primeiro: siga seus sonhos mas, também dê valor aos seus pais; Segundo: pais desesperados às vezes tomam medidas ruins e desesperadas, mas às vezes o melhor caminho é perdoá-los; Terceiro: é uma nova maneira de encarar a Ariel por este contexto, porém creio que a cabeça juvenil dela a levou a tomar decisões desse tipo. História maravilhosa, querida! Ps: sim, eu vou ir atrás das histórias q eu mais gostei e comentar o melhor q eu puder kkkk

  • Sophia Grayson Sophia Grayson
    Ainda não terminou querida?! >< Pegou direitinho o que eu querida passar, exatamente isso. Obrigada! Sem pressa meu anjo, pode ir com acalma, não vou sair daqui, juro! E nem tudo está repostado ainda. Beijos! 10 июня 2019 г. 11:39:58
  • Sakura Angeli Sakura Angeli
    É o tanto de anime novo q eu ponho na frente pra ver antes q me impede kkkkkk 10 июня 2019 г. 20:28:05
  • Sophia Grayson Sophia Grayson
    Nossa, não sabia que aqui podia responder o respondido *^* Te entendo querida, sei como é ter muito anime para ver. Nem terminei um dos meus favoritos, Natsume Yuujinchou e uns populares como o reboot de Fruits Basket ;-; Pelo menos creio eu que nas férias vou poder colocar algumas coisas em dia. Isso se eu quiser rs. Beijinhos! 11 июня 2019 г. 13:49:51
~