Todo Meu Подписаться

valdieblack Valdie Black

Sansa Stark sente-se perdida na sua batalha solitária contra Daenerys Targaryen. A Rainha dos Dragões parece ter conquistado tudo que é seu, inclusive aquele que outrora fora seu marido e por quem ainda é apaixonada. Será que este é o fim da Lady de Winterfell ou ela está equivocada?


Фанфик Сериалы/Дорамы/Мыльные оперы 21+. © Game of Thrones não me pertence, fanfiction escrita sem fins lucrativos.

#fanfiction #hentai #258 #tyrion-lannister #sansa-stark #sanrion #game-of-thrones
Короткий рассказ
2
3.4k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Todo Meu

Os dragões voavam livremente sob suas cabeças, fazendo o Norte sentir medo. Sansa tinha de admitir que as criaturas eram impressionantes, mas nunca confiava em ninguém, muito menos em um dragão. Agora seu irmão era um dragão também, o que a deixava muito confusa. Aprendera a odiar os Targaryen tanto quanto os Lannister, no entanto já havia feito alianças com pessoas de ambas as Casas.


Lord Baelish diria que era o certo, devemos fazer aquilo que nos beneficie. E ela estava sendo beneficiada? Apesar da vitória contra o Rei da Noite, Sansa não conseguia livrar-se da sensação de que estava perdendo. Daenerys Targaryen seria Rainha e teria o Norte para si. Uma Targaryen com o Norte, depois de tantas lutas pela independência. Depois de sua mãe e irmão terem morrido pelo Norte. Seria Daenerys quem ficaria com tudo, um presente de Jon.


Sansa estava solitária. Ela não tinha dragões, afinal. Não tinha mais Jon lhe apoiando. Theon estava morto. Arya havia partido. Bran era apenas um nome. Sansa era a última protetora do Norte e apesar de ter o amor do povo não tinha ganhado aliados.


Olhou para baixo e viu Tyrion Lannister subindo as escadas. Sempre odiou olhá-lo. Gostava da presença dele, mas quando o olhava percebia logo que estava do lado de seus inimigos. Quando não usava as vestes carmesim e douradas dos Lannister, era aquele adorno ridículo de Mão da Rainha. Parecia até que ele fazia de propósito para irritá-la, mas sabia que não.


Passara muito tempo navegando por lugares distantes, sua pele ficara bronzeada com o sol e a barba cresceu. Sansa odiava isso, era apenas mais um lembrete de que ele estava agora do lado de Daenerys.


- Milady. - ele saudou quando chegou até ela. - Desejava me ver?


“Não”, Sansa pensou, “Sempre tenho vontade de rasgar-lhe as roupas quando o vejo.”


- Sim. Preciso saber quando pretendem partir para juntar os suprimentos de viagem. Ainda não me contaram, sua Rainha deve pensar que é uma tarefa simples…


- Nossa Rainha não sabe ao certo, pois os dragões ainda estão cansados e fracos. Mas ela tem intenção de partir o mais rápido possível.


- Isso é um erro.


- Milady, haverá momentos em que temos de fazer escolhas difíceis pois as confortáveis podem nos matar.


- Você acha que tem chance de sobreviver?


- Uma chance, sim.


- Confia nela?


Encarou-o. Havia um indício de dúvida em seu olhar mas desapareceu depressa.


- A Rainha Daenerys é uma boa mulher, ela luta pelo seu povo e não desiste fácil. O Trono não vai ser dado se pedirmos “por favor”, ele deve ser conquistado.


- Mas por quê ela? Por quê uma Targaryen?


- Ela tem ideais, é uma pessoa de fibra moral. Não permita que seus medos a deixem cega, milady. Recordo-me de um tempo em que você confiou em mim ainda que eu fosse um Lannister.


- Não confio em ninguém, Tyrion. Foi o Lord Baelish quem me ensinou isso.


- Um amor de pessoa. Sua memória deve ser preservada, claro, para evitarmos que essa desgraça se repita. O que eu quis dizer, milady, é que você não é uma pessoa preconceituosa. Sei disso. Vai conseguir enxergar a Rainha Daenerys pela mulher bondosa que ela é, independente do sobrenome que carrega. Ainda que não acredite que ela seja a melhor escolha, deve concordar que é melhor do que minha doce irmã.


- É com o Norte que me preocupo.


- A Rainha veio lutar pelo Norte, e se quer saber… eu fui contra a ideia.


- Você foi? - arqueou uma sobrancelha, intrigada.


- Dar uns vidros para Jon tudo bem, mas gastar tempo e forças trazendo o nosso exército para esse fim de mundo? A princípio achei estúpido, mas a Rainha se importa com todos dos Sete Reinos. Certo… talvez o Jon tenha convencido-a com aquela cara de filhote de lobo perdido, mas…


- Você é que estava no fim de mundo. - replicou, zangada com a forma com que ele se referiu a Winterfell.


Tyrion assentiu.


- Perdão, eu me expressei mal. Naquela época o Trono de Ferro era nossa única preocupação e lutar contra um suposto Rei da Noite parecia… infrutífero. Agora vejo o quanto era importante.


- Aposto que você odeia o Norte. - Sansa continuou. - Deve achá-lo frio e cheio de ressentimento.


- Bem, é verdade que eu prefiro sentir os membros do meu corpo e o frio congelante impede isso mas…


- Vejo que você gostou de estar no mar. Debaixo do sol. - Sansa falava como se Tyrion não estivesse presente. - Deve ter sido divertido, você e sua bela Rainha. Ela deve gostar de você também. Sua aparência agora é a de um dothraki.


Tyrion achou graça.


- Acho que me faltam alguns centímetros para isso, tanto de estatura quanto de largura.


Sansa deu-lhe um olhar gélido e Tyrion parou de sorrir imediatamente. Ele pigarreou antes de falar.


- Sansa, a Rainha é apenas minha Rainha e nada mais.


- Pensa que me importo?! Durma com todas as mulheres de Westeros se quiser, eu não me importo.


- Parece que se importa um pouco…


- Não me importo!


Ela se importava muito. Por qualquer motivo que fosse, Sansa sempre pensou que se algum dia reencontrasse Tyrion ele estaria do seu lado. Mas por quê diabos ele faria isso? Além de ser um Lannister, ela o tinha abandonado no casamento de Joffrey para sofrer as consequências daquele assassinato sozinho. Tyrion deveria odiá-la para sempre, e no entanto ali estava ele sendo tão gentil.


- Não odeio o Norte. - disse Tyrion. - É um lugar muito resistente, e no fundo é muito caloroso. É o lugar dos Sete Reinos onde mais se valoriza a família. Fico contente que ele esteja em suas mãos, e a nossa Rainha concorda.


Sansa não disse nada, mas duvidava que Daenerys gostasse de tê-la como Lady de Winterfell. As duas não conseguiam se entender e Sansa sabia que isso lhe custaria caro depois.


- Sansa… eu compreendo os seus medos, mas não vou deixar que você perca o Norte.


Foi a vez dela rir.


- Sua Rainha faz o que bem entende, Tyrion. Você não tem poder algum sob ela. Ninguém tem. Ela não é como o Joffrey ou o Robert.


- Ora, e isso é motivo para lamento? Que bom que ela não é como esses dois paspalhos. Ela é sensata e tem um bom coração. Só porque é mãe de dragões não quer dizer que seja uma louca perigosa. Tenho certeza de que quando essa guerra acabar você verá isso.


Sansa não queria mais discutir. Ele estava na palma da mão de Daenerys. A Rainha dos Dragões tinha lhe roubado ele também. Não que o Tyrion fosse algo dela, mas talvez se não fosse Daenerys a sua Rainha eles estariam juntos agora. Poderia acabar com tudo aquilo se lhe contasse quem Jon era de verdade mas não conseguia. Tinha feito uma promessa e essas coisas eram importantes na sua família. Jon era seu irmão, apesar de tudo, e ele não queria o Trono.


- O Norte é um pouco frio, de fato. - Tyrion disse. - Mas não o acho cheio de ressentimento, ele é cheio de canções e sonhos. É lindo, o Norte.


Sansa deixou escapar um sorriso no canto da boca. Mas logo retornou a sua expressão séria quando viu Daenerys retornar do seu passeio com os dragões. Ela parecia satisfeita, o que queria dizer que os dragões estavam bem e eles partiriam logo.


**


Aguardava por ele em seus aposentos. Sabia que o amava, é claro, mas não se permitia sentir isso já que nunca ficariam juntos. Agora que poderia perdê-lo para sempre aquilo parecia doer mais ainda.


- Milady. - ouvi-o dizer ao abrir a porta.


Sansa virou-se e foi pega de surpresa.


- Isso é para me impressionar? - perguntou.


- É para agradá-la. - Tyrion passou a mão pelo rosto. Havia tirado a barba. - Honestamente, eu não senti falta de ver o meu rosto.


- Eu senti. - ela admitiu.


- Você me chamou, milady?


Sansa segurou suas próprias mãos, tentando conter o nervosismo.


- Sim. Por favor, sente-se.


Ela indicou sua cama. Tyrion estranhou mas obedeceu. Sansa sentou-se ao seu lado.


- Sei que você nunca foi meu e nunca será, mas amanhã tudo irá mudar. Esses podem ser nossos últimos momentos juntos. Pensei que talvez pudéssemos fingir só por uma noite…


Tyrion pareceu entender onde ela queria chegar.


- Tem certeza, Sansa? Não quero magoá-la.


- Não vai me magoar. Já sou adulta agora.


- Eu notei, mas não gostaria que fizesse algo e depois se arrependesse de tê-lo feito.


- Não faria isso com outra pessoa além de você, e essa é minha última chance.


Tyrion assentiu.


- Certo, então… mas eu sou uma porcaria nisso quando estou sóbrio.


Sansa levantou-se e foi até a mesa de centro para pegar o vinho que tinha separado para aquela noite.


- Você me conhece tão bem! - Tyrion exclamou, espantado.


- Fomos casados, não fomos?


Ele aceitou a taça de vinho que Sansa lhe deu.


- Pare que conste, eu não dormi com todas as mulheres de Westeros. Longe disso.


- Eu sei. O seu irmão me contou.


Tyrion franziu o cenho. Sansa achou a expressão engraçada no rosto dele e o beijou antes que ele pudesse perguntar mais alguma coisa. Tyrion retribuiu o beijo com uma certa ansiedade. Ela lembrou-se então da noite de núpcias que eles nunca tiveram. Sansa era muito diferente naquela época.


Poderia beijá-lo a noite inteira. Sentia o gosto do vinho na sua boca e arrepiou-se quando ele tocou em sua pele, tirando os cabelos da frente de seu rosto. Porém, seu corpo queria mais. Sansa desceu suas mãos pelo peito dele, retirando o broche de Mão da Rainha com uma violência desnecessária mas ele não protestou. Rasgou-lhe as roupas com os emblemas que ela detestava e beijou seu peito nu.


Tyrion estava com medo de tocar nela e Sansa sabia o motivo. Ela segurou as mãos dele e as colocou em sua cintura.


- Este é o meu corpo, Tyrion, e eu quero sentir você nele. - disse.


Ele a olhou cheio de desejo, mas algo o impedia de continuar.


- Sansa, eu não sou tão bom quanto você pensa. Você merece um homem melhor. Eu…


- Shh… eu quero você.


Ajudou-o a desamarrar os laços do se vestido. Sansa perguntou-se se ele também teria raiva das roupas dela quando a via, mas estava despindo-a de forma tão delicada que não poderia ser. Talvez ele não se incomodasse mesmo que ela fosse Lady de Winterfell ou que fosse uma Stark. O Tyrion era um Lannister diferente.


Pensar naquilo só a fez querê-lo ainda mais. Arquejou quando ele plantou beijos em seu pescoço e segurou-o pelos cabelos. Sentiu os dedos dele no ponto entre suas pernas, massageando-a por dentro. Sansa gemeu alto e depois mordeu os lábios, com medo de acordar toda Winterfell.


Deitou-o na cama e debruçou-se sobre ele. Beijou seu rosto no local da cicatriz, naquela época ela gostaria que ele morresse e agora se achava estúpida por ter desejado isso. Sentiu-o duro embaixo dela, subiu na cama e tirou-lhe as calças.


Tyrion segurou suas pernas e Sansa permitiu que ele a penetrasse. Ela movimentou a pélvis, ditando o ritmo que queria, e gemeu alto sem se importar mais que a ouvissem. Queria que soubessem, principalmente Daenerys, que Tyrion Lannister não era meio-homem. Ele era um homem completo e era todo dela, pelo menos naquele momento.


Aquilo a fez tremer, nunca pensou que algum dia sentiria prazer fazendo sexo. Nem que desejaria alguém assim, já sentira um amor infantil antes mas o que tinha por ele era diferente e sabia que não iria encontrar isso outra vez. Sansa dizia “eu te amo” sem conseguir impedir-se e não sabia se ele retribuiu a declaração, mas sentiu um líquido quente dentro dela quando Tyrion gozou. Desejou que ficasse grávida. Queria que ele fosse seu marido, o pai dos seus filhos, mas então lembrou-se de quem eles eram e de como aquilo era impossível.


- Me desculpe. - ela disse, num sussurro, e levantou-se da cama.


- Sansa?


- Você tem que sair daqui. - mandou, vestindo-se depressa. Não tinha coragem de olhá-lo.


- Por quê?


- Porque não podemos ficar juntos. Isso foi um erro!


Tyrion irritou-se.


- Mas que droga, se meu irmão pode ficar com uma “cavaleira” por que eu não posso ficar com a mulher com quem já fui casado?


- Temos interesses divergentes.


- Eu também quero o bem de Winterfell. Posso trabalhar a seu favor. Você só precisa confiar em mim.


Esta era a questão. Sansa não conseguia confiar em ninguém além dela mesma, talvez por isso estava tão solitária.


- Por quê deveria confiar? Você nunca está do meu lado.


- Sempre estive do seu lado. Eu sempre a protegi da minha família, não foi? Nas criptas ao fiquei ao seu lado também, quando pensamos que íamos morrer.


Sansa teve um calafrio ao lembrar-se daquilo.


- Posso protegê-la da minha irmã e até da Daenerys, se algo vier a acontecer. Dê-me uma chance. Eu te amo.


Ela sentiu o coração partir ao ouvir aquilo. Será verdade? Poderia confiar nele?


- Case-se comigo novamente. - ele insistiu. - Você poderá ter ambas Casterly Rock e Winterfell. Talvez minha irmã até morra de tanta raiva e a guerra acabe. É uma vitória em todos os sentidos.


- Não quero perder meu nome. Sou uma Stark.


- Não vai perder nada, só vai ganhar o meu nome. Em todo lugar que vá as pessoas sempre irão lhe ver como a filha de Ned Stark independente de qualquer coisa.


- Uma Stark em Casterly Rock… isso é possível?


- Tão possível quanto um Lannister em Winterfell. E você tem dois aqui, não é? Mas só trouxe um para a cama, até onde eu sei.


Ela sorriu, e Tyrion pareceu relaxar pois viu que estava tudo bem agora.


- Venha. Deite-se. Por favor.


Sansa bebeu um pouco do vinho da taça que ele havia deixado de lado (“boa garota!”, disse Tyrion), tirou o vestido novamente e deitou-se ao lado dele por debaixo das cobertas.


- Isso não vai funcionar se você morrer. - ela disse.


- Morrer com certeza não está nos meus planos, não se preocupe.


Ele pegou uma mecha de seus cabelos e a beijou.


- Boa noite, Lady Stark.


- Boa noite… milorde.


Sansa o observou dormir por alguns minutos, depois permitiu-se descansar também. Dormiram juntos na mesma cama pela primeira vez desde que se casaram. Sansa desejou que não fosse a última vez também.


10 мая 2019 г. 6:42:50 1 Отчет Добавить 121
Конец

Об авторе

Прокомментируйте

Отправить!
MiRz Rz MiRz Rz
Olá, eu sou a MRz do Sistema de Verificação do Inkspired. O sistema de verificação atua não só para ver a qualidade da história, como também para observar se a história está de acordo com as normas do site. Sua história está “em revisão” porque há alguns errinhos de escrita, como por exemplo, 1) Vírgulas. Sua história está com algumas vírgulas faltando, principalmente antes das conjunções adversativas, como “mas”, “porém”, “contudo”, “entretanto”. Falta vírgula também antes do “pois”; 2) Uso errado dos “porquês”. Numa frase interrogativa, quando o “porque” aparece no inicio, ou no meio, devemos usar o “por que”. O uso do “por quê”, ou seja, separado e com acento, só é usado ao final, quando é imediatamente seguido pelo ponto de interrogação, por exemplo, “por quê?”; 3) A terceira observação não é bem um erro, mas é bom comentar, é com relação ao hífen no lugar do travessão. Eu dei apenas alguns exemplos de erros usando algumas coisas da sua história, mas aconselho que faça uma revisão mais minuciosa. Se você quiser, o Inkspired possui um blog que dão algumas dicas de gramática chamado Esquadrão da Revisão caso tenha alguma dúvida das regras que eu expliquei aqui, ou também você tem a opção de solicitar um Beta Reader no serviço de Autopublicação para correção dos erros mais profundos. A verificação não é obrigatória para a história continuar sendo exibida, então se você tiver o interesse de ter sua história verificada, após corrigir os erros, é só responder a esse comentário que eu faço uma nova verificação. No mais, você escreve muito bem, parabéns! Tenha um bom final de semana! ;)
~