Idôneo Подписаться

thammirb Thammi RB

Tempo já tinha passado desde a batalha final da grande guerra ninja. Pouco para uns e muito para outros. O mundo shinobe oscilava entre abraçar a bandeira da paz ou voltar às velhas tradições. Em uma missão o Jinchuuriki de Kurama reencontra o Sasuke. E uma velha promessa é renovada. ***Continuação de Idílico*** ***UniversoNinja*** ***”DivergênciaCanonica”*** ***Mangá699*** ***NaruSasuNaru*** ***Yaoi*** ***Lemon***


Фанфик Аниме/Манга 18+.

#narusasu #lemon #yaoi #posguerra #sasuke #naruto
4
3.7k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Único

ღღღ Olá ღღღ

ღ Faz tempo que eu tenho em mente fazer uma continuação de Idílico e tam tam tam ram, finalmente consegui! Ficou um pouco maior do que eu esperava. Como sempre ‘-‘

ღ Não existe uma real obrigatoriedade de leitura, mas quem quiser ler a “parte 1” ela é pequena e bem fofinha.

https://getinkspired.com/pt/story/37321/idilico/

ღ Espero que gostem ღ


ღ ღ ღ


Idôneo

O vento mudou de direção, Sasuke reparou ao ver as folhas das árvores voarem descoordenadas. Estava sentando a sombra de uma frondosa magnólia aproveitando aquele dia fresco de primavera. Encostado em si um gatinho preto devorava o restante do seu origini. Acariciou as orelhas do bichano com carinho. Não impostava por onde andassem, parecia atrair os pequenos felinos, o que era bom. Evitava que se sentisse sozinho.

Sua jornada pelo mundo o levou a diversos lugares, um mais lindo e extraordinário que o outro. Aquele que mais se destacava na sua memória com certeza eram as montanhas do norte, cujo o lago congelado refletiu a luz dos ventos solares e o proporcionou um dos espetáculos mais lindos do mundo; a aurora boreal. Durante todo o tempo que ficou observando o show de luzes só uma coisa vinha a sua mente.

Minha outra metade.

Pensar em Naruto tornou-se uma constante e tinha um poder de contrariedade engraçado. Ao mesmo tempo em que o enchia de saudades e criava uma vontade anormal de voltar correndo para Konoha só para se certificar que ele estava bem, também lhe dava motivação para continuar sua jornada de autoconhecimento. Tinha ficado tanto tempo submergido em ódio e na vingança que desaprendeu a ver as coisas bonitas do mundo e reaprende-las estava sendo incrível.

Mas isso não significava que não estava atento as coisas a sua volta. Em suas andanças pelo mundo afora, viu muitas pessoas felizes com o rumo que as nações Shinobes estavam tomando, visando à paz e a cooperação. Só que, infelizmente, também existiam aqueles que não estavam nada satisfeitos com isso e incitavam grupos, pequenos por ora, contra aquela nova ordem.

Tolos.

Sabia de onde isso vinha. Os grandes senhores feudais eram a pior influência. Eles não podiam demonstrar abertamente para não ter sua “imagem” corrompida, mas não tinham interesse nenhum na paz. Ninjas, armas, suprimentos, missões, guerras tudo isso envolvia uma poderosa movimentação monetária. Como único caminho dos shinobes por um longo tempo já era de se esperar que um novo sistema tivesse alguma rejeição, todas as grandes mudanças tinham.

Suspirou profundamente levantando do lugar que estava. Seus músculos protestaram de leve pelo tempo em inercia. Só esperava que aquele usuratonkanchi tivesse reservas de força para administrar tudo aquilo, pois mesmo que ele ainda não fosse o Hokage sabia que esse dia chegaria muito em breve.

O gatinho preto que vinha o acompanhando se esfregou nas suas pernas em uma despedida e rumou ao caminho contrário do que tomaria. Se não estivesse enganado, estava perto de uma hospedaria. Até que não seria má ideia descansar em um lugar confortável para variar.

De repente seus sentidos ninjas despertaram ao sentir chacra se aproximando e imediatamente seu sharingan reagiu. E relaxou ao ver ao ver uma dupla de ninjas que vinham conversando tranquilamente que mal notaram sua presença, crianças. Mas seu coração deu um pequeno salto ao ver que eles usavam a bandana da aldeia da folha.

- Sasuke?! – Girou o pescoço lentamente em direção ao chamado e estreitou os olhos ao ver aquelas íris intensamente azul.

- Naruto.

Antes que pudesse pensar em alguma coisa o loiro já estava apertando-o em um abraço saudoso o que chamou atenção de seus companheiros.

- Seu bastardo! Por onde você andou? Por que não mandou nenhum noticia? – Reclamou ainda com o rosto muito perto da orelha do moreno fazendo sua pele se arrepiar de leve. A voz do Uzumaki estava alguns tons mais grossa, sinal de que havia deixando a adolescente definitivamente para trás.

- Naruto-sempai?

O ninja laranja o soltou de forma relutante e encarou os companheiros. Eles eram nitidamente mais jovens provavelmente chunis.

- O que está fazendo aqui? – Sasuke se afastou um passo por puro reflexo já que tinham estranhos por perto.

- Eu, a Chioko-chan e o Sota-kun estávamos em uma missão no país da Grama, nem acredito que te encontrei!

A garota avaliou o moreno, aqueles olhos, já tinha escutado sussurros sobre aqueles olhos. Uchiha Sasuke a pessoa que tinha ajudado o Naruto-sempai a vencer a guerra, além de ser o único a quem o Uzumaki reconhecia como rival. E... Não era só isso. Julgando pela forma como o rosto do herói de Konoha parecia reluzir.

Sorriu atenciosa.

- Naruto-sempai eu e o Sato queremos ver o festival que tem no vilarejo perto daqui, podemos pernoitar? Assim você e seu amigo podem colocar a conversa em dia – sugeriu já se afastando e carregando consigo o colega que murmurava um “que festival?” extremamente confuso.

Os dois veteranos piscaram surpresos por aquela iniciativa inesperada. Naruto se recuperou rápido e olhou para o Uchiha com um sorriso de orelha a orelha. Ficar algum tempo na companhia de Sasuke era tudo o que queria. Esse suspirou, era bizarro o jeito que a vida encontrava de uni-los, não importava as circunstâncias.

~*~

Foram para a hospedaria que Sasuke já planejava ficar e lá foram recepcionados e acomodados por uma simpática velhinha. O lugar estava vazio para alivio dos dois. Logo pediram uma refeição quente e não demorou muito para se servirem.

Naruto observava atento o moreno lidar com a falta do braço esquerdo de um jeito incrivelmente natural. No fundo sentia uma pitada de culpa pelo estado de Sasuke, mesmo que o Uchiha se virasse muito bem. Nunca entendeu o porquê dele não esperar a prótese ficar pronta. Ela ainda estava guardada sob a proteção de Sakura caso um dia ele mudasse de opinião.

- Qual o problema Dobe? – Uma sobrancelha negra subiu.

- Não é nada – riu desconcertado. – Seu cabelo tá maior.

- Hn.

- Tá bonito. – As bochechas dos dois esquentaram de leve.

“Eu não sou obrigada a ver essa melação!” – A voz de Kurama soou alta dentro da mente no Jinchuuriki. – “Vou dormir e não me incomode!”

Naruto sacudiu a cabeça de leve e suprimiu a vontade de rir. A raposa havia se tornado uma grande amiga e quase esquecia que ela estava ali às vezes. Se Sasuke notou alguma coisa decidiu ignorar.

- O que você tem feito pelo mundo Teme?

- Observando, aprendendo, pesquisando – mastigou lentamente a comida. A senhora que os acomodou fez questão de exaltar a qualidade das refeições do lugar e ela estava certa, ou era a companhia que estava deixando tudo mais agradável?

- Pesquisando? – Naruto o mirou confuso. – Pesquisando sobre o que exatamente?

- Nossa ligação – respondeu simples vendo o outro engasgar. – Você não tem curiosidade para saber mais a respeito?

O Uzumaki tossiu e bebeu um pouco de água para ganhar tempo e desviou o olhar da intensidade que era o rosto de Sasuke. Claro que tinha curiosidade, mas também sentia um medo sobrenatural de saber mais a respeito daquele elo que os conectava.

- É... Talvez, pra falar a verdade não é um assunto que eu tenha pensando muito – respondeu baixo ignorando o estreitar de olhos do Uchiha. – O que você descobriu exatamente?

O ex nuke-nin considerou o antigo parceiro de equipe. Já esperava que ele tivesse aquela reação dissuadida ao tocar naquele assunto e se perguntou se valia a pena ou não compartilhar das informações que obteve ao longo do tempo, eram tantas e ao mesmo tempo em que faziam sentido de certa forma continuavam inconcretas.

- É complicado – buscou uma forma simples de dizer. – Se você acredita em religião algumas fazem alusão ao processo de “evolução espiritual” onde a alma precisa retornar para terminar o que deixou em aberto. Há também os que creem no destino e afirmam que ele não deixa pontas soltas. Os mais céticos chamam apenas de carma e existem aqueles que agregam o terno alma gêmea.

- Alma gêmea? – Naruto repetiu lentamente. – Sério Teme? Não sabia que tinha ficado tão romântico.

Sasuke arremessou o travesseiro que acertou em cheio o rosto do Uzumaki. Embora o objeto fosse leve a força imposta par joga-lo foi forte o suficiente para derrubar o loiro no chão.

- Cala a boca idiota!

- Desculpa, desculpa... Continua vai – pediu vendo o brilho arroxeado do rinnegam se sobressair por alguns fios da franja escura.

Sasuke ficou olhando seriamente, pensativo se valia a pena ou não falar sobre aquele assunto justamente com o Uzumaki. Rolou os olhos, terminaria já que tinha começado.

- O terno alma gêmea é superestimado pelos romancistas. Alma gêmea não significa que aquelas duas pessoas estão fadadas a se envolverem romanticamente todas as vezes que reencarnarem. Em algumas vidas eles podem vir como irmãos, parentes ou até mesmo grandes amigos. Tudo depende da missão que tem a desempenhar.

- Missão? – As sobrancelhas claras subiram.

- Como eu disse é complicado, as explicações se misturam e variam muito. – Empurrou os utensílios que usava para comer. – O único denominador comum entre todas as teorias é que; quem partilha desse laço vai se atrair sempre, como polos opostos, diferentes, mas que não funcionam sem o outro. – Desviou o olhar lutando contra o rubor. – Duas metades de um inteiro.

As íris azuis ficaram mais brilhantes quando se deu conta do peso daquelas palavras. Um sorriso genuíno nasceu nos lábios do herói de Konoha.

- Nós somos as metades de um inteiro?

- Há quem chame assim – respondeu sem jeito.

- Então porque tem tanta tragédia envolvida? – Perguntou baixinho se aproximando do Uchiha.

- Também tem explicações variadas para isso – tentou não se abalar pelo calor que o corpo do outro exalava e não expressou reações quando os dedos bronzeados começaram um sutil carinho na pele da sua mão. – Além da manipulação da Kaguya e do Zetsu preto, aparentemente quando não há conciliação entre pessoas que partilham desse tipo de vinculo a tendência é essa. Quando não cumprem o “destino” de ficaram juntos uma das partes dente a destruir a outra, mas isso varia de crença para crença.

Naruto ficou quieto e terminou apoiando a cabeça no ombro do moreno. As palavras finais de Sasuke pesaram no seu peito e fizeram crescer uma sensação de inquietude. Eles tinham quebrado o ciclo certo? Não haveria mais batalhas entre eles. Uma parte de si morreria se tivesse que machucar Sasuke de novo ou de ser machucado por ele.

- Então tudo isso teria sido evitado se o Hashirama ojichan tivesse ficado com o Madara?

- Talvez – respondeu neutro, ignorando a mão do Uzumaki que agora corria pela pele sensível do seu antebraço. – Mas esse mundo precisava evoluir e de certa forma o Shodai foi o ponto de ignição do mundo que conhecemos hoje. As nações shinobes só se consagraram graças à iniciativa dele. Assim como você – encarou os olhos azuis firmemente. – Você é o próximo ponto de ignição do nosso mundo.

Como sempre ser reconhecido daquela maneira por Sasuke era fascinante a Naruto. Ele que teve a vila que um dia o repudiou gritando seu nome, não sentiu uma parcela do sentimento que aquelas palavras causavam no seu coração.

- Madara e Hashirama foram os pontos de ignição – retrucou roucamente. – Ele não teria conseguido criar a vila sem o apoio do Madara assim como eu não teria conquistado muitas coisas sem você – admitiu em voz baixa, Sasuke o olhava pelo canto dos olhos. – Mesmo longe você foi meu alicerce para continuar, treinar... Viver.

Incapaz de se parar, Naruto escorregou a mão até os fios escuros da nuca do moreno e acariciou a região. Um dos seus maiores arrependimentos era ter negado aquele beijo que estavam tão desesperados para compartilhar quando o Uchiha deixou Konoha pela segunda vez. A possibilidade de saber o gosto dos lábios dele o assombrava e por isso dessa vez não parou ou hesitou.

O primeiro contado foi leve, apenas encostaram os lábios e os mantiveram unidos por algum tempo. Roçaram seus narizes de leve em um movimento terno e instintivo até que finalmente voltaram a selar os lábios e aprofundarem o beijo.

Naruto apertou o cabelo negro com a mão postiça e a outra foi para a cintura de Sasuke que em troca segurou seu rosto. Repreendeu um gemido ao entrelaçar sua língua com a do moreno e explorou lentamente cada canto daquela boca. Inicialmente o Uchiha permitiu-se ser guiado até certo ponto, depois passou a investir com o mesmo afinco que o Uzumaki.

Se separaram ofegantes, o rosto de Sasuke estava vermelho e de Naruto refletia desejo demais para ser contido por apenas um beijo. Sem aviso o moreno levantou e murmurou um simples “banho” deixando o loiro para trás estarrecido. Comprimiu os lábios ferozmente, ah não... Não dessa vez.

...

Afundado na banheira até o pescoço, Sasuke se xingava mentalmente pela atitude nada corajosa que teve. Não sabia lidar totalmente com a avalanche de sentimentos causados por Naruto e aquele contato que tiveram fez algo dentro dele entrar em ebulição. Admitir os sentimentos já tinha exigido tanto, que dirá assumi-los desse jeito.

Desde quando era tão covarde?

O coração deu outra guinada ao ouvir a porta se abrir e Naruto entrar tranquilamente.

- Você esqueceu sua yukata – colocou a roupa dobrada cedida pela hospedaria sob um dos bancos. – Precisa de ajuda para lavar as costas?

Negou com a cabeça e se surpreendeu ao vê-lo deixar o banheiro. Em seguida se recriminou mentalmente, o que esperava? Que ele entrasse na banheira e tomasse banho com ele. Era degradante admitir... Mas era exatamente isso que queria.

Sentiu o corpo todo esquentar em uma mistura de vergonha e desejo.

Terminou o banho rápido e vestiu a roupa deixada pelo Uzumaki. Mal pisou no quarto e o loiro seguiu para o banheiro sem olha-lo muito, o que Sasuke agradeceu mentalmente, tinha certeza que ainda estava ruborizado.

Sentou no futon, seu corpo estava fadigado e sua mente ainda revivendo os momentos que teve mais cedo com o antigo companheiro de equipe e por isso nem percebeu que estava sob o único futon do quarto.

Naruto voltou bem mais rápido do que ele tinha amarrado a yukata de qualquer jeito e o tecido pendia de forma perigosa pelos seus ombros. E surpreendendo-lhe mais uma vez naquela noite o Jinchuuriki se ajoelhou na sua frente e segurou seu rosto com ambas as mãos.

- Sinto sua falta... Quando você vai voltar para casa?

Sasuke mordeu o lábio inferior, seria mentira dizer que sentia falta de Konoha ou que a considerava sua casa. Tudo era por causa do Naruto, aquele era seu lugar para retornar porque o loiro estava lá, protegeria sim a vila, mas não por lealdade e sim para honrar o sacrifício do irmão. Um dia aqueles sentimentos podiam mudar, mas ainda não era tempo.

- Não estou pronto ainda – a resposta veio sussurrada. Mal tinha controle dos próprios pensamentos, estava se afogando, se perdendo naqueles olhos azuis.

- Sasuke...

Seu nome dito daquele jeito tão entregue pareceu uma sentença da qual não podia recorrer. Ergueu o corpo ao mesmo tempo em que o Uzumaki descia o dele. Não era hipócrita dizer que não estava almejando aquilo e suspirou novamente ao ter os lábios tomados em um beijo bem menos inocente do que haviam trocado anteriormente e bem mais úmido.

Apertou o tecido que cobria as costas do loiro para ter apoio, estava sentado, meio inclinado para trás com Naruto parcialmente sobre si. A mão verdadeira dele explorava a pele do seu peito exposta pela abertura do yukata e a sintética apoiada no chão para impedir que seu corpo desabasse completamente sobre o moreno.

Inspirou profundamente buscando recuperar o ar e seu olfato foi inundado pelo cheiro cítrico que vinha da pele do loiro. Não sabia dizer se era algo natural ou de algum produto de higiene, não importava a fragrância fez um bom trabalho em entorpecê-lo e só notou que havia jogado a cabeça para trás quando a língua que antes estava explorando sua boca passou a lamber toda extensão do seu pescoço. Arfou surpreendido por uma mordida que com certeza deixaria a pele de alabastro marcada.

Queria tocar mais em Naruto e nunca a falta do braço esquerdo pareceu tão lamentável. Seu corpo estava esquentando perigosamente e um calor conhecido já tomava conta da sua virilha. Gemeu baixinho quando os dedos bronzeados roçaram em um dos seus mamilos e engoliu a seco ao ter os olhos cerúleos fixos no seu rosto.

- Alguma vez já te tocaram assim Teme? – O tom da pergunta foi rouco.

- Não. – Não sentia vergonha nenhuma em admitir isso. Nunca gostou ou teve tempo para contatos físicos, cego demais em seus objetivos obscuros e ao se libertar disso, aquele loiro estúpido passou a ser a única pessoa com quem gostaria de ter aquele tipo de intimidade. – Você já?

- Uma vez... Com os outros em uma festa na Névoa – os olhos azuis não saiam da face de Sasuke. – Foi com uma mulher mais velha, a única vez. – Mordeu o lábio dividido se devia ou não contar o resto para o moreno e como sempre optou pela honestidade. – Eu fiz mais porque queria aprender.

- Aprender?

- É – brincou com o laço que mantinha a yukata do Uchiha fechada. – Há muito tempo eu quero você e sonho com isso. Não queria bancar o idiota inexperiente.

- Então eu vou bancar o idiota inexperiente? – Sasuke arqueou a sobrancelha.

- Duvido muito – a voz do Jinchuuriki desceu alguns decibéis. – Você é delicioso demais para isso. – Finalmente desfez completamente o laço, mas antes de fazer qualquer movimento as íris turmalinas pediram por aprovação.

Que veio em outro selar de lábios iniciado por Sasuke e como Naruto previu, dessa vez o moreno dominou o beijo, mordiscando e lambendo os lábios carnudos, ciente que o tecido da yukata foi afastado do seu corpo e ficou caído sobre seus ombros.

- Ah... Naruto – grunhiu ao sentir os dedos dele voltarem ao tocar nos seus mamilos.

- Vai ser gostoso – sussurrou rente ao ouvido do moreno mordendo a carne macia do lóbulo. – Eu prometo.

Se só o tom áspero já estava causando arrepios, Sasuke mal podia esperar pelo o que viria a seguir e tremeu de desejo quando a palma quente do Uzumaki correu pelo seu abdômen até chegar ao umbigo. Seu peito subia e descia pela respiração acelerada e contraiu as sobrancelhas em uma nova onde de prazer quando a boca de Naruto substituiu seus dedos e passou a beijar e a lamber seus mamilos, alternando entre um e outro. Ora mordendo, ora chupando delicadamente.

- Mmmm – Não conseguiu prender o som de prazer ao sentir os dedos ásperos tocando a pele sensível da sua virilha. Sentiu o pênis pulsar dolorosamente em expectativa. – Naruto...

O loiro ergueu o olhar para a face avermelhada e retesada de prazer e sentiu o próprio falo reagir à visão de Sasuke corado, ofegante, com os lábios entre abertos em um pedido mudo que ele iria adorar atender. Fechou a mão na base do membro inchado e sugou o ar entre os dentes ao mesmo tempo em que o moreno gemia.

- Você tá tão duro – iniciou a felação lentamente. – A cabeça do seu pau tá tão molhada – em ênfase circulou a glande com polegar. – É bom, não é?

Tonto por estar sendo masturbado pelo loiro, o braço que o mantinha inclinado agarrado as costas de Naruto falhou, e terminou caindo sobre futon. Imediatamente suas pernas se flexionaram para dar mais espaço ao Uzumaki. Olhou-o por entre a franja úmida de suor, seu rinnegam devia estar imitindo um leve brilho, sinal do seu descontrole. Esticou a mão até o yukata dele e desfez o nó rapidamente.

- Também quero te tocar.

- Então toque – ágil o loiro se livrou da peça e levou a mão do Uchiha ao seu membro.

Quase intimidado pela intensidade das íris azuis que começaram a mostrar manchas alaranjadas, Sasuke fechou os dedos naquele pedaço de carne rija e imitou os movimentos que ele tinha aplicado em si.

Bem que Naruto queria aproveitar melhor aquilo, mas ele tinha outra coisa para fazer. Lambeu três dedos sem deixar de olhar para Sasuke. Deixou os dígitos bem úmidos, serpenteou a mão pelo corpo pálido até chegar ao ponto que merecia sua atenção. Rodeou as pregas lentamente vendo pré-sêmem jorrar da glande de Sasuke e não se conteve em colocar um dedo. Sasuke se arqueou de leve mais não demonstrou sinais de desconforto. Explorou o canal apertado lentamente, os pequenos ofegos do moreno estavam testando seu autocontrole, não resistiu em enfiar mais um digito e ficou imóvel ao vê-lo se contrair de leve.

- Teme? – Estava em um estado de tesão tão grande que sua voz mal saiu e qual foi sua surpresa ao ver o quadril do Uchiha se mover lentamente contra sua mão.

- Não para... Tá gostoso.

- Tsc... Mais tarde não vai se esquecer que foi você quem pediu.

Estocou firmemente algumas vezes até colocar o terceiro dedo no interior apertado. As sobrancelhas escuras se franziram e por isso aliviou um pouco a intensidade dos movimentos. Sasuke abriu os olhos e puxou sua nuca para beija-lo, assim que suas línguas se tocaram voltou a mover os dedos com força buscando preparar o canal. O moreno deixava os gemidos escaparem por entre o beijo e se arqueava contra a mão de Naruto. Em um movimento mais preciso arregalou os olhos e jogou a cabeça para trás quando um ponto, que enviou descargas de prazer pelo seu corpo, foi massageado. Arranhou o ombro do Uzumaki em resposta que só grunhiu em aprovação pela caricia áspera.

- Ei, Teme...

- Vamos Dobe – pediu com o olhar entreaberto. – Eu quero.

A expressão feroz de Naruto que só era acentuada por aquelas marcas foi o bastante para fazer o moreno estremecer dos pés a cabeça. Mordeu o lábio inferior para impedir-se de lamentar ao senti-lo retirar os dedos do seu interior e choramingou quando a ponta inchada do falo rijo tocou sua entrada. Sentiu aquele maldito pincelando sua entrada, espelhando pré-sêmem acumulado na cabeça regurgitada antes de se enfiar em uma única estocada.

As costas de Sasuke saíram do colchão enquanto um grito baixo escapava da sua garganta. Naruto ofegou ruidosamente sentindo o canal apertar seu pau com força e precisou tomar longas respirações para não gozar imediatamente. A sensação era indescritível. Tinha chego ao paraíso em vida.

- Sasuke...

O Uchiha entreabriu os olhos focando no rosto do Jinchuuriki. Nas íris claras estava nítido o que ele queria dizer, o que iria dizer, mas não era necessário. Entre eles nada nunca foi preciso ser verbalizado para ser entendido.

Esticou a mão para abraça-lo pelo pescoço e traze-lo ao alcance da sua boca. Esfregou a ponto do nariz pela bochecha marcada até seus lábios estarem rente a orelha esquerda.

- Faça – beijou a cartilagem. – Me tome... se puder – desafiou.

Naruto encurtou o olhar e sorriu maliciosamente. Se era isso que ele queria. Maneou o quadril de forma que só a ponto do pênis permaneceu no interior do moreno e com um movimento firme meteu-se por completo novamente. Deliciado viu o rosto de Sasuke se contrair de prazer e a boca rosada se abrir para deixar mais sons de prazer escaparem. Sentia as unhas curtas arranharem suas costas e adorou a ardência que causavam.

Quase sem controle as estocadas aceleram até que só o barulho dos seus corpos se chocando ecoava pelo quarto. Naruto revirou os olhos, estava enlouquecendo e queria Sasuke tão louco quanto ele e sabia o que precisava fazer.

“Cade... Onde é que tá?”

De repente o Uchiha sentiu aquele ponto ser acertado e permitiu-se gemer alto. Cruzou as pernas na cintura do loiro apoiando os calcanhares na bunda musculosa e selou seus lábios novamente desesperado e afoito pelo prazer que percorria seu corpo. Impiedosamente, Uzumaki passou a investir só naquele lugar especifico.

Uma das mãos do Jinchuuriki foi para sua anca e o incentivava a se mover contra o pênis teso. Sasuke estava chegando ao ponto de mal conseguir corresponder o beijo perdido demais naquelas sensações inéditas.

- Naruto – choramingou de forma manhosa.

O Jinchuuriki havia agarrado seu falo novamente e o masturbava na mesma velocidade das estocas. Aquilo era tão bom.

- Vem Teme... Goza para mim.

O olhar negro ficou fosco e sua mente tornou-se uma tela em branco conforme sentia orgasmo varrer suas terminações nervosas. Mal processou a voz rouca de Naruto clamando pelo seu nome, mas sentiu a essência dele invadi-lo enquanto compartilhavam o pico máximo de prazer. Abraçou o loiro com força quando ele desabou sobre si.

Ainda ofegante o Uzumaki se afastou um pouco, só o suficiente para olhar o rosto de Sasuke. A franja que cobria o rinnegam tinha caído para o lado deixando o poderoso doujutsu a mostra. Tocou a testa pálida e suada com ternura e sentiu-o retribuir o carinho em suas costas.

- Também sinto sua falta – Sasuke admitiu em voz baixa.

Naruto arregalou os olhos e sorriu alegremente distribuindo beijos pela face que ainda estava avermelhada. Não estava esperando ouvir aquilo, mas não negaria a felicidade que aquelas palavras causavam.

- Penso em você todos os dias, fico feliz em saber que também pensa em mim.

Saiu de cima e de dentro do corpo do Uchiha e o abraçou por trás. Sabia que ele precisava de um tempo, mas nada no mundo o faria solta-lo agora.

- Eu não disse que seria gostoso – provocou beijando a nuca exposta para aliviar o clima.

- Usuratonkanchi.

O loiro gargalhou e fechou os olhos relaxando imediatamente, entrelaçou seus dedos em um movimento automático. Pela primeira vez em muito tempo tinha certeza de que teria uma noite maravilhosa de sono.

...

Na manhã seguinte eles já tinham saído da hospedaria sob o olhar conhecedor da senhora que os recepcionou, Naruto agradeceu cordialmente pelo atendimento já Sasuke queria rastejar para um buraco e nunca mais sair de lá.

Andaram por alguns metros até verem os pequenos companheiros de missão do loiro os aguardando no ponto de encontro. Chioko parecia contente e Sota confuso.

Sem dizer uma palavra o Jinchuuriki colocou a mão por dentro da capa do moreno e não teve dificuldades em achar o que procurava. Ergueu a bandana surrada pelo tempo até a altura dos olhos. Muitos sentimentos estavam refletindo nos olhos claros.

- É estupidez esperar que você venha para casa?

- Eu não estou pronto ainda – respondeu segurando a bandana que ainda não havia sido solta pelo loiro.

Na verdade não tinha certeza se um dia estaria. Não conseguia se imaginar vivendo em Konoha.

- Algum dia você vai estar? – Foi como se o Uzumaki lesse seus pensamentos.

- No dia que você se tornar Hokage eu estarei lá e vou responder essa pergunta – puxou a bandana. – Até lá eu estarei protegendo das sombras.

O loiro sorriu e assentiu, sentia uma enorme vontade de beijar aquela boca mais uma vez, mas sabia que Sasuke não iria gostar muito já que tinham plateia. Suspirou esperançoso indo se juntar aos companheiros sob o olhar atento do Uchiha. Estava tudo bem. Eram idôneos. Não importava o tempo ou à distância, estavam fadados a se encontrarem de novo. Eram conectados.

Agora e para sempre.

Só mais um pouco...

Muito em breve não precisaria se afastar de Sasuke nunca mais.

15 марта 2019 г. 13:02:28 0 Отчет Добавить 3
Конец

Об авторе

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~