Fio Vermelho Подписаться

way_borges229 Way Borges

Hashirama nunca foi um homem muito crédulo, mas ao chegar em casa naquela noite fria e encontrar o marido com uma foto antiga nas mãos, passou a ter um pouquinho mais de fé na lenda que diz que as pessoas estão ligadas por um fio vermelho. #HashiMada (Livre) (Capítulo Único)


Фанфик Аниме/Манга Всех возростов. © Naruto e seus derivados pertencem ao Kishimoto, porém a história é inteirinha minha. Capa editada por mim - créditos da imagem ao(s) autor(es).

#anime #yaoi #akai-ito #hashimada #madahashi #hashirama #madara #romance #naruto
Короткий рассказ
3
3597 ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Ligados Por Um Fio Vermelho

 

Notas Iniciais

Olá meu povo, olha eu aqui com mais uma one de Naruto, mas dessa vez a historia de é HashiMada.

É uma historia bem docinha, para vocês terem diabetes de tão meiga que é, espero que gostem.

Boa leitura.


****


Naquela noite fria de sexta-feira, Hashirama chegou a sua casa e logo estranhou o silêncio, normalmente o seu marido, Madara, sempre vinha lhe receber na porta, sorriu amplamente com essa mania que seu esposo tinha e como ficava vermelho, numa mistura de raiva e vergonha, quando o chamava de fofo.

O Senju não sabia como alguém conseguia ser temperamental, ao ponto de lhe fazer sentir uma vontade enorme de socar os seus dentes perfeitos e, ao mesmo tempo, saber ser alguém extremamente meigo?

Não conseguia entender como ele era capaz disso, talvez seja alguma coisa com o sangue dos Uchihas, seu sobrinho Naruto sofre com essa mesma dúvida, e ele não pode esquecer-se de que seu irmão mais velho é completamente apaixonado pelo irmão caçula do seu marido. Sua família deve ter alguma fascinação doentia por Uchihas.

Andou por todo térreo e não encontrou seu marido, nem mesmo quando o chamou pelo seu nome conseguiu alguma pista do seu paradeiro, subiu as escadas, receoso com o que poderia ter acontecido, e ao chegar a seu quarto achou Madara sentado na cama e em seu colo estava à caixa antiga que tinha trazido da casa de seus pais, os olhos negros do seu marido estavam cravados em uma fotografia e continham uma mistura de sentimentos tão grandes que chegou a assustar Hashirama.

— Madara? – chamou hesitante, estava extremamente confuso com o turbilhão de emoções que via passar nos orbes escuros do amado. Quando o moreno o olhou, seus olhos marejados confundiram ainda mais a sua cabeça. — Aconteceu alguma coisa? – o Senju perguntou preocupado com o estado do marido enquanto sentava na cama ao seu lado.

— Essa foto, onde você tirou? – Madara estendeu a fotografia para Hashirama, que a pegou sem entender o motivo de tanta comoção.

O Senju olhou para uma imagem dele de quando criança, sentado em um tronco de árvore caído no chão ao seu lado um garoto de cabelos rebeldes com grandes olhos negros, não lembrava mais daquela foto, mas agora, olhando-a, todas as lembranças daquele momento vieram a sua mente, sorriu com a recordação e depois voltou os orbes castanhos para o marido.

— Foi uma viagem que fizemos para a Grécia, foi um pouco antes de o Itamar falecer, acredito que tinha uns seis ou sete anos.

— O garoto, você sabe quem é? – lágrimas rolaram pelo rosto do moreno.

— Essa foto tem uns trinta anos, é claro que não sei quem é o garoto. Mas, porque a pergunta?

— Sou eu – o Uchiha falou em um sussurro.

Hashirama por pouco não entendeu o que o namorado falou, o olhou espantado.

— Como é? – questionou incrédulo.

— Esse garoto sou eu Hashirama – o moreno falou com mais firmeza.

— Não é possível – pontuou o Senju.

— Qual a probabilidade disso acontecer? – Madara perguntou olhando para Hashirama.

— Praticamente nula? – respondeu tentando assimilar essa incrível coincidência.

— Eu me lembro de você... quer dizer, mais ou menos... recordo-me de conhecer um menino com um corte de cabelo esquisito, ele estava passeando com um cachorro, também tenho a lembrança de ter passado quatro dias brincando com ele...

Hashirama recordava dos momentos que passou com o moreno quando era criança, e a cada palavra que o Uchiha proferia fazia com que tivesse mais certeza que estava diante do garotinho que conheceu há trinta anos.

— Porco-espinho! Eu te chamava de porco-espinho – o Senju interrompeu a narrativa do marido.

— Sim, e eu te chamava de molenga – ambos sorriram nostálgicos.

— Eu sempre me irritava quando você me chamava assim, e acabávamos brigando por causa disso – Hashirama acrescentou.

— Isso é uma loucura! Passei anos sonhando em reencontrar o garoto de cabelo esquisito.

— Não foi só você, eu também quis te encontrar, mas nunca imaginei que isso fosse acontecer e muito menos que teríamos um relacionamento. Acho que nós dois estávamos destinados a ficar juntos – Hashirama comentou olhando apaixonado para o moreno.

— Eu nunca tive dúvidas disso, essa foto só reafirmou o que eu já sabia – Madara respondeu, deixando transparecer todos os sentimentos que nutria pelo marido.

O Senju se inclinou na direção do Uchiha e selou seus lábios, o beijou como se fosse à última vez deles, mas sabia que esse não era o caso. O ósculo era calmo, doce, as línguas estavam em perfeita sincronia. Separaram-se por um instante, os olhos ainda presos um no outro, o Senju sempre se perdia no turbilhão de emoções que os orbes negros lhe transmitiam.

— Eu amo você – Hashirama sussurrou.

O Uchiha não respondeu e Hashirama não precisava de palavras naquele momento, sabia que Madara o amava, apenas tomou os lábios do marido novamente para si, não importava o lugar ou as circunstâncias, quando suas línguas se envolviam em um beijo carinhoso, doce e apaixonado, ambos tinham a certeza que o lugar de um era perto do outro e que permaneceriam juntos pelo resto de suas vidas. E por toda aquela noite se amaram e se beijaram repetidamente.

Madara estava feliz por saber que o garoto que ele tanto desejou reencontrar e o homem que tanto ama, eram a mesma pessoa. Hashirama não conseguia acreditar na incrível coincidência o menino que ele conheceu há uns trinta anos atrás era o mesmo homem que dormia em seus braços todas as noites nos últimos oito anos. Era incrível pensar que os dois se pertenciam mesmo antes de saberem o significado da palavra amor.

Hashirama nunca foi um homem muito crédulo, mas depois do ocorrido ele passou a ter um pouquinho mais de fé na lenda que diz que as pessoas estão ligadas por um fio vermelho.


****


Notas Finais

Então meu povo, o que acharam? A one é bem leve e fofa, né? Deixem seus comentários e lembrem-se de vota.

Betagem feita pela je pedroso obrigadão mana

Bjus xuxus

23 февраля 2019 г. 4:36:47 0 Отчет Добавить 0
Конец

Об авторе

Way Borges Nome: Waynne Borges Idade: aí depende da ocasião Sou um universo em constante expansão, sempre aprendendo coisas novas e aberta a novas experiências. Tímida no primeiro contato, mas depois o difícil vai ser me fazer parar de falar. Sou gentil, atenciosa e educada com todos e espero a mesma cortesia, entretanto, isso não significa que eu não saiba ser grossa quando necessário. Adoro chocolate, séries, filmes e desenhos. Cachorros e gatos sãos meu ponto fraco, fico toda derretida.

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~