Eragon Подписаться

akhamus_1550458112 Akhamus

Um jovem espadachim vê sua vida mudar completamente no instante em que participa de um teste que ele não tinha a intenção de fazer, se antes sua vida era cercada por aventuras, agora ele terá que lidar com mais aventuras que decidiram o futuro do mundo, acompanhado de seu novo e inesperado amigo


Приключения Всех возростов.

#reino #aventura #magia #lutas #dragão
Короткий рассказ
0
3264 ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

O Cavaleiro de Dragões

Acordo coberto por meu manto vermelho com um simbolo dracônico, não sei ao certo quando o ganhei, o tenho desde a infância, embora, eu sempre estive sozinho, vivendo e sobrevivendo por conta própria.


Me levanto e ajeito meu manto em minhas costas, ponho a mochila sobre ela e pego a minhas katana que estava no chão, ao caminhar alguns metros, do alto da colina vejo uma cidade enorme, seu castelo que ficava no centro, e no topo, era colossal, as casas a medida que iam subindo uma especie de morro, e se aproximando do castelo iam ficando cada vez mais luxuosas.


-Tenho que passar por essa cidade mesmo? Esse ar de nobreza me causa ânsia.


Cubro meu rosto com o capuz do meu sobretudo, então caminho indo em direção a cidade, chegando ao pedágio, havia uma movimentação estranha pela cidade, muitas pessoas estavam chegando ao mesmo tempo, porém não me importo muito com isso, não estava nos meus planos ficar ali por muito tempo, após passar pelo pedágio, me dirijo até uma estalagem que estava relativamente vazia, oque era difícil achar naquele dia, por conta desse estranho fenômeno, tudo estava lotado, me sento em uma das cadeiras e ponho o pé sobre a mesa.


-Senhor, em que posso lhe servir?!- diz uma atendente.


-Uhm.- suspiro.- acho que o prato da casa, ou oque tiver de melhor ai, tanto faz.


-Tudo bem hehe.- ela me olha com um sorriso de vergonha no rosto.


Alguns minutos depois ela trás minha comida, arruma perfeitamente sobre a messa, ao acabar apenas sorri e sai, ponho algumas moedas sobre a mesa e começo a comer, enquanto como, ouço a conversa de alguns homens que estavam na mesa atrás da minha.


-Você vai fazer o teste para cavaleiro?! ahn? por favor, você não conseguiria andar a cavalo quer montar um dragão?!- disse um deles enquanto ri.


-Custa nada tentar, só os nobres podem montar dragões, e ainda assim, são poucos, agora por algum milagre, nesse evento único estão deixando plebeus fazerem o teste, soube que apenas um será aprovado, se eu for o sortudo?!- Ele responde em um tom de vergonha, como se estivesse constrangido.


Após comer, me levanto e saiu dali, ao abrir a porta, ouço uma voz feminina de dentro.


-Senhor, seu troco.


Olho para trás e vejo a mulher que havia me atendido anteriormente vindo em minha direção.


-Eu sei que tem a mais, é meu agradecimento pelo atendimento, agora, não me incomode mais, adeus- Me viro novamente, saindo do estabelecimento, e me misturo em meio multidão que convergia para um único lugar, a Arena.


Vou sendo levado pela multidão, contra a minha vontade, embora eu mesmo não tivesse um rumo, ao chegar, vejo diversas pessoas, embora fosse uma multidão, todas estavam organizadas em filas e entrando na arena que lembrava o coliseu.


-Que desperdício de tempo- suspiro e faço uma cara de desaprovação.


-Ah cara, isso aqui é só uma desculpa para se reunirem e encherem a cara, ninguém aqui quer realmente se tornar um Dragon Knight- Diz um rapaz aleatório em meio a multidão- Vamos la cara, não faz mal nenhum- ele bate de leve em minhas costas, me lançando na fila, quando eu olho para trás, não vejo ninguém.


-Estranho, mas já estou aqui mesmo, e não tenho nada para fazer- penso alto.


Após algumas horas na fila, entro no coliseu, o sistema era totalmente organizado, todos os participantes assinavam uma ficha magica, que media a forca e a compatibilidade da pessoa com os dragões, porém ali havia um único casulo de dragão,não sabiam a qual elemento pertencia aquele dragão.


-Tenho certeza de que é por isso que qualquer um pode tentar, provavelmente nenhum nobre conseguiu despertar o dragão.


Quando chega a minha vez, preencho a ficha e ao por a palma da minha mão no local que media minha força e compatibilidade, porém o letras em negrito surgem sobre o papel: "Medição inexata".


-Ora, isso nunca aconteceu- uma mulher ruiva, usando um vestido vermelho longo, com um corte ao lado,exibindo suas pernas que estavam cobertas por uma meia calça arrastão preta, se aproxima de mim e sorri- Não se preocupe, esses papeis são apenas formalidades- Sua voz doce e calma penetra meus ouvidos e causam arrepios por todo o corpo.


-E você, quem é?- Digo acompanhando ela com os olhos, ainda com o papel em mãos.


-E isso importa?- ela se aproxima de mim e põe a mão em meu tórax e começa a me rodear ate que suas mãos param em minhas costas- Me acompanhe- ela começa a andar, afastando sua mão de mim.


Que seja- fecho os punhos, amaçando o papel que estava em minha mão, então a sigo.


Caminhamos por alguns corredores ate que chegamos a um enorme espaço, onde todos que haviam feito a ficha estavam, em volta estavam os nobres, observando tudo de uma arena, ando em direção ao casulo e espero a minhas vez, os nobres pareciam insatisfeitos por estar ali, claramente não estavam confortáveis juntos a tantos plebeus reunidos.


-Esnobes- penso comigo mesmo.


Vejo que a medida que o tempo vai passando eles sussurram um para o outro, estavam inquietos, não queriam mais estar ali, suas expressões de desgosto era cada vez mais visível, porem as pessoas consideradas plebeias apenas riam e bebiam, sem se importar com eles.


Logo chega minha vez, tudo que eu precisava era me aproximar do casulo e toca-lo e liberar parte do meu poder magico nele, então o faço, a principio nada acontece, quando me afasto, dando alguns passos para trás o casulo começa a trincar, todos se afastam, os nobres se levantam, aquela mulher de antes, que estava observando das sombras se aproxima com um breve sorriso no rosto.


Quando o casulo se abre, um rugido ecoa de dentro, uma marca que havia em minhas costas, que pelo que me lembro, tenho de nascença, começa a doer, uma dor tao forte que me faz cair de joelhos, um caos se instaura, um dragão negro com algumas escamas vermelha que pareciam rubis,suas escamas era brilhantes e cintilantes, surge de dentro do casulo, suas garras fincam no chão e ele sai lentamente, suas asas eram enorme, a medida que ele abria e fechava uma fortes rajada de vento se formavam.


Dou um grito de dor e agonia, cada vez mais aquela marca me incomodava, o dragão se aproxima de mim, nesse momento minha visão estava ficando escura, a dor estava me fazendo perder a consciência aos poucos.


-hey, acorde, você precisa acordar, me aju[...]


Abro os olhos aos poucos, minha cabeça doí, estou em uma cama, não reconheço o lugar, parecia uma enfermaria, a cama estava cercada por uma cortina branca, me levanto e sento na cama.


-Oque foi aquele sonho?.


- Que sonho? Que bom que você já esta melhor- uma mulher de óculos abre as cortinas, ela usava uma saia que ia abaixo dos joelhos, uma blusa cinza justa que realçava seus bustos avantajados, uma sapatilha preta e um jaleco.


-Quem é você?- digo enquanto me levanto da cama.


-Não se esforce muito, você surpreendeu a todos e depois desmaiou, eu vi tudo, todos ficaram surpresos.


-Onde estou?- olho para ela.


-Esta na enfermaria do castelo, aqui é a ala especial para os Dragon Knight, parabéns pelo titulo.


-Ahn?-minha cabeça doí ainda mais.


-Calma,muita informação para uma recuperação depois do sofrimento que você passou, se eu fosse simplificar, a dor que você sentiu, é como se alguém morresse cem vezes, de cem formas diferentes, e todas elas extremamente dolorosas, me pergunto como você saiu disso sem um trauma.


-Uhm,isso não faz sentido, eu me lembro de uma multidão, um dragão, está tudo fragmentado.


-Seu dragão, pois é, aquele é um dragão nunca visto antes, quando você desmaiou e fomos tentar te acudir, ele ficou ao seu lado, e convenhamos ele era bem assustador.

-Eu não tenho um dragão- ponho a mão em minha testa.


-Não se pode obter o titulo de Dragon Knight,sem um dragão- ela se levanta e aplica uma injeção em mim.


-Oque é isso?-sinto um leve incomodo.


-No fim da nossa conversa, sua dor de cabeça terá passado,e você estará liberado.


-Certo, oque mais temos que conversar?.


-Vou te situar sobre sua posição, o casulo que você eclodiu foi um ovo que a muito foi considerado sem valor, não havia serventia para os nobres, cientistas de renome contratados pela corte afirmaram que não havia um dragão no casulo, e se houvesse ele seria fraco e inútil, a dois dias atras você provou que estavam errados, além de eclodir o casulo, você trouxe um dragão não catalogado, que esta sendo considerado acima do Rank S+, os nobres estão furiosos pois claramente alguém que eles consideram plebeu atingiu um titulo superior a da igreja, abaixo apenas do rei, aconselho que tome cuidado, não confie em ninguém e acredite quando eu digo que nesse castelo ate sua própria sombra pode lhe trair.


-Ainda é confuso, eu não sei se entendi tudo mas,agora sou um Dragon Knight, tenho um dragão acima de S+, e não devo confiar em ninguém.


-Entendeu o essencial- enquanto ela fala, uma batida na porta pode ser ouvida,então ela se levanta e vai abri a porta, porém tudo que ouço são múrmuros.


Me levanto e visto minha camisa, ao andar um pouco vejo diversas macas, todas vazias porém devidamente arrumadas e organizadas, o sol entrava por uma janela e iluminava todo aquele recinto, era impossível dizer com precisão o tamanho daquela sala, fico parado admirando tudo aquilo.


-Parece que o rei deseja falar com você, esse guarda ira lhe acompanhar até lá.


-Vamos, Sua Majestade o aguarda- diz o soltado, logo que termina de falar ele começa a marchar.


Sigo o mesmo, saindo da enfermaria e entrando em um corredor, a principio era escuro e sombrio, totalmente diferente da enfermaria que era quente e acolhedor, haviam tochas iluminando nosso caminho, as chamas dançavam em seu próprio ritmo, o vento que passava assoviava suas canções, a sombra do meu corpo que me seguia acompanhava meus movimentos,


-Não posso confiar em minha própria sombra- percebo que falei alto, então olho para o guarda, porém o mesmo parece não se importar, ele continua olhando para frente, e caminhando, sem perder o foco.


Caminhamos por mais algum tempo, percebo que se por fora aquela construção já parecia estupidamente grande, por dentro a conclusão era certeira, em um ponto, faço um risco quase imperceptível em uma parede, para me certificar que não estávamos andando em círculos, cerca de dez minutos depois ele para ao lado de uma porta.


-Prossiga, o soldado do outro lado ira guia-lo de agora em diante- ele bate a lança que ele empunhava no chão, e em seguida bate seu pé, ficando em posição de guarda ao lado da porta.


Abro a porta e o cenário era completamente diferente, o piso era coberto por um longo tapete, com cores que formava uma arte abstrata, as paredes eram pintadas com um azul forte,que remetia a realeza, alem disso possuía diversos quadros com belíssimas pinturas feitas a mão, pintadas com tinta óleo, haviam também vasos decorativos luxuoso, o guarda que me esperava sorri amigavelmente ao me ver, a aura que ele emanava era completamente diferente da do anterior, ele emanava inocência e amistosidade.


-Acompanhe-me por favor Sir.- ele diz e marcha, assim como o outro, logo acompanho seus passos enquanto admiro as pinturas na parede.


Após uma breve caminhada, chegamos a uma porta branca gingante, cheia de entalhes com o brasão real escupido, a porta era guardada do lado esquerdo por apenas um guarda quando chegamos, porém o guarda que me guiava logo se põe em posição, ao lado direito da porta, então a mesma se abre, dividindo-se em dois, quando entro vejo a sala do trono, a visão era estupeficante, alem do andar onde ficava o trono, na parte de cima havia como que arquibancada, provavelmente para os nobres esnobes se sentirem mais esnobes e superiores do que já acham que são.


Sigo caminhando por um tapete vermelho com bordas douradas, que se iniciava na porta e seguia ate além de onde podia se ver, paro de frente a uma escada, subindo a mesma haviam guardas armados, dois em cada degrau, no topo, o rei, sentado em seu trono, do seu lado esquerdo e direito haviam outros assentos,porém ambos vazios.

Me curvo perante o rei- Ora, não precisa dessa formalidade- diz o rei enquanto se levanta e desce alguns degraus.


-Sim, meu rei- digo e me arqueio


-Já lhe situaram da sua posição nesse castelo?- diz o rei, enquanto olha para mim.


-Me disseram que sou um Dragon Knight.


-Sim Sim, com o tempo menos guerreiros foram surgindo, esse reino já teve um exercito, porém por algum motivo o numero de guerreiros que surgiam com afinidade para domar um dragão diminuiu bruscamente, atualmente existem dois, se contarmos com você, três- diz o rei


-Sim, você esta certo meu rei, mas não irei considera-lo um cavaleiro até que sua força seja testada, um mero plebeu sem habilidade não pode entrar em uma ordem real tão facilmente.- diz um rapaz que entra rapidamente na sala do trono, empunhando uma lança com uma fita vermelha marrada ao seu cabo, fita essa que possuía o brasão real estampada.


-Ryuuji, controle-se- diz um outro garoto que entra logo em seguida, segurando um arco prata com algumas pinturas verdes, ele usava uma roupar que lembrava o uniforme escolar japonês, usando uma camisa branca com uma fita vermelha amarrada na gola, como uma gravata, seu terno era verde escuro.


-Vamos, lute comigo- Diz o garoto com a lança.


-Ryuuji,é? não tenho que lhe provar nada- digo,voltando-me ao rei.


-Ora seu- ele resmunga.


-Ryuuji-Dono, você ainda esta na presença do rei, comporte-se como tal- diz o próprio rei, voltando a seu trono e se sentando.


-Perdoe minha insolência- diz Ryuuji, enquanto se aproxima e se ajoelha- Mas meu rei, essa ordem de cavaleiros já tem sofrido muitas baixas, somos a ultima defesa do reino, não podemos por nossas vidas nas mãos de um homem sem experiencia em batalha e que mal conhecemos.


O rei olha para mim- Bom meu jovem, perdão ter que fazer isso com você, justo agora que você esta se recuperando, mas poderia nos dar uma previa do seu poder?.


-Se é oque o rei deseja- digo olhando para o mesmo.


-Vamos, para o campo de treinamento- diz Ryuuji.


Acompanho o mesmo até o local, parecia um estadio, porém o chão era de poeira, nas arquibancadas haviam apenas o rei e aquele garoto do arco, vejo minha katana junto a algumas outras armas então a pego.


-Parece que teremos mais um serviço, empreste-me sua força- digo retirando ela da bainha.


-Lhe darei uma vantagem, a minha magia é de fogo,não precisa me dizer a sua, quando eu acabar, você nem terá usado- diz Ryujji enquanto aponta sua lança em minha direção.


Ponho minha katana em posição de defesa, ao faze-lo Ryuuji parte em minha direção e me ataca usando sua magia. utilizando de seu poder Ryuuji consegue disparar de sua lança rajadas de fogo e o manipular mentalmente. Salto para trás enquanto as rajadas iam se chochando com o chão, uma após a outra, percebo que uma das rajadas vem por trás, então impulsiono meus pés no chão e salto por cima da rajada.


Logo em seguida com minha katana em mãos inicio o meu ataque, primeiro revisto a lamina da minha katana com magia de luz, em seguida ponho a horizontalmente acima do meu ombro suportando a espada, e em seguida, executo um balanço circular que lança a luz na lamina, em espiral projetado para o alvo.


Meu ataque viaja em grande velocidade, porém Ryuuji, põe fogo na lamina de sua arma, e gira a lança rapidamente, criando um espiral de fogo que se choca com o meu ataque, causando uma explosão.


-Ora, seu! Serpente de Fogo!- Ryuuji utilizando suas mãos cria uma serpente de fogo que se enrola em volta do corpo do meu corpo, impedindo meus movimentos.


Forço meus músculos do braço tentando partir aquela magia, porém sem sucesso.


-Tcs...é só isso, Ryuuji? Que patético- finco meus pés no chão, lembrando o estilo de luta sumo, em seguida forço novamente meus braços, e olho para Ryuuji.- Frios Braços da Noite – usando essa magia crio tentáculos de pura trevas, a partir das sombras e escuridão do local. Os tentáculos aparecem como grossas e compridas massas de escuridão sólida, contorcendo-se e movimentando-se sem parar. Os tentáculos podem ser usados tanto para atacar quanto para se defender ou imobilizar.


-Duas magias?! Mas, isso é impossível!- diz Ryuuji, enquanto os tentáculos o cercam, e se enrolam em seu corpo, em seguida vão se comprimindo, o esmagando por completo- Eu desis[...] Argh...


A magia dele se desfaz, me soltando, então desfaço meus tentáculos o soltando, coloco ele deitado no chão, ele estava inconsciente, porém ainda estava vivo, ando em direção ao rei que estava na arquibancada, porém continuo dentro da arena.


-Isso é suficiente, Meu Rei.- digo ao mesmo.


-Parabéns pela vitoria, Sir[...] perdão, ainda não sei seu nome.


-Elsharion, mas pode me chamar de Erion, Sua Majestade.


-Sir. Erion então, sua aluta foi deveras magnífica, e intrigante, diga-me, você consegue usar magia divina e magia sombria, simultaneamente?


-Sim, tenho afinidade com ambas.


Enquanto converso com o rei, olho para o garoto do arco e flecha que estava ao lado do rei, observando toda a conversa, enquanto entrelaçava uma mecha do seu cabelo verde em seus dedos, percebo enquanto ele fazia aqueles movimentos, que a orelha do mesmo era pontuda,provavelmente era um elfo.


- S-sim Erion-Sama, estou surpreso que alguém tenha conseguido derrotar o Ryuuji, o senhor é realmente forte.- diz o garoto.


-Fico agradecido pelo elogio, agora, seu amigo tem que ir a enfermaria.- aponto para o Ryuuji.


Ao notar, o garoto corre em direção ao Ryuuji para socorre-lo, enquanto eu volto a me dirigir ao rei.


-Diga-me, senhor desde que cheguei aqui, ouço falar sobre eu ser um Dragon Knight, mas cadê meu dragão?.


-Oh, ainda não o viu? Vamos, lhe mostrarei então! Na verdade, isso veio em boa hora, eu tenho uma missão para vocês três.- diz o Rei enquanto caminha saindo do campo de batalha.- Assim que Ryuuji sair da enfermaria, passarei a informação a todos.


-De acordo, Meu Rei.- digo acompanhando o mesmo.


-Seu dragão por ser, digamos que, especial, não tinha como ficar com os outros, e o deixamos no pátio do castelo, porém ele voou ate uma caverna próxima daqui, chegaremos la rapidamente, para nossa sorte, minha magia é de teletransporte!


-Oque? isso é possível?- pergunto surpreso


O rei estica seus braços e põe o cedro que ele segurava, a sua frente- Ó deusa fantasiosa, mãe de tudo que se move sob o céu e abaixo dele, que sua benevolência ilumine meus passos, para que eu possa caminhar pelos vales e bosques tortuosos, sob sua proteção!.- logo um circulo luminoso com alguns símbolos nos envolve e um pilar de luz sobe, atrapalhando minha visão momentaneamente.


Quando o pilar se desfaz, percebo um cenário completamente diferente do que estávamos, estamos agora em uma caverna, o teto refletia a cor azul de um lago que havia ali dentro, haviam varias estalagmites e estalactite, estava tão silencioso que era possível ouvir o som das gotas caindo no chão


-A sua magia é uma magia bem peculiar, Meu Rei, nunca ouvi falar de algo assim.


-Sir. Erion, o senhor não ouviu nem viu antes, e continua assim, não existe um ser humano nessa terra que possa se teletransportar, essa será sua resposta caso em algum momento alguém lhe questione isso, espero que tenha compreendido.


-Sim, Vossa Majestade, eu entendo.


-Melhor assim, Sir. Erion.


- Aqui esta escuro, só um instante.-fecho os olhos.- Iluminação –uma luz começa a emanar partir do corpo de Erion, podendo banir a escuridão e iluminar uma região inteira em um raio de 10 metros.


-Ó, bem eficiente suas magias.


-Agora podemos andar sem nos preocupar, vamos.- digo ao rei.


-Sim, o guiarei.- ele diz entrando em uma fenda.


Vou o acompanhando, até que damos em uma outra parte, dessa vez parecia uma mina, haviam pedras preciosas e brilhantes para todos os lados, criando um belíssimo show de luzes, que deixava qualquer um impressionado, independente de quantas vezes já houvesse visto aquela imagem


Enquanto admiro o lugar, vejo algo anormal em meio as pedras, então me aproximo, e aos poucos aquilo vai ganhando forma, o meu dragão estava encolhido, dormindo, então me aproximo e ponho a mão em seu focinho, sinto-me conectar com ele, eu sentia oque ele sentia, pensávamos como um só, logo ele abre os olhos e me encara, seu olhar penetra minha alma, um olhar frio e intimidador, ele vai se levantando aos poucos, mostrando ser completamente assustador


-Você me acordou? Você parece um mero humano, não tem como ter me despertado do casulo.- ele olha para meu manto e suspira, lançando uma quente baforada.-Então você é, agora eu entendo, mais isso não prova que você é digno de ser chamado de meste por mim.- ele se deita e se encolhe novamente.


-Do que você esta falando? Mestre? - pergunto ao dragão.


-Hm? Sir. Erion,com quem esta falando? Dragões não falam- diz o rei


-Mas, eu[...].- me viro em direção ao rei.


-Não é qualquer um que pode falar a nossa língua, garoto, apenas membros de um clã a muito extinto, nós governávamos os céus, enquanto eles dominavam a terra- diz o dragão


-E oque aconteceu com eles? E porque eu lhe ouço?.- viro-me novamente para o dragão.


-Então, você não sabe de nada do seu passado?.- o dragão olha novamente para mim.- O fato de estarmos conversando já devia ser um grande indicativo de que você é o ultimo do clã, quanto a oque aconteceu, muito simples, ninguém aceita um poder controlando tudo por muito tempo, os homens se rebelaram e se voltaram contra nós, tanto contra os dragões, quanto contra os membros do seu clã, gerando uma guerra de mais de três mil anos, ate que seu clã perdeu e nós decidimos desaparecer, porém vez por outra humanos achavam casulos com dragões e despertavam ele, criando essa Dragon Knight, eu me esforcei ao máximo para não despertar, mas por você ser do clã, acabou forcando meu despertar, espero que esteja satisfeito.


-Mas eu, calma! É muita coisa para processar, eu nunca conheci meus pais, e agora descubro que sou descendente de um clã especial, ou sei la oque?.- me sento em uma rocha.


-Erion, você esta bem? Esta falando sozinho, quero dizer, esta falando com o dragão, mas dragões não falam!- afirma novamente o rei.


-Sim meu rei, eu estou bem.-viro-me para o dragão- Quando eu lhe evoquei, uma marca em minhas costas começou a doer, tanto que não suportei a dor, e desmaiei, oque isso significa?.


-Ohoho, você tem a marca? Garoto, agora me surpreendeu, veja, como eu disse seu clã dominava a terra, todos os membros, uniformemente, era a unica organização existente onde de fato existia igualdade a todos, porém, como em qualquer lugar, haviam lideres, responsáveis pela proteção do povo, e esses lideres nasciam com a marca, eles eram selecionados desde o ventre, não por humanos ou dragões, mas pela divindade que criou tudo que voa nos céus, ou anda na terra, bem como peixes e animais marinhos, esses lideres, quando um membro do clã morria, herdava a força daquele membro, ou seja, os lideres vão ficando mais fortes, como se mantivesse viva a alma daquele membro que faleceu, mas claro, a morte não pode ser intencional, caso contrario, o líder sofre a penitencia de sentir a dor da morte, de todos os membros que já morreram, ate que ele mesmo morra.- o dragão se levanta e me encara.- Uma lenda antiga diz que um ultimo descendente viria, e seria o mais forte da historia, seria capaz de partir montanhas, dividir os mares, mover a terra, seus poderes seriam imensuráveis, mas ele carregaria o fardo de eliminar o mal do mundo.- ele se inclina para mim.- existe uma chance desse descendente ser você!


-Mal? Que mal?- pergunto a ele.


-Garoto, não tenho a resposta para todas as perguntas, não sou um oraculo!


-Certo, a proposito, qual seu nome?!- encosto no focinho dele.


-Me chamo Seiryuu, muito prazer garoto!


- Seiryuu,o prazer é meu!


-Deu esse nome a seu dragão? Enfim, temos que ir, creio que Ryuuji já tenha se recuperado, alem disso, a missão é urgente!- diz o rei


-Sim,partiremos então.- olho para Seiryuu- Você ira me ajudar?


-Sim, após saber que você é um líder, me sinto na obrigação de guia-lo e ajuda-lo a despertar ser poder.- Seiryuu levanta e abre suas longas asas.- Mas isso ainda não é o suficiente para que eu o reconheça como mestre.


-Por enquanto, para mim é o suficiente!-digo ao mesmo


-Venha, Dragon Knight, levarei você de volta ao castelo!


Ao montar em Seiryuu, o rei prepara sua magia para se teletransportar de volta ao castelo.


-Já que você vai em seu dragão, voltarei na frente Sir. Erion.- diz o rei enquanto parte.


-Vamos, Seiryuu- digo passando a mão em seu pescoço.


Seiryuu logo abre as asas, ao bate-las uma forte ventania é formada, um simples bater de asas emanava uma força poderosa, alguns segundos depois ele levanta voou, passando pelas enormes fissuras daquele labirinto, que qualquer um podia facilmente se perder, porém apresentava uma vista incrível, sem que percebe-se, rapidamente o sol bate em seu rosto,a brisa sopra e o cheiro das arvores invadem minhas narinas, voando sobre os céus, o reino outrora gigante parecia minusculo, após sobrevoar o reino, Seiryuu pousa no patio do castelo, enquanto Erion segue para a sala do trono. ao chegar, todos já estavam reunidos, o rei, Ryuuji e o elfo do arco.


-Agora que todos estão aqui, irei lhes atualizar sobre a situação, recebemos relatos de que em uma floresta próxima, do lado de fora dos portões do reino uma aparição peculiar tem surgido, aventureiros relatam "Uma velha de pele acinzentada e olhos brancos como se fossem o vazio, roupas rasgadas e garras extremamente afiadas", poucos voltaram para relatar isso, precisamos que vocês chequem a veracidade dessa informação, será a primeira missão dos três juntos, desejo-lhes sorte!- diz o rei.


Após ouvirmos mais informações, nos dirigimos ao local onde estavam os dragões.


-Diga-me, elfo do arco, qual seu nome?- seguro em seu ombro.


-É Erwin, Sir. Erion.


-Só Erion, ok? Prazer em lhe conhecer, Erwin!- Sorrio para o mesmo.


-O P-prazer é meu, Erion!- ele diz gaguejando enquanto abaixa a cabeça, corando um pouco.


Em poucos instantes chegamos e montamos em nossos dragões, sem demora partirmos para a localização que o rei nos havia dado, era uma situação perigosa, principalmente se os boatos fossem verdadeiros, todo cuidado era necessário, a vida de todos ali estavam em risco, falhas não seriam toleradas. Alguns minutos de voou e chegamos, os dragões de Ryuuji e Erwin por serem menores passam tranquilamente por entre as arvores .


-Parece que você terá que ficar aqui, Seiryuu!


-Quer que eu lhe acompanhe garoto?


-Desejaria sim, mas não vejo como isso seria possível, a passagem é muito estreita pra você


-Não se preocupe com isso!- uma fumaça começa a sair do corpo do Seiryuu, o cobrindo por completo, quando a fumaça se dissipa, um dragão, do tamanho de um dragão de comodo, aparece voando em minha frente.


-Seiryuu, é você?- olho para aquele dragãozinho


-Sim, essa é uma das minhas formas.- ele voa e pousa em meus ombros.- Agora estarei ao seu lado, vamos!


-Estou surpreso Seiryuu, é bom ter você aqui.- digo enquanto caminho junto aos outros.


-Com quem você esta falando, Erion?- pergunta Erwin.


-Uhn? Com o Seiryuu, meu dragão. - mostro Seiryuu a ele.


-Óh, ele pode mudar de forma? Que legal!- ao observar Seiryuu naquela forma, Erwin o observa com um certo brilho nos olhos.


Dou um leve sorriso gentil ao olha-lo daquela forma, então voltamos a caminhar pela floresta.


-Erion, onde você viveu?- pergunta Erwin.


-Bom, eu nunca tive um lar, eu vivi viajando de um canto para o outro, sobrevivendo como eu podia, não tenho do que reclamar! E você? como se tornou um Dragon Knight- olho para ele.


-Como você já notou, eu sou um elfo, não existem muitos no reino, então em um ato diplomático, eu fui selecionado como Dragon Knight, mais isso só por que eu não tinha serventia na minha terra natal- sua expressão muda, e ele abaixa a cabeça tentando esconder


-É uma pena, eu vejo muita serventia.-sussurro, enquanto percorro seu corpo com os olhos.


-Oque? Erion..- ele diz abraçado com seu arco, enquanto me olha corando


-Nada, vamos nos concentrar na missão- sem que percebamos uma névoa que nos cobria ia ficando cada vez mais densa, ate que nos perdemos.


-Garoto, isso não é uma simples névoa- diz Seiryuu


-Percebi.- saco minha katana.- Erwin, Ryuuji, vocês estão bem?- grito, porém sem resposta.- Parece que somos só nos dois, vamos andar cautelosamente!


Começo a andar atento a cada detalhe, ao adentar mais na neblina, começo a ouvir o choro de alguém.


-Me ajude, estou com medo- diz uma voz em prantos

-Isso é suspeito garoto, mas temos que seguir, vamos verificar, cuidado por onde anda!


Continuo caminhando, seguindo a direção do choro, ao passo que os aproximamos o choro vai ficando cada vez mais alto, ate que chegamos a um rio, havia uma mulher com roupas esfarrapadas, chorando, agachada no leito do rio.


-Você está bem?- vou me aproximando lentamente dela


-Ahn?- ela se vira para mim- Você veio? Eu estive lhe esperando!- ela se levanta e sacode seu vestido


-Me esperando? - paro e olho para ela


-Garoto, ela não é uma mulher qualquer.- quando ela sacode suas roupas, ela se transforma.- Ela é uma mensageira da morte, uma Banshee, isso não é nada bom.


Quando ela termina a transformação, fico surpreso, pois já havia visto aquela mulher.- Foi você quem me ajudou na Arena, você é aquela mulher, por que esta aqui?- observo ela com minha guarda levantada


-Eu precisava de você, para concluir a profecia, alguém vai morrer, não! Todos vão!-logo ela se transforma em velha alta repugnante. Seu rosto era pálida como a morte, e seus cabelos ruivos como o sol, seus olhos, que se tornaram cor de fogo.


- Garoto, cuidado...proteja-se- diz Seiryuu gritando


Me viro e me encolho, protegendo meu ouvidos, então ela começa a gritar, quando isso acontece, entro em transe, me levanto observando o lugar para onde eu havia sido levando graças a aquela hipnose, vejo todo o mundo em chamas, não apenas o reino, todos os países, todas as nações, nenhum ser vivo, nem humano nem animal ou planta, haviam apenas escombro, aquilo era aterrorizante, enquanto observo minha marca novamente começa a queimar, grito de dor e agonia, começo a soar, ate que caiu de joelhos ainda gritando, algum tempo depois e saio daquela hipnose.


-Você está bem garoto? recomponha-se!- diz Seiryuu preocupado.


-Oque você viu lá, já esta definido, nada pode mudar, todos vão morrer, Elsharion D. Eragon! Não adianta lutar, o Mal já esta aqui!- diz a banshee


-Não acredito em você- digo com a voz falha por conta da dor.


- Oque você acredita ou não, não é da minha conta, oque me interessa é a realidade- ela diz enquanto levita e some em meio a neblina- Passe bem seu ultimo momento vivo!


-Garoto, você tem que despertar o poder da marca, você é o ultimo descendente de Eragon, o D em seu seu nome significa dragão, quer dizer que você é o mestre dos dragões, eu sou Seiryuu o Deus dos Dragões, por isso você me despertou, você mais que ninguém pode mudar o curso do mundo, nós dois, pode confiar em mim.


-Hehe, obrigado Seiryuu.- me levanto e percebo que aos poucos a nevoa ia sumindo.


logo ouço oque parecia ser asas batendo acima de nossas cabeças, vejo que algo passava voando, como se estivesse procurando alguma coisa no solo, então, subitamente o dragão do Erwin para a minha frente.


-Você esta bem, Erion?- ele desce do dragão e corre em minha direção.


-Preocupado comigo? hehe!- digo me levantando, porém estava um pouco fraco então quando eu estava prestes a cair, ele me segura, me abraçando.- Obrigado, mas estou bem, embora não reclamo de ficar aqui assim!


-Erion?- ele fala gaguejando


-Desculpa.- digo me levantando.- Estou bem.- me viro para Seiryuu.-Isso ainda não acabou!


-Não, não acabou, muito prazer! Elsharion!- uma voz misteriosa surge


-Essa voz!- olho ao redor


-Você gravou minha voz? Estou perplexo.- som de palmas começam a ecoar- Você se saiu melhor do que eu esperava, quando eu lhe empurrei para a fila no outro dia, não esperava que você fosse chegar tão longe.- o rapaz se revela


-Quem é você?- fico em frente ao Erwin


-Acho que a banshee falou sobre mim, sabe "O Mal", foi meio exagerado, mas, ela estava certa! Todos vão queimar, mas meu plano não poderia ser concluído sem despertar o Deus Dragão, matarei os dois. Óh, lembrei, seu amigo esquentadinho, morreu, o carinha da lança, ele era entediante.


-OQUE?- eu e Erwin indagamos ao mesmo tempo.


Saco minha espada.- Felizmente, vingança, raiva e ódio não estão no meu vocabulário.-minha katana começa a ter um brilho luminoso, enquanto uma névoa negra começa a me circundar.- Mas isso não me impede de mata-lo por justiça, você pagará pelo seu crime!


-Por favor, lute com seu dragão!- ele bate palmas.- Anti-Matéria – Permite ao usuário ele destruir qualquer coisa que esteja em seu caminho, desde um grão de areia até uma montanha. Fazendo todo o cenário em volta ser desfeito, tudo em um raio de 20 km é dizimado, plantas, animais, rios, lagos, não sobrou nada.- Agora você tem espaço para voar com ele.


-Maldito! Clone Luminoso – O corpo de Erion se dissolve em luz e se separa, formando outro ser igual à ele. Um clone idêntico em aparência, experiência em combate, armas e habilidade, tendo mente própria e ajudando seu criador em batalha.


-Uau, que demais..Erion- diz Erwin


-Erwin, preciso que você fique em segurança, volte para o reino, avise ao rei, alerte a todos, porém, vou lidar rapidamente com isso- crio três espadas de trevas, enquanto meu clone cria três de luz- Tatsumaki -tanto o clone como o original realizam a mesma ação. Ele gira para criar um tornado de luz/trevas,que efetua cortes e golpes em distância dos alvos, mas o ataque continua indo como um turbilhão real, se fundindo, criando um enorme tornado de luz e trevas, que se mantem, até que quem é pego nela seja totalmente cortado.


-Bravo, bravo, sabia que você seria melhor que ele!! Porém, ainda esta fraco- ele estala os dedos e o tornado é desfeito- Eu disse, não? use seu dragão! Quem sabe assim você não tenha uma chance. Por ter sido melhor que o esquentadinho, deixarei seu amigo ir!


-Gêmeo Sombrio – Erion é capaz de dar vida e forma física a sua sombra, transformando-a em uma cópia sua, feita por trevas. O Gêmeo Sombrio possui as mesmas capacidades naturais dele, e pode agir independentemente, embora sendo totalmente fiel.


-Outro? três de você, contra mim? Bom ver que esta levando isso a serio, devo retribuir o favor!- ele se move rapidamente e aparece ao lado de Erion. Fenda Dimensional – Por meio do toque, ele consegue enviar seu adversário (Erion) por alguns momentos a uma dimensão diferente, formada por um elemento de sua escolha(lava), provocando grande quantidade de dano dependendo de contra qual inimigo essa habilidade for usada.- Ih, espero que ele não tenha levado um casaco achando que ia fazer frio!


-Droga.- sinto que vou caindo, ao olhar para baixo, vejo um mar de lava.- Oh,merda...Campo de Sombras.– Um campo de força negro surge ao redor de Erion, estendendo-se quanto ele quiser, o protegendo.- Deus, espero que isso funcione.- ao cair no mar de lava, fecho os olhos e me encolho, cruzando os braços e cobrindo meu rosto alguns segundos depois, obro um poucos os olhos e vejo que minha defesa estava funcionando bem.


Alguns minutos depois sou trazido de volta.


-Uau, você esta inteiro garoto, com toda certeza você já meu adversário preferido- diz o vilão, enquanto salta para trás se afastando de Erion- Acredito que seja sua vez, continue a não me decepcionar!


Obscuro– Erion faz os olhos de seu inimigo serem tomados pela escuridão o fazendo perder a visão.


-Acha que isso é suficiente?- diz o vilão.- Sentido Sonar - Esta habilidade da a capacidade ao usuário de conhecer o ambiente ao seu redor, através da ecolocalização do mesmo modo que morcegos e golfinhos. o usuário consegue captar o som ao seu redor e é capaz de criar uma imagem 3D completa do ambiente, esta habilidade é muito efetiva contra inimigos que se escondem.


Erion executa um ataque de três vias simultâneas cortante.- Seiryuu, vamos. O usuário cruza suas espadas duas no peito e coloca a lâmina na boca horizontalmente por trás deles. Seiryuu por fogo na lamina das espadas,então Erion avança para enfrentar o adversário. Ele então se vira e pula para o oponente o atacando. Esta pode ser uma maneira de fazer a seus cortes em alta velocidade ainda mais repentinos. O efeito desse ataque deixa um fluxo de sangue em forma de X e gera uma poderosa onda de choque que destrói os arredores.


O inimigo pega as espadas com as mãos, porem a espada na boca de Erion faz um corte em seu rosto.


-Parabéns, você me feriu, mas eu disse que não seria suficiente!- diz o vilão- Você só me deixou irritado, Controle Temporal O usuário possui a habilidade de avançar ou recuar o tempo, mas limitando-se ao seu próprio corpo. Assim, ele pode reconstruir membros decepados e curar feridas que atrapalhem no combate, ele utiliza para fechar a ferida aberta pela espada de Erion.


-Garoto, não duvido da sua força, mas essas técnicas não vão o derrotar, use a força do seu clã.


-Olha, se precisa de uma forcinha pra levara serio, eu não me importo- ele ergue as mãos, e seus olhos ficam vermelhos como as chamas- Manifestação do Inferno- ele é capaz de preencher áreas imensas com chamas místicas. No caso, o reino inteiro. Este poder é realmente perigoso, porque é praticamente impossível escapar da área antes que ela seja preenchida pelo fogo.- Seu reino esta queimando garoto, a unica forma de parar, é me matando, a minha vida, ou as das pessoas que não conseguiram escapar, oque vai ser?


-Desgraçado.- ele caminha em direção ao inimigo, enquanto a marca em suas costas começa a brilhar.- Você pagará, seus crimes não podem mais ser ignorados.- a medida que ele se aproxima, seu olhos ganham uma coloração dourada e luminosa.


-Acho que as coisas podem ficar mais interessantes agora!-ele pega sua arma, uma foice- Foice Gloriosa- Anula completamente o efeito da gravidade sobre sua arma, deixando-a sem peso nenhum, permitindo que o celestial possa manipular sua foice com apenas uma mão.


Com armas em mãos, ambos entram em um embate, o som de ambas as laminas se chocando ecoam para todas as direções, fortes rajadas de vento são emitidas do emitidas daquele duelo, raios vermelhos e negros voam por todo os os lados, o embate entre eles ficava cada vez mais acirrado, rugidos do Seiryuu são fortes e estrondosos,de longe era possível ver seu fogo incinerando oque havia sobrado daquela paisagem.


-É o fim.- Erion consegue dobrar seu corpo, e balançar as 3 espadas na forma de um "S" invertido durante a execução de uma rotação vertical, cortando o adversário seis vezes, simultaneamente, tão rápido não parece que se move.


O inimigo segura as katanas de Erion- Não já tentamos algo parecido?


Eu sei, era só uma distração- o clone luminoso de Erion agarra o inimigo por trás, e o imobiliza- Adeus.


-Oque? Me solta.-o inimigo se debate.


- Frios Braços da Noite – Erion tem a capacidade de criar tentáculos de puras trevas, a partir das sombras e escuridão do local. Os tentáculos aparecem como grossas e compridas massas de escuridão sólida, contorcendo-se e movimentando-se sem parar. Os tentáculos podem ser usados tanto para atacar quanto para se defender ou imobilizar, e são extremamente frios a ponto de causar queimaduras devido ao frio intenso. Erion a usa para envolver tanto o inimigo quanto seu clone luminoso.- Agora, a cartada final! Morte pela Luz – Erion faz o corpo do clone se irradiar completamente em luz, forte e intensa e que emite um calor gigantesco. É tão forte, que pode ser considerado um segundo sol, tão forte quanto.


-Mestre, você conseguiu


Ao desfazer os tentáculos, vejo o corpo do inimigo completamente carbonizado, as chamas que queimavam o reino se apagam, uma leve brisa bate e o corpo carbonizado se transforma em pó, sendo levado junto com a brisa, dando fim, ao que seria o apocalipse mundial! Respiro fundo, observando o reino e o mundo em segurança.


fim!


Nt: Erion de fato era o ultimo descendente, ele não tem filhos, ele se casa com Erwin posteriormente!

27 февраля 2019 г. 21:05:31 0 Отчет Добавить 1
Конец

Об авторе

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~

Похожие истории

Больше историй