O Amor Mora Ao Lado Подписаться

bielcastelli Biel Castelli

É cômico pensar no quanto o destino pode brincar conosco e nos pregar peças sem nem ao menos perceber-mos. Mal sabia Itachi que em questão de tempo sua vida solitária de empresário com o sonho de ter amor e uma família se resultaria em uma casa vaga à menos em seu quarteirão, um novo ocupante para aquele espaço vazio em seu sofá e uma amizade sincera. O que menos ele esperava era que por causa de um mal entendido acabaria por descobrir que seu amor mora ao lado.


Фанфик Аниме/Манга 18+.

#boyxboy #naruita #itanaru #comédia #yaoi #fluffy #itachi #naruto
Короткий рассказ
13
3.8k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

my sweet love

AAAAAAA não era pra mim demorar um século para postar histórias novas mas it's okay bitch. Essa história é tão nenê, eu amo tanto esses dois juntos como vocês já sabem. Então espero que gostem. Boa Leitura   




Nunca pensei que me arrependeria de ter aceitado a proposta de meu pai para assumir a presidência da empresa desenvolvedora de Software que a família tinha em Los Angeles. Aquilo estava uma bagunça havia inúmeros furos na contabilidade, falta de manutenção dos equipamentos e para piorar funcionários incompetentes que faziam o trabalho pela metade. Demorei meses para colocar tudo em ordem e finalmente ter a equipe que queria trabalhando para mim. Era uma sexta- feira depois de uma semana exaustiva de reuniões e acionistas, finalmente eu poderia ir para casa. Dei graças a Deus quando acabou o expediente, poderia finalmente ir embora para meu adorável lar me jogar na cama e dormir até tarde no outro dia. Aos sábados e domingos logicamente, a empresa não funcionava e eu aproveitava para descansar recuperando minhas energias, me levantando da cama apenas para comer.

 

Estacionei o carro na garagem de casa, não morava em um bairro rico onde só se viam pessoas cheias do dinheiro e com seus narizes em pé. Meu bairro era calmo, tranquilo e muitas vezes se parecia com aqueles filmes antigos crianças brincando na rua, idosos em suas cadeiras de balanço na varanda e mães andando empurrando carrinhos de bebê. Apesar de todo o dinheiro que a empresa me proporciona eram as coisas simples que me satisfaziam, morava ao lado de um casal de idosos e de uma casa a venda desde que eu me mudei. A serenidade que aquela rua continha satisfazia o velho ranzinza que vivia dentro de mim.

 

Entrei acendendo as luzes e jogando a pasta do trabalho em cima do sofá, fui para o quarto tirando o paletó e jogando no cesto de roupa caminhei direto para o chuveiro. O liguei permitindo que a água quente caísse em meu corpo me fazendo suspirar ao ter meus músculos relaxados, desliguei o chuveiro pegando a toalha começando a secar meu corpo e meu longo cabelo que batia no meio das costas, vesti o calção de seda do pijama e uma camiseta confortável.

 

Parei de frente ao espelho pegando a escova e começando a pentear os fios negros. Eu já não aguentava mais essa vida solitária, estava com trinta e três anos e não tinha nem uma pessoa interessada em mim ou alguém que realmente despertasse a minha vontade de ficar para sempre ao seu lado. Talvez a expressão de indiferença que sempre mantenho no rosto afastasse as pessoas ou o fato de não querer ser apenas um peguete para satisfazer o desejo de um estranho. Eu queria um companheiro que quisesse construir uma família ao meu lado, pode parecer meio estúpido mais eu ainda acredito no amor mesmo que minha personalidade diga o contrário.

 

Larguei a escova em cima da cômoda e fui para a cozinha preparar alguma coisa para comer. Fiz um sanduíche natural, me sentando ali mesmo o comendo vagarosamente, estava cansado demais para pensar em algo mais elaborado, a noite estava agradavelmente fresca e o sono ficava cada vez mais presente. Deixei a louça suja na pia e fui para meu sagrado quarto, assim que me joguei na cama meus olhos pesaram e eu apaguei em questão de minutos.

                                                        X~X~X

 Acordei escutando o som de um martelo insistente e outros barulhos que não fui capaz de decifrar, peguei o celular apertando para ver as horas e já se passava pouco das dez horas da manhã. Suspirei levantando da cama, caminhei até a janela abrindo a cortina vendo vários homens trabalhando na casa ao lado que até ontem estava com a placa de vende-se. Mal fechei a janela e escutei a gritaria dos homens em desespero por ter acontecido algo, ri me jogando na cama de novo e fechei os olhos na tentativa de tirar ao menos mais um cochilo antes de me levantar para fazer o almoço.

 

Foi o tempo de fechar os olhos, para batidas insistentes começarem a soar na porta de casa.

 

– Inferno – praguejei me levantando indo até ela e quase caindo na sala ao tropeçar no tapete.

 

Liberei a tranca da porta a abrindo e senti minhas pernas tremerem com a visão que tive, era a personificação de um deus grego que estava parado na minha porta. Cabelos loiros, aparentemente a mesma altura que a minha e os olhos azuis mais lindos que eu já tinha visto. Porém o que me deixou sem ar fazendo minhas pernas tremerem foi a visão impecável que tive, o loiro usava uma camiseta branca que estava encharcada deixando a transparente e assim eu pude me deliciar com a perfeita definição de seu abdômen sarado.

 

– Oi, tudo bem? Meu nome é Naruto sou seu novo vizinho. Desculpa incomodar, mas você teria alguma chave de fenda para me emprestar? – sorriu tentando esconder a vergonha ao ter meu olhar preso em seu corpo.

 

– Naruto, achamos a chave – escutei alguém gritar do muro.

 

– Ah então, eles acharam – levou a mão até a nuca tensionando seus músculos – Então é isso, obrigado mesmo assim e desculpa pelo incomodo – disse saindo dali.

 

– Não tenho – balbuciei ao fechar a porta – Naruto… é um belo nome para um adônis – sussurrei sozinho.

 

Olhei para baixo vendo o volume enorme que tinha se formado ali, corri para o banheiro tirando a roupa e entrando debaixo do chuveiro ligando na água fria, sentia meu rosto queimar de vergonha ao imaginar que o novo vizinho possa ter me visto nesse estado.O restante do sábado foi tranquilo como sempre, tirando o barulho da mudança e da pequena reforma vindos da casa de Naruto.

 

Foi no domingo de manhã que me obriguei a sair da cama para ir ao mercado, fazer as compras da semana. Assim que coloquei os pés do pequeno jardim à frente de casa, tive a má sorte de encontrar o loiro parado em frente à sua casa com um macacão laranja que cegava meus olhos com alguns botões abertos mostrando seu peitoral forte. Tentei não olhar para ele, mas não adiantou muito já que o mesmo caminhou até mim falando que havia adorado a vizinhança e que esperava que pudéssemos ser amigos. Como se não bastasse a audácia de andar por aí mostrando aquele corpo também tinha que me dar um apelido como se já fôssemos super íntimos.

 

– Tachi  – sussurrei estalando a língua ao lembrar do maldito apelido que eu queria ouvir sussurrando em meu ouvido. Eu estava parecendo uma garota na puberdade, os hormônios descontrolados a flor da pele e algo me dizia que Naruto ainda mexeria muito com a minha cabeça.

 

E foi assim que se passou longos e arrastados cinco meses que Naruto passou a ser parte de minha rotina, começou com bom dia todos os dias antes de ir para o trabalho, depois passou para conversas mais longas sobre o nosso dia-a-dia em frente o portão de casa. Acabei por descobrir que Naruto tinha trinta e cinco anos e era dono do seu próprio negócio, uma rede de lojas esportivas chamada Kyuubi Sports. Por fim passamos a nos reunir todo domingo a noite, Naruto sempre aparecia com uma pizza e cervejas na minha casa alegando que sua HBO não estava pegando e ele precisava assistir o episódio novo de Game Of Thrones. A desculpa da TV à cabo já não funcionava mais comigo, porém eu já gostava muito da companhia do loiro e até passei a ansiar pelas noites de domingo.

 

O fato era que eu já estava completamente apaixonado por Naruto Uzumaki. Meus dias se tornaram menos solitários com ele perto de mim, gostava de o admirar quando o mesmo fixava seus olhos em determinado ponto e fazia uma expressão pensativa. O loiro não percebia, mas ele sempre fazia um biquinho ou ficava enrolando o cabelo com o dedo. Passei a adorar o som de sua risada, era a coisa mais gostosa de se ouvir. Por incrível que pareça durante todos esses meses, nós nunca tocamos no assunto relacionamento, eu tinha certo receio de estragar a amizade e voltar a ser aquele Itachi solitário que já não sabia mais o que era uma boa noite de sexo a décadas.

 

Estacionei o carro em frente de casa já que pensando em chamar Naruto para ir em algum lugar beber, mas meus planos foram por água abaixo quando vi o loiro abraçado a um moreno no portão da casa dele, sai do carro caminhando rapidamente até o portão de minha casa.

 

– Ei Itachi  – gritou.

 

Apenas fingi que não escutei e entrei rapidamente, meu humor estava péssimo e o culpado era eu mesmo por ter criado expectativas, claro que ele ia preferir um garoto mais novo para ter algo. Fui para o meu quarto, troquei a roupa do trabalho por algo mais confortável e voltei para a sala colocando o DVD da quinta temporada de Game Of Thrones, precisava ver Daenerys atacar um Dracarys para ver se minha raiva passava um pouco. Acabei assistindo a temporada inteira enquanto comia a pizza que tinha encomendado e tomava uma coca-cola. Depois da frustração aos poucos ter diminuído, fui para a cama desiludido por não estar deitando em cima do peitoral musculoso do meu deus loiro.

X~X~X

 

Acordei com o barulho do celular tocando, passei a mão pela cama a procura do aparelho e atendi sem olhar o nome da pessoa.

 

– Bom dia pessoa que me ignorou completamente ontem – arregalei os olhos ao escutar a voz de Naruto.

 

– Bom dia, o que você quer?

 

– Eu quero que você jante comigo hoje a noite, aqui em casa mesmo. Você aceita?

 

– Vou pensar se eu vou – desliguei o celular e afundei meu rosto no travesseiro voltando a dormir.

 

O resto do dia foi tranquilo, havia acordado por volta das dez e meia da manhã, indo direto para a cozinha preparar o almoço e a tarde trabalhei um pouco em alguns papéis da empresa, finalmente tinha a colocado nos trilhos e agora estava tudo mais calmo. Me olhei no espelho pela décima vez para ver se a calça jeans e camiseta vermelha estavam boas em meu corpo, olhei para o relógio do celular constando que já eram sete e meia na noite, calcei meus tênis rapidamente e sai de casa indo para a casa ao lado. Passei todo o dia pensando se deveria vir e ainda sim não tinha chegado a nenhuma conclusão, mas não poderia recusar o convite já que moramos lado á lado e uma desculpa não colaria. Toquei o interfone que logo foi atendido

 

– Tá aberto, entra.

 

Entrei e caminhei até a porta da casa admirando em como o quintal estava lindo com roseiras vermelhas recém plantadas e a árvore de acerola que já tinha na casa antes dele vim morar, a mesma estava carregada da fruta. A porta da frente já estava aberta e automaticamente segui o cheiro vindo da cozinha, era o maravilhoso camarão refogado no vinho que Naruto fazia. Ele já tinha cozinhado aquele prato para mim e era simplesmente divino.

 

– Pensei que não iria vir - se virou para mim sorrindo - Tá tudo bem?

 

– Estou sim – falei desviando o olhar de suas orbes azuis inquisidoras.


– Por que me ignorou ontem? – voltou sua atenção para a panela.

 

– Dor de cabeça e você parecia estar ocupado demais – dei as costas para ele indo até sua sala. Adorava admirar a coleção de medalhas e troféus do loiro que tinha ganhando em suas competições de ciclismo e surf.

 

– Está falando de Kiba? –  perguntou da cozinha.


– Não sei, estou?

 

– Está, ele é meu amigo.

 

Olhei para uma foto que não estava ali antes notando que era Naruto, abraçado em um ruivo e no moreno de ontem.

 

– Ah tá! – falei curtas palavras, porque claramente aquilo não parecia uma simples amizade.

 

– Vem comer, está pronto – chamou.

 

Caminhei até a mesa posta já com a comida e duas taças de vinho.

 

– Eu e Kiba já tentamos ser algo a mais sabe, mas a gente notou que a amizade era o melhor para nós dois – falava enquanto me servia.

 

– E vocês já transaram? – soltei sem pensar.

 

– Bom, sim – riu coçando a nuca – Pessoas fazem isso quando estão em um relacionamento ou pelo menos tentando algo – encheu a boca de camarão.

 

Se tinha uma coisa que eu conhecia muito bem em Naruto é que quando ele coçava a nuca significava que estava com vergonha e se enchia a boca de comida era por estar nervoso a respeito de algo.

 

– Falei com meus pais ontem.

 

Naruto era filho único, seus pais moravam em Las Vegas e eram o tipo de pais super apegados com o filho mesmo ele já tendo seus trinta e cinco anos.

 

– E como eles estão? – fechei os olhos para apreciar o sabor impecável daquele camarão.

 

– Lindo – escutei Naruto sussurrar.

 

– Hum? – abri os olhos o encarando.

 

– Estão bem, querem te conhecer.

 

– É mesmo? Andou falando de mim para eles? – levei a taça de vinho a boca após terminar de comer.

 

– Falei que tinha um vizinho solitário e eles querem te adotar como filho também – riu pegando os pratos e levando para a cozinha.

 

– Palhaço – falei escutando sua risada da cozinha.

 

Fui para a área externa da casa me sentando no puf que tinha ali, bebi um gole do vinho e fechei os olhos até escutar a movimentação ao meu lado

 

– Tachi, posso te perguntar uma coisa?

 

– Lá vem, diga.

 

– Porque você ainda tá solteiro?

 

– Talvez porque ninguém fez meu coração acelerar ainda e também devido ao fato de querer uma família, a idéia de encontrar pessoas para apenas uma noite de “prazer”  – falei fazendo aspas com as mãos – Não me agrada mais.

 

– Entendi – falou em um tom de animação - Temos muito em comum não é?

 

– Não sei, talvez – virei o rosto para ele que me encarava.

 

– Eu posso tocar no seu cabelo? Sempre tive a curiosidade de saber se são macios como parecem ser.

 

– Pode – Suspirei ao sentir as mãos grandes do Uzumaki em meu cabelo, fazendo um carinho gostoso que me dava vontade de dormir, mas toda essa sensação passou quando Naruto se abaixar até a altura onde eu estava sentado e passar o nariz nos fios .

 

– Cheira a morango – suspirou em meu ouvido fazendo meu corpo se arrepiar.

 

Olhei para seu rosto e me perdi no oceano de seus olhos, desci meu olhar para o sua boca que estava entreaberta. senti a mão de Naruto fazer um carinho em minha bochecha caminhando com o polegar até o meu lábio.  

 

– Eu posso te beijar?

 

Não respondi, apenas me levantei ficando frente a si e encostei meus lábios nos seus sentindo o quanto sua boca era macia. Aprofundamos o ósculo necessitados por aquilo, sua língua explorando cada canto e mordendo meu lábio inferior ao final do beijo, o gosto de vinho em nossas bocas deixava tudo mais saboroso.

 

– Quer conhecer o meu quarto? – interrompeu o ósculo sorrindo malicioso.

 

– É o que mais quero nesses últimos meses – suspirei ao ser puxado para seu colo e ele me carregou até o quarto.

 

Fui colocado no chão, logo começamos um novo beijo enquanto as roupas iam caindo por todos os cantos do ambiente. Arranquei a camiseta regata de Naruto enquanto ele tirava minha calça, passei minha mão por todo aquele peitoral musculoso sentindo sua pele quente e o vendo arfar com meu toque.

 

– Eu te desejo tanto Tachi – mordeu o lóbulo da minha orelha – Desde aquele dia que te vi só de calção de seda - puxou minha camiseta para cima jogando a longe.

 

Me deitei na cama já nu e apreciei aquele Deus tirar sua bermuda acompanhada da cueca, deixando seu membro nu e já duro para meu total deleite. Naruto veio para cima de mim nos fazendo gemer ao sentir as ereções se encostarem, levei minha mão até nossos membros excitados começando uma lenta masturbação dupla enquanto olhava para o rosto do loiro que mordia o lábio. Larguei nossas intimidades puxando o rosto do Uzumaki e comecei a distribuir beijos por sua bochecha arrancando risadas dele.

 

– Me ame Naruto, me ame como se fossemos destinados um para o outro.

 

– Você é meu Tachi, só meu – ditou antes de encostar nossos lábios e começar a distribuir beijos por todo o meu pescoço, descendo por meu abdômen onde fiquei todo marcado por seus chupões e mordidas.

 

Ergui meu tronco apoiando em meus braços a tempo de ver Naruto engolir todo o meu falo duro e soltar uma risadinha me fazendo gemer manhoso por causa das vibrações que sua garganta fazia em meu membro. Levei minha mão em seu cabelo por puro extinto e coloquei minha perna sobre seu ombro, enquanto o loiro começava a me chupar em uma sucção maravilhosa. A frenesi do momento me fez soltar seus cabelos e deitar o corpo para trás revirando os olhos em prazer, sentia a língua do mais velho trabalhando por toda minha extensão, não tardei a me derramar em sua boca.

 

– Tão gostoso – se ergueu lambendo os lábios. Pegou o lubrificante em cima da cômoda, melou seus dedos e minha entrada – Se doer me avisa – falava já forçando um dedo em minha entrada - Relaxa Tachi, eu vou cuidar bem de você – senti um leve incômodo ao ter seu dedo forçando dentro de mim, mas logo passou e eu já estava impulsionando meu quadril de encontro aos seus três dedos que se abriam dentro de mim, resmunguei ao sentir ele se retirar – Calma, algo melhor está vindo – sorriu enquanto passava lubrificante em seu membro.

 

– Calado – puxei seu corpo para cima do meu e selando nossos lábios.

 

Abracei as costas largas de Naruto quando ele começou a forçar a cabeça de seu membro em minha entrada e ganhando espaço.

 


– Porra… apertado – gemeu em meu ouvido enquanto minhas unhas arranhavam suas costas ao sentir o membro ganhando espaço até estar todo dentro de mim.

 

– Se mecha – balbuciei após um tempo parados só trocando beijos .

 

Abri a boca quando senti Naruto se mover para fora e entrar novamente, acertando ainda de leve a glande em minha próstata, maldito pau imenso. Entrelacei minhas pernas em sua cintura quando o loiro começou a se mover mais rápido, ele saia por inteiro e voltava em apenas uma estocada fazendo meu corpo balançar para cima e os meus olhos revirarem de prazer. Naruto se levantou comigo em seu colo e começou a se movimentar impulsionando seu quadril para cima fazendo seu membro esmagar minha próstata, me fazendo gemer em alto e bom som para quem quisesse ouvir.

 

– Porra… Naruto… rápido – urrei em meio ao prazer.

 

– Eu tô quase – se sentou na cama – Cavalga para mim.

 

Comecei a me movimentar em seu colo, meu corpo se chocando com o dele, suas mãos apertando minha cintura enquanto impulsionava seu quadril me estocando com força.

 

– Eu vou gozar – encostei minha testa em seu ombro sentindo meu corpo ter espasmos.

 

– Juntos – abraçou meu corpo estocando uma última vez antes de se derramar dentro de mim enquanto eu lambuzava nossos abdômen com meu gozo.

 

Caímos deitados na cama, eu me sentia realizado, havia tido o melhor sexo em anos com um homem que agora eu podia ter a certeza de que roubado meu coração.

 

– Tachi, você é tão lindo – sussurrou fazendo um carinho gostoso em minhas costas.

 

– Não diga bobagens – ergui meu rosto encarando o seu e depositei um beijo em seu queixo e me deitei novamente em seu peito, adormecendo ali mesmo.

                                                        

X~X~X

                                             

Acordei olhando para o relógio do celular vendo que eram seis horas da manhã, eu tinha tido uma noite espetacular. Percebi que poderia muito bem acordar mais tarde e com os braços de Naruto em volta do meu corpo, mas nem isso eu tinha porque pelo jeito alguém tinha acordado com as galinhas e estava aprontando na cozinha. Me levantei colocando minha cueca e fui para onde o loiro arrumava um cesta de piquenique com várias frutas e suco natural de laranja

 

– Vamos voltar pra cama  – abracei seu corpo afundando meu rosto em suas costas.

 

– Bom dia  – se virou me abraçando depositando um beijo em minha testa – Vá para sua casa trocar de roupa, vamos tomar café da manhã na praia.  

 

Nunca pensei que me apaixonaria por uma pessoa que amava tanto ter contato com a natureza, com o mundo e com o que ele podia proporcionar. Olhei para Naruto que pegava a cesta no carro animadamente assim que chegamos na praia, olhei para aquela imensidão azul e notei que o mar me lembrava tanto seus olhos. Andamos até o meio da praia onde estendemos um pano e um guarda sol apesar do sol não estar tão forte ainda, não era nem sete da manhã ainda e nos sentamos começando a comer um sanduíche natural que o loiro tinha preparado.

 

Estávamos comendo em silêncio enquanto admiramos o mar e as ondas suaves baterem na areias, as pessoas que por ali andavam. Quando virei minha face para olhar Naruto, vi que ele segurava uma caixinha com duas alianças.

 

– Quer namorar comigo? – sorriu tentando esconder a vergonha que seu rosto denunciava ficando vermelho.

 

Olhei para ele, depois para as alianças e depois para ele novamente não acreditando que tudo aquilo estava acontecendo.

 

– É sério isso? – o pedaço de pão até desceu com dificuldade.

 

– É óbvio, eu queria te pedir em casamento, mas acho que você é um homem que gosta de dar todos os passos possíveis  – disse me fazendo rir – E eu quero construir uma família, chegou a hora de aquietar o facho e levar uma vida boa com a pessoa que eu amo e se possível dois pares de pezinhos correndo pela casa.

 

– Eu aceito, aceito o namoro e aceito o pedido de casamento  – abracei seu corpo – Eu te amo Naruto.

 

– Eu também te amo Itachi – beijou minha bochecha antes de trocarmos alianças.


Se alguém dissesse que minha vida mudaria radicalmente em apenas 5 meses eu certamente iria rir muito, mas ao conhecer Naruto eu senti que tudo que eu precisava estava ali e ele me conquistou nas coisas mais simples. Ele era definitivamente a minha metade, eu não me encaixaria mais nesse mundo sem o ter ao meu lado. Eu nunca acreditaria que o amor da minha vida seria meu vizinho.



AAAAAAA gostaram ? quero saber de tudo. Façam um autor feliz 

Talvez sexta ou sábado eu estarei postando o primeiro capítulo da minha Bakudeku que se chamará Superlove, então aos fãs de boku no hero e do shipp bakudeku me aguardem !!


História betada pelo meu nenê MarcelaJackson 

Capa feita pelo bolinho Milq

17 января 2019 г. 2:59:44 0 Отчет Добавить 126
Конец

Об авторе

Biel Castelli "Escrever é uma maneira de viver outra vida. Muitas outras vidas." - Etgar Keret / all these bitches is my sons 🍼

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~