Together and In Love Подписаться

bielcastelli Biel Castelli

Naruto se apaixonou por Kiba no momento em que o viu, disso ele podia ter certeza. Nada o fazia mais feliz do que aqueles momentos bons em que ele chegava em seu dormitório da faculdade e encontrava seu moreno lá, o esperando. Eles se completavam na rotina e na cama, com Kiba tudo parecia ficar ainda mais bonito...


Фанфик Аниме/Манга 18+.

#kibanaru #boyxboy #yaoi #lemon #naruto #kiba #fluffy #comédia
Короткий рассказ
5
4.1k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

forever

Ahhh eu nem tenho palavras para descrever o quanto eu amo essa história gostosa, então espero que vocês gostem bastante dela.

Boa Leitura 



Por Deus eu estou morto, essa semana tem sido caótica, mas pelo menos consegui a vaga de estágio na empresa de arquitetura que por ironia do destino é do meu ex namorado Itachi Uchiha. Agora tudo o que eu precisava para reabastecer minhas energias era abraçar e sentir o cheiro da melhor pessoa do mundo, vulgo meu namorado Kiba Inuzuka. Suspirei ao sair da empresa e me pus a caminhar de volta para o dormitório do campus da faculdade e sorri ao pensar se Kiba tinha voltado para lá depois do trabalho.


 Passei em frente à padaria onde tinha acontecido nosso primeiro encontro e tive que entrar ao sentir o cheiro de pão de queijo recém saído do forno. Pedi cinco daquele delicioso pão de queijo imaginado que um certo alguém comeria como um louco aquilo ali. Paguei a moça e sai dali voltando com meu rumo até o dormitório.


 Lembranças de como eu e Kiba nos conhecemos começaram a passar por minha cabeça. Eu estava no meu segundo ano de faculdade enquanto ele já estava prestes a se formar. Foi em uma festa da turma de Itachi que era meu namorado na época, que eu senti todo meu corpo vibrar ao cumprimentar aquele moreno alto que tinha presas tatuadas em seus pulsos e um sorriso galanteador. Aquela noite passamos a festa inteira trocando olhares e sorrisos discretos enquanto Itachi buzinava em meu ouvido. Depois daquela noite teve outras festas e mais trocas de olhares junto com conversas agradáveis e mais Itachi nervoso falando em meu ouvido por causa de ciúmes doentio.


 Eu e Itachi estávamos em um relacionamento a um ano e cinco meses. No primeiro ano de namoro foi tudo tão incrível, que eu cheguei a acreditar que poderíamos evoluir nosso relacionamento em um novo patamar, mas nos últimos cinco meses de namoro Itachi havia se tornado outra pessoa. Um psicótico que controlava todos os passos que eu dava, ficava puto da vida quando eu dormia no apartamento de Ino mesmo ela sendo minha melhor amiga e também colega de faculdade. Seu ciúmes me sufocava, não era algo saudável, nosso sexo não tinha mais o mesmo fogo de antes e o prazer que ele me proporcionava antes já não existia.


 O estopim para o fim do relacionamento foi quando ele foi me buscar no treino de futebol e me encontrou sem camisa conversando com Kiba. Eu literalmente surtei ao escutar ele falando que eu estava me oferecendo e terminei tudo naquela noite. Não aguentava mais um dia viver em um relacionamento abusivo, onde eu sequer podia respirar que Itachi sentia ciúmes de mim.


 Três meses depois aconteceu meu primeiro beijo com Kiba em uma festa da Ino e puta merda eu poderia gozar apenas sentindo aquela língua em minha boca e suas mãos fortes na minha cintura. Uma semana depois Kiba me levava para o nosso primeiro encontro em uma padaria e eu já me encontrava perdidamente apaixonado por aquele homem que me conquistou com coisas tão simples.


 Acordei de meus devaneios quando senti o cheiro de café vindo de dentro do meu dormitório.


 – Cheguei – gritei ao entrar.


 – Tô na cozinha, vem aqui – gritou de volta.


 Larguei a bolsa com as coisa da faculdade em cima do sofá e caminhei até a cozinha parando na porta admirando aquele homem com roupa social coando o café no bule.


 – Vai ficar admirando ou vai vim me dar um beijo?


 – Idiota – ri indo até ele selando nossos lábios – Aproveita que estão quentes ainda – entreguei o pacote com os pães de queijo vendo seus olhos brilharem.


 – Obrigado amor – beijou minha bochecha – Eu passei na padaria também, comprei o bolo que você gosta, tá no microondas.


 Abri o microondas e minha boca salivou ao ver dois pedaços enormes de bolo de laranja com calda de caramelo caindo pelas bordas.


 – Tenho novidades – me sentei já levando uma boa garfada do bolo a boca.


 – Diga – disse com a boca cheia de pão de queijo e café me fazendo rir.


 – Consegui um estágio.


 – Sério? Parabéns meu bem, fico feliz por você.


 – Obrigado.  


 – Onde vai ser?


 – Nas empresas Uchiha – vi o sorriso de Kiba desaparecer na hora.


 Kiba era super seguro com nosso relacionamento, não tinha neura por causa de ciúmes, mas quando o assunto era o Uchiha essa confiança toda desmoronava.


 – Por que lá?


 – Foi o único lugar que ainda tinha alguma vaga e eu não vou trabalhar com ele, vou trabalhar diretamente com a Senhora Mikoto e mais duas funcionárias – me levantei indo até ele e sentando em seu colo – Não precisa ficar assim – comecei a distribuir beijos em seu pescoço indo em direção a boca –  Eu sou só seu – rebolei em seu colo o vendo morder o lábio para segurar o gemido – Por que não me leva para o quarto e me fode?


 – Não reclame se não conseguir andar amanhã –  se levantou comigo em seu colo e me levando para o quarto.


 – Eu nunca reclamo, eu sempre peço mais.


 – Ninfomaníaco.


                                               ➺➺➺➺


 Acordei com o celular de Kiba tocando, havíamos apagado depois de mais um orgasmo intenso igual a todos que tivemos juntos. Peguei o celular que tinha parado de tocar e vi que tinha cinco chamadas não atendida da dona Tsume mãe de Kiba.


 – Kiba acorda – sussurrei em seu ouvindo e dando beijos em sua bochecha.


 – Só mais cinco minutos amor – falou sonolento me puxando para cima dele e abraçando minha cintura.


 – Kiba sua mãe ligou.


 – Depois eu ligo pra ela.


 – Cinco vezes.


 – Puta merda – se sentou na cama me fazendo cair do lado – Ela vai me matar –  falava desesperado enquanto mexia no celular.


 Levantei da cama e fui para o banheiro tomar um banho, ri sozinho enquanto escutava Kiba implorar pela vida enquanto falava com a mãe pelo celular.


 – Amor? – chamou aparecendo na porta do banheiro já vestido.


 – Diga.


 – Não vou poder dormir com você hoje, tem algum problema?


 – É claro que não – ri – Vai passar um tempo com sua mãe, isso tudo é saudade por você ter esquecido que tem casa e só ficar aqui – mostrei a língua


 – Então tá – entrou no box se molhando enquanto me dava um beijo – Te amo minha raposinha


 – Eu também te amo cachorro, agora sai daqui porque sua mãe vai te matar quando você chegar em casa todo molhado.


 – Eu não ligo – disse saindo dali rindo e indo embora.


 Sai do box, me sequei e pus uma cueca boxer. Sem ele e depois de muito sexo eu só queria me jogar na cama e foi isso que eu fiz. Me abracei ao travesseiro de Kiba inspirando o cheiro acolhedor que só ele tinha, puxei o cobertor para cima do meu corpo e dormi.


 ➺➺➺➺


 O dia seguinte passou tranquilo, trocamos algumas mensagens e  Kiba me falou que não poderia ir me ver por ter um compromisso junto com a mãe e confirmando de me pegar depois do treino de futebol. Iriamos até o apartamento de Ino, a loira faria uma pequena social para relaxar depois do término das provas Olhei para o relógio que estava pendurado no vestiário constando que já era 17:40, realmente aquele dia tinha passado lentamente, entrei debaixo do chuveiro tomando um banho rápido e logo saindo. Coloquei meu calção de jogar mesmo e uma camiseta que Ino havia me dado, era parecida com uma redinha e com “bitch” costurada em várias partes ou seja qualquer um veria minha barriga.


 Sai do vestiário e corri para o estacionamento da faculdade vendo de longe Kiba encostado em seu carro, vestindo também um calção de futebol e uma regata que mostrava os músculos de seus braços.


 – Oi gatinho – o abracei encostando nossos lábios – Eu tava com saudade


 – Eu também – me abraçou cheirando meu pescoço – Você tá tão gostoso com essa camiseta que eu poderia te foder aqui mesmo – mordeu meu pescoço me fazendo gemer manhoso em seu ouvido.


 – Vamos logo Kiba, se não a gente vai transar aqui e agora – o empurrei devagar vendo ele fazer uma cara emburrada e entrar no carro.


 Kiba se pôs a dirigir enquanto eu lembrava das aventuras sexuais que tivemos nesses 3 anos de namoro.


 – Eu estou com tanto tesão – sorri maldoso ao começar a apertar meu pau por cima do calção – Olha como eu estou duro.


 – Quer parar em algum banheiro público para que eu possa dar um jeito nisso? –   perguntou sorrindo malicioso sem desviar a atenção da estrada.


 – Não, eu resolvo isso aqui mesmo – coloquei meu pau para fora e comecei uma masturbação lenta.


 – Não faz isso comigo bebê – se virou para mim quando o sinal parou – Deixa eu te ajudar?


 – Não – suspirei ao sentir minha pele se arrepiar quando apertei um de meus mamilos por debaixo da camiseta ao mesmo tempo em que acelerava a masturbação – Olha como eu tô babando Kiba, tudo isso por sua culpa que não fodeu meu cuzinho ontem – passei o dedo na cabeça do pau e levei até a sua boca. Ele chupou todo o pré- gozo que tinha ali com força enquanto voltava a dirigir.


 – Delicioso como sempre.


 – Sabe o que eu tive que fazer ontem para aliviar o tesão que sentia? – diminui a masturbação enquanto levava minha mão em direção ao meio das pernas de Kiba apertando seu pau que estava tão duro.


 – O que você fez bebê? – suspirou ao sentir o contato da minha mão com seu pau –  Eu vou bater esse carro, Naruto.


 – Eu usei aquele pau de borracha que eu uso em você antes de comer essa sua bunda gostosa – gemi alto ao gozar em minha mão.


 – Chegamos – disse puxando minha mão que continha gozo e a chupando com fome.


 Olhei pela janela do carro vendo que realmente a gente tinha chegado no prédio em que Ino morava.


 – Tão gostoso – passou a língua entre os lábios – Agora amor, você podia me ajudar aqui né? – levou minha mão até seu membro.


 – Agora não – puxei minha mão – Talvez mais tarde – pisquei pra ele enquanto saia do carro rindo de sua cara.


 Subimos até o quinto e último andar do prédio onde era a cobertura e casa da Ino. Bati na porta já escutando a música alta vindo de dentro do apartamento.


 – Que demora, só faltava vocês para chegar – berrou a loira ao abrir a porta.


 – Foi mal – abracei ela e entrei


 – Garanto que estavam transando em algum poste por aí – riu ao abraçar Kiba


 – Foi no carro – disse Kiba – e foi apenas uma punheta – riu a vendo fazer cara de nojo.


 Caminhamos até a sala onde se encontrava alguns amigos nossos como Sakura, Sasuke, Tenten, Neji, Itachi e Rock Lee. Cumprimentei todos antes de ser puxado por Kiba me fazendo sentar em seu colo.


 – Sinta como eu tô aqui.


 – Eu não tô nem aí – rebolei sentindo ele apertar minha cintura


 – Por que demoraram tanto? – perguntou Tenten


 – Trânsito  – respondi saindo do colo de Kiba e sentar ao seu lado no sofá


 – Fiquei sabendo que conseguiu estágio na empresa da minha família, Naruto – Itachi se aproximou sentando ao meu lado.


 – Pois é, consegui. Vou trabalhar com sua mãe.


 – Que pena, deveria trabalhar comigo – sorriu maldoso ao ver que Kiba o encarava como se fosse arrancar sua pele.


 – Pois eu não acho –  me levantei – Vou buscar bebida pra gente – beijei Kiba antes de ir para a cozinha.


– Por que chamou Itachi para cá? – cheguei perto de Ino que cortava um salame enorme – Você sabe que Kiba e Itachi faltam apenas se matar sempre que se vêem – peguei uma azeitona do prato.


– Pois eu não convidei ele, eu convidei Sasuke e de brinde veio Itachi.


– Mereço mesmo – revirei os olhos – E como tá seu relacionamento a três com Sakura e Hinata?


 – Maravilhoso – sorriu – Eu amo elas demais…


 – Naru – chamou Sakura entrando na cozinha – Acho melhor você ir até a sala senão aqueles dois vão se pegar daqui a pouco.  


 – Eu vou matar os dois – sai dali quase correndo até a sala e parei perto deles. Estavam tão concentrados em se alfinetar que sequer notaram a minha presença.


 – Todo mundo sabe que Naruto ainda me ama – dizia Itachi


 – Se ele te ama tanto como você diz, então porque ele tá comigo a três anos escutando os meus eu te amo? – rebateu Kiba sorrindo.


 – Acho melhor vocês dois pararem – exclamei.


 – Você é só um passatempo, até parece que alguém como Naruto vai construir uma vida com um pobretão como você – disse Itachi.


  – Chega – gritei recebendo a atenção dos dois – Depois de 3 anos você ainda não desistiu Itachi? Chega porra, me esquece e sinto muito acabar com suas expectativas querido, mas o pobretão aqui me fez o homem mais feliz com apenas um mês de namoro. Então apenas desiste – gritei encostando o dedo na cara do Uchiha que se manteve calado.


 – E você – apontei para Kiba – Vem comigo – puxei sua mão o levando até o banheiro que tinha no corredor.


 – Desculpa amor – disse baixo enquanto a gente entrava no banheiro


 – Chega disso, amor – encostei nossas bocas rapidamente – Eu te amo, e eu sei como Itachi te afeta, mas ele é passado. Eu amo você e só você. Então só esqueça dele e vamos viver nosso relacionamento maravilhoso tá bom? – fiz um carinho em sua bochecha.


 – Agora eu vou te ajudar naquilo – me agachei puxando seu calção para baixo liberando seu membro pesado para o meu deleite – Tenta não gemer alto – sorri antes de colocar aquele membro todo em minha boca começando um sucção rápida e forte ouvindo Kiba gemer baixinho.


 – Como eu amo essa boca – puxou meus cabelos de encontro a sua pélvis me fazendo engasgar ao sentir a cabeça de seu pau tocar minha garganta


 Comecei a chupar a cabeça de seu membro enquanto olhava para ele que mordia seus lábios com força para não gemer alto.


 – Pronto, te ajudei – levantei.


 – Mas eu nem gozei ainda.


 – Depois eu termino – sai dela deixando o moreno com uma cara abobalhada.


 Caminhei até a cozinha pegando o frasco pequeno de azeitonas e fui para a varanda da cobertura, era um lugar mais afastado de onde a festa estava, mas ainda sim podem me enxergar daqui. Mal comecei a comer quando escutei um certo passo apressado em minha direção.


 – Eu te odeio – resmungou me abraçando por trás.


 – Eu também – levei uma azeitona até sua boca.


 Escutei ao longe Ino e as meninas gritarem ao começar a tocar Rihanna, olhei para trás vendo elas fazerem os meninos dançarem


 – Por que a gente não aproveita essa vista? – me debrucei no parapeito e rocei minha bunda nem sua ereção.


 – Tem certeza? – perguntou já abaixando meu calção e minha cueca na altura necessária para ninguém perceber.


 – Sim, só me fode logo.


 – Eles vão perceber, eu preciso te preparar e a gente não tem lubrificante aqui.


 – Porra Kiba, passa cuspe nesse pau e vem logo.


 Levei meus dedos até minha boca os deixando bem melados e levando até minha entrada a lubrificando. Kiba se posicionou começando a forçar sua entrada me fazendo soltar um gemido dolorido quando a cabeça passou, por eu não estar preparado um pouco de dor foi inevitável.


 – Vá devagar.


 – Porra, como eu amo sentir você esmagando meu pau com esse cu guloso – apertou minha bunda enquanto dava estocadas lentas.


 Pode ser engraçado, mas começamos a nos mexer como se estivéssemos dançando enquanto Kiba estocava com força. Ele estava me fazendo delirar ao sentir aquele pau entrando e saindo de minha entrada que o apertava e o acolhia tão bem.


 – Chega, vamos procurar um lugar pra terminar isso – gemi ao sentir ele tirar seu pau de mim.


 – Eu espero que vocês não estejam fazendo o que eu tô pensando – gritou Ino ao sair para a varanda acompanhada dos outros que já pareciam completamente bêbados.  


 – Não sei do que você está falando – passei por ela indo para o banheiro.


 – Olha o cheiro de sexo desses dois – exclamou Hinata que deveria ter chegado em um certo momento da festa.


 Esperei Kiba no corredor dos quartos e o puxei para o quarto de Ino.


 – Ela vai matar a gente – riu enquanto arrancava suas roupas.


 – E você vai me matar de tanto me foder agora – empurrei seu corpo para a cama e subi em cima dele já sem nenhuma peça de roupa.


 Agora eu conseguia sentir o calor daquela pele morena que eu tanto amava, os músculos de Kiba tensionavam em êxtase ao sentir minha língua explorar todo seu abdômen definido. Senti um arrepio gostoso ao ter sua mão grande passeando por minhas costas indo até minha bunda onde ele colocava dois dedos de uma vez em minha entrada, só para ter o prazer de ver minha feição de tesão e dor.


 Posicionou seu membro em minha entrada e ele segurou minha cintura entrando em mim numa única estocada, nos fazendo gemer alto em puro deleite. Comecei a me movimentar em seu seu colo sentindo seus braços enlaçarem meu corpo em um abraço gostoso fazendo nossos corpos suados se esfregarem, mas o que me levava ao extremo do prazer era sentir Kiba surrar minha próstata com força. Eu conseguia escutar o som que eu mais amava, o barulho do nosso sexo e da forma sedenta em que fazíamos amor.


 – Eu vou gozar – gemi em seu ouvido puxando seus fios castanhos com força o fazendo revirar os olhos.


 – Eu também vou – puxou meu cabelo levando minha boca até a sua iniciando um beijo afoito e selvagem, da mesma forma que agimos quando transamos.


 Não havia limites, era só eu e ele. A dor e o prazer se misturando junto ao nosso amor que transbordava. Quebrei o ósculo e mordi seu ombro com certa força ao sentir ele se derramar dentro de mim enquanto eu lambuzava nossos abdômen com meu gozo.


 – Eu tô morto – disse deitando na cama.


 – Já cansou? – me aninhei em seus braços que me puxaram para cima de seu corpo enquanto depositava um beijo em minha testa.


 – Eu te amo tanto.


 – Eu também te amo, acho que nunca pensei que ia amar alguém como eu amo você meu cachorrinho – sorri beijando sua bochecha.


 – Fecha os olhos, eu tenho uma coisa para te dar.


 – Ai meu deus – sai de cima de seu corpo me sentando na cama – Pronto, já fechei.


 – Calma aí.


 Senti ele sair de cima da cama e resmungar enquanto procurava algo, mas logo senti sua respiração acelerada próxima a mim.


 – Pode abrir – disse.


 Abri os olhos lentamente, mas fechei novamente ao sentir as lágrimas virem quando vi Kiba vermelho de vergonha e com um sorriso no rosto ao estender uma pequena caixinha vermelha com duas alianças douradas.


 – Naruto Uzumaki, você aceita se casar comigo?


 Eu não conseguia responder, eu estava transbordando de felicidade e ela estava vindo toda em lágrimas.


 – Ai meu deus, você não gostou? – perguntou em um tom desesperado.


 – É claro que eu gostei seu bobo – falei entre lágrimas – E é óbvio que eu aceito ser seu marido – o abracei sentindo suas lágrimas caírem em meu ombro.


 – Eu acho que sou o homem mais feliz e sortudo do mundo – disse me fazendo rir alto.


 Me afastei limpando as lágrimas de seu rosto e depositando um selinho em sua testa.


 – Com licença senhor futuro Uzumaki Inuzuka – sorriu ao pegar minha mão e colocar a aliança em meu dedo.


 – Linda – olhei abobalhado para a aliança – Deixa eu pôr em você – peguei sua mão e depositando um beijo nela antes de colocar o anel em seu dedo.


 – Eu estava com tanto medo de você não aceitar – me puxou de encontro ao seu corpo me abraçando.


 – E por qual motivo eu não aceitaria casar com o homem que eu amo? – perguntei enquanto fazia carinho em seu peito.


 – Talvez por sermos novos demais ainda. Você tem apenas vinte e quatro anos e eu só vinte e sete. Mesmo que a gente não vá se casar logo, mas sei lá eu estava inseguro. Você poderia querer viver mais ou ter mais experiências.


 – Bobo – me sentei novamente –  A gente é novo sim e tem um futuro pela frente, mas eu quero dar cada passo importante na minha vida com você ao meu lado. Vamos crescer juntos na vida, aprender com nossos erros e construir um lar com muito amor.


 – Eu te amo Naruto, você não imagina o quanto eu agradeço por ter a oportunidade de ter alguém como você em minha vida. Por me  amar na mesma intensidade que eu o amo, de ser tão louco quanto eu e sim nós vamos comemorar tudo o que conseguirmos. Vamos dar todos os passos juntos porque eu quero uma família enorme com vários narutinhos correndo pela casa.


 – Eu te amo Kiba.


 – Eu também te amo Naruto – selou nossos lábios trazendo meu corpo para cima do seu membro.


 – Eu não acredito nisso – gritou Ino ao abrir a porta – No meu quarto?


 – Sai Ino – peguei um travesseiro jogando nela.


 – Mas esse é o meu quarto – gritou ao fechar a porta.


 – Não por hoje.


 – Tá pronto para comemorar nosso noivado?


– Sempre.




AAAAAAA quero saber o que vocês acharam, eu amo um Naruto abusado e isso é uma combinação perfeita com Kiba que tem um ar selvagem e aventureiro e eu pago muito pau para esse ship que vocês não tem noção ksks

Me contem o que acharam, estou ansioso por isso !

19 декабря 2018 г. 20:04:07 0 Отчет Добавить 2
Конец

Об авторе

Biel Castelli "Escrever é uma maneira de viver outra vida. Muitas outras vidas." - Etgar Keret / all these bitches is my sons 🍼

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~