Um Presente para Naruto Подписаться

nonna.ayanny Nonna Costa

Naruto só queria comemorar seu aniversário com uma boa companhia. Não é todos os dias que se completa 50 anos, então é preciso comemorar da melhor forma possível. Quem diria que ele iria realizar seu desejo mais profundo? Avisos: Naruto não me pertence, mas o enredo sim. Evite Plágio, pois é crime federal e um atestado de babaquice. Yaoi, se não gosta, não leia. AgePlay, se não gosta, não leia.


Фанфик Аниме/Манга 18+.

#AgePlay #universoalternativo #pwp #r18 #sasunaru #naruto
Короткий рассказ
11
5.2k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Parabéns para Você

Naruto terminou de empilhar as últimas caixas no galpão e fitou seu relógio. Eram quase seis horas da noite, só faltam 12 minutos. Estava perdendo seu aniversário para o trabalho. Maldita hora que seu colega supostamente adoeceu de gripe, curiosamente no mesmo dia que teria aquela festa que todos comentavam e o tal homem queria muito ir. Ele esfregou os cabelos, retirou seu avental e suas luvas, saiu do galpão, trancando a porta atrás de si e foi para o escritório de seu patrão.

-Acabei. - avisou depois que recebeu permissão para entrar. - Precisa de mim para mais alguma coisa? - perguntou mais por educação do que por vontade.

-Não. Aqui o seu pagamento. Já pode ir embora. - como trabalhou em sua folga, ele teria que pagar pelas horas extras. Naruto pegou o envelope, agradeceu e saiu dali. Nem um “Boa noite” recebeu.

O homem foi para casa tomar um bom banho e se preparar para curtir o que restara do seu aniversário. Conseguira um pouco a mais com as horas extras, então usaria aquele dinheiro para comprar alguma coisa para si de presente ou para ter um jantar interessante num lugar legal. Quem sabe poderia até realizar sua maior vontade… Era uma chance.

Fez a barba, escovou os dentes, depilou-se e passou quase dez minutos sentado no vaso procurando coragem para o procedimento seguinte de sua limpeza geral de aniversário. Observou a mangueira do chuveirinho e o gel lubrificante sobre a pia. Era agora ou nunca. Fez o que tinha que fazer.

Quase uma hora depois, Naruto terminava de dar o nó em sua gravata e se observar no espelho. Estava formal, mas não se incomodou nem um pouco com isso. Vestiu o suéter por cima da camisa social e percebeu que nem precisaria de um casaco, pois estava bem aquecido assim e também bonito. Arrumou seus cabelos, sentindo-se um pouco mais jovem, colocou os óculos, pegou sua carteira e saiu de casa.

Não era rico, morava sozinho e tinha um emprego que lhe dava o suficiente para não dever tanto assim, não levava uma vida de excessos e tinha poucos amigos, mas estava tudo bem naquela noite. Todos estavam ocupados com compromissos ou com suas famílias, então comemoraria seu aniversário sozinho mesmo. A pé, foi até a padaria que ficava há quase três quarteirões de distância de sua casa para comprar um bolo.

Como era um guloso de primeira ordem e estava com a saúde em dias, comprou um bolo pequeno com recheio de coco e cobertura de brigadeiro. Riu baixo ao receber e pagar pelo doce, agradeceu com um sorriso para a moça que lhe atendeu e saiu dali. Sabia que o bolo era bom e gostoso porque aquela era a sua padaria favorita e tudo o que ela fazia, Naruto adorava. Até comprou duas velinhas com os números dos anos que completava naquela noite. Seguiu para a rua e olhou em volta, pensando se deveria ir para casa comer ou para algum restaurante.

Era seu dia especial, então foi para uma lanchonete comer o seu bolo. Separou um bocado do dinheiro e foi até a área vermelha da cidade. Iria ter uma boa companhia, por assim dizer, enquanto comesse e até podia ter algo a mais depois. Seguiu pacientemente pelas calçadas, observando os bonitos rapazes que se disponibilizavam. Queria um jovem, mas não tão jovem e nem que lhe soasse como alguém “frágil”. Era sua noite especial, queria alguém especial para compartilhar com ela. No caso, seria compartilhar com ele.

Conversou com alguns rapazes mais bem próximos do seu tipo, mas findava não sendo o que queria. Tudo bem que estava sendo um pouco exigente, mas era sua primeira vez naquilo, era seu aniversário e trabalhara até tarde, não seria justo consigo mesmo escolher qualquer um. Os que eram aquilo que procurava num parceiro de aniversário, cobravam caro demais para o que Naruto pedia. Não estava com tanto dinheiro assim, então continuou caminhando com o bolo em mãos, observando as pessoas.

Naruto entrou num beco, ao ver alguns rapazes parecidos com o que procurava entrarem ali. Ajeitou suas roupas, segurou firme o bolo e entrou ali também, devagar, chamando atenção de um deles. Esperava que ao menos um pudesse lhe atender.

-Boa n… - começou a falar, mas repentinamente tudo ficou caótico e muito perigoso. Quase seu bolo foi ao chão por isso.

Naruto não sabia, mas havia uma operação policial em andamento no bairro vermelho em busca de receptadores de drogas, de cafetões e agenciadores ilegais de adolescentes. Faziam uma verdadeira limpa no bairro, revirando quartos, prédios, as ruas e todo o resto. Se Naruto fosse realmente esperto, teria ouvido o rádio e a televisão informando que desde às cinco da tarde que a Força Tática estava numa delicada e intensa operação militar naquela região.

-Mãos na cabeça! - berrou o policial apontando um fuzil para os prostitutos. - Se mexerem um só músculo, eu vou abrir outro buraco nesses rabos vadios, seus putos!

-Olha a boca, 02. - falou o capitão, calando seu subordinado. - São putos, mas são trabalhadores. - o capitão parou no meio da viela. Uma mão na pistola encaixada no coldre preso na perna e a outra atrás de suas costas. - Boa noite, senhores.

Eram homens fardados de preto, armados até os dentes, alguns com o jeitão de malandro, mas o líder do grupo mais parecia um cachorro pitbull prestes a atacar alguém e matar sem piedade.

-Boa noite. - disseram todos, inclusive Naruto.

-Estou procurando por algumas informações envolvendo drogas e aliciadores. Se algum dos senhores souber de alguma coisa, por favor se manifeste voluntariamente, do contrário, eu terei o prazer pessoal de arrancar o que eu quero de suas gargantas. Estamos entendidos? - questionou firme.

-Sim senhor! - responderam quase gritando.

Os soldados assumiram o interrogatório dos prostitutos enquanto Naruto se tornou o alvo pessoal do capitão. Este era jovem, alto, forte, o tal soldado com postura de pitbull militar, olhar penetrante e um semblante que não dizia nada. Parecia avaliar o homem encostado na parede, equilibrando um bolo na mão.

-Documentos. - pediu ao esticar a mão e Naruto entregou sua carteira. - Verifica, 05. - mandou sem desviar o olhar dele.

-Naruto Uzumaki, 50 anos, sem passagem e nem CNH, 01. - respondeu o cabo. - Mais limpo que os dentes do 06. - riu baixo e os outros homens acabaram rindo também, exceto o capitão, que ainda encarava Naruto.

-O que um homem com uma ficha limpa assim como o senhor veio fazer nessa terra de puta? E com um bolo em mãos? Algum amigo seu está aniversariando hoje e resolveu pagar uma suruba para todo mundo, Senhor Uzumaki? - perguntou sem deboche. Aqueles olhos negros nem piscavam, de tão atentos que estavam aos movimentos daquela viela.

Naruto tremia. Não pela possibilidade de ser preso, mas pela ideia de apanhar por estar andando por ali. Aquela equipe era famosa por enquadrar os criminosos de maneiras muito peculiares. Todos afirmavam que eles não era policiais, mas verdadeiros soldados para a guerra.

Logo no dia do seu aniversário aquilo tinha que acontecer? Por quê? Naruto mal conseguia equilibrar o bolo nas mãos, então viu o capitão retirá-lo delas e abrir a embalagem para cheirar. Talvez verificasse se era um bolo de maconha ou um bolo normal.

-Não senhor. - engoliu em seco. Iria admitir a verdade para não tomar uma surra? Mesmo que fosse vergonhosa? Iria. - O aniversário é meu e o bolo é para mim… Eu estou procurando por alguém para passar o aniversário comigo. - apertou as mãos. - Eu ia pagar para que um deles se deitasse comigo.

Os policiais riram alto daquilo que Naruto dissera, mas quando viram a encarada mortal do capitão, silenciaram imediatamente. Os dois tornaram a se fitar e Naruto sentiu-se ser milimetricamente analisado por aqueles olhos negros. Seu corpo foi revistado quando ele se virou de costas ao comando do capitão e cada canto foi apalpado. Naruto arregalou os olhos tanto no momento que tanto sua virilha foi apertada quanto sua bunda.

-02. - o policial apareceu ao lado do líder. - Leve-o para a minha viatura sem algemá-lo. - Naruto arregalou os olhos, mas não fez nada além de receber seu bolo e sua carteira de volta e seguir quieto para o carro preto.

Em algum momento que não entendeu bem como se deu, Naruto foi levado para a delegacia por aquela equipe, que o deixou ali sozinho sob o aviso de vir buscá-lo depois, e relatou o que viu ao delegado enquanto esteve no bairro vermelho. Não sabia que era testemunha de alguma coisa, mas não questionou nada. Só queria ir para casa e esquecer aquele dia terrível. Sua ficha criminal foi avaliada duas vezes por ordens “superiores” e quase dez horas da noite foi liberado para ir para casa.

Achando que não podia ficar pior, alguém lhe deu carona. Alguém muito bem armado e com postura de pitbull. Naruto se perguntava constantemente o que fizera para merecer um aniversário tão ruim e ainda ser escoltado para casa como se fosse um criminoso. Nem quando foi entrar em casa, o capitão 01 deixou de acompanhá-lo.

Trancou a porta e fitou o enorme soldado, saído de um verdadeiro filme da Marvel ou da DC, retirando seu fuzil das costas, travando-o e o deixando sobre o balcão da cozinha. Os dois se sentaram à mesa e ficaram se olhando. O capitão fitou o bolo e fez um gesto para que Naruto prosseguisse. Ele queria comemorar seu aniversário consigo? Mas aquilo não fazia nenhum…?

O pensamento morreu assim que o viu tirar a pistola do coldre na coxa e observar se havia bala no cano. Naruto pôs as velas no topo do bolo, pegou dois pratos com talheres, o resto de Coca-Cola do almoço, dois copos e acendeu as velas, deixando tudo com quase cara de uma mesa de aniversário. O capitão se ergueu da cadeira e apagou a luz da cozinha, deixando os dois e o resto da casa no escuro. Naruto cantou sozinho, “Parabéns para mim…”, enquanto via o homem a sua frente bater levemente palmas.

Quis fazer um pedido, mas tudo o que lhe passava pela cabeça, além do medo de levar um tiro, era o quanto aquele capitão era exatamente o tipo de homem que queria em sua cama naquela noite. Assoprou as velas e viu um sorriso aparecer no rosto alheio quando tudo escureceu de novo. Naruto foi acender a luz para cortar o bolo e qual foi sua surpresa ao ver um presente sobre a mesa.

-O quê…? - ele se sentou sem entender nada. - É para mim? - o capitão assentiu. - Mas você nem me conhece...

-Eu vi o recibo das horas extras que fez em sua carteira. - o homem de meia idade arregalou os olhos. - Eu vi que não mentiu para mim quando disse que queria companhia hoje. Só estava no lugar errado, na hora errada. - realmente aquele policial era educado. - Além de que lhe devo um pedido de desculpas pelo constrangimento.

Naruto pegou o presente, totalmente corado por ser pego de surpresa por aquelas palavras gentis, e o abriu. Era uma caixa retangular fina que continha nada mais e nada menos que um cachecol listrado. Abriu-a e puxou a peça dali. Naruto soltou um berro de emoção ao ver que era o cachecol oficial do Barcelona, seu time preferido.

-Como sabia disso?! - Naruto envolveu seu pescoço com a peça e viu dentro da caixa os documentos afirmando que aquele cachecol era autêntico e que os autógrafos dos jogadores ao longo dele eram originais.

-Sua carteira. - lembrou e Naruto sentiu vontade de se enfiar num buraco por ter uma carteira com o brasão do Barcelona e a palavra Barça escrito na frente.

-Como conseguiu? Essa edição está limitada há meses e um só custa uma fortuna! - falou roçando o rosto como um gatinho no tecido macio, atraindo ainda mais a atenção do capitão. - E em tão pouco tempo?

-Não importa. O que realmente interessa é o fato de que tem uma boa companhia para o seu aniversário. - piscou um olho e adorou o tom vermelho que as bochechas dele assumiram.

-Obrigado. Pelo presente e pela companhia. - sorriu sincero.

Naruto guardou seu presente no quarto com muito cuidado e esmero. Se fosse um homem mais corajoso, ia dar em cima daquele policial, mas ele era a encarnação da derrota. Voltou para a cozinha e foi hora de comer.

-Posso saber seu nome e sua idade? - Naruto indagou depois de os dois passarem alguns minutos comendo em silêncio. O outro franziu o cenho. - É que você me parece bem jovem para ser um capitão renomado. Desculpa se soou ofensivo.

O colete foi deixado perto do fuzil, embaixo do balcão, longe das vistas das pessoas, juntamente de parte dos apetrechos do capitão. Ele estava agora só de camisa preta com as mangas dobradas até os cotovelos, calça de mesma cor, cinto com duas armas, uma branca e uma de fogo, acomodadas nas costas, os coldres das coxas e coturnos. Jamais Naruto negaria em dizer que um policial comendo em sua mesa daquele porte era uma de suas fantasias sexuais mais ardentes.

-Tranquilo. Todos dizem isso. - deu de ombros e limpou sua boca com o guardanapo de papel. - Sasuke Uchiha e tenho 34. - respondeu. Naruto arregalou os olhos e Sasuke riu baixo. - Eu me dou muito bem nesse ofício.

-Dá para perceber. - baixou o olhar, querendo parar de imaginar como seria aquele peitoral largo. - Eu trabalho no estoque de um supermercado. - falou por falar.

-Sei… - Sasuke tomou um gole do refrigerante e suspirou. - Me diz, Naruto, que tipo exatamente de prostituto você estava procurando naquele lugar?

O mais velho quase se engasgou e tossiu um bocado antes de recompor-se.

-Por que a pergunta? - pigarreou.

-Você disse ao delegado que chegou por volta das sete horas, mas já haviam se passado quase 40 minutos quando te encontrei. - ele assentiu. - Só estou curioso para entender por que um homem demorou tanto para achar uma companhia.

-Eu sou gay, ok? - falou com o rosto todo vermelho de vergonha. - E tenho 50 anos. Não tenho o corpo sarado e nem sou rico. Os cabelos brancos já aparecerem na minha cabeça. - apontou para si. - Eu fui lá procurar por alguém que tire a minha virgindade.

-Você é virgem? - Sasuke se impressionou.

-Sou! - falou um pouco mais alto e esfregou o rosto. - Eu estou completando 50, é uma idade difícil para um homem sem nada como eu. Só queria que fosse um dia especial. Não queria ter minha primeira transa com qualquer um, mas todos cobravam caro demais… - suspirou triste.

-E o quê queria de tão especial assim que todos os putos cobravam caro demais? - Sasuke sentou-se na cadeira mais próxima de Naruto e apoiou uma mão no recosto dela, olhando-o intimamente.

-Eu… - seu rosto estava quente e vermelho há níveis anormais. - Eu sempre quis… - tomou o último gole do seu refrigerante e arfou. - Eu sempre fantasiei que um homem forte, cheio de presença e de pegada me fazia de passivo e…

-E? - incentivou.

-Me chamava de Papai. - agora sim Naruto podia morrer ou ser abduzido por aliens, o que fosse mais rápido.

-Tipo Age Play? - Sasuke indagou com seriedade e Naruto assentiu, escondendo o rosto com suas mãos. - É assim que quer ter a sua primeira vez?

-É, mas… Ou só querem velhos ricos para serem ativos ou só querem se eu pagar muito, mas eu sou só um assalariado… Mal pago as contas ao fim do mês…

Sasuke assentiu e viu Naruto se levantar da mesa para por as louças sujas na pia. Demorou-se alguns minutos avaliando aquela bunda coberta pela calça social. Fazia um tempo que não transava, mas será que aquele velho valia o esforço? Levantou-se da cadeira em silêncio enquanto pensava. Só havia um jeito de descobrir: sem aviso prévio, pôs com força sua mão entre as nádegas sutilmente flácidas naquela posição e apertou com vontade, fazendo Naruto se assustar.

-O quê…? - o loiro quis falar, mas a mão de Sasuke o fazia se empinar cada vez mais, pois buscava apertar suas bolas por trás. - O que é isso, Sasuke?! - gemeu ao sentir o toque forte em sua intimidade.

-Quer dar para mim? - seus olhos se arregalaram. - Estou falando sério. - soltou-o e o fez se virar para que suas mãos molhadas tocassem a barriga dele. - Eu sou seu tipo, não sou? - Naruto quis responder, mas sentir aquele abdômen trincado lhe fez perder as palavras. - Eu vou cuidar direitinho da sua virgindade… Dá ela para mim… - pediu num sussurro.

-Eu não sei… Você é o meu tipo e é policial e é… Ah! - seu pênis foi apertado enquanto seu pescoço era chupado de leve perto da orelha. Naruto gemeu languidamente, segurando-se em Sasuke para não perder o equilíbrio, pois era imprensado contra a pia.

-Aposto como está piscando, papai. - Sasuke provocou e Naruto arregalou tanto os olhos com o arrepio que lhe acometeu que perdeu o ar. - Vai dar para mim, papai? Vai sim, não é? - os dois se fitaram.

Ah, dane-se! Sua fantasia sexual mais quente e molhada estava acontecendo bem diante de seus olhos! Ele iria negar? Naruto estava ficando velho, não louco.

-Vai cuidar da minha virgindade com carinho, meu menino? - começou a beijar o pescoço alheio, rebolando nas mãos que tornavam a apertar sua bunda e roçando sua ereção na coxa alheia. - Papai só te dá se for gentil com papai, pois ele nunca fez isso antes.

-Vou fazer do jeito que meu papai merecer. - Sasuke falou com autoridade e fez Naruto girar bruscamente de costas, para ter sua bunda imprensada pela virilha alheia. - Tem sido um bom papai para mim?

-Tenho… - Naruto arfou ansioso. - Vem. - segurou-o pela mão e o puxou para o seu quarto. - Eu vou dar tudo o que meu menino quiser. - admitiu ansioso.

-Tudo? - Sasuke o puxou para si quando empurrou a porta do quarto sutilmente aberta e os dois entraram. Naruto assentiu. - E se eu quiser beber muita porra?

-Eu dou, eu tenho! - falou apressado ao sentir suas roupas irem abandonando-o a cada movimento em si.

-E se eu quiser um cu apertado? - observou o homem nu diante de si e totalmente ereto. Acabou por rir daquela pressa, mas tinha que admitir que estava pegando bem pesado naquele papo pré-sexual.

-O meu é! - Naruto fez questão de desabotoar a camisa preta depois de ver Sasuke desdobrar as mangas.

-E se eu quiser gozar muito dentro do cu apertado do meu papai? - a cartada final.

-Pode quantas vezes o meu menino quiser. - admitiu, terminando de abrir a camisa e quase morrer sem ar ao ver aquele tanque onde poderia lavar todas as suas roupas várias vezes. - Mas… - o abraçou, beijando delicadamente seu pescoço. - Poderia ser gentil, meu menino?

A alma de Naruto gelou quando ouviu os cliques metálicos das armas. Por estar de olhos fechados, não viu que Sasuke estava as travando antes de retirar o cinto e deixá-lo num local seguro, junto do coldre de sua perna. Os dois se fitaram e o capitão retirou lentamente sua camisa, enquanto se decidia se jogava ele na cama para beijá-lo ou se fazia isso agora.

Para quê esperar pelo óbvio? Puxou Naruto e tomou aquela boca para si, quase o erguendo do chão ao apertar muito a bunda nua. O mais velho gemia enquanto sua língua e sua boca eram chupadas e sentia-se ser levado para a sua cama com certo cuidado. O capitão beijava sensualmente enquanto ajoelhava-se sobre a cama para deixá-lo em seu colo para que pudessem ficar íntimos.

Sasuke era conhecido por ser bruto e ter pouca paciência, falar apenas uma vez e deixar marcas dolorosas, mas o que ninguém sabia era o quanto o capitão podia ser gentil e delicado com aquelas pessoas com quem ele dividia uma cama, principalmente os virgens.

Naruto movia lentamente seus quadris num ir e vir coordenado pelas mãos carinhosas do capitão, enquanto arranhava de leve as costas nuas e largas e beijava com desejo a boca alheia. Os dois se fitaram e o mais velho saiu do colo alheio, engatinhando timidamente pela cama, pois dera-se conta da sua nudez e da flacidez do seu corpo de 50 anos, até sair e ir ao banheiro. Buscou o lubrificante. Ao chegar na cama, deparou-se com Sasuke retirando os coturnos e abrindo sua calça.

-Com medo? - ele lhe perguntou e Naruto negou ao ficar entre as pernas dele para beijá-lo. - Com vergonha? - assentiu. - De quê? Do meu pau duro por você?

-Não me acha velho demais? - sussurrou, vendo o mais novo despejar um pouco do gel à base de água nos dedos e passar por entre suas pernas para penetrá-lo com cuidado, um dedo sendo empurrado para dentro de cada vez. Naruto gemeu baixo.

-Velho, você é. - rebateu e os dois se encararam. - Mas isso não quer dizer que não pode me dar prazer ou sentir prazer. - sugou o ar por entre dentes ao ir fundo com dois dedos no canal virgem e lambeu a ponta do pênis que roçava em seu peitoral. - Eu quero a sua porra, papai. - retomou a fantasia.

Naruto contraiu-se ao assentir e cadenciou o ritmo da boca de Sasuke em seu membro ao mergulhar os dedos nos fios curtos e negros para impulsioná-lo mais. Chamava-o enquanto massageava o couro cabeludo e investia na cavidade molhada na mesma velocidade que era penetrado pelos dedos carinhosos. Não conteve sua voz, não quando estava sentindo tanto prazer. Sasuke usava a mão livre para afagar o corpo nu a sua frente ao passo que acelerava o preparo e contraiu mais as bochechas para succionar.

Ouviu o homem gemer alto quando tocou um ponto específico e macio naquele canal que se contraía constantemente com suas investidas. Sasuke gravou bem aquele lugar ao afagá-lo mais vezes, deliciando-se com os gemidos cada vez mais altos e satisfeitos. Fez sua voz vibrar no membro ao rir e o lambeu por completo antes de engoli-lo totalmente.

-Papai quer gozar, meu menino… - Naruto finalmente disse depois que recebeu alguns segundos para respirar normal. O outro masturbou o seu membro enquanto esfregava a fenda na língua alheia. - Quer minha porra?

-Todinha, papai. - Sasuke riu antes de sugar com força a ponta bulbosa e meter o terceiro dedo nele.

Mais algumas succionadas e Naruto se derramou, gemendo alto e tremendo muito. Perdeu as forças das pernas, de modo que foi derrubado sobre a cama para que Sasuke continuasse recebendo o orgasmo alheio na boca. Ele engoliu tudo quando nada mais saiu e ficou de joelhos, observando o homem respirando ruidosamente e rindo do orgasmo intenso.

-Me deu de beber… Agora eu quero comer. - sibilou ao puxar seu pênis para fora da cueca e surpreender Naruto. - Que foi? Não quer me alimentar, papai?

Ele não respondeu. Mesmo trêmulo por causa do orgasmo intenso e por não ter um bom condicionamento físico, colocou-se de quatro, afastou as pernas e se exibiu para o policial. Sasuke pegou uma camisinha que deixara em seu bolso, mas Naruto negou, surpreendendo o parceiro, no entanto este não questionou. Deixou um beijo em cada nádega, lambeu o cóccix com um pouco de pêlo enquanto espalhava lubrificante em si.

-Quer, papai? - roçou a glande na entrada pulsante. Naruto assentiu veementemente, gemendo de ansiedade. Sasuke o fez ficar de joelhos e fez um sanduíche com as nádegas suadas e seu pênis. - Pede, papai. - mandou.

-Me dá seu pau, meu menino, eu quero ele todinho em mim…! - os dois se beijaram ao passo que devagar o Uchiha ocupava o espaço desejado no interior pulsante. - Tão grande… ! - arfou.

-Quer mais, papai? - o membro de Naruto recebia um pouco de atenção, para que a tensão diminuísse no corpo aquecido.

-Mais…! - choramingou, empinando-se o máximo que podia para recebê-lo. - Por favor, meu menino, dá mais para mim…!

Sasuke estocou de uma vez, segurando o rosto de Naruto próximo do seu apenas para ouvir o brado de prazer bem perto. Os dois beijaram-se quando as investidas começaram e Naruto teve sua boca chupada e segurada no instante que o policial moveu os quadris com muita rapidez, fazendo a cama ranger. Bem que sua intuição estava certa, aliás, raramente Sasuke se enganava naquele quesito: aquele velho ia lhe dar uma ótima foda.

Naruto soltou-se para gemer e quicar enquanto arranhava o braço que lhe contornava, para guiar seus movimentos, e massageava suas bolas, e afagou o nuca do outro.

-Porra, papai, é tão apertado, tão gostoso de foder! - Sasuke passou a beijar os ombros suados e o pescoço corado. Meteu mais fundo e viu o homem estremecer completamente, apertando-lhe com muita força. - Puta que pariu… É aqui, papai? - acertou de novo aquele ponto só para ter certeza e não esquecer.

-Aí! - Naruto bradou.

Este último foi derrubado sobre a cama e novamente abraçado para ter suas intimidades apertadas e massageadas enquanto as estocadas lhe faziam gemer alto e abafado contra os travesseiros.

-Aqui? - Sasuke sussurrou rouco, adorando as reações físicas do outro.

-É… Meu menino… - chamou, angustiado. - Me enche de porra, meu menino! - pediu com lágrimas nos olhos e beijando o rosto do policial. - Por favor…

Sasuke gozou forte depois de ouvir tão submisso e entregue pedido. Ficou surpreso com isso, mas não se importou. Ainda estava duro e com muito tesão. O outro recebeu aqueles jatos em seu canal com tanta alegria que deixou algumas lágrimas caírem. Foi girado na cama, sem que Sasuke saísse de dentro de si, e os dois se beijaram.

-Vou meter com força agora, papai. - avisou roucamente, já começando as investidas e acertando sem piedade a próstata alheia. Naruto gritava no ouvido de Sasuke, contorcendo-se todo debaixo dele, ao lhe abraçar. - Papai gosta?

-Gosto! - os dois se fitaram e se beijaram apressadamente. - É demais! - Naruto deixou a cabeça pender sobre os travesseiros. - É mais do que eu mereço!

Sasuke gargalhou alto e tomou os lábios inchados para si num beijo demorado, deixando-o ainda mais íntimo de si.

Os movimentos estavam mais frenéticos, acelerados, agoniados, uma loucura só de prazer e desejo. O clímax atingiu aos dois ao mesmo tempo e com muita força, fazendo Naruto desmaiar nos braços de um capitão muito suado e ofegante. Ele poderia ter ido embora depois minutos depois, mas preferiu dormir naquela cama pequena, mas com um homem que lhe dera uma ótima transa.

Naruto despertou com o som do alarme de seu celular. Seus quadris latejavam sutilmente, mas ele nem se incomodou porque sabia o motivo e nada o deixava mais feliz. Tomou um banho, limpando-se e percebendo que alguém usou o banheiro antes de si. Vestiu-se e foi para a cozinha tomar seu café antes de ir para o trabalho. Encontrou Sasuke ali, preparando alguma coisa enquanto via televisão da sala.

-Bom dia. - não sabia se deveria abraçá-lo e beijá-lo, como queria, ou apenas fingir que nada de muito quente, gostoso e intenso aconteceu na noite anterior.

-Bom dia. Dormiu bem? - Naruto assentiu e mandou às favas os seus temores. Abraçou o corpo grande por trás e o beijou por cima do tecido da camisa mesmo. - Já com saudades? - o outro brincou.

-Você me deu a melhor noite de prazer da minha vida. - Naruto admitiu. - Eu nem sei como agradecer direito por…

-Claro que sabe. - Sasuke girou dentro do abraço e fez Naruto se inclinar sobre si. - Agora que você realmente sabe…

-Eu não lhe devo favores sexuais. - soltou-se dele, meio chateado.

Sasuke meneou sua cabeça negativamente, pondo seu colete e suas armas, aproximou-se de Naruto por trás e envolveu a cintura alheia com um braço, pois o outro mantinha a ponta do fuzil para baixo.

-Não quero favores seus. - rebateu firme. Os dois se encararam e um beijo sensual foi roubado pelo policial. - Você tem obrigação de me dar o que eu quero porque é meu papai, esqueceu? - Naruto arrepiou-se, finalmente entendendo.

-E o que eu ganho cuidando de você, meu menino?

-Você também já sabe, papai.

11 октября 2018 г. 0:51:49 1 Отчет Добавить 8
Конец

Об авторе

Nonna Costa Outros perfis onde publico minhas histórias NyahFanfiction (onde posto fanfiction do fandom Naruto) - https://fanfiction.com.br/u/533620/ Watt: https://www.wattpad.com/user/Nonna2317 Nesses perfis, vão encontrar mais histórias minhas.

Прокомментируйте

Отправить!
lc lissiane correa
Merece um extra de tão maravilhosa a estória!
13 октября 2018 г. 20:37:21
~