Oculta Подписаться

truthseeker Truthseeker

Bethany tem uma ótima vida superficialmente. Mas, como qualquer pessoa, tem pequenas partes ocultadas em seu interior. Em um momento oportuno de ousadia, ela foge de tudo que a aborrece e tenta seguir com uma nova vida. E, claro, sem preparo algum, acaba por ter problemas. Todavia, sortuda como é, conhece alguém que a ajuda. Logo então descobre que esta pessoa não tem somente partes; sua essência era quase inteiramente ocultada. Isso mesmo. Quase. O envolvimento no dia a dia aos poucos a revelou, no entanto. Mas Bethany não sabia que apreciaria, ou pior: desejaria desfrutar disso. Pois, de uma maneira ou de outra, o encanto está no oculto. É melhor sentir do que apenas olhar.


LGBT+ 18+.

#romance #lgbt+ #lésbico #Concluída
15
5752 ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Desconhecida

— Desculpe, mas só tenho isso... — respondi, engolindo um seco.

— Certo, mas se apresse. Já vamos fechar. — respondeu a atendente. Observei-a andar até detrás do balcão e logo desaparecer pela porta dos funcionários.

Eu tentava controlar o meu pânico. E agora, o que faria?

Não tinha um tostão no bolso. Fui burra o suficiente para sair sem pegar uma quantia favorável de dinheiro. Mas, bem, eu saí às pressas.

Eu... fugi de casa.

Ainda não conseguia acreditar. Aconteceu há algumas horas.

Mas só esperava nunca ser encontrada. Eu não voltaria de jeito nenhum. Mais fácil seria morrer.

Comigo, só levei uma mochila, com algumas roupas e documentos. De resto, deixei para trás — se bem que não havia como trazer mesmo.

A atendente voltou, vestindo agora um surrado casaco de cor creme, e desligou as luzes de um lado do salão da lanchonete. Eu permanecia do lado de cá, desesperada internamente. Já estava até com dor de cabeça.

Devia ser onze horas da noite, mais ou menos. Se eu saísse dali, com certeza seria assaltada para levarem o pouco que tenho ou pior... E eu mal sabia onde estava também.

Depois que puxou as cortinas das janelas, a atendente caminhou até a minha mesa e sentou-se na cadeira do lado contrário. Minha impressão é que ela era um pouco estranha, sei lá. Tinha um olhar muito sério. Parecia querer te penetrar ou esbofetear a qualquer hora. E do jeito que eu estava enrolando para sair, não tinha dúvidas que talvez o faria.

— Qual é o problema? — quis saber ela, cruzando os braços. Sério, aquele olhar estava me dando calafrios.

— É que estou... Estou esperando alguém... — menti.

— Garota, se este alguém quisesse vir até você, viria em um horário acessível. De preferência, um horário em que estivéssemos abertos. — rebateu.

Já estava ficando insano. Se eu contasse a verdade, talvez ela me ajudasse? Provável que me levaria à delegacia. Eu era uma menor rebelde sem um responsável presente, no fim das contas.

Bom, se o caso, eu inventaria algo para me safar. Jogar os documentos fora, talvez. Fingir amnésia, demência... Dane-se.

— Olha, na verdade, realmente não tenho pra onde ir. Aconteceram algumas coisas em casa e eu... fugi. É complicado. — comecei, tentando soar o mais convincente possível.

— Você mora por aqui? — perguntou. Eu engoli um seco.

— Não. Peguei um ônibus qualquer e vim parar aqui.

— Você tem algum problema mental ou algo do gênero? — questionou. Arqueei uma sobrancelha, sem entender.

Era ironia ou uma pergunta séria? Ela realmente me fitava como se eu tivesse algum tipo de demência.

— Não, claro que não. — respondi, tentando esconder minha irritação perante o questionamento.

Ela se levantou e caminhou até às vidraças, desligando a última luz que jazia no recinto. Meu coração começou a palpitar forte.

— Você não pode ficar aqui. Eu tenho que fechar esse lugar. — disse simplesmente.

Sem opção, me levantei e peguei minha bolsa, caminhando até a porta de saída. Já do lado de fora, ouvi a tranca da porta sendo deferida. Ia seguir o meu caminho — seja lá qual fosse — quando algo puxou a barra da minha blusa de maneira leve.

Olhei para trás e era a atendente, indicando com a cabeça para o outro lado da rua.

— Vamos. — decretou e após, me deixando claramente confusa, saiu caminhando. Eu a segui. Ué, era melhor que ficar sozinha na rua. E, bem, também tive medo de questionar para onde íamos.

Sei que é errado me arriscar desse jeito, mas admito: Nada emanava perigo dela. A gente pressente essas coisas, não?

Parecia ser um bairro calmo. Prédios e casas simples, antigos e batidos. Quer dizer, era tudo meio deserto, na verdade. Não havia uma alma penada sequer — não que eu estivesse a fim de visualizar uma, diga-se de passagem — em qualquer rua que entravámos.

Comecei a sentir o vento mais forte, a temperatura caindo. O casaco dela devia esquentar bastante, imaginava eu e, por mais que extremamente feio e velho, necessitava de um no momento.

Paramos em frente a um prédio desgastado em demasia. Tipo, sério. De todos que vi, este era o pior. Lembrava-me alguns subúrbios escassos que uma vez pesquisei na internet para um trabalho do colégio.

Havia um senhor de uns setenta anos, por aí, sentado nas escadas poluídas que davam acesso ao prédio. Olhava para um ponto aleatório da rua enquanto fumava um cigarro. A atendente acenou para ele. Este retribuiu e ela continuou a subir as escadas. Apenas troquei um olhar com o velho, mas nada fiz, continuando a acompanhar a moça.

Quando adentrei o local, senti um cheiro fortíssimo de urina e lixo. Era insuportável. Começamos a subir a escadaria, eu mesma com certa pressa, querendo me distanciar o mais rápido possível daquele cheiro. A cada andar que subíamos, eu me deparava com apenas duas portas em meio a corredores minúsculos, uma em cada lado.

OK, a situação prosseguia estranha, mas fiquei aliviada pelo fato da atendente não ter efetuado nenhuma ação drástica referente à minha situação, ao menos. Mesmo que, ressalto, o lugar que havia me trazido não fosse um dos melhores.

Chegando ao sexto andar, eu já ofegava com intensidade pela caminhada — nunca fui muito de exercícios. Observei a moça tirar uma chave do bolso e inserir na fechadura de uma porta com o número doze estampado no centro, ao lado direito do corredor. Ao abrir, me fitou, indicando para que eu entrasse. Assenti e entrei um pouco encabulada.

As luzes estavam apagadas. Dei mais um passo para dentro e ali fiquei. Logo ela ligou o interruptor, revelando o recinto. Era um apartamento espaçoso até, para uma ou duas pessoas, no máximo. E incrivelmente humilde.

No centro da sala, havia um sofá velho da cor grafite com três assentos e uma mesinha de madeira um pouco a frente deste. Em frente à mesinha, estava posto um rack minúsculo com uma TV de tubo — algo lendário para mim de ser visto — em cima. Ao lado contrário do cômodo, tinha uma divisa de madeira que separava a sala do que parecia ser a cozinha.

Dei mais um passo, ainda mais cauteloso, sentindo-me uma intrusa. Ouvi, então, um miado de gato. Instintivamente direcionei meu olhar ao chão, deparando-me com um felino de pelagem preta e olhos esverdeados curiosos. Sorri como cumprimento a ele, mas não ousei me aproximar. Gatos são caixinhas de surpresa malignas.

A atendente — minha salvação, eu esperava — a qual ainda não sei o nome (e isso estava começando a me incomodar), pendurou seu casaco em um mastro próximo à porta, logo se agachando para acariciar o gato. Aliás, nem para isso mudava a carranca séria. E eu, como uma estátua, permaneci de pé, sem saber o que fazer.

— O sofá é seu, por hora. — falou sem me fitar. — Quero saber mais detalhes sobre o que realmente aconteceu com você amanhã.

— Claro! Sem problema algum. Muito obrigada mesmo. — respondi, sincera. Independentemente de quem fosse com certeza tem minha gratidão, ao que parece.

— Mas preciso fazer um teste. Sente-se. — Ela apontou ao sofá.

Eu franzi o rosto sem entender, mas caminhei até o móvel e me sentei. Quase não sentia minhas pernas. Eram muitas quadras da lanchonete até aquele lugar.

A moça pegou o gato no colo e se aproximou.

— Se Kiara rosnar, terei que trancá-la no quarto para não lhe arranhar. — disse ela, simplesmente. Eu levantei a sobrancelhas, surpresa pelo felino ser uma gatinha. Então, fiquei atenta.

Quando aproximou Kiara — e que nome fofinho, realmente gostei — o animal pulou no meu colo, dando-me um susto, esfregando o focinho na minha barriga. Eu a acariciei ternamente, sorrindo que nem uma abestada.

— Normalmente ela é bem agressiva. — comentou a moça. Seu semblante era tranquilo agora, mas, de certa forma, quase inexpressivo.

— Ela é uma gracinha. — elogiei. Eu também tinha um gato. Chamava-se Harris. Talvez o único que me faria sentir saudades de casa.

— Tem comida congelada na geladeira, se estiver com fome. Não faça barulho, pois os vizinhos daqui reclamam bastante. Tenho que dormir agora. — disse, caminhando até uma porta contrária da sala. Provavelmente o quarto.

— Certo, mas... — comecei, tentando achar as palavras certas. Ela me fitou com aquele mesmo semblante indecifrável, esperando minha pronúncia. — Qual o seu nome?

— Mia.

— O meu é Bethany. E obrigada, de novo. De verdade. — agradeci com um sorriso. Ela apenas assentiu e girou a maçaneta, entrando no outro recinto e fechando a porta em seguida.

Com certeza, era uma pessoa muito estranha. Mas não parecia ruim. Pelo menos não aparentava mesmo.

Eu me levantei do sofá e fui até a cozinha. Estava morrendo de sede. Era um pouco rude mexer nas coisas dos outros sem que saibam... Mas se disse que eu poderia comer comida congelada, beber água era o de menos. Talvez eu tenha exagerado e bebido uns dois litros ali. Até pensei em ver o que tinha na geladeira para comer, mas não estava com fome. Comi um pouco na lanchonete usando a última grana que tinha.

Havia um fino cobertor próximo ao braço do sofá. O desdobrei e deitei, me cobrindo e tentando me aconchegar o máximo possível para não ter torcicolo mais tarde.

O objetivo de ter um sono confortável foi para o ralo depois que a gata começou a miar que nem doida em frente à porta do quarto da dona. Miava como se estivesse chorando. Era até um pouco deprimente ver aquilo. E, aliás, por que Mia não a deixou no quarto?

Perdi a paciência e levantei, peguei a gata no colo e comecei a fazer carinho para ver se parava de miar. Em determinado momento, para a minha alegria, ela parou e dormiu em cima da minha coxa. Ufa.

Enquanto a acariciava, passei o polegar perto de seu olho pequenino e senti seu pelo úmido.

Gatos não choravam com facilidade. Aquilo era muito estranho. Talvez a gatinha estivesse doente. E animais doentes me preocupavam mais do que pessoas doentes.

O apartamento estava silencioso, exceto por um ruído bem incomodo — tenho a audição muito sensível neste horário. Um ruído quase inaudível, realmente. Como arrastar, raspar uma casca de madeira no chão. Era como isso. Mas muito baixo mesmo. Talvez viesse do apartamento ao lado.

E continuou assim por algum tempo. Era uma droga. Quando pensei que não dormiria mais, o cansaço me venceu e capotei.

5 августа 2018 г. 2:55:42 2 Отчет Добавить 5
Прочтите следующую главу Plano Novo

Прокомментируйте

Отправить!
Isis Isis
Olá! Uau, estou intrigada! Primeiro quero te parabenizar pela sua sinopse, realmente me deixou bem curiosa para ler a história, criou uma expectativa. Quem me dera conseguir construir uma sinopse assim, rs. E eu posso dizer o mesmo desse primeiro capítulo. Ele traz um monte de perguntas, o que é ótimo para o início de uma história, e também desperta algumas sensações interessantes, como a surpresa de a atendente levar uma completa desconhecida para sua casa ou a estranheza de a própria atendente parecer alguém misteriosa... Gostei da maneira como você escreve, é direto mas ao mesmo tempo consegue passar intensidade. Está muito bem escrito também, vi um ou outro deslize de acentuação e pontuação, mas nada demais. Achei interessante você usar algumas expressões bem informais, bem da nossa fala, já que estamos no ponto de vista da Bethany. E o fim do capítulo mais uma vez trouxe toda uma expectativa, como choro da gatinha. Curiosa pelo restante.
15 сентября 2018 г. 19:29:06

  • Truthseeker Truthseeker
    Olá, anjo. Fico feliz que tenha gostado! Tudo o que você mencionou foi o que realmente quis passar, então, estou mais que satisfeita, principalmente sobre o que disse quanto aos diálogos, pois prefiro, sempre, inserir a informalidade, mais também prezando pela objetividade que, querendo ou não, é a distinção clara entre a escrita e a oralidade. Obrigada por comentar. :) 15 сентября 2018 г. 23:02:42
~

Вы наслаждаетесь чтением?

У вас все ещё остались 21 главы в этой истории.
Чтобы продолжить, пожалуйста, зарегистрируйтесь или войдите. Бесплатно!

Войти через Facebook Войти через Twitter

или используйте обычную регистрационную форму

Похожие истории