Crescente Подписаться

san_lee Seadra L

Baekhyun era um hibrido de gato vira-lata que só queria ter uma vida feliz, contudo depois de ser abandonado pelos pais de seu dono ele tenta de todas as formas possíveis voltar para casa. CHANBAEK | BAEKYEOL| DARKFIC | Hibrido!au


Фанфик 18+.

#sad #sadfic #hibrido #yaoi #baekyeol #chanbaek
Короткий рассказ
16
5.0k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Crescente

Baekhyun se lembrava claramente do dia em que havia o conhecido.

Ele um filhote de gato pequeno, sem casa e que não tinha muitos amigos. Hibrido de vira-lata que constantemente era ignorado e maltratado pelas pessoas; abandonado por seus antigos donos e separado de seus irmãos.

Deveria ter quase sete anos na idade humana, os cabelos castanhos com mechas loiras e as orelhas de gatinho encolhidas sobre sua cabeça. Sempre no mesmo beco próximo aoz centro da cidade, sempre sozinho.

As vezes conseguia roubar alguma comida, as vezes passava fome.

Baekhyun já havia esquecido o que era ter uma família.

Contudo durante um dia de chuva, quando os trovões caiam sem qualquer piedade sobre o chão, ele pensou ter achado um lugar para chamar de casa. O muro da grande mansão não era alto o suficiente então com bastante esforço o mesmo conseguira pular sobre seus pés humanos e cair com equilíbrio na grama molhada; correu como se sua vida dependesse disso e se escondeu próximo a soleira da porta, implorando para que todos os deuses que ninguém o expulsasse dali antes do dia amanhecer.

E atendendo seu pedido Baekhyun conheceu Park ChanYeol, o dono daquela casa.

ChanYeol era uma criança bastante alegre, rica e livre que vivia ali com os seus pais. Era animado e sempre sorridente, e embora não o deixassem ter um bichinho, ele acabou acolhendo o pequeno Baekhyun em seus braços.

Ele era a sua família.

ChanYeol havia se tornado seu mundo.

Os meses seguintes foram os melhores que a doce criança poderia imaginar, o calor que não sentia em seu peito a anos queimava como o mais forte fogo e ele podia dizer que era feliz.

Era feliz todas as vezes que ChanYeol passava seus dedos sobre seu cabelo, quando o acariciava ou quando dormia consigo.

Era feliz quando ChanYeol dizia seu nome.

Ele era feliz simplesmente por estar com ChanYeol.

O resto dos Parks realmente lhe odiavam. Sempre franziam o cenho e pareciam irritados quando viam o primogênito de todo um clã brincando com um simples hibrido de vira-lata, sem raça e sem classe; sempre pensavam que era uma desonra para o seu sobrenome ter um hibrido daqueles.

Contudo eles não sabiam que Baekhyun era exatamente o que ChanYeol queria e precisava.

Os anos se passaram lentamente, os momentos felizes cravados em sua alma. Marcado, ardendo.

Mesmo que os pais de seu dono costumassem se aproveitar das saídas do menino Park para a escola para deixa-lo próximo de um terreno baldio, ele não se importava. ChanYeol sempre o procurava e o achava, acolhendo-o em seus braços calorosos e murmurando palavras que lhe faziam se sentir amado.

Ele estava apaixonado.

Era um bobo apaixonado que acreditava que, mesmo que os anos passasse, nunca seria esquecido.

Entretanto o mesmo percebera que no final das contas era só um menino idiota que havia vivido uma mentira, pelo menos era isso que ele repetia a si mesmo no momento em que seus olhos viram Park ChanYeol com um outro hibrido em seu colo.

Um dia, agora quando eram adolescentes, ChanYeol saiu para uma festa com alguns amigos do outro lado da cidade; suas roupas caras e o perfume forte marcantes, os dedos suaves que lhe deram um último carinho antes de atravessar a porta e ir embora. Seus pais, notando que ele demoraria, utilizaram de artimanhas que nunca tinham tentado antes; lhe fizeram dormir enquanto levavam-no para outra cidade.

Longe de Park ChanYeol.

Longe da única casa que havia conhecido.

Sozinho de novo, na chuva e com o coração em pedaços.

O pequeno hibrido esperou por meses e até anos que o filho dos Parks viesse lhe buscar. As lagrimas grossas caiam todas as noites e ele nunca se movia do lugar aonde havia sido deixado, próximo a uma estrada vazia e uma pequena fazenda no meio do nada.

Baekhyun tinha que esperar.

Precisava esperar.

ChanYeol sempre vinha lhe buscar. Sempre.

ChanYeol nunca lhe abandonaria e o deixaria sozinho.

ChanYeol lhe amava.

Mas daquela vez ele não veio e assim Baekhyun sentiu que seu mundo estava se despedaçando.

Durante um tempo ele realmente pensou que não deveria se mover, que se ele saísse daquele lugar seu dono nunca o acharia de novo; porém depois de perceber que talvez ele não soubesse onde seu hibrido estava, o pequeno gatinho decidiu que ele mesmo iria encontrar ChanYeol.

E assim ele andou.

Andou por anos, até seus pés arderem e implorarem por descanso; andou até que seu corpo implorasse para que ele parasse, até quase desistir de sua vontade de encontrar o amor da sua vida.

Baekhyun não era mais uma criança agora, ele sabia que amava ChanYeol com todas as forças do mundo. Ele era a única razão para estar vivo e querer viver.

O hibrido se perdeu incontáveis vezes procurando aquela mansão. As vezes se lembrava de algumas ruas, as vezes esquecia de outros detalhes, entretanto quando seus olhos castanhos encontraram aquele mesmo lugar onde vivia quando era pequeno ele soube que estava perto.

Seu coração deu uma batida violenta.

A noite era escura. A chuva caía em sua cabeça como se a cena se repetisse novamente.

Ele correu, seus pés ardendo e suas pernas falhando miseravelmente. Com uma agilidade que era quase impossível ele pulou aquele mesmo muro em um só salto, sua respiração ruidosa enquanto sua roupa colava no corpo.

Estava em casa.

Estava voltando para ele.

Seus olhos se encheram de lagrimas, mas ele não parava. Não parava de correr, não podia parar.

Precisava ver ChanYeol mais uma vez, sentir seu toque e o ouvir chamando seu nome.

Precisava saber se ele tinha procurado por si, se tinha desisto, se ainda sentia sua falta.

Precisava de ChanYeol como se precisasse do ar para sobreviver.

Seus dedos tocaram o vidro da janela que o separava da sala, o sorriso que antes mantinha nos lábios sumindo lentamente.

O primogênito dos Parks não era uma criança; era um adulto forte e másculo. Ele estava sentado sobre uma cadeira de couro, os olhos focados na lareira enquanto seus dedos acariciam os cabelos negros de seu hibrido de olhos grandes.

Eles se olharam por pequenos segundos antes de sorrirem um para o outro, aquele sorriso machucando o pobre Byun como uma facada.

Havia sido substituído.

Respirar ardia.

Haviam o deixado de lado.

Seus dedos tremiam.

Havia sido esquecido.

A roupa molhada lhe deixava com frio, maior do que os frios que havia sentido antes.

ChanYeol havia o esquecido no final das contas e agora Baekhyun se sentia o maior tolo de todos os tempos.

Se sentia um idiota.

Se sentia patético.

Um turbilhoes de sentimentos batiam em seu peito;

Ele não sabia quanto tempo havia ficado olhando para a cena, mas sabia que precisava ir embora dali. Precisava sumir dali, precisava simplesmente desaparecer.

Ele queria desaparecer.

Em algum momento os olhos curiosos e grandes do hibrido de raça que vivia naquela casa caíram sobre o vira-lata do lado de fora, um barulho estranho saindo de sua garganta alertando os outros moradores que havia alguém ali. ChanYeol lhe olhou, os olhos escuros lhe encarando por instantes antes de algo parecer estalar e ele correr em direção a porta.

Era tarde demais.

O estrago em seu coração estava tão profundo que agora não havia mais volta.

O hibrido correu para a rua, seus pés enrolando-se um no outro enquanto tentava manter o equilíbrio. As lagrimas e a chuva embaçando seus olhos.

Em um momento havia um carro, em outro somente um barulho alto e um corpo no chão.

O sangue.

A chuva.

O medo.

As lagrimas.

A dor.

Baekhyun mal sentia a dor em seu corpo porque seu coração ardia mais.

Seu nome era chamado em algum lugar, mas ele não conseguia ouvir.

ChanYeol segurou seu rosto entre suas mãos grandes, os dedos trêmulos acariciando-lhe a bochecha com força enquanto a chuva caia sobre seus cabelos.

– Baek – Ele murmurou, sua voz ao longe.

Havia uma discursão e gritos, entretanto nada mais importava.

Baekhyun estava quebrado.

ChanYeol havia o quebrado.

O Park murmurava coisas contra seu rosto, a agua da chuva caindo de seus olhos. Seus lábios tremiam.

Parecia desesperado.

Todavia, apesar de tudo nada havia mudado.

Baekhyun nunca saberia que o que haviam caído do rosto de seu dono não era agua de chuva e sim lagrimas, nunca ouviria seus pedidos de desculpas e suas lamurias, nunca ouviria ou sentiria seu toque de novo.

Baekhyun nunca ouviria o “eu te amo” que ChanYeol disse.

As únicas coisas que Baekhyun havia levado consigo eram a dor de ter seu coração partido, a decepção e o amor crescente que havia sentido pelo Park.

E no final, nada mais importava.

6 июня 2018 г. 3:15:39 2 Отчет Добавить 5
Конец

Об авторе

Seadra L San_Lee ou SEADRA {SANDRALETICIA Futura aspirante a escritora de historias sem sentido. https://www.spiritfanfiction.com/perfil/seaneliel

Прокомментируйте

Отправить!
송 은아 송 은아
Vou fingir que eu não chorei com esse hino, ok? shaushsu Sério, isso ficou bom demais! Acho que me coração está doendo do mesmo jeito que o de Baekhyun doeu quando viu Chanyeol com o outro híbrido, e dói mais ainda em saber que Chanyeol ainda o amava e Baekhyun nunca saberia daquilo. Aaaaah você acabou com meu psicológico com essa oneshot (leve isso como um elogio. Ela está incrível! Só precisa de uma pequena betagem no início do capítulo, mas como escritora, sei que é normal até demais passar alguns erros despercebidos

  • Seadra L Seadra L
    Eu chorei depois de escrever isso principalmente porque jogaram um dos meus gatos fora e tudo o que eu escrevi pareceu fazer ainda mais sentido. Desculpe os erros de concordância e ortografia, queria ter uma beta pra me ajudar e eu escrevo tão rápido que nem noto.... MAS OBRIGADA POR LER E COMENTAR. Opiniões sempre são boas e ainda mais de outros escritores♡ ps: so escrevo coisinha triste foi mal 6 июня 2018 г. 8:45:51
~

Похожие истории