Gênesis: A vida aos pés da morte Подписаться

claudio-roberto1526123443 Claudio Roberto

Gênesis é a divindade sem forma responsável pela criação de tudo que tem vida, apesar de ter um papel bondoso, seu coração não é tão bondoso assim, Gênesis tem prazer em ver pessoas morrendo, e para saciar seus prazeres, a cada geração, ela reúne um grupo de jovens e os coloca para batalharem entre si enquanto assiste tudo, ela também dá uma habilidade sobrenatural a cada um deles na intenção de deixar as lutas mais divertidas, onde o vencedor desse torneio tem qualquer pedido realizado pela Gênesis, Kyle Peterson é um jovem de 16 anos que passa por problemas familiares que se vê de uma hora para outra recrutado pela Gênesis para o torneio e sendo o único participante que não tem poder algum!.


Боевик 13+. © Direitos de imagem, exibição e divulgação, qualquer divulgação dessa história feita por alguém que não seja o autor é crime que consta na Constituição Brasileira, seu praticante estará sujeito a pagamento de multa ou até prisão.

#Gênesis #ação
1
4.7k ПРОСМОТРОВ
В процессе
reading time
AA Поделиться

Kyle Peterson

Caminho lentamente pelo campo de flores roxas, consigo sentir a textura das flores pressionadas contra a palma da minha mão, o campo de flores é infinito, o horizonte todo está coberto por essas flores, eu não sei por que estou caminhando por aqui, apenas sinto que devia caminhar, arranco uma daquelas flores roxas e aproximo do meu rosto, seu cheiro me causa agonia, um desejo inexplicável, sinto o cheiro dela penetrar minha alma, é algo vívido, completamente diferente dos perfumes doces e enjoativos que as garotas da minha cidade usam quando querem impressionar algum garoto, é algo energético, explosivo, é o cheiro de...sangue...

Não sei se me impressiono pelo fato de uma flor roxa aparentemente cheirar a sangue, ou pelo fato de eu gostar de sentir aquele cheiro, de repente, mudo meu campo de visão e volto a olhar o horizonte, mas dessa vez é diferente, existe alguém, parado no meio do horizonte, olhando para mim.

Ela tem olhos castanhos, seus cabelos indo um pouco além dos seus ombros e sua altura relativamente média se comparada a mim dão a ela um ar de fofura, ela segura uma flor roxa manchada de sangue, e os olhos dela, apesar de serem lindos, estão vazios, não vejo nada neles, é como se eles só simplesmente estivessem lá, mas mesmo assim ela não enxergasse.

Ela se aproxima lentamente de mim, e a cada passo que dá, a agonia em meu corpo aumenta, um desespero fora do comum surge lentamente a cada passo, uma vontade incontrolável de correr, mesmo sem direção, apenas correr pra longe dela, mas quando tento mover meu corpo, sinto meus músculos travados, meu desespero é tamanho que impede meu corpo de realizar quaisquer movimentos, não é possível, por que estou com tanto medo de uma garota com uma flor?

Eu tento desesperadamente me mexer, mas não consigo, chega um momento em que a garota está tão próxima de mim que consigo ouvir sua respiração, forte, lenta e constante, ela se aproxima de meu ouvido me sussurrando algo estranho

- A Gênesis recrutou você Kyle! -

- Kyle! Kyle! Tudo bem? Kyle? - Era Taylor Campbell, meu melhor amigo, agora consigo me lembrar de algumas coisas, estamos na casa dos Hellford, é que mais cedo, o Sr e Sra Hellford ofereceram um jantar na casa deles, e o Taylor insistiu pra vir conosco eu não me lembro bem como desmaiei, só lembro que estou aqui.

- Taylor? O que aconteceu? - Ele me ajuda a levantar e me deixa apoiado na pia.

- Eu não sei, você disse que precisava vir ao banheiro, e como estava demorando eu vim te ver e aí te encontrei desmaiado aqui, você tem certeza que tá tudo bem? - Taylor faz eu me apoiar em seu ombro, a preocupação excessiva dele comigo ás vezes chega a ser engraçado mas eu consigo enxergar o motivo disso, o Taylor é filho único, a Sra Campbell morreu no parto dele e o Sr Campbell nunca mais se envolveu com ninguém depois da morte da esposa, então, o Taylor me enxerga como um irmão que ele nunca teve.

- Taylor - Eu o respondo com um leve sorriso - Não se preocupa comigo, foi só um mal estar - Eu me solto do ombro dele me limpando.

- Mas faz três semanas que você está assim Kyle, eu tou começando a me preocupar de verdade com você -

- Esquece isso cara, depois a gente conversa, mas hoje não, hoje é uma noite de alegria, e então, o que eu perdi? - Eu falo com Taylor me dirigindo lentamente até a sala de jantar, o corredor principal da casa dos Hellford era enorme, caso quiséssemos conversar no ritmo que estávamos caminhando daria para colocar todos os assuntos em dia e ainda sobraria tempo para falar da vida dos outros.

- Sua mãe começou a falar da dificuldade que os Petersons estão tendo de se manterem depois da morte do seu pai, e que vocês correm risco de serem despejados, aí, o Sr.Dursley se sensibilizou e ofereceu um emprego a sua mãe -

- Naquela mina de esmeraldas abandonada? - O Sr Hellford já era velho, entre os mais jovens, o apelido dele é Sr.Dursley, eu devo ser o único jovem da cidade de Benning Hills que não o chama assim, o seu bigode ridículo e sua gordura fora do comum indicam muito a semelhança com o tio de Harry Potter, ele é dono de uma mina de esmeraldas que insiste em manter a aparência de que a mina está indo de vento em polpa, mas todo mundo sabe que mais alguns anos e ele perde sua fonte renda.

- Não, na casa, o Sr.Dursley chamou sua mãe para trabalhar de doméstica aqui -

- E minha mãe aceitou? -

- É o que vamos descobrir - Eu e Taylor chegamos a sala de jantar, minha mãe está do lado esquerdo da mesa, próxima ao Sr.Hellford e sua esposa está sentada a direita.

- Muito Obrigada Sr.Hellford - Disse minha mãe. 

- Tudo pela família do meu melhor amigo, e que Deus o tenha! - Exclamou o Sr.Hellford enquanto levantava a taça e sugeria um brinde coletivo.

Minha mãe, o Sr e a Sra.Hellford brindam em nome de Richard Peterson, meu pai.

Depois de alguns goles no vinho de quinta categoria colocado numa garrafa de vinho importado fazendo - o parecer caro, o Sr.Hellford diz:

- Você começa amanhã mesmo, fale com a Emilly, ela é a outra empregada da casa, ela vai te informar tudo sobre a questão de uniformes, horários, alimentação et cetera -

- Sim, mais uma vez, muito obrigado Sr.Hellford, o senhor não tem noção de como está me ajudando -

- Eu já disse, faço tudo pela família do Rich, e por favor, evite cordialidades, estamos fora do horário de trabalho, me chame de Johnathan, e eu lhe chamarei de Melissa. - 

- Sim Sr.....digo Johnathan - Minha mãe está sem jeito, a última vez que a vi assim, foi quando meu pai fez uma surpresa de aniversário de 15 anos de casados, dias antes de morrer, eu sinto um pé me cutucando por baixo da mesa, era o Taylor, ele faz um sinal com a cabeça me mandando olhar o Sr.Hellford, e quando o olho percebo que ele está sorrindo maliciosamente para minha mãe, não é possível, esse velho rídiculo está dando em cima da minha mãe? e na frente da esposa dele? Eu olho propositalmente para meu relógio:

- Mãe, está ficando tarde, vamos? -

Não precisei pedir duas vezes, minha mãe já entendeu o que eu quis dizer com aquilo, ela se levanta, inventa de ter compromisso no dia seguinte e se despede do Sr e da Sra.Hellford, Eu, Minha mãe e Taylor saímos da mansão Hellford, no caminho de volta para casa, Taylor comenta com minha mãe sobre o fato de eu estar desmaiando frequentemente nas últimas três semanas, minha mãe não dá muita atenção ao fato, e o único comentário que faz a respeito é de que são faltas de vitaminas e proteínas.

Eu estou no banco de trás, e aproveito o tempo em que minha mãe e Taylor conversam sobe assuntos aleatórios para pensar a respeito dos meus desmaios e sonhos esquisitos, eu penso tão profundamente a respeito daquilo, que nem noto que minha mãe e Taylor se calaram de repente.

Todos os sonhos que venho tendo ultimamente são depois dos meus desmaios, e todos terminam com uma frase, aquela frase, mas o que isso quer dizer? deve haver alguma explicação, a minha mãe comentou certo dia, que o papai, antes de morrer, teve sonhos parecidos com os meus talvez ela saiba a resposta, antes de pedir qualquer tipo de socorro a minha mãe, eu olho pela janela, e próximo a placa de entrada de Benning Hills, tem alguém, parado, em frente a placa, me olhando, segurando uma flor roxa manchada de sangue, é a mesma garota do meu sonho, eu a reconheceria de longe.

Agora é diferente, ela não tem olhos, talvez seja efeito da noite combinado com a meia luz do farol e a estrada sem iluminação alguma, mas os lindos olhos castanhos dela, agora estavam vazios, eram pura escuridão, não havia nada nos seus olhos, apenas o escuro.

Ela acompanha o movimento do carro com seu olhar sombrio, e quando estamos quase paralelos, ela tenta se mover na direção do carro, mas no primeiro passo ela cai, e começa a se arrastar desesperadamente na minha direção, o desespero toma conta de mim, e a única coisa que penso em fazer é gritar, gritar desesperadamente por ajuda, eu podia ouvir que ela murmurava a frase, aquela frase.

Acordo inteiramente assustado, percebo que eu dormi no banco de trás do carro, e mais uma vez, tive um daqueles sonhos esquisitos, ainda consigo sentir a adrenalina do sonho percorrer meu corpo, tem que ter alguma explicação para esses sonhos, já que meu pai teve sonhos parecidos com o meu antes de morrer, decido que vou pedir ajuda a uma pessoa que esteve presente nos momentos em que o papai tinha esses sonhos, e agora comigo também, minha mãe.

- Mãe? A senhora lembra que me disse uma vez que o papai estava tendo sonhos estranhos antes de morrer? Então, acho que estou tendo sonhos parecidos, deve haver alguma explicação para isso né? A senhora tem alguma resposta? Mãe? Mãe? - Minha mãe estava com as mãos no volante, fixos, sem desviar os olhos da estrada.

- Taylor, a mamãe tá bem? - Eu o pergunto com um sorriso no rosto, tentando deixar o clima descontraído, mas ele também não me responde.

Se passam alguns segundos onde todos no carro estão calados, posso sentir a tensão do momento, de repente, minha mãe e Taylor viram seus corpos na minha direção ao mesmo tempo, e agora, eles tem os mesmos olhos da garota, e murmuram a mesma frase, aquela frase

- A Gênesis recrutou você Kyle! -

Muito assustado, a única coisa que penso em fazer é abrir a porta do carro e ir correndo pra bem longe, é o que faço, abro a porta do carro e caio de cara no chão, causando uma ferida na parte esquerda da minha testa, quando levanto meu campo de visão, percebo que a estrada está lotada, cheia de pessoas com o mesmo olhar da garota, todos seguram a mesma flor que a garota segurava, todos juntos, entoam numa só voz a mesma frase, aquela frase.

- A Gênesis recrutou você Kyle! -

- Kyle! Kyle! Kyle! - A minha mãe estava me sacudindo desesperadamente, eu acordei mais assustado com a atitude dela do que com o próprio sonho.

- Filho! Graças a Deus, você veio o caminho todo dormindo, e quando já estávamos perto de casa você começou a espumar pela boca do nada, o Taylor te trouxe aqui pro seu quarto -

- Eu estou em casa, quanto tempo fiquei desmaiado? -

- Uma hora, e espumou pela boca durante todo esse tempo, eu chamei um médico, ele vai chegar daqui a algum tempo -

Eu me levanto tomando total consciência de que estou no meio quarto, quando me sento na cama, olho pros lençóis e os vejo sujos, na verdade encardidos, os lençóis brancos agora estavam mesclados, mais pareciam lençóis pretos com detalhes brancos, mas o que é isso?

- Mãe, o que é isso? - Eu falo muito assustado olhando os lençóis.

- Você ficou espumando esse líquido preto todo o tempo que estava desmaiado filho, por isso eu chamei um médico, tentei ligar pro hospital, mas eles não tinham ambulâncias disponíveis, e nós não temos como te levar lá, por isso eu chamei o Dr.Stanley, aquele amigo nosso, ele vai chegar já, filho não pode se levantar, tem que ficar de repouso -

Eu me levanto e vou em direção ao banheiro sem dizer uma palavra sequer, já não basta os sonhos esquisitos que sempre acabam com a mesma frase, e agora vem esse lance de espumar líquido preto pela boca? tem algo de muito errado acontecendo comigo, eu vou em direção ao banheiro, vejo minha boca melada com esse líquido preto esquisito, mas tem algo de errado, a minha testa, na parte esquerda dela, tem um arranhão, como no sonho.

Meu Deus, o que está acontecendo comigo?

Meus pensamentos são interrompidos por uma batida na porta, era o Dr.Stanley, minha mãe o chamou para dar uma olhada em mim, o Dr.Stanley é um amigo da nossa família desde quando meu pai e minha mãe eram simples amigos, o Dr viu meu pai e minha mãe começarem a namorar, viu eles casarem, me viu nascer e meu pai morrer, de repente, ele entra no meu quarto, vestido com um jaleco que ia até a sua bota, sua pele negra estava realçada devido a sua calça preta e sua camisa social azul clara por baixo do jaleco, seu cabelo curto, seu cavanhaque, e seus olhos castanhos sem olheira alguma ao redor deles indica que o Dr.Stanley é um homem vaidoso, ele me encontra no banheiro com um olhar assustado e a boca suja, ele respira fundo:

- Vem cá garoto, senta aqui, eu vou te examinar - o Dr.Stanley fala com uma voz acolhedora, sua voz masculina e grave consegue ser acolhedora quando se é necessário.

Eu me sento no beiral da cama, e enquanto ele faz alguns exames básicos eu resolvo conversar sobre os sonhos do meu pai, o tio Stanley deve ter algumas respostas para isso.

- Tio Stanley, você foi o primeiro a encontrar o corpo do papai né? -

- Sim, mas por que está tão curioso? - Ele pega um aparelho para medir minha pressão.

- O papai chegou a comentar com você, antes de morrer, sobre uns sonhos esquisitos que ele tava tendo? -

- Kyle, como sabe dos sonhos do seu pai? -

- A mamãe comentou comigo uma vez, tio, como eram os sonhos do papai? -

- Na maioria das vezes eram sonhos lúcidos, sua mãe já chegou a pensar que seu pai era maluco - Ele sorria de leve enquanto sentia a nostalgia de estar comentando sobre aquilo - Mas ele comentava comigo que esses sonhos sempre acabavam do mesmo jeito -

- Com uma frase? - Eu o interrompo sentindo uma leve agonia percorrer meu corpo.

- Sim, algo sobre uma coisa chamada Gênesis -

- O que tio? o que? como era essa frase? - Eu nem notei, mas já estava com minhas mãos em seu ombro, dando a entender que o sacudiria, ele me olha um pouco assustado sem entender nada.

- Kyle, você precisa se acalmar, você está muito nervoso, algo muito estranho aconteceu com você, eu vou conversar com sua mãe sobre isso, mas por enquanto, procure descansar, seu dia foi cansativo e você precisa acordar cedo pra ir ao colégio amanhã - o tio Stanley me ajuda a me deitar na cama, me acomodando entre os lençóis, a última coisa de que me lembro foi de ele ter dito a minha mãe algo, em seguida eu adormeci devido ao cansaço excessivo.

- Melissa, está acontecendo de novo...-
No dia seguinte pela manhã, faço minhas necessidades básicas de higiene, tomo café da manhã, e me apronto para ir ao colégio, me despeço da minha mãe, que já está vestindo seu uniforme de trabalho, tem algo de muito estranho, esse uniforme está muito...curto, mas eu não tenho tempo de falar com ela sobre isso, preciso ir ou vou me atrasar.

A caminho do colégio encontro com Taylor, nós vamos caminhando e conversando sobre assuntos normais da vida adolescente, ninguém comentou sobre o incidente de ontem a noite.

- E aí Taylor? animado? soube que chegarão novos alunos na nossa sala hoje - Pego meus livros no armário, e caminho em direção a sala de aula.

- Tanto faz, nada vai superar a beleza de Analise Hellford, eu só insisti em ir pra aquele jantar ontem na esperança de ver aquele rostinho lindo, pena que ela não estava lá - Taylor suspira, eu só o respondo com o levantar da minha sobrancelha, entramos na sala de aula e enquanto o Taylor admira os cabelos longos e pretos da Analise, a diretora Monroe entra na sala, acompanhada de uma garota, deve ser alguma novata.

Minhas pernas travaram, eu estou chocado, a garota do lado da diretora Monroe, é a garota dos meus sonhos, isso não pode ser verdade.

- Turma, acalmem - se por favor, sentem - se, esta é a nova aluna Saori Fontaine, por favor deem as boas vindas a ela - A diretora Monroe sai da sala.

- Muito bem, Saori, procure um lugar para sentar - Natalia, minha professora, fala.

A garota vem na minha direção, e quando está perto de mim, ela deixa uma flor cair, uma flor roxa, quando me abaixo para pegar a flor, ela se abaixa junto comigo encostando seu queixo nas minhas costas:

- A Gênesis recrutou você Kyle - Ela sussurra.

O que está acontecendo comigo?

12 мая 2018 г. 23:38:55 2 Отчет Добавить 2
Продолжение следует…

Об авторе

Прокомментируйте

Отправить!
Karimy Karimy
Olá! Escrevo a você por causa do Sistema de Verificação do Inkspired. Caso ainda não conheça, o Sistema de Verificação existe para ajudar os leitores a encontrarem boas histórias no quesito ortografia e gramática; verificar sua história significa colocá-la entre as melhores com relação a isso. A Verificação não é necessária caso não tenha interesse em obtê-la, então, se não quiser modificar sua história, pode ignorar esta mensagem. E se tiver interesse em verificar outra história sua, pode contratar o serviço através do Serviços de Autopublicação. Sua história foi colocada em revisão pelos seguintes apontamentos retirados dela. 1)Aconselho começar esta frase após ponto em vez de após vírgula: "Kyle Peterson é um jovem". Falta de vírgula ou preposição em "problemas familiares que se vê" em vez de "problemas familiares e que se vê" (ou, no lugar de "e", colocar uma vírgula). Aconselho começar as frases seguintes após ponto em vez de vírgula: "o campo de flores é infinito"; "arranco uma daquelas flores roxas". Observação: existem várias frases corridas que podem ser separadas por ponto em vez de por vírgula; isso porque o assunto nelas tratado é diferente do que foi citado na frase anterior, até mesmo o tom de algumas é diferente. Falta de vírgula em vocativos, como em "A Gênesis recrutou você Kyle" em vez de "A Gênesis recrutou você, Kyle". Vírgula incorreta em "a última vez que a vi assim, foi quando meu pai" também em: "mas os lindos olhos castanhos dela, agora estavam vazios". 2)reformular a referida frase para melhor se encaixar com o que se quer passar ao leitor: "onde o vencedor desse torneio tem qualquer". Falta de pronome oblíquo em "arranco uma daquelas flores roxas e aproximo do meu rosto" em vez de "arranco uma daquelas flores roxas e a aproximo do meu rosto". 3)Falta de acento em "o que?" em vez de "o quê?". Obs.: os apontamentos acima são exemplos, há mais o que ser revisado na história além deles. Aconselho que procure um beta reader; é sempre bom ter alguém para ler nosso trabalho e apontar o que acertamos e o que podemos melhorar, assim como ajudar-nos com a gramática e ortografia. Caso se interesse, esse recurso também é disponibilizado pelo Inkspired através do Serviços de Autopublicação. Gostei bastante da sua história. Cara, me amarrei no personagem e já estou prevendo algo muito ruim vindo pra cima dele! Olhe, ao todo, sua escrita está muito boa e bem pontuada, mas ainda é preciso rever os itens litados acima e erros similares pelo texto. Bom... Basta responder esta mensagem quando tiver revisado a história, então farei uma nova verificação.
4 апреля 2019 г. 17:00:11
~

Больше историй