Amarrados Подписаться

ariane-munhoz Ariane Munhoz

Depois de esquecer o aniversário de Shino (por dois anos seguidos), o aniversário de namoro daquele ano e aniversário do dia em que foram presos um ano antes, Kiba decide se redimir nesse dia dos namorados tornando-o perfeito, mesmo que isso signifique burlar o castigo de Tsume pela bagunça que fez no processo! - (ShinoKiba) - Para Deby Costa


Фанфик Всех возростов. © Não copie

#Romance #LGBT #Naruto #Yaoi #FNS #Kiba #Comédia #Shiba #ShinoKiba #Shino
Короткий рассказ
5
6.4k ПРОСМОТРОВ
В процессе
reading time
AA Поделиться

O meu presente vai ser o melhor de todos!

Fanfic feita para o desafio do Valentine's Day em conjunto com Kaline Bogard onde o desafio deveria conter:

Uma música brega, cuja escolha foi Quando você passa (Turu Turu) - Sandy e Junior
Um presente: cachecol
Máximo de palavras: 3k
Embora a música tenha sido retirada do FNS, a fic não foi feita para o desafio do brega.
Boa leitura!

Essa fanfic conta com duas partes, todas participante do grupo ShinoKiba Nyah! Na ordem.

Algemados: https://getinkspired.com/pt/story/34885/algemados/

Enrolados: https://getinkspired.com/pt/story/34600/enrolados/

Grupo: https://www.facebook.com/groups/209141839828770/

Vejam também a comunidade FNS: https://www.facebook.com/groups/122359598449326/

***


Qualquer coisa entre nós

Vem crescendo pouco a pouco

E já não nos deixa sós

Meu olhar decora cada movimento

Até seu sorriso me deixa sem graça

Turu Turu - Sandy e Junior

X

− Perfeito! – Kiba sentiu o peito estufar de orgulho ao dar o retoque final no presente do namorado. Depois de um compilado de noites mal dormidas, muito afinco e dedicação, finalmente havia conseguido concluir seu trabalho. E que trabalho!

Isso tudo porque o Valentine’s day estava chegando e Kiba queria se desculpar por algumas datas esquecidas: o aniversário de Shino (por dois anos seguidos), o aniversário de namoro daquele ano e o aniversário do dia em que foram presos, um ano antes—mas que em defesa de Kiba, não havia sido por sua culpa!

Primeiramente, pensara em fazer chocolates. Mas as primeiras três tentativas culminaram em uma cozinha cheia de panelas sujas, gritos de Tsume e duas semanas inteirinhas de castigo sem poder correr com Akamaru por aí!

O que também significava que tinha que ir de casa para as missões e das missões para casa. Nem sequer estava vendo Shino direito, embora os insetos espiões insistissem em lhe fazer visitas nos primeiros dias—isso até Tsume descobrir e colocar Shino de castigo também!

Sua mãe era mesmo assustadora.

Mas Kiba se sentia feliz. Com a ajuda de Hinata – que se safou do castigo por muito pouco –, conseguiu aprender como fazer o presente ideal para um dia dos namorados perfeito.

Sorriu e ajeitou o embrulho na escrivaninha. Amanhã seria um longo dia.

X

Shino queria passar o dia dos namorados com Kiba, mas havia passado a semana toda em uma missão em Sunagakure e isso culminou em uma série de relatórios chatos que não podiam ser adiados. Kiba também tinha as próprias obrigações (que consistiam em conseguir o perdão de Tsume para sair do castigo e dar banho em Akamaru), portanto decidiram que se encontrariam no fim da tarde e aproveitariam o tempinho que tinham juntos. Isso, claro, se Kiba conseguisse sair do castigo.

Não foi uma tarefa fácil.

Ele implorou.

Chorou.

Esperneou.

Mas Tsume parecia irredutível.

− Mãããeeee! É dia dos namorados! Pooor favoooor! – Kiba, humilhado, agarrava-se aos pés de Tsume. A mulher, dura na queda, apenas o encarava de braços cruzados.

− Vai tirar o lixo por duas semanas sem reclamar. – disse ela.

− Feito!

− E vai passear com todos os cães do canil.

− Tudo bem!

− E limpar os canis.

− Okay!

− E participar do jantar entre líderes de clãs que haverá na semana que vem.

Kiba murchou. Era melhor Shino estar planejando o melhor encontro do mundo!

X

No fim das contas, Hana aliviou para o lado do irmãozinho, ajudando-o nas tarefas daquele dia, ao menos.

“Veja pelo lado bom”, dissera ela, “pelo menos você tem com quem passar o dia dos namorados.”

Olhando por esse lado, Hana tinha mesmo razão. Tantas pessoas como Rock Lee estavam sozinhas naquela data!

Mas ele dizia que preferia curtir o fogo da juventude treinando em algum lugar isolado com Neji.

Treinando. Sei.

Ele e Shino combinaram de se encontrar no lago na área externa de Konoha onde os dois costumavam treinar também.

“Treinar”.

E fazer outras coisas quando Hinata não estava por perto, mas nada disso vinha ao caso agora.

Hana era uma irmã tão incrível que, quando Kiba disse que ia se encontrar com Shino, fez tortinhas de morango! Quer irmã melhor que essa? Kiba tinha certeza de que não encontraria.

O presente, cuidadosamente embrulhado (por Hana, o embrulho dele havia ficado uma lástima!) foi acomodado junto na cestinha de piquenique e Kiba cantarolou o caminho todo até lá com Akamaru em seu encalço.

Ao chegar, avistou Shino lendo um livro. Será que ele havia esperado muito?

− Ooooe! – Kiba acenou de longe, correndo até o namorado. Shino marcou a página do livro e ergueu o rosto para Kiba, a sombra de um sorriso espreitando seus lábios.

Fazia dois anos que Kiba e Shino seguiam firmes no namoro. A relação apenas serviu para aproximá-los ainda mais e, a despeito de todo o esquecimento de Kiba com datas comemorativas, havia certo charme naquilo que apenas fazia com que Shino se apaixonasse mais e mais, ainda que não expressasse aquilo com tanta frequência quanto gostaria. Mas hoje, as coisas seriam diferentes. Havia preparado algo especial.

− Tsume-san liberou vocês dois do castigo? – Shino ajeitou os óculos sobre a ponte do nariz, recebendo um latido alegre de Akamaru em resposta.

− Haai! – Kiba fez coro com o amigo ninken. – Hana-nee fez doces para nós!

− Hn. – Shino admirava os dotes culinários da irmã de Kiba. Era surpreendente como os dois conseguiam ser tão destoantes assim! – Trouxe os takoyakis que você gosta e fiz onigiris.

− Hmmm, eu ‘tô faminto! – Kiba expressou, sentando na toalha quadriculada de frente para o namorado e repousando a própria cesta ao lado da dele. – Esperou muito?

− Uns sete capítulos. – Apontou para o livro sobre ‘estudo de manipulação do chakra’ que lia. Entediante.

− Gomen. Okaa-san só me liberou depois que terminei todas as tarefas. – E como ele estava exausto.

− Não se preocupe. Tive um dia chato de relatórios também. – Shino emendou, como se sua desgraça pudesse fazê-lo se sentir um pouco melhor.

− Ne, Tsunade-sama poderia ter deixado isso pra amanhã! Aquela velha mal-amada. Não deve ter ninguém pra comemorar. – Kiba fez um muxoxo, atacando os takoyakis e os onigiris sem nenhuma cerimônia! – Hmmm, isso aqui tá bom pra caralho, Shino!

Enquanto Kiba se fartava com a comida, Shino comia lentamente um espetinho de takoyakis. Sempre se divertia ao vê-lo comendo tão vorazmente e com tanto gosto a comida que preparava para ele ou trazia pronta. De uma coisa, ao menos, tinha certeza: teriam que trabalhar muito para alimentar a fome que Kiba sentia!

O pensamento fez o coração de Shino aquecer um pouco. Tinha algum tempo que havia saído da casa dos pais para viver a própria vida. Motivo pelo qual Kiba acabava, inevitavelmente, dormindo em sua casa de vez em quando. Ainda estava em período experimental, é claro. O pai o visitava toda semana, embora Aburames não fossem muito ligados a laços familiares. Mas apenas queria saber se o filho estava sobrevivendo bem. O que de fato estava.

Kiba, por sua vez, permanecia abaixo das asas protetoras de Tsume. E não havia nada de errado com isso. Hana também morava com a mãe por escolha própria. Era típico dos Inuzukas demorarem para desgarrar de seus lares.

Quando finalmente terminaram de comer – a sobremesa de Hana estava divina –, Kiba acomodou-se preguiçosamente entre as pernas de Shino, bastante satisfeito.

− Feliz? – Shino perguntou, os braços ao redor do pescoço de Kiba enquanto observavam Akamaru correndo atrás das borboletas de Shino. Outrora, essa atitude do canino ninken o irritava profundamente, mas agora achava graça do cão.

− Hai, hai! Tava tudo ótimo, Shino! – Kiba não se fez de rogado para comer, mas também sabia reconhecer o esforço do namorado em agradá-lo nos mínimos detalhes. Por isso, seu presente era tão importante! E naquele finzinho de tarde, onde o sol de punha em uma matiz alaranjada que tingia o céu de tons arroxeados, Kiba sentiu que o clima um pouco mais frio seria perfeito! Estendeu uma das mãos para dentro da cesta onde as sobremesas se encontravam anteriormente e puxou o embrulho.

Era infantil, colorido, com abelhas desenhadas em todo o pacote laminado. Mas Kiba achou a cara de Shino.

− Feliz dia dos namorados, Shino. – disse baixinho, estendendo o pacote para ele.

− Obrigado. – Shino arqueou as sobrancelhas, desfazendo o laço de cetim azul bebê. Tinha certeza que Kiba não teria todo aquele cuidado na hora de embrulhar.

Seus dedos tatearam o presente macio e Shino puxou de dentro um cachecol enorme! Era verde, macio e gostoso. Enorme também!

− Para quando você for em missões frias ou quando precisar coletar insetos no inverno. – Kiba disse. – Seu casaco não é à prova de neve, sabia?

Shino decidiu experimentar, enrolando-o no pescoço. Havia sim algumas falhas em alguns pontos da costura, mas nem se importou com isso. Puxou Kiba para mais perto de si, de forma que os dois ficaram acomodados.

− É perfeito. – sussurrou em seu ouvido, causando arrepios em Kiba.

O rapaz não queria dizer nada, mas tinha grandes expectativas a respeito do próprio presente! Afinal, Shino nunca decepcionava!

Mas os segundos passaram...

Minutos se arrastaram...

E ele permaneceu em silêncio.

− Shino? – Kiba chamou, já um pouco impaciente.

− Hm?

− E o meu presente?

Kiba apenas sentiu o sorriso do namorado em sua nuca.

− Olhe para cima.

Kiba olhou.

Uma nuvem de vaga-lumes saltou de trás de uma das moitas, circulando a árvore onde eles estavam e arrancando latidos alegres de Akamaru. Kiba soltou uma exclamação de surpresa quando eles se espalharam ao redor dos dois como pequenas estrelas que começavam a pontear o céu que agora escurecia.

− Uau... – Não sabia o que dizer.

Shino acomodou as mãos entre as suas e Kiba sentiu algo gélido escorregar entre elas. Arriscou uma olhadinha.

− Uma chave? – perguntou.

− Pra quando estiver pronto. – Shino respondeu. – As portas da minha casa sempre estarão abertas para serem suas também.

Kiba não cabia de emoção dentro de si! Shino o estava chamando para morar com ele?!

Sem saber o que dizer, Kiba o agarrou ali mesmo, a boca colada na sua, as respirações entrecortadas entre os latidos alegres de Akamaru que se distraía com os vaga-lumes.

Agora Kiba só precisaria descobrir uma forma de sair de casa sem que Tsume o matasse no processo!

Mas isso era conversa para outro dia. Naquele, apenas aproveitaria o namorado perfeito que tinha. E como aproveitaria!

X

N/A:

Para quê se prender a metas quando podemos dobrá-las com mais ShinoKibas?

Quando tive a ideia para a fic de dia dos namorados, já queria logo fazer algo que fosse continuação de Algemados. E aí, gostaram? Merece uma continuação no desafio de praia?

Aguardo vocês nos comentários!

Espero que você goste mais que todo mundo, Deby. Essa vai pra você que é uma leitora tão amorzinho! :D

Até a próxima!

18 марта 2018 г. 15:45:08 0 Отчет Добавить 5
Продолжение следует…

Об авторе

Ariane Munhoz Dona de mim, escritora, louca dos pássaros, veterinária e mãe dos Inuzuka. Já ouviram a palavra Shiba hoje?

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~