Desabrochar Подписаться

ariane-munhoz

Plantar flores no deserto era mais fácil do que plantar o amor no coração de alguém que acreditava nunca ter sido amado.


Фанфик 18+. © Não copie

#hentai #Ino #Gaara #GaaIno #FNS #Naruto
Короткий рассказ
12
7.1k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Quem semeia ventania...

— Naruto é um mangá que se tornou anime e não me pertence;
— Capa feita pela maravilhosa Karvie, do grupo Anime Design, link abaixo para pedidos, leiam as regras!
— https://animesdesign-ad.blogspot.com.br/
— Fanfic feita de presente para Kori Hime;
— Feita de fãs para fãs, por favor não copie.


X

Gaara sempre havia sido considerado um monstro. Ino havia visto em primeira mão o estrago que ele podia causar quando quase matou Lee durante o exame chunin e, após isso, na invasão da areia contra a folha que quase culminou em uma guerra de proporções catastróficas.

Mas o tempo passou, e mostrou que aquele que se tornara o Kazekage, era na verdade uma pessoa gentil que se escondia por trás de uma máscara de terror e desespero.

O medo de nunca ser amado.

Ino reconhecia aqueles sentimentos, pois ela própria se escondera por trás de uma máscara irritante, ponteada pelos risos fora de hora e por uma paixão que não mais existia, em prol de uma rivalidade que só alimentava pela amizade que nutria por aquela que reconhecia como sua melhor amiga.

Então, quando foi mandada para Sunagakure, no intuito de plantar flores que pudessem, de fato, sobreviver ao calor, ensinando um pouco mais da cultura delas aos moradores, tomou para si a missão pessoal de plantar algo mais: o amor no coração de alguém que acreditava nunca ter sido amado.

Aproximar-se do Kazekage não foi difícil. Ele próprio se interessava por aprender mais sobre as flores, estar perto dos moradores de Suna, mas nem sempre isso era algo fácil. Alguns deles, mesmo depois de tudo, ainda temiam o que Gaara poderia fazer caso Shukaku despertasse novamente. Por isso, ele evitava longos períodos em público, resignando-se à mansão onde residia com os três irmãos e onde Ino estava hospedada.

Isso tornou ainda mais fácil a sua missão, onde extensas aulas particulares eram dadas na sala do Kazekage até altas horas da noite. Ino explicava para ele a importância das flores para o equilíbrio natural das coisas, mesmo em um local como o deserto. E que algumas plantas, como o cacto, poderiam ser utilizadas até mesmo para armazenar água.

Gaara sempre parecia interessado, mesmo que a botânica não fosse um assunto que agradasse muitas pessoas. Ino se lembrava das poucas vezes que tentara abordar o assunto com Chouji e Shikamaru, onde o primeiro acabava sempre querendo saber a respeito das leguminosas e o segundo acabava descaradamente dormindo. O que rendia, claro, gritos e tapas por parte de Ino em ambos.

Até que desistiu de passar seus ensinamentos adiante para os colegas de equipe.

Aquela missão era a chance de sua vida para uma paixão que nunca tivera tempo de se dedicar por conta da vida como kunoichi: a de lecionar. Não era algo que queria levar para a vida inteira, é claro, mas ter aquele momento parecia lhe fazer bem.

E Gaara era um aluno aplicado.

Ino não soube exatamente quando passou a se interessar por Gaara de uma maneira romântica. A princípio, não era como se tivesse se apaixonado pelo rapaz, mas não podia negar que havia certa beleza por trás dos olhos verdes insones e dos cabelos ruivos despenteados.

E havia a gentileza. Tão contrastante à indiferença de Shikamaru e Chouji, ou ao descaso de Sasuke. Também não havia nada do temperamento impulsivo e explosivo de Kiba e Naruto, ou o jeito estranho de Shino. Ele era simplesmente... na dele. Mas gentil com todos ao ponto de impedir que matassem até mesmo uma simples formiga com o discurso que todos os animais eram importantes para manter o equilíbrio.

Ino não sabia se era o instinto maternal querendo falar mais alto ou o tempo de carência, mas se pegou pensando nele mais tempo do que gostaria e prestando atenção em seus gestos e traços durante as aulas particulares.

Até que em um dia que não era mais especial que nenhum outro, tomou coragem e deu o primeiro passo para beijá-lo.

A princípio, Gaara não reagiu ao seu gesto e Ino se perguntou mentalmente se ele iria rejeitá-la. Mas ao invés disso, ele simplesmente parecia desnorteado. Aos poucos, foi retribuindo o gesto, aprofundando o beijo e puxando-a para sentar-se em seu colo.

Ino não se fez de rogada, não era mais nenhuma menininha que não conhecia os desejos de um homem quando o via espelhado em seus olhos. E ela sabia como era bonita.

Seus dedos afundaram nos cabelos ruivos e sentiram a maciez por trás deles. Gaara tinha um cheiro gostoso de colônia masculina, e algo um pouco mais acentuado. Herbáceo. Ino demorou um pouco para reconhecer o cheiro da maresia, embora aquela não fosse uma região litorânea, mas que provavelmente se devia ao fato da areia que sempre o acompanhava como sua defesa automática.

Gaara subiu as mãos por baixo de sua blusa, puxando-a para cima e jogando-a no chão. Ino sentou-se de frente para ele, sentindo como ele estava excitado e sorriu de maneira provocante, permitindo que suas mãos percorressem as curvas de seu corpo até soltar o feixe do sutiã que logo se juntou à blusa no chão.

− Gosta do que vê? – sussurrou baixinho em seu ouvido, mordiscando o lóbulo de sua orelha. Gaara deixou um suspiro mais alto escapar por seus lábios.

− Você é linda. – respondeu com sinceridade antes que Ino tomasse seus lábios em um beijo regado de volúpia. Os lábios dela eram macios como as pétalas das flores que haviam plantado naquela manhã, a textura de sua pele sedosa.

Gaara subiu as mãos por sua cintura, encaixando-a nos seios e acariciando-os sem pudor algum. Sentiu quando Ino gemeu entre o beijo deles e uma das mãos dela escorregou para dentro de sua calça, acariciando o pênis ereto e começando a masturbá-lo.

Sua cabeça pendeu para trás no ato e mordeu o lábio inferior enquanto Ino prosseguia com o movimento, os dedos pressionando a base da glande em uma sensação extasiante.

Gaara inclinou-se para frente, a boca escorregando para um dos seios, a língua brincando em movimentos circulares ao redor do bico até começar a suga-lo. Ino sentiu o rosto corar e afundou-o no pescoço de Gaara.

Gaa...ra. Assim... – O incitou a continuar, ato que o deixou ainda mais excitado.

Ergueu a saia que Ino usava, apenas o suficiente para ter espaço para o que queria. Livraram-se do excesso de roupas e Ino tomou o controle da situação, permitindo que o Kazekage a penetrasse e começando a cavalgar sobre ele.

Gaara deixou um gemido mais alto escapar, a cabeça pendendo para trás conforme os movimentos dela aceleravam. Suas mãos permaneciam nos seios de Ino, acariciando-os, sentindo sua textura, impregnando-se com o cheiro de flores que parecia vir dela, espalhando-se por todo o local.

Quando sentiu que estava próximo de um orgasmo, quis alertá-la, mas Ino parecia insana cavalgando sobre ele – não pare –, de forma que a preencheu com seu gozo antes que o aviso viesse.

Ino apertou os braços em torno de Gaara, sentindo a respiração descompassada do Kazekage. As mãos dele, repousadas em sua cintura, apertaram-se firmemente até que a suspendeu no ar. Ino soltou uma exclamação de surpresa, entrelaçando as pernas no tronco de Gaara até que ele a deitou sobre o sofá.

O sorriso safado que desenhou-se em seus lábios parecia simplesmente correto para a kunoichi. Ele terminou de despi-la com agilidade, os dedos hábeis entreabrindo suas pernas até expô-la por completo. Ino devolveu o sorriso para ele, levando o indicador aos lábios rosados.

− Está me saindo melhor que a encomenda, senhor Kazekage. – Ino provocou.

− Gosto de ser um bom anfitrião.

Ino quis acreditar que ele não fazia isso com todas as pessoas que visitavam sua casa, mas não teve tempo para perguntar quando sentiu a boca dele entre suas pernas, a língua trabalhando habilmente ao redor do clitóris em movimentos que a deixaram louca.

A kunoichi arqueou o corpo para frente, querendo que ele atingisse seu ponto mais sensível. Gaara a torturou um pouco mais, antes que a língua passasse a trabalhar com mais afinco sobre o clitóris. Ino gemeu, os dedos afundando novamente sobre os fios ruivos, incitando-o a continuar. Não fazia ideia dos dotes do Kazekage, mas estava apreciando muito toda aquela atenção.

Um gemido um pouco mais alto escapou de seus lábios quando atingiu o orgasmo, os dedos relaxando dos fios ruivos enquanto tentava controlar a própria respiração. Gaara ergueu o corpo e deitou a cabeça sobre o peito dela, escutando as batidas aceleradas de seu coração.

Ficaram assim em silêncio por um momento, até que batidas foram ouvidas na porta de sua sala. Ino se sobressaltou, mas Gaara nem se moveu de onde estava.

− Gaara? – A voz de Temari chamou pelo irmão.

− Estou ocupado agora. – respondeu. – É importante?

− Não vi Ino em lugar nenhum. Ia apenas avisar do...ah. Nada! – Finalizou a sentença quando Kankuro lhe lançou um olhar que dizia tudo. Os risinhos dos dois irmãos puderam ser ouvidos do outro lado da porta.

Garanhão! – A voz zombeteira de Kankuro ainda se fez ouvir.

Ino queria morrer, mas não queria encarar os irmãos da areia naquela noite.

− Podemos não ir para o jantar? – pediu baixinho.

− Isso depende de até quando pretende prolongar sua estadia. – Gaara respondeu, casual, enquanto brincava com as madeixas loiras.

Ino sorriu, escondendo o rosto sobre a curva do pescoço de Gaara.

− Que tal até vermos as flores desabrocharem? – sugeriu.

− Estava pensando até a próxima estação. – Gaara respondeu, os olhos esverdeados se fixando nela com certa malícia. – Talvez possa me ajudar a redecorar o escritório. Preciso de um toque feminino aqui.

− Vai ter que falar com a Godaime.

− Acho que ela não vai me negar esse pedido. – Gaara suspendeu Ino, colocando-a sentada sobre sua própria barriga. Ela sorriu para ele de maneira sugestiva.

− Quem sabe se você mandar Temari-chan para lá.

− Posso pensar nisso. – Se beijaram novamente.

Havia plantado uma pequena semente no coração dele, mas às vezes, o amor só florescia quando era regado com paixão. E Ino era paciente. Ela saberia esperar essa flor desabrochar.


N/A:


Nenhum limite deve ser feito se não for pra ser quebrado! Espero que gostem, pessoal!


7 марта 2018 г. 21:43:18 3 Отчет Добавить 3
Конец

Об авторе

Ariane Munhoz Dona de mim, escritora, louca dos pássaros, veterinária e mãe dos Inuzuka. Já ouviram a palavra Shiba hoje?

Прокомментируйте

Отправить!
Gabriela Garcês Gabriela Garcês
Obrigada. Eu vou ler essa que me indicou e espero que você escreva mais GaaIno
29 апреля 2018 г. 7:38:41
Gabriela Garcês Gabriela Garcês
Amei <3 Escreve mais GaaIno por favor, mas dessa vez, com mais capítulo. Só me deixa com gosto de "quero mais"
28 апреля 2018 г. 20:05:02

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Hahaha, no momento eu não to podendo, mas no nyah tem uma da Kori Hime chamada Sandstorm que tá em andamento e é muito boa! No futuro eu vou pensar em amgo mais elaborado pra esse casal lindo. Obrigada por comentar! 29 апреля 2018 г. 4:15:53
~