Não-Amigos Подписаться

psycho_darkness7578 NandaLee

A cena se desenrolava com perfeição no palco, mas Hinata estava preocupada com o tempo em que tudo deveria ocorrer naquela noite. Sasuke teria que interpretar dois papéis, era um trabalho difícil, considerando o tempo que tinha para se trocar entre as cenas de seus personagens, além... Sasuke conseguiria, tinha que acreditar nisso ou estava completamente ferrada. Olhou para o pé enfaixado, considerando se a ideia louca da namorada tinha sido uma boa ideia. Servir de Cupido usando o seu trabalho para unir o não-casal poderia lhe custar toda a temporada! Apertou a mão de Ino entre as suas e sussurrou como uma prece: "Tomara que dê certo, tomara que dê certo", infelizmente ou não, torcia pelo sucesso da estréia da peça. Que Kami a perdoasse.


Фанфик 13+. © Todos os direitos reservados.

#HinaIno #ItaDei #SasuNaru #Universo alternativo
18
6.9k ПРОСМОТРОВ
В процессе - Новая глава Каждые 10 дней
reading time
AA Поделиться

Ato I

Primeira regra, não toque nos ponteiros de seu relógio. Segunda regra, a sua raiva você terá que controlar. E sobretudo, nunca esqueça, aconteça o que acontecer, você nunca deve se apaixonar. Porque para sempre, o grande ponteiro do relógio do seu coração, perfurará a sua pele. Fará explodir o relógio e implodirá os seus ossos e a mecânica do seu coração quebrará novamente.
                                                                  The three rules, Jack e a mecânica do coração

- Sasukeeeeeeeeee!! Sasuke, Sasuke, Sasuke, Sasuke, Sasuke!!!
Sasuke respira fundo, clamando internamente por misericórdia antes de encarar o que todos elegeram como seu melhor amigo, que acabara de passar pela porta do café fazendo a sineta da porta soar estridente, Sasuke tinha sim amigos, só não sentia a necessidade de exibi-los. Não que Sasuke enxergasse no furacão loiro um amigo, longe disso. Mas não conseguia deixar de desejar que Naruto estivesse sempre por perto. Infelizmente, Naruto trazia consigo vários incômodos ao moreno. Nenhum que ele definiria como agradável. Enquanto Naruto se aproximava quase aos saltos, os sintomas tinham início: o miocárdio começava a bater no ritmo de uma bateria em um show de rock, as orelhas começavam a queimar em um tom profundo de rubro, por causa do mal comportamento de suas orelhas, ele começara a manter o cabelo um pouco mais longo; as mãos começavam a suar, a dorzinha engraçada aparecia no estômago e logo depois a pior parte: a vontade quase incontrolável de sorrir. Era assustador. Sasuke não sorria. Mas não havia nada que pudesse fazer quanto a isso, Naruto insistia em tentar ser seu amigo, era desconcertante.
- Pare de agir como um imbecil, Naruto. - Reclamou com falsa irritação enquanto ele se sentava ruidosamente a sua frente.
Sasuke não conseguia ficar irritado quando o outro chamava seu nome com tanta animação. Instigava uma quentura gostosa que subia do estômago para o peito e que lhe relaxava os músculos. Deixou um suspiro imperceptível escapar antes de beber um pouco do café preto puro, sentindo a tensão lhe abandonar. Sasuke já havia desistido de tentar entender as contradições em que vivia com Naruto. Talvez até tivesse perdido alguns neurônios nesse conflito em que vivia.
- Deixa de ser cuzão, teme. Você fez o meu pedido, não fez? Pelo amor de Kami...
Sasuke empurrou o copo em direção ao loiro, interrompendo o que ele sabia que seria uma hora de escândalo por coisas que só existiam na cabeça dele. A irritação que Naruto lhe causava não estava muito longe da confusão e da sensação de bem-estar que ele trazia. Outro suspiro. Depois de beber um pouco do cappuccino com chocolate e queimar a língua (típico), e reclamar da risada debochada que Sasuke soltou, Naruto começou a narrar os acontecimentos que aconteceram na sua vida desde a última vez que se viram. Sempre que se encontravam era assim, já havia virado uma tradição. A voz do não-amigo subia e descia conforme sua animação, ou com a falta dela. Era delicioso de se ouvir! Sasuke aproveitava esses raros momentos em que o loiro ficava parado em um lugar fixo para observá-lo... Não. Essa não era a palavra certa. Para analisá-lo, desmembrando sua aparência e remontando-a em sua mente, tentando montar o quebra-cabeça que se formara por lá. Por vezes não dava certo, tinha sempre que reorganizar as peças que criava para que se encaixassem com as antigas, ou o contrário. Mas parecia que sempre faltava alguma, e ele tinha receio de nunca conseguir encontrar a perdida. Como resolveria o enigma entre eles, o enigma que Sasuke criara? Ele se culpava por toda a situação, mas também responsabilizava o homem a sua frente. Se ele não possuísse os cabelos tão dourados que pareciam brilhar como uma auréola no sol, ou os olhos tão azuis quanto a turmalina (aquele par de olhos parecia possuir um brilho magnético, talvez fossem da polaridade oposta dos olhos de Sasuke, e por isso a atração! Mais uma peça para adicionar ao quebra-cabeça), e aquelas cicatrizes estranhas nas bochechas lhe davam um charme especial. Sasuke se perguntava se a sensação de correr os dedos sobre elas seria diferente ao correr os dedos pelo restante do rosto, e aquela boca... Sasuke não conhecia palavras para descrevê-la. Homérica talvez se encaixasse, mas ainda sim não parecia correta. Não, não mesmo.
Ah, a quem ele queria enganar? A culpa era somente dele. Sasuke se apaixonara por Naruto. A única pessoa que ele não se cansava de ter por perto, de ouvir a tagarelice, de não ter calmaria ou o controle quando estava por perto. Grande parte das pessoas não via problema nisso, mas Sasuke sim.
Como poderia ter filhos? Crianças eram barulhentas e pareciam alienígenas, de modo que Sasuke não queria tê-las. Então essa não poderia ser uma razão. Por que estava pensando em um futuro que envolvesse Naruto e crianças? Cortou pela raiz tal pensamento. Sasuke não gostava de homens. Rá! Se Mikoto ouvisse seus pensamentos agora lhe daria uma sova com arame farpado, já que fora ela quem arrancara o filho do 'armário' e era o feito de que mais se orgulhava, segundo ela. Não podia nem cogitar dar essa desculpa. Sasuke ainda não encontrara a razão pela qual se refreava, selecionava motivos e logo em seguida os descartava. Eram absurdos demais, ou impertinentes a sua personalidade. Qual poderia ser o cerne da questão?
- Teme, você ouviu o que eu falei? Teme? Teme! - Naruto estalou os dedos perto da face do moreno, despertando-o de seu transe.
- O quê? - Sasuke respondeu, sentindo a consciência se assentar de volta ao seu lugar. Sua capacidade de se perder em pensamentos era perturbadora, embora uma dádiva em alguns momentos.
Naruto revirou os olhos azuis e cruzou os braços fortes envoltos pelo casaco preto e laranja, em uma pose que mostrava sua indignação. Sasuke reprimiu um suspiro, lá vinha o falatório. Tentara evitar que nesse dia houvesse um e fracassou.
- Você ao menos escutou alguma palavra do que eu falei? - Naruto perguntou tentando soar ameaçador, mas só evidenciando o quão inofensivo era.
- Claro.
Resposta errada. Naruto abriu um sorriso que beirava ao obsceno, Sasuke se remexeu desconfortável na cadeira e uma gota de suor desceu por sua coluna. Estava ferrado.
- É mesmo, Sasuke? Então, o que foi que eu disse? - O sorriso se alargou, como se seus lábios previssem a vitória em uma guerra considerada perdida.
Sasuke sentia vontade de fazer qualquer coisas para aumentar aquele sorriso. Mas que prazer seria maior do que arrancá-lo do rosto dele? O moreno gostava de brincar com fogo, e esse era o seu problema.
- Até agora, você me contou com todos os detalhes existentes como a dona Kushina e suas duas irmãs te encorajaram a fazer o teste para o papel principal no musical que vai estrear na primavera no teatro da cidade. No qual, é claro, eu vou estar fazendo o papel do vilão. - O moreno termina com um sorriso imperceptível nos lábios, mas bem visível nos olhos escuros, ao passo que a expressão de Naruto azedava a cada palavra pronunciada.
Sasuke sentia vontade de gargalhar com a reação que obteve, mas se segurou. Afinal, Naruto com certeza o mataria se soubesse que sua melhor amiga compartilhava do seu sangue e que sempre o mantinha atualizado sobre as fofocas da casa Uzumaki. Tinha uma reputação a manter, mas era tão gratificante irritar o outro. Talvez fosse esse o motivo pelo qual não não confessava seus sentimentos. E se a reação de Naruto fosse negativa e acabasse com o relacionamento que tinham? Sasuke sabia que precisava, não. Era mais como uma necessidade absurda ter Naruto em sua vida. Naruto era uma droga e Sasuke estava viciado. Não conseguia suportar a ideia de não tê-lo por perto, não se considerava um cara covarde, mas era exatamente como um que agia.
Naruto bufou, trazendo Sasuke outra vez de volta ao presente. Onde Naruto desconhecia seus sentimentos e continuavam sendo não-amigos não-inseparáveis.
- Quando vai fazer o teste para o papel? - Sasuke perguntou rapidamente, não queria dar brecha para qualquer reclamação do loiro. Ou que Naruto tivesse tempo para perceber que Sasuke não fazia ideia do que ele falara, se sentira aliviado só por ter acertado o conteúdo da conversa. Não queria dar mais uma chance ao azar.
- Eu já ia chegar lá! - Naruto se debruçou sobre a mesa animado, quase colando seu rosto ao de Sasuke, fazendo com ele se recostasse na cadeira com a surpresa. - Eu fiz o teste antes de vir para cá e adivinha?
Os dois disseram em conjunto:
- Eu passei! Você passou! - Naruto afobado e Sasuke surpreso, sentindo uma pontada de orgulho.
- Parabéns, Naruto. - Sasuke disse sincero.
Após alguns minutos de conversa e comemoração, Sasuke se despediu de Naruto se dirigindo para casa. Os ensaios começariam amanhã ás 8am, já que o último integrante fora enfim escolhido. Hinata deveria estar eufórica por finalmente ter encontrado um parceiro de palco a altura para o papel após semanas rejeitando os que considerava impróprios para contracenar ao seu lado.
Sasuke havia sido sincero com Naruto, estava feliz pela conquista do não-amigo, mas em seu íntimo se encontrava preocupado com a situação. Já estava se tornando difícil manter a peça pregada pelo destino em segredo convivendo um pouco de cada vez com Naruto, como seria ter que conviver com o loiro todos os dias por horas seguidas durante 9 semanas até a estréia e depois um pouco mais até o final da temporada? E se falhasse em manter a atração em segredo? Pior, e se não quisesse manter o que sentia em segredo?
Sasuke sentiu as amarras do desespero se prenderem aos seus tornozelos como grilhões. Não sabia o que fazer, talvez a atração fosse embora após tanto tempo de convivência quase forçada. Mas e se não fosse e Sasuke quisesse expôr tudo o que guardava e perdesse sua relação com Naruto? Não queria perder a estranha ligação que tinham, seu corpo e mente entravam em um estado de dormência procedido de como ele pensava ser o inferno só de imaginar a possibilidade. Porém, não conseguia frear a animação que assolava seu corpo com a possibilidade de ver e trabalhar com Naruto pelos próximos meses. O turbilhão de sentimentos o sufocava!
O único caminho que via para dar um fim ao caos de sua cabeça era a saída desesperada que Ino sempre dizia funcionar em situações extremas. Com um suspiro resignado ligou para a amiga, sua irmã e Deidara, reservando o restante do dia para compras, filmes de romance e sorvete. Sasuke finalmente chegara ao fundo do poço. E não estava exatamente triste por esse fato. 
6 марта 2018 г. 18:23:10 0 Отчет Добавить 4
Прочтите следующую главу Ato II - O pedido

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~

Вы наслаждаетесь чтением?

У вас все ещё остались 1 главы в этой истории.
Чтобы продолжить, пожалуйста, зарегистрируйтесь или войдите. Бесплатно!

Войти через Facebook Войти через Twitter

или используйте обычную регистрационную форму

Похожие истории