Apenas um garoto (2017) Подписаться

alicealamo Alice Alamo

Visitar a faculdade em que deseja entrar sempre é uma experiência única! E nem sempre é por causa do grandioso campus onde futuramente você estudará... Às vezes, é mais pelos veteranos que conhece durante a visita.


Фанфик Аниме/Манга 18+. © Todos os direitos reservados

#ua #gaara #lemon #yaoi #gaanaru #Gaara-Naruto #naruto #pwp
Короткий рассказ
26
7.3k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Capítulo Único


Naruto engoliu em seco.

O quarto estava a meia luz, a lâmpada tinha sido deixada apagada, contudo, a luz do sol do fim da tarde batia contra as cortinas escuras e dava tons vinhos ao recinto. A casa estava silenciosa, vazia, apenas sua respiração e os passos de Gaara eram ouvidos. Ah, havia a risada também, a risada maliciosa e baixa que Gaara deixava escapar quando o olhava...

Aquilo era loucura, tinha conhecido Gaara durante uma visitação à faculdade que queria entrar. Tinha trocado poucas palavras, Gaara era o aluno do quarto ou quinto ano responsável por guiar a visita em uma certa área, e Naruto não conseguiu disfarçar o fascínio que ele havia lhe despertado.

Shikamaru, seu melhor amigo, sempre lhe dizia que, em alguma hora, seu desejo por pessoas mais velhas poderia ser um problema, mas ele não se importava, nunca tinha se importado. E Gaara era justamente o tipo de homem de que gostava, um porte físico mediano, ruivo, olhos verdes que desafiam sua racionalidade, sério e, acima de tudo isso, provocante.

Durante a visitação mesmo, resolveu que tentaria algo com ele. Apenas alguns olhares e um sorriso discreto foram o suficiente para confirmar que Gaara também se relacionava com homens, e isso lhe deixava o caminho livre para investir. No entanto, não precisou. Gaara se aproximou ao final do pequeno passeio, parou à sua frente com um sorriso despretensioso e, sem permissão, colocou um papel dobrado no bolso da frente de sua calça, demorando propositalmente para afastar a mão da região enquanto não desviava os olhos dos seus.

— Me liga. — Gaara piscou antes de deixá-lo sozinho.

E ele certamente ligou. E conversaram. E não perderam tempo. Não mais de uma semana, e ali estavam eles, na casa de Gaara.

— Você é mesmo maior de idade, não é? — lembrava-se de Gaara perguntando assim que chegou à residência.

— Dezoito há alguns meses já — Naruto respondeu, breve. — Medo?

Gaara riu, debochado, e se aproximou do outro parado no centro de sua sala. Passou o braço pela cintura de Naruto e o puxou com certa força para si, observando os olhos azuis se arregalarem levemente pela surpresa. Arrastou os lábios levemente pela bochecha e lambeu-lhe a extensão do lábio inferior, divertindo-se por sentir Naruto prender a respiração.

— Você é lindo e gostoso, mas não arrisco minha cabeça saindo com menores de idade.

E foi a única informação trocada naquele dia. Depois disso, as bocas chegaram ao acordo de que falar era desnecessário e puseram-se a praticar algo muito melhor. A inexperiência de Naruto não chegava a ser gritante como Gaara tinha imaginado, os lábios dele eram macios e a boca se abria submissa à sua, como se o desafiasse a mostrar o que sabia fazer. O beijo, então, foi dominador, do começo ao fim, e Naruto gemeu em expectativa quando Gaara se separou apenas para encará-lo, o desejo e a diversão estampados mais do que o próprio verde da íris em seus olhos.

Mas foi naquele primeiro beijo que Naruto teve a certeza de que tinha acertado em sair com Gaara. A boca deslizava sobre a sua enquanto as mãos invadiam sua camisa, apertando sua cintura com firmeza. A língua escorregava para sua boca, e o corpo o empurrava para trás até que encostasse na parede. Segurou-o pelo colarinho, puxando-o para si com afobação típica da idade para aprofundar o beijo. Em resposta, ouviu-o rir, anasalado, e sentiu seu corpo ser ainda mais pressionado. A mão de Gaara segurou seu queixo com força, mas sem fazer doer, e o ergueu enquanto separava as bocas.

— Que pressa… — provocou, movendo o quadril para frente vagarosamente.

Um arrepio se espalhou da virilha ao resto do corpo, e Naruto semicerrou os olhos quando Gaara passou o polegar por seu lábio inferior, mordendo-o de leve antes de beijá-lo. Dessa vez, o ósculo foi profundo, intenso ao ponto de fazê-lo suspirar ao passar os braços pelo pescoço do outro, os dedos entraram pelas mechas ruivas, arranhando da nuca ao couro cabeludo e sorrindo vitorioso pelo modo como Gaara se afastou para esticar o pescoço em resposta, um incentivo para que continuasse.

As mãos percorreram o corpo de Naruto, numa palpação desinibida. Gaara não era como os homens de sua própria idade, ele sabia o que queria, já estava certo do que e como conduzir aquela relação. Não havia hesitação ou incerteza nos toques, Naruto podia sentir o corpo responder a cada aperto em seus músculos, a cada arranhão em sua pele, era como se Gaara o estivesse lentamente preparando, somando cada pequena ação para que o fim não pudesse ser diferente de um corpo sensível e febril pelo gozo.

O beijo deixava estalos no ar, e Naruto se excitava ao ouvi-los, pareciam apreçá-lo a beijar de novo e de novo Gaara, a exigir de volta os lábios doces. Suas mãos já migravam da nuca para o queixo, para a face, tentando manter o outro próximo. E Gaara sorria em meio ao beijo, gostava da sensação de ser desejado, da afobação de Naruto ao cobrar sua boca como se o tempo fosse curto, como se cada beijo fosse o último.

Apertou com força a cintura dele e desviou os lábios para o pescoço dele. Mordeu a pele branca com vontade, e o modo como Naruto gemeu baixo assustado fez sua mão descer pelo corpo dele apenas para constatar o que já sabia: ele estava duro. Arrastou a boca pelo pescoço até o ouvido e mordeu-lhe o lóbulo antes de sussurrar:

— Vem, pro quarto.

Naruto assentiu de olhos fechados, e Gaara o puxou pela mão até o cômodo no final do corredor. Inevitavelmente, olhou para a janela que dava vista para os demais prédios e franziu o cenho ao perceber que, de alguns andares, daria para ver tudo o que se passasse naquele quarto. Mas Gaara já sabia disso e fechou as cortinas. Quando se virou, ergueu as sobrancelhas ao ver Naruto já retirando a camisa.

— Hey, não, não, não... — Riu e deu uma pequena corrida até o outro, impedindo-o de desabotoar a calça. — Para que essa pressa toda? Tem hora para voltar para casa é?

— Pensei que tirar a roupa fosse ajudar — Naruto respondeu malicioso.

Gaara colou os corpos, observando sem discrição o tórax e o abdômen expostos. Encarou de volta Naruto nos olhos e o empurrou de leve até que ele caísse em sua cama. Retirou a própria camisa, e Naruto mordeu o lábio, amava homens tatuados, e suas mãos não conseguiram ficar quietas antes de ele contornar os desenhos tribais que se iniciavam no peito e subiam pelos ombros e braços. Gaara engatinhou sobre o corpo dele e passou as mãos pela cintura, subindo lentamente pelo tórax e então pelos braços, deixando-os sobre a cabeça de Naruto.

— Segure nas grades da cabeceira da cama — falou. — Vou te ensinar a aproveitar melhor seu tempo. — Piscou um olho e então voltou a beijá-lo.

Naruto apertou as grades, odiava não poder tocar o outro, gostava do toque, do calor do corpo contra o seu, do peso, do suor, contudo, algo em Gaara o fazia querer confiar, como se algo em sua mente o aconselhasse a arriscar se deixar levar. Assim, tudo o que pôde fazer ao sentir a boca dele em seu pescoço foi gemer baixo e impulsionar o quadril para cima, friccionando os membros.

Gaara o segurava pelo cabelo, movendo sua cabeça a seu bel prazer de acordo com a região que a boca desejava conhecer. A respiração dele em sua pele o arrepiava, sua pélvis formigava, e Gaara parecia adivinhar porque sorria cínico ao impulsionar-se contra si, simulando uma penetração, quando isso acontecia.

Fechou os olhos ao gemer quando suas pernas foram abertas com rapidez. Gaara segurou melhor suas coxas e as ergueu enquanto os beijos molhados desciam pelo tórax. Os olhos verdes o observam de vez em quando com satisfação, e Naruto lambeu os lábios quando percebeu o modo excitado com que Gaara mordeu os lábios ao perceber os piercings em seus mamilos.

— Trapaça, garoto — comentou, a língua passando ao redor do pico e evitando o piercing. — Ainda dói?

— Não...

Gaara balançou a cabeça de um lado para o outro enquanto sentia o pênis endurecer mais, ansioso.

— Golpe baixo — gemeu.

Deslizou a mão direita pela coxa de Naruto, subindo-a até um dos mamilos. Apertou-lhe o bico enquanto a boca envolvia o outro, e o gemido satisfeito que obteve o instigou. Pressionou a região, a língua brincando com o bico que endurecia, os dentes roçando a pele rosada e sensível antes de puxar com cuidado a peça de metal.

A respiração de Naruto era audível e visível pelo tórax que subia e descia descompassadamente, as mãos seguravam as barras da cabeceira com muito custo, já que a vontade era afundar os dedos nos cabelos ruivos, o corpo recebia o prazer sem delongas e era impossível controlar a ansiedade. Estava duro. A mão de Gaara em sua coxa ajudava-o a chocar as ereções, a boca em seu mamilo o fazia gemer e querer, paradoxalmente, que o outro continuasse o que estava fazendo por ser bom naquilo e que parasse para que finalmente desse atenção ao membro suplicante.

— Gaara — choramingou quando ele soltou com um pouco mais de força seu piercing antes de começar a dar atenção ao outro mamilo.

— Shh, calma, aproveita... — ele respondeu, e Naruto jogou a cabeça para trás ao arfar quando Gaara apertou, sobre a calça, seu membro com vontade e chupou seu mamilo.

Aquela boca quente o devorava com fome, provando e degustando sua pele pelo tempo que queria e da forma como desejava! Fechou os olhos, a ereção pulsava sob a palma de Gaara, o desejo remexia-lhe o corpo, impaciente! E, quando Gaara de repente se aproximou para beijá-lo mais uma vez, esqueceu-se de tudo e segurou-lhe pela nuca, descontando sua frustração nos lábios cheios, querendo que ele sentisse como seu corpo se afogava em luxúria com apenas aquela maldita preliminar!

Gaara correspondeu, puxou os quadris de Naruto para baixo quando percebeu que ele se sentaria, obrigou-o a permanecer sentado e segurou as duas mãos dele sobre a cabeça enquanto ainda o beijava. Não conseguiu se separar de uma única vez, os beijos voluptuosos de Naruto eram viciantes, faziam-no querer dar tudo aquilo que ele parecia disposto a receber. Diminuiu a intensidade do beijo, separando-se com beijos curtos e rápidos, mas vulgares, sorria após lhe chupar a língua, gemia baixo quando seu lábio era mordido, e foi difícil desviar a atenção daquela boca.

— Mãos para cima — pediu mais uma vez.

— Por quê? — Naruto reclamou ao segurar de novo as barrar.

— Porque você é apressado e vai querer me interromper. — Gaara lambeu a linha média do tórax, descendo ao abdômen, ainda encarando os olhos verdes. — E eu quero te levar ao seu limite... — Mordeu o abdômen enquanto as mãos abriam o cinto de Naruto e abaixavam a calça jeans até tirá-la e jogá-la no chão. Ajoelhou-se na cama e observou o corpo à sua disposição. Lambeu os lábios e se inclinou para apertar a ereção escondida pela cueca. — Não se solte, ok?

Naruto riu, excitado, e assentiu. O coração batia, apressadamente, talvez na mesma velocidade com que sua mente divagava. Divagava, no passado, porque, depois que Gaara encostou a boca em sua ereção sob a cueca, tudo ficou branco. Respirou fundo, podia sentir a língua contornando seu membro, passando pela extensão, para que a boca envolvesse devagar a glande úmida.

— Tira — pediu em um fio de voz e ergueu o quadril para ajudar Gaara, que o ignorou.

— Espere. Saiba aproveitar, garoto.

— Não sou um garoto! — rebateu dessa vez, e Gaara mordiscou o tecido da cueca, logo abaixo dos testículos.

— Então seja homem e aguente — Gaara provocou e apertou o membro, movendo-o para cima e para baixo com o pouco que a roupa permitia.

Naruto bufou, o corpo contraindo pelos arrepios que subiam pela coluna. Abriu mais as pernas, tentando achar uma posição confortável, mas era inútil, o desconforto provinha da ereção negligenciada, não adiantava o quanto se mexesse, somente Gaara podia resolver aquele problema. Relaxou quando novamente o calor da boca dele voltou a se aproximar de seu membro, gemeu, frustrado e excitado, pela mão em seu testículo enquanto a língua deixava um rastro de saliva sobre sua ereção. Sentia a cueca úmida, e observar Gaara parecer se divertir só com aquilo era um bônus para seu desejo. Desviou o olhar e apertou as barras com força, só percebendo que prendia o ar quando o outro enfim baixou sua cueca, deixando-o nu por completo.

— Você é bonito — Gaara elogiou e se inclinou, beijando a pélvis de Naruto, evitando a ereção.

— E também tenho um ótimo sabor, por que não prova? — ele provocou, e Gaara riu descrente.

— Uma ótima ideia. — Segurou-lhe a ereção, masturbando-o enquanto observava o membro. — Ainda mais do jeito que você está molhado aqui — falou e passou a língua ao redor da glande, sugando audivelmente.

Naruto jogou a cabeça para trás e gemeu alto, finalmente satisfeito.

— De fato, um ótimo sabor — Gaara respondeu.

— Por favor, não para...

— Não vou.

A mão envolveu o membro ereto, movimentando-o enquanto a boca envolvia os testículos, um de cada vez. Naruto gemia, baixo, os olhos semicerrados e sem foco. O veludo da língua a passar pela extensão do pênis era provocante, mas nada superava quando Gaara o engolia até o fundo, sem se importar com o comprimento ou com a velocidade. Os lábios fechavam-se em seu entorno, subindo e descendo em si, os dentes arrastavam sem força pela glande, e a voz perdia o controle quando a sucção era forte.

A saliva escorria pela pele, atingia a pélvis e descia pelo períneo. As mãos de Gaara seguravam suas coxas, mantendo-as abertas, e uma ousou seguir o rastro de saliva e brincar com o pequeno orifício onde acabava.

Naruto gemeu, surpreso, e moveu-se de encontro à mão na tentativa de aprofundar o toque, contudo, Gaara não permitiu, permanecendo apenas a provocar enquanto aumentava a velocidade com que o chupava.

O barulho da sucção, os estalos quando a boca o soltava para depois voltar a lhe lamber, os beijos e as mordidas na pele ao redor, tudo o instigava a soltar as barras e empurrar a cabeça do outro contra seu corpo, a fazê-lo engolir seu ponto de prazer, a roubar de si até a última gota!

O suor em sua pele se fez notar, o prazer já se manifestava de diferentes formas, seja no coração acelerado, no ar escasso, no corpo sensível, no cabelo que gradualmente grudava ao rosto, no pênis que latejava entre os lábios alheios! E Gaara estava atento a cada sinal. A ideia inicial era parar o oral antes que Naruto gozasse, contudo, a feição de êxtase do outro o impediram. A pele branca estava colorida pelo rubor nas bochechas, os olhos semicerrados possuíam lágrimas acumuladas, e a boca aberta puxava o ar com esforço quando não estava gemendo.

Acomodou-se melhor, chupando Naruto com vontade ao ponto de ouvi-lo gemer mais alto que antes. Seu corpo vibrava com a voz dele, sua própria ereção doía um pouco já, seus lábios tentavam tirar de Naruto tudo o que tinha, estimulando que gozasse, a língua querendo provar do prazer que a glande denunciava que logo viria.

— Gaara... — Naruto gemeu ao abrir os olhos.

Estava quente, demais! As costas arquearam, as pontas dos pés se contraíram, as mãos apertaram tanto as barras que os nós dos dedos ficaram brancos, e a voz reverberou no quarto quando o clímax enfim o atingiu.

Gaara sentiu o tencionar dos músculos e ele próprio gemeu de prazer quando o gozo lhe preencheu a boca. A voz rouca e grave de Naruto o arrepiou dos pés à cabeça, e a ereção latejou pelo líquido quente que engolia. Não fechou os olhos, obrigou-se a não perder de vista as expressões do outro! O sorriso de satisfação aparecia gradativamente à medida que o pós orgasmo se alastrava pelos músculos, e lambeu-lhe uma última vez o membro apenas para vê-lo arfar, mais sensível que antes.

Naruto respirou fundo, os olhos turvos recobrando o foco enquanto via Gaara engatinhar sobre seu corpo, arrastando o nariz de leve pela pele. Suspirou com o beijo leve que recebeu nos lábios e sentiu o próprio gosto na boca alheia. As mãos dele foram até as suas, lembrando-o que ainda segurava as grades e as fazendo soltá-las.

— Parabéns, você aguentou — Gaara debochou, mordendo de leve as marcas que Naruto possuía no rosto.

— Vou ganhar um prêmio por isso? — Naruto perguntou, baixo, as mãos ganhando vida e podendo finalmente passear pelo corpo do outro até apertarem as nádegas ainda escondidas pela calça. — Por que sou único nu aqui?

Gaara riu, baixo, e se afastou para se sentar sobre os calcanhares enquanto abria a calça. Naruto se apoiou nos cotovelos para o assistir, mas tão logo viu o volume marcado contra o jeans se sentou. Gaara percebeu o sorriso malicioso do outro e parou o que fazia quando Naruto se aproximou, apoiando as mãos em seus ombros e o empurrando até que se deitasse.

— Onde você deixa o lubrificante e as camisinhas? — Naruto perguntou ao puxar a calça e a cueca com rapidez e jogá-las da cama.

Gaara apontou para a mesa ao lado da cama, e Naruto foi rápido ao pegar os itens e voltar. Sentou-se sobre a ereção do outro, rebolando enquanto o beijava.

— Me prepara enquanto te devolvo o favor? — indagou e apertou o pênis ereto que se arrastava entre suas nádegas.

— Com prazer — Gaara respondeu.

Naruto sorriu e se virou sobre o outro. Gaara se sentou por um momento, com Naruto em seu colo e de costas para si. Antes que ele perguntasse ou quisesse se virar, mordeu-lhe o pescoço, as mãos acariciaram a parte da frente do corpo e tocaram a semi ereção. A boca desceu pelos ombros, pelas costas e, conforme voltava a se deitar, levava o quadril de Naruto consigo, deixando-o logo acima de seu rosto. Lambeu da glande ao períneo e continuou até que chegasse ao ânus.

Naruto sentiu os músculos das pernas vacilarem enquanto gemia, porém, ainda assim, achou forças para se equilibrar e masturbar a ereção do outro. Deus, ele estava tão duro que só a ideia de tê-lo dentro de si o excitava. Não enrolou, não era como Gaara, não gostava de lentidão, então, colocou-o todo na boca de uma vez, sugando com força do início ao fim.

Gaara gemeu, o quadril movendo-se para cima involuntariamente. Segurou o quadril de Naruto e separou as bandas para mover a língua ao redor do orifício, o prazer o fazendo pressionar a entrada e arrastar os dentes pela área ao redor. Quanto mais prazer dava a Naruto, mais a afobação dele crescia. Conseguia sentir a respiração próxima à sua ereção, ouvia os palavrões que ele soltava quando precisava abandonar seu membro para gemer, e ele própria perdia a cabeça quando Naruto então voltava ainda mais focado do que antes ao oral.

Lambuzou os dedos com o lubrificante e não perdeu tempo ao penetrar-lhe fundo com um dedo enquanto fechava os olhos e levava a ereção à boca. Chupou-o ao mesmo tempo em que iniciava os movimentos de vai e vem. Era difícil acertar a próstata daquela forma, mas o que contava era preparar o outro para o que viria, então, acrescentou o segundo dígito.

Naruto choramingou, o peso do corpo se tornando demais e o obrigando a deitar o tronco sobre o abdômen de Gaara. Rebolou, erguendo o quadril e tentando manter ao menos acariciar o outro, mas não dava! A mente estava perdida mais uma vez nas sensações que Gaara lhe trazia, era difícil até mesmo coordenar os movimentos de sua mão na ereção dele!

Balançou a cabeça em negação, ainda que o prazer lhe pedisse que continuasse apenas desfrutando das carícias. Ergueu-se, tirando uma exclamação de desagrado de Gaara. Engatinhou até a cabeceira da cama e se manteve nos joelhos ao se segurar na madeira e olhar para trás sobre os ombros.

— Só vem, por favor...

Gaara não pôde fazer nada além de concordar, a visão não lhe deixava nem ao menos falar algo enquanto vestia o preservativo de modo apressado e despejava o lubrificante sobre sua ereção. Ajoelhou-se atrás de Naruto, que empinou o quadril, e arfou quando o membro deslizou pelo vão entre as nádegas. Posicionou-se e sentiu uma das mãos de Naruto o puxar para um beijo desajeitado enquanto o invadia.

O rosto corado, os olhos cerrados com força, a boca aberta e a respiração entrecortada foram uma das cenas mais extasiantes da noite, Gaara podia não admitir em voz alta, mas observar tão de perto a expressão de Naruto enquanto se arremetia no corpo dele havia sido demais para seu autocontrole. Enterrou-se nele, puxando-lhe a cabeça para trás de modo a apoiá-la em seu ombro, e segurou-lhe a cintura com firmeza para começar a se movimentar.

Naruto abriu um pouco mais as pernas, o volume dentro de si queimando seu corpo, exigindo espaço! Deixou-se apoiar no peito de Gaara e manteve a mão na nuca dele, puxando de leve o cabelo ruivo à medida que as estocadas se iniciavam. Não eram lentas, não eram rápidas, eram precisas, como tudo o que aquele maldito homem fazia! Cada vez que ele saía de seu corpo, Naruto retesava o corpo, já ciente de que sua voz escaparia de sua boca em um gemido lânguido mesmo sem sua autorização quando ele voltasse, fundo, gemendo rouco próximo ao seu ouvido.

Segurou-se com as duas mãos na cabeceira, Gaara esfregou o rosto na curva de seu pescoço enquanto as mãos apertavam seus quadris de modo que ele jurava que estariam marcados depois.

Gaara sorriu, o canal apertado o estimulando, afastando-se apenas para ver o modo como Naruto agora se inclinava sobre a cabeceira, repousando o rosto e o olhando-o por sobre os ombros enquanto as palavras se embolavam na boca e saíam trôpegas. Puxou de leve os cabelos da nuca e arranhou as costas apenas para ver os riscos vermelhos na pele clara, jogou a cabeça para trás e acelerou as estocadas.

Quem diria que o indiscreto pré-vestibulando que o secara de forma tão aberta durante uma tediosa visita guiada lhe proporcionaria tanto prazer...

Sorriu de canto, inclinou-se sobre Naruto e buscou a ereção dele com a mão, masturbando-o como podia.

— De frente... — Naruto pediu, fechando os olhos. — Senta, de frente...

Gaara assentiu, mas não se afastou de imediato. Manteve os troncos colados enquanto Naruto se afastava da cabeceira e se beijavam com gula enquanto invertiam as posições e se sentava com as costas apoiadas. Lamentou ao se ver fora do interior alheio e puxou Naruto para si assim que o viu passar uma perna de cada lado de seu corpo.

Naruto segurou-lhe o membro e encarou os olhos verdes com desejo enquanto descia nele, a face modificando-se a cada centímetro que recebia em si, a lucidez sendo menos visível à medida que a excitação lhe tomava o lugar. Apoiou as mãos nos ombros de Gaara e sentiu as dele em suas nádegas, não precisou uma palavra para que os corpos se movessem em busca de alívio.

As respirações se encontravam no meio do caminho, as vozes fundiam-se, o calor os envolvia, o suor banhava as peles arranhadas e maculadas com diversas provas daquele momento. Gaara impulsionava Naruto para cima e, antes que se desse conta, ele já descia, rebolando contra si, esfregando o corpo ao seu em frenesi. Aumentou a força, sorrindo vitorioso quando atingia a próstata dele e sentia-o tremer por inteiro sobre si.

Mordeu-lhe o ombro, o pescoço, os lábios, e semicerrou os olhos devido ao ápice que se aproximava.

— Naruto...

— Me toque, por favor, me toque... rápido... — Naruto pediu ao entender o que a névoa nos olhos verdes significava.

Gaara segurou-lhe o membro, masturbando-o na mesma velocidade com que ele quicava em seu colo. Manteve a outra mão a ajudar Naruto a cavalgar, sorrindo sacana ao perceber pelos movimentos desesperados que ele também logo gozaria.

Naruto cravou as unhas nos ombros do outro e tombou a cabeça para trás enquanto gemia alto quando o clímax o arrebatou. Não conseguiu parar de se mover, queria prolongar aquele momento, desfrutar do gozo que vinha em jatos fortes na mão de Gaara! As pernas tremiam, mas se esforçou a continuar.

Gaara o encarou, puxando-o pela nuca para um jeito bruto enquanto gemia pelas contrações que lhe sufocavam o membro. Espalmou as mãos nas nádegas de Naruto e as abriu, enterrando-se violentamente no corpo dele quando o orgasmo veio. Revirou os olhos, o grito foi mudo, a respiração parou, o coração pareceu tocar as costelas em batidas fortes!

Naruto o envolveu, passando os braços por seu pescoço e aproximando os rostos enquanto rebolava de leve apenas para ouvir Gaara gemer baixo pelo estímulo estando tão sensível pelo recente clímax. Os músculos de Gaara relaxavam, vagarosamente, seus dedos subiram pelas coxas de Naruto em uma carícia suave, e ele respirou profundamente contra o pescoço do outro, beijando a pele úmida.

Respiram fundo, encarando-se satisfeitos com um sorriso discreto e divertido nos rostos. Retirou-se a contragosto do interior de Naruto e deu um nó no preservativo, deixando-o esquecido sobre o lençol.

— Banho? — perguntou quando Naruto olhou para o próprio abdômen sujo de sêmen, e ele assentiu. — Quer ajuda para ir até lá?

— Só se for para tomar comigo. — Naruto sorriu de canto, e Gaara riu discreto.

— Não consegue se limpar sozinho, garoto?

— Não sou um garoto... — Naruto respondeu novamente ao se levantar da cama e então caminhar até a porta do banheiro da suíte. — Você vem?

Gaara sorriu e revirou os olhos. Levantou-se e caminho até o outro, entrando com ele no banheiro. Observou-o corar ao ver as marcas em seu corpo no espelho e deixou um riso escapar, aproximou-se e entrou no box, ligando o chuveiro.

— E então? Você vem? — devolveu a pergunta.

Naruto mordeu o lábio ao olhá-lo. A cada passo, aproveitava para observar as tatuagens que cobriam o peito e os ombros de Gaara, além das marcas de suas unhas e chupões. Entrou no box e o fechou, mantendo-se próximo à parede enquanto sorria num misto de malícia e bom humor.

— Você é o tipo de cara que mantém lubrificante e camisinha no banheiro também? — Arqueou a sobrancelha, e Gaara o puxou para debaixo da água.

— Depende, você é do tipo que consegue andar para fora do banheiro depois?

Naruto o encarou com falsa inocência e então deu de ombros após fingir pensar.

— Sou apenas um garoto, nunca fiz isso num chuveiro. Acho que vamos ter que descobrir.

Gaara balançou a cabeça, incrédulo, e então pressionou o corpo de Naruto contra os azulejos frios.

— Ah, agora você é um garoto? Tudo bem então... — Sorriu, arrastando a boca sobre a dele. — Vai ser um prazer te ajudar a descobrir isso...

2 марта 2018 г. 1:59:06 0 Отчет Добавить 5
Конец

Об авторе

Alice Alamo 23 anos, escritora de tudo aquilo em que puder me arriscar <3

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~