ColdFlash Подписаться

crytter Crytter

(2017) Quem poderia imaginar que estar em um bar flertando com um homem te levaria a acabar na cama de outro homem. Um homem que você nem imaginava que um dia iria acabar na cama, ou se quer imaginava querer estar na cama dele.


Фанфик Сериалы/Дорамы/Мыльные оперы 18+. © Os personagens pertencem a DC.

#FlashSnow #Leonard/Barry #Barry/Leonard #CapitãoFrio #LeonardSnart #BarryAllen #Lemon #BL #Yaoi #Slash #PWP #TheFlash #Lenarry #SnowFlash
7
7.0k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Capítulo Único


   Onde eu estou? Foi a primeira pergunta que me fiz quando abri os olhos e me vi em um quarto que eu nunca estive antes. Minha cabeça estava doendo como se eu estivesse de ressaca, mas isso era impossível eu nem conseguia ficar bêbado mais, quem dirá de ressaca.


1 Hora Antes


   Eu sou um homem de vários segredos, alguns poucas pessoas sabem, e outros é melhor que ninguém próximo saiba. Todos acreditam que sou hétero e que continuo apaixonado pela Íris, e é melhor que continuem assim, é o melhor. Antes mesmo de ser o Flash eu havia acabado na cama tanto com mulheres quanto com homens, só que sempre foi algo de apenas uma noite. As namoradas que tive nunca deram certo, e nunca cheguei a namorar um homem, porque sempre achei que o melhor fosse esconder essa parte da minha vida.    Era a parte da minha vida que eu me sentia livre, que eu sentia que poderia ser eu mesmo sem precisar impressionar ninguém.

   A melhor parte desse meu lado que ninguém conhece é que posso estar em um bar gay a procura de homem para me divertir essa noite. Mesmo que as últimas vezes que procurei acabei tendo que sair no meio de um flerte por conta da cidade estar em perigo. E esperava que essa noite fosse melhor do que as outras, e que nada me atrapalhasse.

   Estava flertando com um homem bem bonito, provavelmente próximo dos trinta anos, não muito mais velho do que eu, mas com o charme que apenas homens mais velhos tem.    Ele era loiro e tinha lindos olhos verdes que estavam me hipnotizando de uma forma que eu não sabia explicar, se tinha um homem que eu queria acabar na cama era ele, e como eu queria.

   O álcool não fazia efeito sobre mim, mas mesmo assim eu estava bebendo alguns shots, apenas para manter as aparências. E em meio a um shot ou outro, algo de estranho começou a acontecer, eu não deveria ficar bêbado, mas a minha visão começou a ficar levemente turva. Eu precisava me livrar daquilo, precisava lavar meu rosto e me recompor, não havia como eu ter uma ótima noite ficando naquele estado. Cheguei ao banheiro e…


Agora


   Era tudo o que me lembrava da noite anterior, depois de entrar no banheiro eu não me lembro de mais nada, era como se eu tivesse bebido vodka demais, mas nenhum dos drinks tinha vodka, e mesmo que tivesse não deveria ter feito nenhum efeito sobre mim. Meu olhar ainda um tanto embaraçado vagou pelo quarto vendo uma silhueta de um homem que não era com quem eu estava conversando.

   - Onde eu estou? - Perguntei com certa dificuldade, mas ao menos consegui falar algo. Minha garganta estava seca, falar havia sido doloroso.

   - Finalmente acordou? Achei que essas coisas não tinham efeito sobre você. - O homem me respondeu, e suas palavras haviam sido como pontadas na minha cabeça, mas eu conhecia aquela voz, tão bem que eu não podia imaginar isso.

   - Snart? - Eu tentei me levantar, mas era como se meu corpo pesasse uma tonelada, ele deveria ter usado alguma droga nas minhas bebidas, aquilo era horrível. - Por que você fez isso?

   - Eu não fiz nada, e você deveria me agradecer. - Mais uma vez sua voz era como marteladas na minha cabeça, mas seu tom sério demonstrava a verdade em sua voz. - Se não fosse por mim você provavelmente teria sido estuprado por aquele cara que estava dando em cima de você.

   - Quê? - Foram todas as palavras que saíram da minha boca. Até que fazia sentido o que Snart falava, eu havia ficado conversando apenas com aquele cara aquela noite. Na realidade nem havia visto Snart no bar. - Minha cabeça dói…

   - Um obrigado não é pedir muito, e eu nem sei porque te ajudei. - Aquela com certeza era a situação mais bizarra de todas, de todos os metahumanos, de todo o caos, estava deitado com o meu corpo não me respondendo enquanto eu ouvia ele falar daquela forma, era muito estranho.

   - Obrigado por me ajudar, Snart.

   Aos poucos minha visão melhorou em meio a nossa conversa, e agora eu conseguia ver ele sentado em uma cadeira do lado da cama. Era estranho eu estava acostumado a ve-lo sempre com sua roupa de ‘batalha’, seu casaco de inverno e seu coturno. E agora ele estava ali, sentado usando apenas uma camisa social clara, com três botões abertos, e sua calça jeans escura.

   E em meio a conversa, minha cabeça também havia melhorado, era como se aquela droga tivesse perdido o efeito muito rápido, eu não conseguia imaginar o que ela faria com alguém que não tem um super metabolismo como o meu. Meu olhar se virou para um relógio digital que tinha no criado mudo, já era uma da manhã, eu havia dormido por quase uma hora. Eu não conseguia imaginar quanto tempo uma pessoa normal dormiria com aquela droga, só sei que não havia gostado nenhum pouco daquela sensação de impotência, ainda mais com Snart do meu lado, mesmo que ele estivesse me ajudando.

   - Aqui.

   Ele me deu uma garrafa de água gelada, e nossa como eu precisava de água. Com uma pequena dificuldade eu me ajeitei na cama ficando levemente sentado, apenas para beber todo o líquido da garrafa. Eu nunca imaginei que beber água fosse uma das coisas mais maravilhosas, mas neste momento era. Minha garganta havia diminuído a dor, mas meu corpo ainda estava um pouco pesado, eu provavelmente não conseguiria voltar para casa aquela noite.

   - Por que me ajudou, Snart? - Sim, eu estava curioso, e também não queria dormir, não com ele do meu lado. Se bem que se o moreno quisesse fazer algo ele teria feito nessa uma hora que eu dormi.

   - Leonard, eu prefiro que me chame de Leonard. - Sua voz era tão calma e suave que até me assustava o fato dele falar dessa forma. - Eu sou um ladrão, e tenho meus princípios. E também porque eu tenho problemas com o Flash, não com o Barry.

   Aquela explicação era mais do que o suficiente para mim. E bem a noite boa que eu pretendia ter havia sido destruída pelo cara que eu pretendia passar a noite, que ótimo.    Talvez ter sido chamado para uma emergência teria sido melhor do que o que aconteceu comigo essa noite. Mas aparentemente meu ‘sofrimento’ não havia sido o suficiente ainda.

   Meu corpo pesado também havia começado a ficar melhor, não muito, mas o suficiente para que eu sentisse que minha calça estava muito apertada. Meu desejo erra arrancar arrancar aquela roupa, mas eu não podia, não na frente dele. Aquela droga não era apenas para dormir, ela era estimulante, estimulante até demais. E agora estava começando a ficar bem doloroso tudo aquilo. E eu não podia simplesmente ao Snart para que me deixasse sozinho para me masturbar, e pelo olhar que ele me dava ele não pretendia me deixar sozinho.

   - Parece que o efeito do sonífero passou, mas não dos estimulantes. - Eu sentia seu olhar por todo o meu corpo, era como se eu começasse a queimar apenas com aquele olhar de desejo que ele estava me dando. - Você quer resolver esse problema sozinho ou quer a minha ajuda?

   Snart era o vilão que eu conhecia, um ladrão de marca maior. Mas Leonard não, eu não conhecia ele, da mesma forma que ele não conhecia Barry. Mas não negava como estava gostando de conhecer esse lado dele. Sua voz rouca me oferecendo ajuda, não era apenas tentadora, era ela completamente persuasiva. Aquela noite não precisava acabar de modo ruim, poderia acabar de uma forma muito boa.

   Não pude evitar que um sorriso safado saísse dos meus lábios, aquela ideia era sexy e errada ao mesmo tempo, e eu não conseguia dizer não para aquilo. Minha respiração estava começando a ficar descompassada, e meu membro doendo mais ainda dentro daquela calça. Eu estiquei minha mão até tocar a do moreno, e minha voz saiu quase como se eu estivesse implorando.

   - Eu quero sua ajuda, Leonard.

   Quase em um piscar de olhos o moreno estava entre as minhas pernas, fazendo com que nossos lábios tivessem o primeiro contato, em um beijo lascivo e insaciável. Ele não pediu permissão para ter sua língua em contato com a minha, e nem precisava, eu desejava aquilo de uma forma que eu não sabia explicar. Nossas línguas dançavam de uma forma única, o gosto de álcool em seus lábios eram algo delicioso e viciante, eu apenas queria muito mais daquilo.

   Senti suas mãos apertando as minhas coxas, me puxando mais contra o seu corpo, e me dando o prazer de sentir como ele estava excitado. Minhas mãos deslizaram por seu pescoço passeando em seu cabelo curto, sentindo a maciez em meus dedos.

   Mesmo que eu quisesse continuar aquele beijo lascivo, eu estava quase enlouquecendo por causa das drogas, eu precisava dele logo. Mas aparentemente esse não era o seu plano, ele estava querendo me levar ao limite beijando meu pescoço daquela forma. Eu não me importava com quem pudesse ouvir, e eu também não tinha forças para impedir que os gemidos saíssem dos meus lábios a cada investida que ele dava em meu pescoço.

   Meus dedos que antes passeando em seu cabelo desceram pelo seu corpo em direção a sua camisa, abrindo com certa dificuldade os botões que estavam fechados. Não demorou para que eu sentisse ele fazendo o mesmo com a minha camisa, e quando o último botão foi aberto ele parou de atacar o meu pescoço como se quisesse admirar meu corpo magro.

   - Nunca imaginei que você fosse tão sexy. - Sua voz rouca apenas me arrepiava, me fazia desejar mais ainda seu possuído por aquele homem tão sedutor. Sua camisa aberta me deixava ver seu abdômen definido, mas com algumas cicatrizes, eu não queria pensar em como ele havia adquirido aquilo, mas sim em como ele ficava com mais jeito de badboy por tê-las.

   - E eu nunca imaginei que você escondesse um corpo tão gostoso embaixo daquela jaqueta… Aah! - Minha frase foi interrompida por meu gemido que começou quando ele começou a brincar com meus mamilos que já estavam duros.

   Meus olhos se fecharam por um segundo, como um reflexo, me permitindo sentir apenas o prazer que aquilo me dava. Dos meus lábios saiam apenas os gemidos que se intensificaram quando senti seus lábios quentes me atacando. Sua língua estava me deixando louco brincando comigo daquela forma, eu poderia gozar apenas com ele fazendo aquilo.

   Meu membro que já estava duro e desconfortável dentro da calça, apenas doía mais, era como se eu tivesse uma rocha bruta no lugar de tão duro que eu estava. Foi um pequeno alívio quando sua boca começou a descer pelo meu abdômen, e seus dedos irem para a minha calça, abrindo-a com maestria. Foi quase um alívio imediato quando não senti mais o tecido grosso me apertar, e ser retirado completamente do meu corpo, jogado em qualquer lugar do quarto.

   Ele havia me deixado ainda apenas com minha cueca branca, que estava quase completamente transparente, de tanto que eu estava excitado. Sua mão direita dedilhou meu membro, ainda dentro do fino tecido, e o apertou com certa força, me fazendo gemer outra vez. Meu rosto repleto em prazer era refletido nas orbes esmeraldas que me observava como o leão observa sua presa, vendo minhas reações a cada toque seu.

   Aquilo parecia ser uma tortura eterna, até que a última peça que cobria meu membro foi retirada, me deixando apenas com a camisa branca desabotoada. Ele começou uma lenta masturbação em mim, uma tortura melhor dizendo, mas que me dava muito prazer, sua mão era fria assim como seu apelido, mas o choque térmico apenas me excitava mais. Não demorou para que sentisse sua língua tocando a ponta do meu membro, e deslizando por toda a extensão de forma lenta e sedutora. Seu olhar estava em meu rosto, vendo as expressões de prazer que eu tinha a cada pequeno toque que ele dava em meu corpo.

   Mas meus olhos se fecharam por completo e minha cabeça se enfiou no travesseiro, enquanto eu sentia meu membro ser colocado em sua boca quase por completo, um gemido alto saiu dos meus lábios quando ele começou a movimentar sua cabeça. Ele era muito bom no que fazia, sua língua quente dançava em meu membro, enquanto a sucção que ele fazia quase me levava a loucura. Minha mão direita foi para sua cabeça, não para força-lo para baixo, apenas para sentir seu cabelo e apertar com desejo. Enquanto a outra mão estava em meio aos lençóis apertando-os e puxando-os.

   Não demorou para que a intensidade de seu oral ficasse mais forte, e meus gemidos mais alto. Meus dedos apertaram mais sua cabeça, e o lençol. Eu estava sendo levado ao paraíso pelo último homem que achei que iria acabar na cama.

   Meu corpo estava totalmente entregue a ele, e para completar ele começou a acariciar meus testículos, fazendo com que o ultimo fio de sanidade se esvaisse pelos ares. Não demorou muito para que eu sentisse meu corpo começar a tremer levemente, e eu chegar ao meu limite.

   - Leon.... Eu… Aahn…

   Foi uma tentativa quase inútil de avisá-lo que iria gozar. Eu me desfiz em sua boca. Minha respiração estava descompassada, e meu corpo ainda não estava livre daquelas substâncias. Mesmo gozando uma vez eu continuava duro, e muito excitado, como se o oral apenas tivesse acordado mais ainda o meu corpo.

   - Eu acho que ainda vai precisar de mais ajuda, Berry. - A voz dele chamando o meu nome apenas fez com que eu me arrepiasse mais ainda. Eu não tinha forças para responder apenas concordei com a cabeça.

   Ele saiu da cama tirando a roupa do seu corpo, revelando mais cicatrizes do que eu imaginava, mas mesmo assim era sexy. Tão sexy que eu desejava dar para ele até que eu não sentisse mais o meu corpo, até que eu não tivesse mais sanidade nenhuma. E para completar quando ele tirou a cueca o desejo apenas subiu, vendo seu membro grande e grosso.

   Ele voltou para a cama com um tubo de lubrificante, e minha ansiedade em te-lo apenas aumentava. Meu corpo que estava pesado antes apenas havia ficado mais pesado ainda, como se o orgasmos estivesse me deixando mais cansado do que qualquer corrida que eu houvesse feito. Eu não sabia o que dizer, e mesmo que soubesse eu não tinha forças para fazer as palavras saírem da minha boca. Ele se ajeitou bem entre as minhas pernas mais uma vez, e começou a lubrificar seus dedos, três para ser exato. Eu nunca achei que ele me olhasse com tanto desejo, mas eu estava queimando com o seu olhar, ele estava me deixando mais excitado do que eu já estava.
   Ele não demorou para introduzir o primeiro dedo, e a me estocar de forma lenta. Um sorriso safado se fez em seus lábios antes dele se aproximar de mim e começar a beijar meu pescoço. Como se quisesse me distrair da dor do preparo. E tudo o que saia da minha boca eram leves gemidos e respirações mais intensas.

   Ele não demorou a introduzir o segundo dedo e a começar a brincar comigo, com movimentos de vai e vai, intercalados com os movimentos de tesoura. Minhas mãos foram para suas costas, o abraçando, e arranhando levemente ele cada vez que eu sentia seus dedos baterem em minha próstata. Ele não demorou a achar perfeitamente o jeito de me estocar com seus dedos, e tudo o que pude fazer em resposta era gemer e arranhar sua pele fria. Em meio a movimentação ele introduziu o terceiro dedo, fazendo uma preparação deliciosa que quase me levava ao ápice. Mas eu não queria gozar apenas com aquilo.

   Sem aviso ele tirou os dedos do meu interior e se distanciou de mim, me dando mais uma vez uma deliciosa visão do seu corpo. Se eu soubesse que embaixo de toda aquela roupa se escondia um homem tão gostoso eu teria dado um jeito de acabar na cama dele a muito tempo. Ah, como eu teria dado um jeito. Eu mordia meus lábios pelas ansiedade de te-lo dentro de mim, enquanto via ele lubrificando seu membro com os movimentos de vai e vem. Ele não demorou para estar pronto e ter seu membro roçando em minha entrada.

   - Pode me morder e me arranhar.

   Foram as únicas palavras que eu ouvi antes de sentir seu membro deslizando para o meu interior, me invadindo de uma forma dolorosa e deliciosa ao mesmo tempo. Minhas unhas cravaram em sua costas, enquanto meus lábios produziam um gemido que misturava o prazer e a dor. Mesmo que eu quisesse aquilo meu corpo não gostava daquela introdução nada pequena. Demorei um tempo até que finalmente meu corpo estivesse acostumado com aquele volume que me invadia, e minhas unhas parassem de cravar em sua pele.

   Ele havia entendido perfeitamente o sinal silencioso, o não demorou a começar a me estocar. Inicialmente era lento, mas muito prazeroso, sua mão direita desceu para o meu membro me masturbando no mesmo rítmo da estocada, que aumentava gradativamente.    Meus gemidos eram constantes assim como os arranhões nas costas do moreno, nossos lábios se encontravam em um beijo descompassado que se desfazia pela falta de ar e pelo gemido dos dois.

   Ele conseguia acertar perfeitamente a minha próstata a cada estocada intensa que me deva. Ele estava me levando ao seu paraíso gelado, e eu não queria sair de lá. Eu estava totalmente entregue aquele homem, e eu não ligava se ele era um ladrão ou um herói, eu apenas estava adorando a forma intensa que tudo estava.

   Em um certo momento ele parou de me masturbar para me puxar para cima de suas coxas, me fazendo cavalgar em seu membro, o que eu faria com muito prazer. Seu olhar me consumia da mesma forma que meu olhar consumia ele, minhas unhas agora cravaram em seu ombro que eu também usava de apoio para me mexer da forma mais intensa que eu podia.

   Eu nunca usava meus poderes nesse tipo de situação, adorava como as coisas eram lentas e intensas, como eu me envolvia em meio a cada mínimo detalhe. Em como os gemidos dele me deixavam louco, em como suas mãos ásperas me apertavam com força, e em como sua língua quente passeava pelo meu corpo. Aquilo poderia ser chamado de paraíso, e eu queria viver naquele paraíso para sempre.

   Sua mão voltou a me masturbar, e eu aumentava a velocidade que cavalgava sobre seu membro. Estava chegando ao meu limite, mas antes eu provei mais uma vez seus lábios deliciosamente quentes e sua língua lasciva.

   - Leo… Aaahn...

   Eu me entreguei ao prazer, gozando em nossos abdomens, apertando mais ainda o membro dele no meu interior, foram apenas mais duas estocadas para que eu sentisse seu sêmen me preenchendo por dentro. Nossas respirações estavam descompassadas e intensas, mas isso não impediu que um último beijo se fizesse entre nós. Antes que eu me deitasse na cama e ele fosse se deitar ao meu lado.

   Eu não me sentia mais pesado, na verdade eu me sentia mais leve, e agradecia pelo efeito das drogas terem finalmente passado. Minha cabeça estava no travesseiro macio, e meu olhar estava nele. E eu ainda não acreditava completamente no que havia acontecido, eu havia transado com Leonard, e havia sido tão bom que eu não me importaria de repetir a dose.

   - Você deve estar cansado, pode dormir aqui. - Ele disse com um sorriso calmo nos lábios, quando sua respiração parecia já estar estabilizada.

   - Obrigado, eu posso tomar um banho? - Ele estava sendo um anfitrião e tanto, mas eu realmente precisava de um banho, precisava limpar todo aquele suor e sêmen do meu corpo.

   - Aham, é naquela porta ali. - Ele apontou para uma porta ao lado de um armário.

   - Obrigado.

   Eu fui para o banheiro tomar um banho calmo e gelado, me lavei o máximo possível de uma forma até que lenta. Era até um alívio ver que meu membro já não estava mais duro. E eu me sentia morto, cansado como se tivesse corrido por toda a cidade algumas vezes. Eu apenas queria dormir e não acordar tão cedo, precisava recuperar a força do meu corpo, que era algo que eu não sabia mais se eu tinha.


2 Semanas Depois


   Eu morava sozinho e isso era bom, eu não precisava dar satisfação quando eu voltava tarde, ou quando eu simplesmente não voltava aquele dia. E um certo dia não saia da minha cabeça, não negava que aquela noite havia acabado melhor do que eu imaginava, e eu desejava rever Leonard.

   Eu havia acabado de chegar em casa, e estava indo tomar um banho, mas algo me chamou a atenção. Um envelope vermelho na mesa de centro da sala, estranhava aquilo, eu não me lembrava de ter pego nenhum envelope daquele tipo. Fui até o mesmo e retirei uma carta, escrito em uma folha normal branca.


“ Te espero às 20h na minha casa, sábado. L.S.”


   Não negava o sorriso safado que se formou nos meus lábios, junto a ansiedade para que chegasse logo essa noite de sábado.

1 марта 2018 г. 13:33:58 0 Отчет Добавить 1
Конец

Об авторе

Crytter Escritora de Fanfics Yaoi, Universitária.

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~