2minpjct 2Min Pjct

Algumas pessoas têm a sorte de sonhar com o rosto de sua alma gêmea a partir dos dezoito anos. É o que acontece com Min Yoongi, um artista plástico, que se encanta pelo rosto do rapaz ao qual está destinado desde o seu primeiro sonho, desenhando-o em quadros ou papéis. Atualmente, aos 36 anos de idade, com suas obras famosas no mundo todo e todos querendo descobrir quem é o muso que o inspira, Yoongi decide dar um tempo da sua vida artística e da esperança de encontrar sua alma gêmea. Mas tudo parece mudar quando o artista resolve visitar seus avós em uma pequena cidade do interior da Coreia do Sul e lá encontra o fazendeiro Jimin, seu predestinado.


Фанфик Группы / Singers 13+.

#strangers-to-lovers #2minpjct #2min #suji #sugamin #minmin #minimini #yoongi #jimin #bts #btsfic #btsfanfic #gay #romancegay #cupido #boyslove #boyxboy #yaoi #bl #Yoongi-pintor #universo-alternativo-almas-gêmeas #soulmates #adultério #Jimin-é-só-um-nenê #Yoongi-é-uma-bolinha-de-amor #universo-alternativo-fazenda #light-angst-
12
1.8k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Prólogo: A culpa é do cupido

Escrito por: @nameisabelle/@nameisabelle

Notas Iniciais: Olá, pessoal! Bem-vindos a mais uma fanfic escrita por mim em colaboração com o @2minpjct!


Quem é acostumado a ler as minhas fanfics, sabe que eu escrevo histórias muito fofas e com poucos dramas. Mas a história que os trago hoje é um pouco angustiante, porém tem muita fofura para compensar ^^


Eu quero dedicar essa fanfic a minha amiga Leide, porque ela ama o tema Almas gêmeas. Além disso, é um presente de aniversário adiantado, já que fiquei com medo de não conseguir entregar um no aniversário dela! Espero que goste da história, amiga <3


Aos demais leitores, espero que vivam cada pedacinho dessa história seja pelos sentimentos de Yoongi, seja pelos sentimentos de Jimin.

Lembrando que é algo que não escrevo normalmente, mas realmente torço para que apreciem!


Enfim, boa leitura!


~~~~


Afrodite era a deusa do amor na mitologia grega. Por isso, era retratada como uma mulher que vivia os mais diversos romances, fossem com humanos ou deuses. Em uma dessas relações, a deusa gerou um filho chamado Eros, fruto do romance dela com o deus da guerra, Ares.

O pai da criança não dava muita atenção para o seu filho, logo, Afrodite fez o papel de pai e mãe na sua criação, sempre lhe dando amor e todo apoio necessário.

Por ser seu primogênito, Afrodite possuía o maior cuidado possível com a criança, como se fosse uma mãe humana e sua cria fosse padecer ao menor deslize. Mas isso não aconteceria, porque o bebê era um deus, e deuses não morriam.

No entanto, Eros futuramente seria uma exceção.

Desde sua concepção, Afrodite imaginou um futuro para seu filho. Ele seria o cupido, o responsável por unir casais humanos ao redor do mundo, e seu trabalho seria esse por toda a eternidade.

Como a sua mãe, o pequeno deus poderia viver os mais diversos romances, mas de forma alguma poderia se apaixonar por um ser humano. Afrodite lhe explicou o motivo quando o entregou o cargo de cupido.

A fonte de vida de Eros era o amor. Ele se alimentava do amor formado pelos casais que juntava e assim poderia viver eternamente e manter o seu trabalho. Entretanto, no momento que o cupido se apaixonasse por um ser humano, aquele amor seria mantido pela sua paixão e, no dia que esta morresse, Eros morreria junto ao dono do seu coração.

No início, o deus não ligou muito para isso. Ele não queria se apegar a ninguém. Sua vida era curtir as festas no monte Olimpo, casa dos deuses localizada na Grécia, com seu amigo Dionísio, deus das festas.

Essas festas eram uma loucura. Um amontoado de deuses e semideuses dançavam, em meio a um campo aberto do Olimpo, uma música mundana da época ou admiravam o ambiente ao som de harpas e cítaras, observando as peças teatrais promovidas pelo deus Dionísio, já que ele também era apreciador do teatro.

Eros gostava das peças teatrais, mas curtia muito mais as baladas de Dionísio. O cupido bebia hidromel, álcool dos deuses, à vontade, como se não houvesse amanhã. Também ficava com os semideuses mais bonitos do monte, pois quem recusaria ficar com o deus mais belo e filho da deusa da beleza? Todos queriam tirar uma casquinha.

Na Terra, não era tão diferente, pois, quando o cupido visitava o planeta para jogar as flechas nos futuros casais, aproveitava para curtir as festas e ficar com as pessoas do país em que visitava. Contudo, Eros nunca se entregava por completo nem se deixava levar por um sentimento chamado amor.

O cupido, algumas vezes, ficava curioso sobre esse sentimento que fazia as pessoas moverem montanhas. Ele sentia em seu ser quando um casal se formava pelo tiro de sua flecha e o carinho que se transbordava nos dois ao se unir romanticamente. Era um sentimento bom, caloroso e que realmente parecia lhe dar o poder de vencer qualquer dificuldade com a pessoa amada ao seu lado.

A vida dos humanos era tão passageira que eles se dedicavam por completo em amar um ao outro como se não houvesse tempo suficiente para expressar todo aquele sentimento que guardavam em seus peitos. Com deuses e semideuses, as histórias eram diferentes: os primeiros eram imortais e os segundos viviam muito mais tempo que um humano saudável. Os dois não se preocupavam em se apegar a alguém, estavam muito felizes gozando da vida que tinham e ficando com quem preferissem.

Por isso, Eros achava o amor entre deuses falso, e o entre humanos, admirável. Muitas vezes o deus se imaginou amando um humano, contudo logo espantava os pensamentos de sua cabeça, pois deixar sua mãe e a vida eterna estava fora de cogitação.

Porém, mesmo com todos os impedimentos, ele ainda se deixava levar pela sua imaginação, porque sonhar não o mataria.

Até que um dia o sonho se transformou em realidade.

Eros estava na Coreia do Sul, prestes a atirar em um casal de velhinhos, quando o viu. Foi algo tão repentino… Parecia que uma flecha tinha transpassado seu coração. Na sua frente, estava a pessoa mais linda que já tinha visto em sua vida.

O homem tinha cabelos na altura do pescoço, na coloração castanho clara, a mesma que seus olhos. Seu sorriso quadrado era lindo e ele parecia flutuar, andando com uma leveza de um anjo. Eros se apaixonou à primeira vista, sua visão não via mais nada além do rapaz, e o casal no qual deveria atirar suas flechas havia desaparecido.

O deus passou dias seguindo o humano, apaixonando-se cada vez mais pelo acastanhado sem nunca ter falado com ele. Eros descobriu que seu nome era Kim Taehyung e que ele trabalhava como professor do Ensino Infantil de uma escola da Coreia do Sul.

O Kim era tão fofo com as crianças… Vendo aquilo, Eros sentiu o desejo de construir pela primeira vez uma família. Eram sentimentos tão inocentes e tão gostosos os quais sentia que não demorou muito para o deus se colocar em sua forma humana e conversar com Taehyung.

Conquistar o professor não foi difícil, ele pareceu estar na mesma sintonia do filho de Afrodite quando seus olhos se encontraram pela primeira vez, em uma balada em Gangnam.

A forma de Eros também era coreana, como a do Kim, e ele utilizou o nome de Jeon Jungkook para se apresentar ao rapaz. Nesse dia, eles passaram a noite conversando, mas nenhum beijo aconteceu entre os dois, apesar de uma tensão estar presente no ar.

O deus e o humano trocaram números de telefone, tecnologia que Eros já dominava por ter contatinhos ao redor do mundo. No início, Jungkook teve medo de começar uma conversa com o Kim, pois temia onde isso poderia o levar. Todavia, aquele sentimento caloroso tomou o seu ser mais uma vez e ele enviou uma mensagem ao professor.

Depois disso, eles começaram a conversar e não pararam mais, porque descobriram muitas coisas em comuns e as incomuns se tornavam um tópico ainda mais interessante em suas conversas. Além disso, ocorriam flertes inocentes direcionados um ao outro, que deixavam um sorriso bobo no rosto dos rapazes por trás da tela do celular.

Com o passar dos dias, foram a vários encontros juntos, que permitiram flertes cara a cara e deram espaço para se abraçarem e saciar a vontade de estarem perto um do outro. Quando eles deram o primeiro beijo, sentiram seus corações se aquecendo e tiveram a plena certeza de que já se amavam profundamente.

Eros continuou seu trabalho, mas o sentimento dos casais não satisfazia mais o seu íntimo como antes. Somente o amor do Kim parecia ser o suficiente para ele viver. Então, foi naquele momento que Jungkook percebeu o que tinha acontecido. Ele tinha se apaixonado por um humano. Ele estava amando Taehyung.

O cupido não se desesperou por perder a sua imortalidade, pois, para ele, sua vida teria muito mais significado ao lado do seu amado. Dessa forma, ele decidiu largar o seu cargo, já que o amor dos casais não o satisfazia mais. Além disso, a vida humana era muito passageira, e ele queria curtir cada momento com o professor.

— Mãe, eu preciso te contar algo — Eros disse entrando no grande salão, no qual sua mãe descansava em um lindo sofá, sendo abanada por uma de suas servas.

Afrodite já tinha ideia da conversa que eles teriam, porque havia percebido uma mudança repentina na vida do seu filho. O fato de um rapaz tão festeiro ter desistido de ir para as festas como qualquer deus jovem do Olimpo era suspeito. Além disso, a quantidade de casais formados na Terra havia diminuído. O que estava fazendo Eros, se a sua missão não estava sendo cumprida?

Em uma pequena investigação, a deusa descobriu o romance do seu primogênito com um humano. Aquilo era lindo, era o amor mais genuíno. No entanto, a mulher não suportava a ideia de perder a sua criança e já tinha em mente o que faria, dependendo da conversa deles.

— Oi, meu amor! — Afrodite se levantou e foi abraçar o seu filho. Não importava se o via todos os dias, ainda sentia a sua falta e sempre o queria por perto. — Como você está? O que gostaria de me contar?

E Eros lhe confessou o amor por um humano. Afrodite tentou argumentar com sua cria sobre a perda da vida eterna, mas o deus estava irredutível, seu coração parecia ter sido arrebatado pelo do professor.

— Minha vida eterna não vale nada se eu não puder ter o Taehyung ao meu lado — falou em tom choroso, pois entendia o sofrimento da mãe em perdê-lo futuramente. — Mãe, eu o amo e quero viver esse mísero tempo dos humanos sendo feliz com ele.

— Não, Eros!

Afrodite não sabia mais o que fazer, o seu plano de convencer seu filho havia ido por água abaixo, então, em um ato de desespero, a deusa jogou um feitiço sobre o filho e o fez esquecer esse amor. No entanto, essa magia tinha uma consequência: o Kim também esqueceria de que estava apaixonado por Eros. Os dois seriam completos estranhos um para o outro, mesmo que se encontrassem um dia.

Após o ato, o deus caiu no chão, e Afrodite correu ao socorro do filho, levando-o em seguida para o seu quarto.

Os dias se passaram e Eros voltou ao seu trabalho. Sua mãe tinha dito que ele tinha tomado um porre de hidromel, e havia chegado quase desmaiado em casa. O deus acreditou, pois costumava fazer isso quando curtia até demais as festas de Dionísio.

Contudo, desde que havia acordado, o cupido sentia um vazio em seu coração e, em meio a tantas junções de casais, parecia procurar um rosto que preenchesse aquele sentimento de vazio. Muitas vezes ele sorria ao se imaginar namorando um humano, e muitas vezes se xingava de burro por isso. Mas mal ele sabia que já havia se apaixonado por um.

Perdido em meio a esses pensamentos, o cupido estava perdendo a hora de jogar as flechas nos casais, impedindo a formação de futuros relacionamentos.

Eros estava definhando aos poucos por não estar sendo alimentado pela fonte do seu poder, que era o amor.

Afrodite pensou que evitaria a morte de seu filho se o fizesse esquecer aquele humano antes de Eros confessar seu amor ao Kim, o que selaria o destino deles juntos. Porém, isso não funcionou e a deusa já chorava com o sofrimento do deus.

Ela tinha muito medo dos sentimentos humanos, pois estes juravam amar alguém por toda uma vida e anos depois se separavam odiando um ao outro. Se Eros jurasse amor eterno, ele amaria o Kim até o dia de sua morte, e, se o humano o largasse, o deus definharia até que a última gota de amor deles restante em seu ser acabasse.

Afrodite estava arrependida pelo sofrimento do filho, mas não por evitar algo pior. Contudo, ela tomou uma decisão muito difícil que poderia acarretar a morte do seu pequeno ou não. A deusa lançou um feitiço sobre o Kim, e ele passou a sonhar com o rosto de Eros, no caso, de Jeon Jungkook, quando se conheceram pela primeira vez.

O amor vence tudo; se o sentimento deles for real, eles se encontrarão novamente, concluiu a deusa. Dias depois, Eros viu o rosto de Taehyung e se apaixonou à primeira vista mais uma vez. O deus se transformou em um coreano de novo, e todo o processo se repetiu, com exceção do fato de que o Kim estava sonhando com o rosto daquele homem há algum tempo.

Eles se apaixonaram, e Eros pediu demissão do seu cargo. Afrodite, mesmo triste, aceitou, pois o mais importante era a felicidade do seu filho.

No entanto, quem juntaria os casais ao redor do mundo agora? Afrodite não sabia e também não queria ficar perdendo pessoas daquele cargo. Por isso, lançou uma magia ao redor do mundo, aquela que fez Taehyung e Jungkook se encontrarem novamente.

Desde então, somente uma das almas gêmeas sonha com a pessoa amada e cabe a ela procurar o seu destino. Porém, o amor só é construído se os dois quiserem.



— Assim nasceu a lenda A culpa é do cupido, Yoongi — disse o professor Lee para o pré-vestibulando. — Por que tamanha curiosidade?

— Eu acho que… — Abaixou a cabeça e mexeu nas mãos sob a mesa do senhor Lee. — Eu acho que estou sonhando com minha alma gêmea — falou um pouco tímido, mas depois sorriu feliz para o homem à sua frente.

— Você é um em um milhão, Yoongi! São raras as pessoas atingidas pelo poder de Afrodite. — O professor estava animado, amava como a história influenciava na vida dos humanos. Apesar de ser só uma lenda, havia comprovações de sonhos e isso o fazia acreditar que talvez existissem alguns deuses. — Quem é o sortudo?

— Eu nunca o vi. — O sorriso em seu rosto diminuiu um pouco. — Mas eu vou encontrá-lo algum dia! — respondeu, determinado.

~~~~


Notas Finais: Antes de falar sobre o fim do capítulo 1. Eu queria agradecer imensamente a equipe de betagem YinLua/ YinLua, minie_swag/ minie_swag e Erami / Erami4 por ter tido paciência para betar essa fanfic e por me dar dicas e conselhos para que ela pudesse chegar perfeita e sem furos no roteiro para vocês! Obrigada, galera!


Eu queria agradecer também a vitoriasifrid77/vitoriasifrid77 por fazer essa capa e banner maravilhosos. Você superou as minhas expectativas de um jeito que não sei explicar. Agradeço também a Milena por me ajudar a pensar no estilo da capa! Agradeço aos meus amigos e colegas pelo apoio na escrita dessa fanfic também.


Por último, agradeço você leitor por ter dado chance a essa história! Me conte o que você achou do primeiro capítulo e quais são suas expectativas para o próximo?

6 сентября 2022 г. 23:57:42 0 Отчет Добавить Подписаться
3
Прочтите следующую главу Você está bem?

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~

Вы наслаждаетесь чтением?

У вас все ещё остались 7 главы в этой истории.
Чтобы продолжить, пожалуйста, зарегистрируйтесь или войдите. Бесплатно!

Войти через Facebook Войти через Twitter

или используйте обычную регистрационную форму