Короткий рассказ
1
1.9k ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Único

Eu recebia os melhores convites para as festas. Estava cercada de bons amigos, do mesmo ramo em que eu trabalhava. Eu era uma artista completa. Sabia cantar, dançava bem e o meu forte era em cima do palco. Eu realmente dava um show. Não interessa se era uma peça de teatro ou um monólogo.

Em uma dessas apresentações, encontrei ele. Estava distraído com seus amigos, rindo deles. Estávamos prestigiando um colega em comum, que ganhara um importante prêmio de teatro. Nossos olhares se cruzaram e fui cumprimentá-lo.

-Você está linda hoje! – Ele beijou a minha mão em falsa cortesia. Estava debochando deste gesto, para fazer graça.

A situação fora suficiente para descontrair. Quebrar padrões de elegância me fazia ficar bem. Não gosto de ser paparicada e muito cuidada o tempo todo. Havia contado a ele, na entrevista que fizemos na semana passada. Fiquei surpresa pela lembrança.

-E você muito pomposo. – Fingi cumprimenta-lo à moda antiga. Segurando uma ponta do vestido e abaixando graciosamente.

-Pomposo? – Enquanto segurava a minha mão ainda, caímos na gargalhada envergonhada pela péssima piada.

Mas isso, foi há muito tempo. O que queria escrever mesmo é sobre esse dia. Em que já compartilhamos nossa vida juntos. Não havíamos assumido nosso relacionamento, o que era ótimo para ambos.

Queria demonstrar o quanto ele era especial para mim. O quanto meu coração estava entregue. Comprei uma lingerie nova e escolhi uma música dançante. Feeling good. Tudo o que quero significar pra você.

Coloquei ele em uma cadeira, me posicionei à sua frente e atrás de mim, a cama. Apaguei as luzes e saí de cena. Voltei com uma lanterna pequena que iluminava apenas o que eu queria mostrar. Entreguei o que podia na dança.

Primeiro os pés, descalços. Girei na ponta do pé e iluminei um pouco a panturrilha. Iluminei o caminho até ele e voltei aos meus pés. Enquanto caminhava na direção dele, só os meus pés apareciam. Ele tentou me fazer algum carinho, mas parei com um leve tapa na mão. Desliguei a luz e tateei até achar a sua coxa. Fui encostando o meu nariz até chegar perto do seu pescoço.

-A única regra é não me tocar, até eu mandar. – Sussurrei no seu ouvido, enquanto apoiava minhas mãos em sua perna. Liguei a lanterninha de novo e ficamos nos olhando à meia luz. Aproximei-me dele, mas não o beijei. Eu só conseguia pensar no quanto estávamos apaixonados. Eu tinha a atenção dele naquele momento singelo. E senti sua rendição.

Ao me virar para voltar ao meu “palco”, abri suas pernas e sentei no seu colo, rebolando. Andei mais um pouco e iluminei a calcinha fio dental. Fiquei de quatro, com a lanterna no chão, me iluminando de relance. Empinei a bunda e senti o seu polegar escorregar do meu clitóris até o meu ânus, apertando a minha bunda no final. Eu queria ser penetrada por aqueles dedos, já não aguentava mais ter que esperar.

-Eu te quero. – Ele pedia, segurando o pênis.

-Mas eu ainda não terminei... – ainda de quatro, rebolei para provocá-lo.

-Foda-se... Vem cá! – Ele saiu da cadeira e se posicionou por trás de mim, me pegando pela cintura e puxando para o seu quadril. Senti seu pênis querendo entrar por cima da calcinha.

Esfregando enquanto ele alisava as minhas costas e até a minha nuca. Senti seu corpo cair em cima do meu, me rendi. Eu queria muito dar para ele. Nos abraçamos e nos beijamos no carpete felpudo. Fiquei por cima e tirei meu sutiã. Suas mãos grandes apalparam os meus seios médios. Eu não sei se era êxtase, mas era algo forte. Um impulso dentro do peito que queimava. Eu olhei para o teto enquanto sentia as carícias no meu corpo. Estava embriagada por aquele momento.

Seus dedos vieram até a minha boca e me puxaram.

-Eu te amo. – Falamos ao mesmo tempo. Sérios, com desejo.

Ele pegou o meu rosto e me beijou. Eu retribuí o impulso e segurei seus braços, direcionando para o meu quadril. Ele afastou a minha calcinha e me penetrou. Deixei o peso do meu corpo cair e comecei a mexer o quadril. Ele se escorou ao pé da cama e continuei rebolando, sentada no seu colo. Beijei seu pescoço, sua bochecha, sua boca. Ele me abraçava e eu quase sumia em seus braços. O silêncio que se fazia entre uma respiração e outra, era casa, era ouro.

27 февраля 2022 г. 1:20:02 3 Отчет Добавить Подписаться
5
Конец

Об авторе

Krishna Grandi Sou escritora, atriz e publicitária. Gosto de escrever sobre tudo um pouco, mas tenho focado em escrita sexy, contos de suspense, mistério, drama e comédia. São os meus favoritos. Quero fazer amigos, contatos e parcerias. Um beijo. www.krishnagrandi.com Se você precisar de uma capa para seu e-book ou história, pode vir falar comigo no Insta!

Прокомментируйте

Отправить!
LIPSTTER LIPSTTER
Olá? Faço parte da Embaixada brasileira do Inkspired e estou aqui para parabenizar pela verificação da sua história. Primeiramente, adorei sua escrita. Segundo, você conseguiu entregar bom humor, diálogo e cenas quentes na medida certa. Foi uma leitura agradável, fluído, envolvente. Você tem bastante talento. Agora, sobre sua personagem; o que achei interessante na personagem foi sua delicadeza, mas, que quando necessita utilizar sua fatalidade, vai com charme e firmeza. É uma personagem bastante atraente, já torcendo por uma futura continuação, nem que seja uma spin off. Vou adorar! Sobre sua gramática e ortografia, se encontram em um nível satisfatório, ambos muito bem trabalhados. Parabéns! Por fim, gostaria de dizer que adorei ser envolvido por suas palavras, me prendeu de uma forma magnífica. Nunca esqueça que há muito talento em suas mãos. Até mais, querida autora. Espero que você continue escrevendo. Te desejo muito sucesso, porque você merece!

  • Krishna Grandi Krishna Grandi
    Oiee, tudo bem?? Ah, que felicidade te ver por aqui! Obrigada, vou considerar um universo em que essas personagens apareçam fatalmente pra matar vocês do coração hahaha Obrigada pelo carinho, <3 Bjbjbjs April 05, 2022, 18:51
Andrey Souza Andrey Souza
Excitante 🤩🤩
~