anastasya Anastasya Carpodi

[Taekook] [PWP] ― Lovely. ― Taehyung cantarolou baixinho em seu ouvido, os lábios roçando delicadamente contra o lóbulo adornado por argolinhas de prata. ― Never ever change. Jungkook sorriu ao sentir um beijo ser depositado em seu pescoço, bem na pintinha que havia ali. Taehyung adorava beija-lo ali. ― Keep that breathless charm. Won't you please arrange it. Delicadamente, Taehyung resvalou a ponta do nariz pela pequena cicatriz em sua bochecha e o mais novo se sentiu derreter em seus braços. ― Cause I love you ― a voz do Kim soou ainda mais baixa e arrastada nessa frase, os corpos balançando-se suavemente em sintonia da esquerda para a direita. Jungkook suspirou baixinho quando sentiu uma das palmas quentes de seu noivo apertar levemente sua cintura, num carinho suave. ― Just the way you look tonight. *** Na qual Taehyung só queria que Jungkook fosse apaixonado por si mesmo como Taehyung era apaixonado por ele.


Фанфик 18+. © Todos os direitos reservados.

#BTS #fanfic #kimtaehyung #jeonjungkook #Jungkook #vkook #taekook #taehyung # #+18
Короткий рассказ
0
391 ПРОСМОТРОВ
Завершено
reading time
AA Поделиться

Transborde-me

—Quando Jungkook chegou em casa naquela noite, não queria mais que deitar encolhidinho na cama e chorar até dormir.

Seus dias vinham sendo mais que cansativos há pouco mais de um mês, quando havia sido contratado por uma revista de moda para ser fotógrafo. Além de precisar lidar com modelos mesquinhas e mimadas durante o dia inteiro e ser mandado e desmandado por todos naquela maldita empresa, cada par de olhos do prédio parecia sempre julgá-lo. O olhavam de cima a baixo, cochichavam ou riam. Jungkook não fazia a mínima ideia do porquê aquilo acontecia, mas estava se sentindo a pessoa mais horrível do universo.

Sinceramente? Só queria sumir.

No entanto, no instante em que abriu a porta do apartamento e encontrou tudo escuro, percebeu que seus planos de se enfiar sob as cobertas e chorar até desidratar não seriam levados adiante.

Seus olhos rapidamente deslizaram pela trilha de pétalas vermelhas no chão e seu coração deu um salto dentro do peito ao que fechou a porta com a mão livre – a outra carregava uma mochila – e seguiu o caminho indicado. Mordeu o lábio inferior quando finalmente abandonou o corredor de entrada e deu de cara com a sala de estar completamente iluminada apenas por velas. A varanda estava aberta, fazendo com que as cortinas claras voassem levemente com a brisa e as chamas se agitassem, criando sombras distintas nas paredes.

Foi automático o momento em que seus lábios se curvaram num sorriso quando os olhos escuros capturaram a visão do seu noivo sem camisa atrás da bancada da cozinha, enchendo duas taças de vinho.

Foi aí que a realização alcançou seu rosto e o mesmo arregalou os olhos:

― Não me diga que eu esqueci do nosso aniversário.

Taehyung sorriu e negou, aproximando-se. Estendeu uma das taças em sua direção e quando Jungkook finalmente pegou o objeto de cristal entre os dedos, o Kim não se demorou em pegar a mochila do amado e a largar sobre uma das banquetas da cozinha.

― Você esqueceu do seu aniversário, meu amor ― respondeu, a voz grave soando rouca e reverberando pelo cômodo parcialmente iluminado.

― Eu não esqueci... – começou o Jeon, mas logo se interrompeu, erguendo as sobrancelhas. ― Hoje é dia primeiro de setembro ― afirmou e Taehyung assentiu.

― Feliz aniversário, babe.

Quando brindaram as taças, Jungkook riu. Que tipo de pessoa esquece de seu próprio aniversário? Ele sempre contava os dias para essa data, todos os anos, mas aparentemente de uns meses para cá ele havia perdido o interesse nisso. Se deixou ser guiado pelo noivo até o sofá, onde sentou-se e teve sua companhia ao seu lado após o acastanhado colocar uma playlist para tocar na tevê.

― Achei que você ia me levar para comer um hambúrguer ou algo assim.

― Percebi que você andava meio cabisbaixo ― disse Taehyung, entrelaçando seus dedos. Jungkook sorriu pequeno ao ver as alianças de noivado brilhando sob a luz amarelada das velas. ― E quis fazer algo especial. Por que? Não gostou? Se quiser a gente pode só sair e ir lá na hamburgueria da rua-

O Jeon o interrompeu ao rir, negando com um aceno. Segurou o rosto alheio com uma das mãos e se aproximou até ser capaz de unir os lábios aos do mais velho, lhe dando um simples selar. Sorriu ao afastar-se minimamente.

― Eu amei, obrigado. Você é perfeito.

Taehyung deixou que um sorriso preenchesse seus lábios e o beijou novamente. Permaneceram daquela forma, lado a lado, sentados no sofá, enquanto conversavam e riam sobre coisas do dia-a-dia. Jungkook sequer lembrava de que queria, na verdade, chorar. Pelo menos até ouvir aquelas palavras deixarem a boca de seu amado.

O Kim tinha um dos braços apoiados nas costas do sofá e um sorriso pequeno no canto dos lábios enquanto observava o noivo gesticular com uma das mãos e falar ligeiro sobre alguma situação engraçada que havia lhe acontecido naquela manhã. Apesar de ter os olhos fixos no mais novo, Taehyung não fazia a mínima ideia do que deixava seus lábios. Estava ocupado demais em observar como o amor da sua vida era simplesmente etéreo.

A pessoa mais bonita que ele já havia pousado os olhos.

― Você é lindo ― disse subitamente quando o noivo parou seu monólogo para tomar mais um gole de vinho.

Instintivamente, Jungkook se encolheu e negou, o sorriso abandonando seu rosto ao que desviou o olhar para a chama de uma das muitas velas no lugar.

― Para, Tae ― sorriu sem graça, colocando a taça sobre a mesinha de centro apenas para cobrir o rosto com ambas as mãos. ― Eu estou longe de ser lindo. Meu cabelo está tão oleoso que dá para fritar um pastel e minha pele está cheia de espinhas. Fora que eu estou sem maquiagem ― disse abafado contra suas palmas, quase em um choramingo.

Taehyung franziu o cenho para aquelas palavras e abandonou sua própria taça sobre a mesinha de vidro segundos antes de se inclinar na direção do moreno e segurar delicadamente ambos os pulsos, afastando as mãos alheias de seu rosto. Seu coração doeu quando encontrou aqueles olhos redondos e que abrigavam todas as estrelas do céu em sua imensidão negra, marejados. A ponto de transbordar.

― Você é a pessoa mais linda que já pisou nessa Terra, Jeon Jungkook. Só que seus olhos estão sempre tão focados em capturar a beleza das outras pessoas através da lente da câmera que você esquece de ver a sua própria.

Jungkook sequer sabia o que responder. Abriu e fechou a boca algumas vezes, mas as palavras pareciam ter se perdido no mar de pensamentos em sua cabeça. Felizmente, elas não foram necessárias, pois no segundo seguinte, quando leves acordes de violão abandonaram as caixas de som da tevê, Taehyung se pôs de pé e lhe estendeu a mão destra.

― Me dá a honra desta dança, meu amor?

Aquela ação empurrou o Jeon direto para uma memória há muito enterrada em seu subconsciente. O dia em que ele conheceu seu noivo. Era o baile de fim de ano da escola, no seu último ano do ensino médio, e Jungkook havia ido à festa mesmo sem um acompanhante – e por causa disso, estava sentado nas arquibancadas, amassando o terno que sua mãe havia alugado especialmente para aquele dia, enquanto via os outros se divertirem. Foi quando Taehyung apareceu. Outro "fracassado" que havia ido ao baile sem acompanhante. Ele simplesmente parou na sua frente, abriu um largo e singular sorriso, e lhe estendeu a mão para uma dança.

A memória se passava tão vívida em sua mente que Jungkook sequer percebeu que já estava de pé no centro da sala de estar, a cabeça apoiada contra o ombro de Taehyung, onde uma de suas mãos também jazia. A outra era envolta pela palma quente do Kim, que também enlaçava sua cintura com o outro braço enquanto balançavam suavemente de um lado para o outro, quase sem sair do lugar. Simples assim eles se encaixavam como peças perfeitas de um quebra-cabeças. Era como se tivessem sido moldados especialmente um para o outro.

Lovely. ― Taehyung cantarolou baixinho em seu ouvido, os lábios roçando delicadamente contra o lóbulo adornado por argolinhas de prata. ― Never ever change.

Jungkook sorriu ao sentir um beijo ser depositado em seu pescoço, bem na pintinha que havia ali. Taehyung adorava beija-lo ali.

No entanto, fora apenas no próximo verso cantado aos sussurros apenas para si, que o moreno reconheceu a canção de Frank Sinatra – um dos cantores favoritos do seu amor, se não o favorito. Admitia que não compartilhava do mesmo gosto musical do mais velho, no entanto qualquer música se tornava apaixonante quando cantada por aquela voz grave e rouca exclusivamente para si.

Keep that breathless charm. Won't you please arrange it.

Jungkook sentiu seus lábios comportarem um sorriso quando o outro o afastou de si, esticando um dos braços apenas para puxa-lo de volta num giro, o fazendo colar as costas em seu peito desnudo. Delicadamente, Taehyung resvalou a ponta do nariz pela pequena cicatriz em sua bochecha e o mais novo se sentiu derreter em seus braços.

Cause I love you ― a voz do Kim soou ainda mais baixa e arrastada nessa frase, os corpos balançando-se suavemente em sintonia da esquerda para a direita. Jungkook suspirou baixinho quando sentiu uma das palmas quentes de seu noivo apertar levemente sua cintura, num carinho suave.

Estavam tão próximos que o mais novo era até capaz de sentir o coração forte pulsando contra suas costas, bombeando todo o amor que o outro sentia naquele momento através de seu corpo. Aquele era seu mundinho particular. Apenas deles.

Just the way you look tonight.

Taehyung não cantou novamente, mas quando virou o corpo do mais novo de frente para si mais uma vez, juntou-lhe as testas, permitindo que Jungkook fechasse os olhos para apreciar completamente daquele terno e suave toque.

― Eu amo você. Absoluta, inteira, completa e verdadeiramente. Cada pedacinho. Desde essa ruginha que sempre aparece quando você sorri, ― tocou delicadamente, com a ponta dos dedos, a ponte do nariz do mais novo. Exatamente entre os olhos. Instintivamente Jungkook esboçou um sorriso, enrugando aquela parte de seu rosto. ― até aquele sinalzinho que você tem bem no...

O Kim se calou numa risada quando o noivo simplesmente lhe acertou um tapa no ombro, as bochechas gritando num tom vivo de rosa com a simples menção daquele pontinho negro minúsculo num lugar tão íntimo.

― Você estava indo bem, todo romântico.

― Estava?

― Estava.

― Não estou mais?

Jungkook negou com um aceno.

― Então deixa eu recuperar meus pontos, hm? ― Pediu sem se conter, subindo ambas as mãos para encaixar na cintura delgada do mais novo. ― Deixa eu te amar todo. Deixa eu te mostrar o quão lindo você é, o quão perfeito.

O mais novo não fez mais que morder o lábio inferior, prendendo-o entre os dentinhos avantajados ao assentir algumas vezes, enlaçando-o os ombros com os braços apenas para poder juntar-lhe as bocas num beijo rápido.

― Me ame, Kim Taehyung.

Não foram necessárias demais palavras antes de Jungkook ser guiado para o quarto, os últimos acordes de The way you look tonight soando pela casa junto aos passos leves no assoalho escuro. Quando finalmente alcançaram a cama – essa que, pasmem, também estava repleta de pétalas –, o Jeon teve suas roupas removidas com uma velocidade torturante. Taehyung gostava de apreciar cada momento, saboreando-os como se fossem os últimos.

Não havia tempo a ser gasto naquele momento pois todo o tempo pertencia a eles. O relógio pararia os ponteiros apenas para que pudessem se amar calmamente.

Totalmente despido sobre os lençóis macios, Jungkook subitamente se sentiu exposto demais. Taehyung ainda estava completamente coberto, ajoelhado entre suas pernas e o olhando com uma intensidade inebriante. Então estar ali, nu e deitado com as penas abertas para comportar o corpo alheio entre elas o fez sentir-se tímido, apesar de saber que seu noivo já conhecia seu corpo inteiro como a palma da própria mão. Reconhecia seus pontos mais sensíveis, onde deveria apertar, quando apertar, com qual intensidade, os pontos proibidos porque lhe causavam cócegas, cada pequena e mínima curva em seu corpo.

Taehyung havia memorizado cada pequena pintinha pela derme clara, cada pequena linha esbranquiçada nas laterais do quadril de seu amado, cada curva pequena e sutil que seu corpo tinha e até mesmo a profundidade das covinhas de vênus na base de suas costas. Ele era simplesmente apaixonado por cada pequeno e singelo detalhe que compunha Jeon Jungkook e poderia passar horas e horas apenas admirando-o como uma obra de arte.

No entanto, tudo o que fez foi sorrir para as bochechas rubras do mais novo e se debruçar sobre seu corpo, beijando-o. Não apenas seus lábios, mas também suas bochechas, mandíbula, pescoço. Taehyung o beijou por inteiro, o marcou de pequenas manchinhas avermelhadas conforme se abaixava entre as coxas roliças do moreno.

― Você é perfeito, amor ― disse baixo, a voz de timbre profundo se mesclando à melodia suave de Can't Help Falling In Love. Ele depositou um novo beijo na coxa interna do moreno, mordendo-o de levinho ali pois era um dos pontos que Jungkook mais era sensível. O mesmo suspirou. ― But I can't help falling in love with you...

Jungkook automaticamente fechou os orbes negros e levou uma das mãos aos fios castanhos de Taehyung, este que não pôde evitar o sorriso no canto de seus lábios quando mirou aquela pintinha solitária num lugar um tanto incomum em Jungkook. Um único pontinho negro bem na glande de seu pênis. Até aquilo o Kim achava adorável e quando dizia que gostava de beijar cada marquinha em seu corpo, se referia a cada marquinha em seu corpo.

Jungkook ofegou quando sentiu os lábios úmidos de Taehyung em seu membro. Primeiro num toque suave entre as peles e logo uma pequena bagunça de saliva que escorria por seu comprimento até se chocar contra a virilha quase completamente livre de pelos. O Jeon gemia, arqueando de levinho as costas sobre o colchão. Os sons que abandonavam seus lábios se mesclavam à melodia que percorria a casa, na mais bela sinfonia que Taehyung já havia tido o prazer de presenciar.

Era simplesmente perfeito. Tudo sobre Jungkook era perfeito.

― T-Tae!

O gemido manhoso que alcançou os tímpanos do Kim no exato momento em que ele penetrou um dos dedos no mais novo fez um arrepio lhe percorrer o corpo. O peito de Jungkook subia e descia num ritmo calmo, apesar dos lábios repartidos emitirem mais e mais sons com o passar dos segundos. Tentou, instintivamente, fechar as pernas quando sentiu aquele choque de excitação percorrer cada nervo de seu corpo ao que seu ponto doce era acariciado numa lentidão torturante, mas Taehyung fora mais rápido e as segurou no lugar com a mão livre.

― Geme para mim, amor. Me deixa te ouvir, quero te apreciar por inteiro.

Jungkook não se conteve. Quando o mais velho voltou a deitar sobre seu corpo enquanto ainda o fodia com os dedos, teve seu pescoço enlaçado pelos braços de Jungkook, que fazia questão de contar em seu ouvido, em forma de gemidos, o quanto estava se deliciando com tudo aquilo.

Eles conversavam sem palavras, através de seus corpos, e essa era uma das melhores sensações que Jungkook já havia sentido em sua vida.

― Eu t-te quero dentro de mim ― Jungkook sussurrou em seu ouvido, sentindo que seria capaz de atingir seu ápice apenas com aqueles míseros toques em seu interior.

Taehyung não se demorou a atender o pedido do aniversariante, alcançando o lubrificante – de morango – sobre a mesa de cabeceira e logo deitando-se ao seu lado na cama espaçosa após se livrar da calça de moletom que usava e colando as costas alheias em seu peito desnudo. Jungkook gemeu quando uma das mãos de seu noivo serpenteou por entre suas pernas, espalhando lubrificante em sua entrada.

― Se doer me avisa e eu paro, hm? ― Taehyung beijou sua nuca, logo ganhando um assentir leve do mais novo. Jungkook fez questão de empinar a bunda em direção à sua virilha conforme se sentia ser preenchido lentamente, com cuidado. O Kim era extremamente carinhoso e continuava dizendo palavras doces ao pé de seu ouvido, vez ou outra alternando a função de seus lábios para deixar algumas mordidinhas ou beijos na curva de seu pescoço.

Jungkook não pôde evitar de fechar os olhos com força quando sentiu-se ser alargado daquela maneira. Não doía, era apenas incômodo, mas ao ver a expressão de cenho franzido do noivo, Taehyung sequer pensou duas vezes ao conter-se, não fazendo quaisquer movimentos que pudesse incomodar ainda mais o outro.

― Kook-ah? Amor? ― Chamou baixinho, as sobrancelhas juntas. ― Quer que eu pare?

Jungkook prontamente negou com os lábios apertadinhos, virou o rosto na direção do amado e esboçou um pequeno sorriso.

― Você disse que ia me amar todo. Não se atreva a parar ― foi o que disse, num tom tão baixo quanto os sussurros que ecoavam das caixas de som da tevê junto à melodia do violão. ― Eu quero transbordar.

Taehyung o beijou apaixonadamente, dando a primeira estocada que pegou o moreno de surpresa, fazendo-o soltar um gemido manhoso contra os lábios alheios e fechar os olhos para se deliciar inteiramente com aquele momento perfeito. No entanto, sua ação de juntar as pálpebras não fora admirada pelo mais velho, que grunhiu e segurou seu rosto, virando-o para frente.

― Abre os olhos, amor.

No instante que Jungkook o fez, encontrou o espelho que tomava parte da parede norte do cômodo. Mostrava a cama em que estavam e, consequentemente, ambos os corpos. Corou e instintivamente quis desviar o olhar, mas Taehyung foi firme em segurar sua mandíbula naquela direção, chupando devagarinho o lóbulo de sua orelha adornada por duas pequenas argolas de prata.

― Eu quero que você veja o quão belo é ― Taehyung sussurrou de forma grave contra seu ouvido, como um segredo particular dos dois, no mesmo momento em que estocou mais uma vez, fazendo o Jeon repartir os lábios num gemido mudo. ― Não sou eu quem vou te fazer transbordar, amor. É você.

Jungkook compreendeu aquelas palavras. Taehyung não queria que ele gozasse com as investidas contra si, queria que ele gozasse admirando a si mesmo. Queria que visse aquela imagem refletida no espelho e se sentisse excitado com o que seus olhos capturavam. Que se sentisse tão apaixonado pela própria imagem quanto Taehyung era apaixonado por si.

Não foi uma tarefa árdua.

Quando Taehyung tirou a mão de seu rosto e a usou para segurar uma de suas coxas, Jungkook teve a liberdade de mergulhar diretamente no que aquele reflexo exibia.

De lado, na posição em que estavam, o Jeon não conseguia ver mais que seu próprio corpo e alguns pedaços do mais velho. Os cabelos negros caiam sobre os olhos de mesma tonalidade enquanto os lábios separados expulsavam sons baixos e arrastados de prazer. Seu rosto estava avermelhado, assim como o pescoço e parte do peito. Jungkook odiava olhar sua barriga depois que havia perdido a definição dos músculos da região, mas naquele momento se atreveu a desviar os mirantes até aquela região de seu corpo.

Era apenas uma pequena massa branca com algumas manchinhas roxas causadas pela boca habilidosa de seu noivo, assim como algumas mordidas espalhadas pelo tronco e coxas.

Taehyung sorriu pequeno quando notou que seu menino em momento algum havia desviado o olhar do espelho. Ao invés disso, deslizou com a suavidade de uma pétala os dedos pelo próprio tronco. Dedilhou os mamilos intumescidos, arfando ao beliscar de levinho o esquerdo. Era deveras sensível ali também. Arrastou as pontinhas dos dedos pelas costelas marcadas, a cintura bem delineada e até mesmo pelo quadril com algumas marcas clarinhas de estrias que ele sempre detestou. Um arrepio tomou conta de sua derme, lentamente eriçando cada pelinho de seu corpo.

Agora até mesmo aquele detalhe parecia um mero charme seu.

Taehyung, que ainda arrematava contra si tão lenta e cuidadosamente que até parecia a primeira vez, causou-lhe outra onda de arrepios ao mordiscar sua nuca.

― Você vê, Jungkook-ah? Cada curva, cada marca, cada milímetro de pele. Você é uma obra de arte ― as palavras colocadas em seus tímpanos tinham um impacto muito maior quando os orbes negros do mais novo eram capazes de acompanhar cada mínimo movimento que seu corpo fazia a cada vez que sentia o outro alcançar seu ponto mais fundo dentro de si. ― e eu posso dizer isso quantas vezes forem necessárias.

Jungkook não o respondeu. Sequer precisou.

O olhar luxurioso que se derramou sobre seu próprio reflexo foi a melhor resposta que Taehyung poderia receber naquela noite. Jungkook não se privou de nada. Sentiu cada parte de seu corpo em chamas apenas por encarar sua própria figura no espelho, ouviu cada palavra que deixava os lábios de seu noivo num sussurro melódico, tocou todos os centímetros de pele que pôde encontrar, apaixonando-se novamente por si mesmo.

Ele gozou duas vezes naquela noite.

Uma, completamente inebriado por seu próprio corpo e toques.

E outra vez quando se entregou de corpo e alma ao seu noivo, que transbordava amor por si e o ensinava a transbordar também.

No fim das contas, Taehyung só queria lembrar do seu amor exatamente como ele estava naquela noite, completamente apaixonado por si mesmo.

9 мая 2021 г. 14:13:32 0 Отчет Добавить Подписаться
0
Конец

Об авторе

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~

Похожие истории