Para todos os textos que não publiquei Подписаться на блог

lethwen Vanessa Para todos os textos que não publiquei, abrange um amontoado de aconselhamentos sobre a escrita textual para iniciantes.

#português #Dicas-de-escrita #Aconselhamentos #Para-iniciantes
AA Поделиться

Cronograma de escrita e dicas para iniciantes que desejam escrever uma estória longa.

Ainda não revisei.

Para ser um escritor, independente da categoria que você optar: Contos, livros completos ou fanfictions, é interessante estabelecer uma rotina de escrita. Quando seguimos um cronograma por tempo suficiente para tornarmos a repetição parte da rotina, isso se torna um hábito. Para isso devemos estabelecer um padrão nessa rotina de escritor, para que possamos aproveitar o tempo disponível em máxima produção.


Cronograma de escrita e dicas para iniciantes que desejam escrever uma estória longa.


Primeiro passo: Estabeleça um cronograma.


Para estabelecer um cronograma, é necessário que você defina os seus prazos de início e entrega da estória escrita. O projeto deve estar concluído em seis meses? Um ano? O importante é que você estabeleça um prazo condizente com a quantidade de capítulos que irá escrever. Não adianta estabelecer um prazo curto para uma quantidade exorbitante de páginas.


Lembre-se: Quando não alcançamos as nossas metas estabelecidas, ou quando quebramos um cronograma, geralmente ficamos desanimados, por isso evite esse tipo de problema ao estabelecer tempo suficiente (de acordo com a sua rotina) para terminar o projeto sem pressa.


É interessante que você desenvolva o hábito de escrever um pouco todo dia, ou se a sua rotina for cansativa, opte por escrever no mínimo três vezes na semana, em média de trinta minutos a uma hora por dia. Desse modo evita o cansaço e a produção tem uma qualidade maior.


O ponto importante do cronograma é enxergar qual o seu nível de produção nos dias propostos por você mesmo. O nível de produção envolve desde o número de palavras até a quantidade de páginas escritas em determinado tempo. Desse modo é mais fácil enxergar quanto tempo você levará para concluir um capítulo. E com passos curtos e seguros, você vai aguçando a sua visão para o tempo em que o livro — ou qualquer obra com vários capítulos — ficará pronto.


Segundo passo: Cuidado com a inspiração!


Aqueles momentos em que algo nos inspira, seja uma série, música ou outro livro, é simplesmente o minuto ideal para iniciarmos (ou darmos continuidade) a um projeto. Embora a inspiração remete a produção, muitos escritores (inclusive eu) deixam para escrever apenas quando a bendita inspiração surge.


Você acha legal escrever, por exemplo, só duas vezes na semana por umas quatro horas em um único dia? Provavelmente isso afetará a qualidade do seu texto, além de desgastar a sua mente. Esqueça esse papo de escrever só quando bate a inspiração, porque isso pode te induzir ao erro.


Escrever no impulso pode gerar ideias novas que contradizem o enredo já criado. Sabe aquele papo de “Vou acrescentar uma coisa aqui, outra ali, e talvez descrever aquela luta lá”? Logo a estória vira uma bagunça.


Além de ter o risco de fazer essa bagunça, nós costumamos passar por períodos longos de falta de criatividade e inspiração. Isso aí quebraria o prazo estipulado na sua mente (caso você não use cronograma físico).


Terceiro passo: Simplesmente escreva.


A maioria das pessoas possui uma rotina corrida, seja no trabalho, escola, faculdade ou família para cuidar. Toda essa correria do dia a dia faz com que o cansaço nos consuma, e isso induz a aquela básica preguicinha de “vou deixar para amanhã”.


Escreva mesmo cansado. Simplesmente escreva. Se for preciso, abra dois documentos no word, um para o rascunho que você irá analisar depois, e outro caso sinta segurança o suficiente para jogar tudo no arquivo que contém a estória estruturada.


Se você tem medo de deixar algum erro passar, use esse método de rascunhos para cada parte que você for escrever. Depois é só ler as pequenas partes e organizá-las na estória original.


Eu já cometi alguns erros bobos por escrever cansada, como errar o nome de algum personagem (por estar com dois ou três projetos em andamento ao mesmo tempo), e essa tática de dividir meus rascunhos (com organização, é óbvio), me ajudou a revisar pequenos trechos e depois unir tudo.


O problema de deixar para amanhã ou ficar com desculpa que o cansaço é o seu inimigo, é que infelizmente o cansaço sempre estará presente, os imprevistos acontecem e o nosso humor pode influenciar muito no rumo da escrita. Por isso, é importante que você escreva (mesmo cansado), respeitando o seu cronograma.


Estabeleça metas a médio/longo prazo para não se cobrar tanto caso aconteça um imprevisto.


Essa vida de escritor não é fácil, mas é essencial que você aprenda a conciliar esse lado com a sua rotina pessoal, ou simplesmente vai virar um “escrevo por obrigação”.


Bônus: Dicas de como escrever uma estória longa para iniciantes.

Comece com poucos capítulos.


É uma dica curta e simples: Comece com capítulos únicos, ou seja, escreva uma estória com apenas um capítulo. Desse modo, você pode estudar todo o contexto e decidir se está tomando o rumo certo para escrever sobre o gênero escolhido.


Existem todos os tipos de dificuldades quando se trata de um texto dividido em vários capítulos (que pode dar surgimento a um livro completo). As dúvidas costumam ser em relação a descrição de cenas de ação, cenas com sexo explícito e a montagem da personalidade dos personagens. Se você tem alguma dificuldade na escrita, essa dica também vale para você.


Depois que sentir mais segurança, aumente o número de capítulos. Escreva um texto com dois, três ou mais capítulos, até chegar no número que você deseja para narrar uma estória completa.


Publique apenas se tiver um cronograma fixo ou se o livro estiver completo.


Cobrança para atualizar os capítulos é triste, não é mesmo? Para evitar que você caia em uma frustração por não atender às suas próprias exigências, deixe para publicar os capítulos somente se o livro estiver completo, ou se você seguir um cronograma confortável.


Caso você seja um escritor muito ansioso e precise publicar (muitas vezes para deixar a sua marca autoral em um enredo), tenha alguns capítulos prontos na sua ferramenta de escrita, assim você já sai adiantado com as postagens.


Prazos são importantes, mas não devem te levar ao desânimo e incapacidade de continuar. Torne a escrita um hobbie prazeroso.


Próximo tópico: Tema em construção.

4 мая 2019 г. 19:25:17 0 Отчет Добавить 122
~

Como descrever cenários, ações e personagens

Pequeno aviso da autora: Posso demorar para atualizar mais do que os quinze dias de prazo que estipulei. A minha rotina não é tranquila, sempre estou com algum projeto ou cronograma do dia a dia. Mas não vou deixar esse projeto de lado.


Perdoem os erros.


Como descrever cenários, ações e personagens.


Cenários

Na minha opinião, nada mais justo do que começar a explicação nos cenários. No meu dia a dia, eu sinto mais facilidade ao criar um personagem, suas ações e emoções quando eu já tenho um cenário definido.


Quando você for elaborar um cenário para a sua estória, levando em consideração que você já tenha o assunto/tema/enredo rascunhado, existem alguns pontos chaves que devem ser analisados para começarmos. São eles:


  • O cenário que você imagina condiz com o enredo (época)?
  • O quão importante é o cenário para o seu personagem?
  • Quais são as características principais do cenário? (Levando em conta pontos que chamam a atenção do leitor, que o faça imaginar).


Algo que você precisa ter em mente é a combinação do cenário descrito com a época que o seu enredo abrange. Já pensou como seria estranho você descrever uma rua com carruagens, cavalos e uma paisagem completamente rústica em pleno século 21? Você pode descrever isso se especificar que se trata, talvez, de uma cidade que ainda preserva a cultura antiga. Nesse ponto que enxergamos como é importante explicar alguns buracos no enredo.


A estória é fictícia e você pode viajar como desejar, mas a sua forma de pensar não é a mesma do seu leitor, por isso a descrição é muito importante.


Entramos naquele dilema: Detalhar bem ou superficialmente?

Eu sou uma leitora compulsiva de romances. Posso dizer com base em vários livros lidos, que um cenário bem detalhado é o mínimo esperado, mas detalhes demais deixam a leitura pesada e enjoativa. Parei de ler alguns livros por não conseguir engolir tantos detalhes maçantes. Algumas dicas são:


  • Detalhe só o essencial - Não tente descrever cada objeto que está no cômodo ou no cenário exterior. Tente resumir para o local onde o seu personagem permanecerá ou passará. Ninguém quer saber quantas vezes a goteira da pia pinga.
  • Use uma imagem como referência - Se você tem dificuldade para descrever qualquer ambiente, fica muito mais fácil quando você tem uma imagem como referência.
  • Atente-se ao tempo, clima, geografia e espaço - Se o seu leitor não sabe em qual parte do dia está a leitura, qual o clima, se tem muitas flores ou árvores ou se o cômodo é moderno ou rústico, é hora de descrever tudo isso, mas de uma forma fluída. Faça uma misturinha objetiva.


Exemplo: Marry prendeu a respiração inconscientemente quando os olhos recaíram sobre a decoração recente do seu novo apartamento. O papel de parede esverdeado contrastava perfeitamente com as almofadas amarelas e o sofá amarronzado. O vaso de cerâmica branco tingia o assoalho, assim como a luz do dia refletia através da janela aberta. A televisão de plasma na parede a fez reconhecer que todo o trabalho valeu a pena.


Não descrevi todos os objetos, mas já é uma entrega satisfatória ao leitor.


Por fim, reflita a descrição do cenário com as ações do seu personagem - Como no exemplo acima, é perceptível que eu uni as ações da personagem com a descrição de um cômodo. Para tornar menos maçante, tente fazer isso. Isso também serve para o humor, experiência e visão particular do personagem criado. Se o seu personagem está acostumado com a vida moderna em um apartamento no centro de uma cidade grande, é óbvio que ele vai estranhar uma casa de campo simples. Misture essa visão particular com a descrição e fará mais sentido. Você não estará descrevendo apenas um “quadro/pintura/cenário”, mas estará entregando ao leitor o entendimento de que um cômodo específico pode influenciar no seu personagem.


Criando um personagem

Antes de pularmos para a parte onde menciono como descrever um personagem (em algum momento do seu enredo), é necessário que você tenha criado ele. Uma coisa que eu estou acostumada em ler, principalmente em fanfictions, são aqueles capítulos que iniciam descrevendo um personagem. Já vi livros dessa forma, e na minha opinião, são enjoativos e já me tiram a vontade de continuar. (Lembrando que é a minha opinião).


Você já leu ou escreveu algo assim?

Citação: Olá, me chamo Marry e tenho quinze anos. Tenho cabelos loiros, lisos e olhos azuis. Dizem que sou dona de um corpo esbelto, com curvas nos lugares certos.


Sinceramente, quando eu me deparo com um trecho assim, já abandono a leitura. Sei que tem autores que não fazem por querer, porque esse é o único modo que sabem descrever, mas digo que a descrição de personagens vai muito além disso.


Primeiro, descrever um personagem vai muito além da aparência física. Envolve o emocional, personalidade, passado, ações do presente e pensamentos para o futuro. É necessário que o personagem tenha metas, rotina, argumentos sobre os assuntos, medos e segredos. Vou pegar um exemplo de um conto que eu escrevi aqui na plataforma.


Citação: Reed se levantou e Devries bebeu um gole da sua bebida escocesa. Ele observou o corpo másculo do irmão, e se não estivesse acostumado com aquele ar ameaçador, diria que o seu rei parecia uma maré humana capaz de passar por cima daqueles que não dessem espaço a ele. Obedecer era apenas um instinto de autopreservação. Dono de um corpo de um metro e noventa e seis de altura de puro horror. Os cabelos negros aumentavam o contraste do olhar azul, quase tão transparente quanto a água, e justamente por isso, ele ganhou o apelido de rei cego. Apesar de ser apenas uma característica física, as histórias que contam para os filhos das companheiras lupinas é de que Reed foi beijado pela luz de um arcanjo como rendição ao seu demônio interior.


A expressão endurecida tomou o rosto aristocrata do rei, trazendo a sombra ao olhar daquele guerreiro brutal. Não existia um ser vivo que poderia impor suas vontades em Ward e essa aura ameaçadora era sua melhor carta de apresentação.


Retirado do conto: Beijo Rubro - Lethwen Rochney.


Acima percebe-se que eu descrevi o Reed de uma forma menos direta, detalhando não só o físico dele, mas o que esse aspecto causa nas outras pessoas: Medo, inquietação e respeito. Ainda acima, eu poderia complementar (se o meu desejo fosse descrevê-lo completamente nessa cena) com pensamentos íntimos.


Complemento: Reed vivia por seus irmãos guerreiros e manteve esse lema durante séculos. As feições bem contornadas, com um maxilar quadrado de dar inveja, sempre estavam adormecidas diante de tantos conflitos em seu território. Ele sempre esteve em um torpor cinza, enraizado nos deveres.


Descrevi (parcialmente) a aparência do Reed, assim como parte de sua personalidade. Com isso eu provo que a descrição não deve ser apenas física, mas é interessante envolver tudo sobre o seu personagem, afinal, você está criando uma vida no papel. Você não precisa juntar todas as informações em um único parágrafo. Acredite, é muito bom quando descobrimos o personagem aos poucos. Embora uma “carta de apresentação” seja válida para que o seu leitor conheça o seu personagem. Pense bem nessas boas-vindas, porque elas podem prender ou afastar o leitor.


Diante da dificuldade em descrever características físicas - Faça como no cenário e escolha uma foto como modelo. Descreva o que você está vendo. Descrição da aparência é mais fácil do que a personalidade. Por isso dizem que rostinho bonito não salva caráter sem graça.


Para descrever as emoções ou ações - Demonstre tudo narrando o comportamento do seu personagem. Se ele está envergonhado, quais são as características que são visíveis em alguém nessa situação? Obviamente a inquietação, o rosto ruborizado e a insegurança.


Nem sempre o seu personagem deve demonstrar algo. Para isso utilize os pensamentos dele (sim, o personagem pode falar consigo mesmo), ou use outro personagem para descrevê-lo.


Citação:Eu preciso proteger você, Liza.” Preciso. Reed murmurou alguma coisa em sua língua nativa antes de quebrar o contato dos olhares. A fome de um animal estava surgindo, tão intensamente que o calor o dominou. A fera estava faminta para marcá-la.


Liza o encarou com doçura, deslumbrada com a chama estampada no olhar predatório do amante. Ele parecia tão tenso quanto ela, controlando o impulso de tomá-la para si.


Retirado do conto: Beijo Rubro - Lethwen Rochney.


Acima o meu objetivo era descrever o Reed, mas vê-lo com a visão da Liza foi uma boa forma de observá-lo com os olhos de outro personagem. O importante é entender que existem vários tipos de descrição, basta encontrar o modo que pareça mais natural para você. Para isso, leia muitas obras e selecione as que te prendem mais pelo modo como descrevem.


Tente não ser tão superficial. Faça com que o seu leitor vivencie a mesma cena que está na sua imaginação, atribuindo detalhes nas ações do personagem. E novamente, como eu disse que descrição não é só a física, ações não são apenas cenas de luta (ou o que remete só a ação propriamente dita).


Existem as narrações expositivas, de reação e ação. Cada uma com uma característica:


  • Narrações expositivas: Tem a função de apresentar um personagem, cenário ou situação.
  • Narrações de reação: Estão mais ligadas ao lado psicológico do personagem, suas emoções e pensamentos.
  • Narrações de ação: Como o nome já diz, estão ligadas às atitudes, ao “faça acontecer”.


Todas são importantes e devem estar na sua estória. Podem vir separadamente ou juntas em um parágrafo, isso depende de cada autor e de sua experiência. Apenas lembre-se: Cada cena contendo uma narração deve possuir inicio, meio e fim, assim como uma estória. Não saia misturando ideias sem nexo algum.


Leia muito, meu anjo. Revise o seu parágrafo descritivo para que fique harmonioso para você, desse modo estará transmitindo mais confiança a si mesmo.


Próximo tópico: Cronograma de escrita e dicas para iniciantes que desejam escrever uma estória longa.
16 апреля 2019 г. 23:46:20 0 Отчет Добавить 119
~

Primeiros passos: Estruture, estude, inspire-se e escreva

Estrutura da estória

Em um primeiro momento devemos ter no mínimo quatro coisas elaboradas em nossa mente ou em algum rascunho: O gênero, a época, o cenário, personagens etc. Parece muito óbvio que se não definirmos sobre o que iremos escrever, a coisa não vai andar. O problema começa com a falta de planejamento.


Podemos pegar uma redação dissertativa-argumentativa como um exemplo. Ela possui uma estrutura própria que inclui: Introdução (com um tópico frasal para apresentar o tema), desenvolvimento e conclusão. Quando fazemos o rascunho para uma redação, é comum separarmos palavras-chave, frases soltas e até ideias comuns e rotineiras, sem aquele exagero de “palavras difíceis”. Depois que visualizamos uma boa proposta no rascunho, passamos para o papel definitivo.


Com uma estória não é diferente. Não é aconselhável que uma pessoa saia escrevendo sem estabelecer alguns requisitos antes. Como por exemplo:


  • Quais os dois gêneros principais da minha estória?
  • Em que época se passa a estória?
  • Qual o tipo de cenário que vai caracterizar a estória?
  • Será uma fantasia na época medieval ou um romance no século 21?


Crie um rascunho antes de escrever a sua estória. Um exemplo de modelo:

  • Gêneros: Romance sobrenatural.
  • Época: Século 21.
  • Cenário: Uma cidade fictícia da Inglaterra.
  • Assunto principal: Guerra entre duas raças centenárias: Lobisomens e vampiros.


Somente o rascunho citado acima já facilita muito a sua vida. Se você quiser, pode aprofundar esse tipo de modelo, dessa forma:


  • Personagens principais: Arrow Austin (Alfa da matilha), Elaine Klevin (Vampira guerreira e fiel conselheira do líder da raça).
  • Personagens secundários: Alek Hyden (Melhor amigo do Alfa e um ótimo guerreiro) etc.


Para “rechear” ainda mais o seu rascunho, você pode criar pequenos resumos ou frases do que cada capítulo irá abranger, como por exemplo:


Capítulo um

  • Ideia 1 - O capítulo irá apresentar Arrow Austin em sua moradia nos arredores da Inglaterra.
  • Ideia 2 - Enquanto ele perambulava pelo metrô em busca de um vampiro suspeito por uma chacina, ele esbarra em Elaine Klevin. A beleza da mulher se equiparava a uma dócil humana, mas o aroma apimentado revelou uma guerreira sensata.


Por aí vai…


A forma de organizar as suas ideias são variadas. Podem organizá-las no word mesmo, em tabelas ou até em mapas mentais (muito utilizados para rever um assunto por palavras-chave). Existem os roteiros, mas eles são mais complexos, embora garantam mais segurança ao escritor.


Estude os textos, inspire-se e transforme pensamentos em palavras.

Além de criar um rascunho, é importante pesquisar/ler/estudar sobre o assunto principal da sua estória. Hoje em dia existem muitos autores com obras publicadas, então tire um tempinho do seu dia para ler sobre o que você gostaria de escrever. Além de abrir a sua mente para inúmeras variedades de enredos, a leitura pode florescer a sua inspiração. Lembrando que estudar um assunto não quer dizer copiá-lo! Existem milhares de livros de romance, ação e até sobrenatural. É difícil alguém ser completamente original depois de tantas obras lançadas (filmes, livros, séries etc.). Inspirar-se não significa plagiar.


Outras formas de se inspirar: Ouvir música, ver alguma série ou filme que lembre do assunto que será tratado na estória, entre outros.


O importante é não ter pressa. Não escreva por obrigação.


Próximo tópico: Como descrever cenários, ações e personagens.
2 апреля 2019 г. 21:02:04 2 Отчет Добавить 120
~

Escrever é deixar a sua marca. Orgulhe-se disso!

Notas da autora: Todos os aconselhamentos presentes no decorrer das páginas são baseados na minha própria vivência como escritora e leitora. Não sou profissional e admito que alguns pontos da ortografia ainda são verdadeiros enigmas no meu dia a dia, no entanto, sempre que posso, eu anoto uma dica ou outra em um bloco de notas pessoal. De uma anotação para outra, eu pensei: Por que não transformar esses pequenos lembretes em algo produtivo? Dessa forma surgiu a inspiração de auxiliar os escritores, principalmente os iniciantes. O foco principal desse pequeno diário coletivo é trazer a tona os principais problemas que julgo importantes no momento do desenvolvimento de qualquer texto, sejam eles criação de personagens, construção de cenários e dicas de como ver a própria escrita como um hobbie aconchegante ao invés de toda a cobrança pessoal a espera de feedbacks.
Lembrando que disponibilizo boa parte do meu tempo para adicionar notas a esse projeto, e por isso estou aceitando a ajuda de pessoas que gostariam de participar como beta reader daquilo que escrevo. Se for do seu interesse, entre em contato: Lethstorye@gmail.com. Lembre-se, trata-se de um projeto sem fins lucrativos. Faço isso de bom grado.



Escrever é deixar a sua marca. Orgulhe-se disso!


Quem nunca passou por aquele momento em que a insegurança assumiu a vontade de publicar um texto? Quem nunca se prendeu nos mínimos detalhes da escrita ao invés de escrever por prazer? É como dizem: Apenas conte a história. Parece fácil, mas sofrer com antecedência por um texto que consideramos não estar no nível adequado é uma sensação que trás desânimo.


Escrever é uma luta contínua. Envolve prazer e o aprimoramento do nosso talento. Não basta apenas jogar as palavras em um rascunho e organizá-las para que fiquem perfeitamente alinhadas, com coesão e coerência. Uma boa história é aquela que surge do sentimento, é uma forma especial de enxergarmos as coisas.


Para muitos de nós, a escrita é um meio de gritarmos as nossas inseguranças ou de explorarmos mundos novos e inalcançáveis no meio material. Por isso, escreva com sutileza e carinho. Coloque a sua alma e sua paixão nisso. Eu sei que parece complicado, mas é muito aconchegante escrever para nós mesmos ao invés de nos cobrarmos tanto por um feedback.


A escrita abrange toda a nossa vivência e é muito mais bonita quando surge de uma necessidade, como um desabafo ou a satisfação de exprimir em palavras a nossa imaginação. Por isso, não pense que o seu modo de ver e detalhar o mundo é errado. Todos nós temos uma bagagem única e um meio social completamente diferente uns dos outros.


Sempre que você sentir medo ou insegurança ao publicar um texto, lembre-se: "Um escritor que tem receio do que o leitor vai pensar dele, ainda não está maduro para escrever. O chamado da escrita ainda não se tornou forte como todo o resto." ― Fabio Shiva.


Diante disso, leve em consideração que todos temos inseguranças, mas que podem ser vencidas com dedicação e prática. Todos os grandes escritores começaram da mesma forma, alguns mais cedo e outros mais tarde, mas eles também foram iniciantes. Lembre-se: A imaginação começa no escritor e termina no leitor. É importante evitar a cobrança excessiva sobre si, ao pensar que a sua escrita não está em algum padrão, pois, felizmente, o único padrão que existe é o português culto básico, o resto é com você.


“Escrever é deixar uma marca. É impor ao papel em branco um sinal permanente, é capturar um instante em forma de palavra.” ― Margaret Atwood.


Próximo tópico: Primeiros passos: Estruture, estude, inspire-se e escreva.


22 марта 2019 г. 11:22:55 4 Отчет Добавить 122
~
Читать далее Исходная страница 1