Tudo sobre Simplesmente Tita Подписаться на блог

sweet-mary Mary Este blog será voltado a todos os fãs e simpatizantes da série de histórias chamada Simplesmente Tita. Curiosidades, personagens, trilha sonora. Um espaço voltado para os leitores poderem conhecer melhor Tita e seus amigos.
Не проверенная история

#personagens #trilha-sonora #curiosidades #escritora-mary #simplesmente-tita
Tudo sobre Simplesmente Tita
AA Поделиться

Tempo para pensar...

Se porventura alguém estava acompanhando Simplesmente Tita (o da capa rosa), que foi retirado da plataforma para uma reformulação, convido a ler no Nyah, onde a história está na íntegra, pedindo desculpas de antemão por não ter anunciado antes que reformularia a primeira parte e que tal postura se refletirá nas próximas. Ainda não faço a menor ideia de quando (e se) postarei no Wattpad.

Ainda estou muito devastada depois da "crítica" que recebi num PDF, onde uma pessoa que se sente superior a todos por estudar letras e refuta tudo que não seja Machado de Assis, fez com que eu me sentisse pequena. Sim, é verdade que ninguém é perfeito e tanto a escrita quanto a autocrítica se aprimoram quando praticadas. Tenho consciência das minhas imperfeições, como também me orgulho por ainda não ter desistido, uma vez que a "crítica imparcial" foi tudo, menos o que prometia.

Foi um discurso de ódio do qual a imparcialidade passou bem longe, porque é impossível ler e ser indiferente. Eu não consigo ler um texto e ser impassível a ele, por uma infinidade de razões.


"É sério, cara moça, se você não gosta de ficção adolescente (ou quaisquer outros gêneros), seja franca em seus malditos formulários e diga: NÃO RESENHO FICÇÃO ADOLESCENTE. É muito melhor do que diminuir uma pessoa e jogar uma pá de cal na roseira dela.

Para você, meu trabalho pode ter sido superficial e repleto de defeitos (você já se olhou para seus próprios textos? não por nada, mas mesmo imperfeita, sou bem mais eu...), porém você não tinha o direito de me humilhar porque todos os aspectos que você enfatizou naquele documento não faziam o menor nexo, lembrando também que nos comentários sempre te respondi e EXPLIQUEI um trecho da história que você apontou como "ponto negativo".

Sem contar aquele papelão no seu blog.

Ué, você se ressentiu porque as pessoas não concordaram com as suas impressões odiosas e preconceituosas e preferiu fechar o blog a aceitar opiniões diferentes?

Pois bem, minha amiga não te escreveu nada de ofensivo, aliás, você deveria nos agradecer, uma vez que fomos as únicas pessoas que ainda te demos um pouco de atenção. Ela apenas quis contestar seu ponto de vista arrogante e o fez como se espera de uma pessoa adulta, madura e ética, tudo que você não é.

Seja como for, eu ainda tenho que te agradecer, não só porque estamos na Semana Santa, mas porque me flagrei pensando se muitas vezes ao longo da vida eu não agi/ajo como você, se já não julguei livros pela capa ou pelo gênero ou me considerei o centro do universo, a dona da verdade. Decidi me abrir mais e rever meus conceitos, meus valores, pode acreditar que você me destruiu, mas um dia a conta virá. E você vai engolir tudo o que falou da minha história.

Meu coração ainda está quebrado, meu ânimo para escrever como antes ainda não retornou, os dias se passam sem sentido porque me sinto aprisionada pelo seu ódio, pelo seu preconceito, pela sua arrogância, e não, não não quero me tornar como você. Quero me prender ao conteúdo, ouvir todas as vozes que desejam ter seu espaço, fazer com que as pessoas se sintam amadas, úteis, importantes e motivadas, porque escritores não são inimigos, são companheiros, são corações de tinta dispostos a compartilhar com o mundo aquilo que podem fazer com a imaginação. Quero mais vozes, mais cores, mais vida, e menos ódio, menos preconceito, menos necessidade de ser a dona da verdade, porque ela é subjetiva, relativa.

Eu não sou falsa quando me porto gentilmente com as pessoas, é porque acredito nelas mais do que elas em si mesmas.

Será que alguém acredita em mim?

Passei semanas sem sequer conseguir concluir uma leitura, revisando meus textos com o desejo de excluir tudo o que escrevi, semanas em que vaguei sem rumo, deixando o tempo passar, enquanto o tédio e a dor me engoliam, pensando se no fundo todas as pessoas pensam como você. E esse tempo eu não terei de volta. Estou aprendendo a não ser uma pessoa que nem você, que precisa diminuir os outros para se sentir bem, que não é capaz de se permitir enxergar a beleza que existe escondida por trás dos preconceitos.

As lágrimas correm pela minha face. Já são dois meses. É hora de enxugar esse rosto molhado, não me encolher. O ano ainda tem muito a oferecer, possibilidades mil, você não é a dona da razão. Muitas pessoas precisam da Tita (e espero que de mim também) e se você não gostou da história, apesar de estar no direito disso, poderia muito bem lembrar que há pessoas que esperam pelo final dela, pessoas que a amam, que não se atentam a detalhes tão ínfimos, tão ridículos, porque, sinceramente, o que você queria não era uma resenha e uma crítica, você queria me tirar do seu caminho, você enxergou em mim alguma espécie de ameaça, a razão eu prefiro nem saber."


Não se preocupem. Eu vou ficar bem. Tudo vai ficar bem. As feridas, cedo ou tarde, param de doer. Pessoas ruins estão por toda a parte, é verdade, mas as boas são e sempre serão a maioria. É por elas que escrevo. Porque acredito. Acredito mais na bondade do que na maldade. Acredito no amor, na solidariedade, no acolhimento, me findo na esperança de que dias melhores virão.

Escrever foi a forma de libertar todas as ideias que já moravam em mim muito antes de eu empunhar uma caneta e rabiscar as primeiras palavras numa folha sulfite no verão de 2001. Foi o que me ajudou a superar o ensino médio e todos os seus desafios, desde as disciplinas difíceis até as pessoas falsas e a sensação de não me encaixar a nenhuma tribo. Descobrir que muitas pessoas poderiam gostar daquelas ideias que eu tinha pode ser considerado o norte dessa década de 2010, o que me sustentou quando eu poderia muito bem entregar os pontos.

O que construí não vem de agora. Estou sempre me aprimorando, me recriando, vivo pelos meus sonhos porque se eu deixar de sonhar, o que me restará? Não restará sequer uma fagulha de luz em meu olhar.

E que graça tem viver se não há um mísero sonho que acalente o coração solitário nas noites mais escuras?

Sonhar reacende a esperança, aquece a coragem, mas só sonhar sentada de nada adianta se não houver atitude. Tive que começar de algum lugar, de alguma forma, por mais que não soubesse para onde estava indo, eu só não queria permanecer no mesmo lugar e reclamar de uma existência vazia. Nada viria até mim "de graça". E errar, infelizmente se erra, ninguém o faz deliberadamente, é sempre na esperança de acertar, de confiar que se está no caminho certo, no caminho que o coração almeja seguir, e os erros ajudam no amadurecimento porque escancaram a fragilidade, a imaturidade, a necessidade de se refazer, pensar numa estratégia, respirar fundo para escutar o próprio silêncio até que as ideias se tornem tão claras quanto uma tarde de verão.

Recomeçar faz parte. Se um sonho vale a pena, é para ser sonhado. O preço que se paga é alto. A mínima possibilidade de realização vai incomodar àqueles que não querem que você progrida, que você chegue mais longe do que eles. Vai despertar inspiração em uns, ódio em outros. Esse ódio, fique sabendo, nem sempre tem justificativa, é apenas o que é, palavras amargas despejadas para destruir a sua conquista, almas que não conhecem os percalços da sua e já te julgam. Isso diz respeito a elas e sua falta de empatia. Não a você. Nem a mim. Isso mesmo, nem a mim.

Quero ser uma incurável sonhadora que tropeça, levanta e recomeça. Pois sim. Porque sonhar vai me levar a algum lugar. Por esse sonho eu vou me conhecer melhor e quem sabe o mundo, o mundo que é feito de pessoas, de pessoas de todos os tipos, que nunca passam indiferentes, sempre deixam sua marca. Porque eu prefiro chorar por um sonho que ainda não se realizou a ser aquela que destrói o que as pessoas estão construindo.

Com simples palavras se faz isso. E palavras doem. Ditas, digitadas, manuscritas. Doem, porque você chega muito perto de conhecer o que se passa na alma de alguém quando a lê. Mas, numa hipótese positiva, uma mensagem de carinho e apoio podem salvar vidas e encorajar almas temerosas a desbravarem o mundo e a si próprias. E eu gosto, gosto mesmo dessa possibilidade, ela me encanta tanto quanto o eventual "sucesso", porque ele for medido pelos números e não pelas sensações que nos aproximam, de que vale?


Enfim, isso era tudo que eu tinha a dizer...

17 апреля 2019 г. 2:50:53 0 Отчет Добавить 0

Прокомментируйте

Отправить!
Нет комментариев. Будьте первым!
~