harttemis Sara Ramos

Uma famosa médica, que é tanto conhecida por defender o vegetarianismo, mostra que seu foco sempre foi apenas proteger os animais. Infelizmente, aqueles que visitam sua casa e cruzam com a arrogância de seu narcisismo jamais hão de concordar que aquela mulher não se alimente de carne. Mas só não era de se esperar de onde tais carnes viriam...


Horror Horror gótico Para maiores de 18 apenas. © Harttemis

#horror #terror #assassinato #comida #canibalismo #sádico
1
909 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 15 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

O Jantar

A noite era fria, calma e se encontrava em um clima perfeito onde tudo ao redor se perdia em meio a uma neblina densa. Eu me escondia no escuro do quarto em duas cobertas grossas. Não queria ser vista pela lua e muito menos tocada por sua luz, me parecia uma brincadeira seduzente esta vontade de me expôr a janela mas ter o medo de sair do conforto da cama. Me dei a ousadia de me sentir uma criança inocente de novo.

Quando o relógio já marcava nove horas se encerrou minha brincadeira fantasiosa, finalmente me levantei daquela cama quente e macia, com muita dor no coração pois não é fácil se despedir de um travesseiro e cobertas tão acolhedores, então fui ao banheiro. A água da banheira se encontrava transbordando, completamente cheia, onde ousei me submergir sem pensar duas vezes. Saí debaixo d'água com os cabelos totalmente molhados e cheios de espuma, me sentindo como se fosse uma atriz sexy de um filme romântico. Coloquei uma de minhas pernas na borda da banheira e a-alisei com minhas mãos. Talvez eu devesse parar de assistir tantos filmes esteriotipados ou arrumar um namorado logo: "Não tenho pressa", pensei. Somente após alguns minutos demorados ficando de molho na água morna e vendo meus dedos envelhecerem que resolvi sair e me aprontar.

Eu dançava meus dedos entre as roupas do armário para tentar não quebrar minha sensação de ainda estar no filme. Não me concentrava o suficiente para escolher as roupas já que me ver apenas de toalha me causava um tesão pessoal em minha imagem. Eu tenho um narcisismo invicto. Ainda assim, ver aquele vestido negro aveludado me tomou uma sensação mais tentadora que apreciar meu corpo nu durante a noite inteira: a vontade de me vestir para mim mesma.

Confesso ter demorado me admirando no espelho com tal roupa ou me arrumando na penteadeira com as maquiagens, mas consegui ser rápida o suficiente para chegar ao saguão antes que "os outros moradores de minha casa". Fiz o favor de me sentar em pose de superioridade na poltrona perto da lareira, queria deixar claro o meu lugar como a dominante aqui.

A noite foi mais longa que o esperado, ficar sorrindo e conversando com todos parecia cansar minha beleza. O que salvou minha atenção daqueles assuntos tediosos foi um garoto que tinha vindo com nossa visita da noite, o rapaz parecia ser um ou dois anos mais novo que eu e insistia em soltar sorrisos encantadores quando lhe era dirigido a palavra. Por um momento eu apenas me irritei por sentir a ameaça da beleza que ele trazia consigo, nunca aceitei alguém ser de meu nível de encanto ou passar dele... Mas isso durou pouco, me peguei fascinada com sua aparência e tamanha inteligência. Eu, agora, o desejava.

Passamos todos um tempo reunidos até meus progenitores levarem seus amigos para ver a sala de jogos. Minha irmã, a única que reconheço nesta casa como um ser da qual tenho afeto e admiração intensa, parecia cansada e quase que desmaiava no encosto do sofá, como um sinal de carinho lhe dei um cafuné passageiro e a liberei de permanecer mais um minuto se dando o esforço de manter-se acordada. Ela se retirou em direção ao seu quarto. Ficamos a sós, eu e o rapaz que tanto me enfeitiçava, então o chamei para me acompanhar a varanda enquanto tentava arrumar um assunto distante do que já havia sido dito pelos outros:.

— Poderia me dar a honra de saber seu nome? Nunca o havia visto com os amigos de meus.... - A pronuncia desta palavra entalou em minha garganta então a puxei com o impulso de uma tosse falha- pais... É algum filho nunca mencionado? -"Mencionado" era uma palavra forte para mim, já que nunca me dei ao luxo de realmente focar nas informações particulares de nossa desinteressante visita .

— Perdão por tão pouca educação a minha, Meu nome é Liam Colin.... - Ele deu uma pausa repentina, como se pensasse muito antes de me dar a próxima resposta, como se fosse quase algo de extrema preocupação- Bom, não sou um dos filhos da família Nairvecchi... - Seu tom se tornou triste e amargo- .... Sou a oferenda de jantar deles para sua família, senhorita.

Um gosto venenoso tomou meus lábios, o gosto de suas palavras sendo digeridas com a raiva da repugnância que me foi apresentada. "Dar me de comer um rapaz de tal semelhança a mim? Isto me é uma afronta", pensei enquanto o prensava contra a parede. Então encarei o garoto no fundo de seus olhos pacíficos e a única coisa que pude deixar clara para ele sobre minhas intenções foi:.

— Eu jamais o comeria, vivo ou bem preparado, entendeu? Seja para o jantar ou não, você é uma oferenda para nós, como a dominante nesta família decreto que os planos para o jantar desta noite foram alterados, VOCÊ não será o jantar mas participará dele conosco tendo a honra, e obrigação, de sentar-se ao meu lado. Avez-vous compris mon invité?

Não sei o que passou por sua mente ao me ver balbuciar tais palavras, mas sei que entre quaisquer pensamentos havia alívio intenso. O puxei pela mão até dentro de casa, onde todos nos aguardavam. Olhei para aqueles vermes bem vestidos e deixei explicito do que, ou melhor, de quem eu sentia fome esta noite...

Então, começou-se a preparação do banquete principal daquela noite. Finalmente, estava na hora do jantar.

8 de Maio de 2020 às 03:07 1 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Prato Principal

Comentar algo

Publique!
Lucas Lucas
Posta mais logo que eu quero ler! Muito bom
May 08, 2020, 03:10
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Mais histórias

Contos de Terror Contos de Terror
Onde é o Inferno? Onde é o Inferno?
Arma biológica Arma biológica