kanaeyy kanaey

Dazai não admitiria em voz alta, mas era notável a qualquer um que prestasse a atenção devida, para ver que Osamu era totalmente dependente de Odasaku, principalmente no quesito amoroso. *Atente-se a todas as tags antes de ler*


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#Osamu #odasaku #depressão #Dazia-x-Oda #relacionamento-tóxico #Menção-a-suicídio #Dependência-emocional
Conto
0
630 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Dependente de você

Então, meus demônios me atormentam mais uma vez, trazendo a tona lembranças dolorosas do meu passado. O choro se prende em minha garganta, junto as lágrimas que eu não permito que caíam. Meus colegas de trabalho nada percebem, continuam suas tarefas normalmente, sem nem me notar.


Kunikida, que divide uma mesa comigo, me questiona se estou bem, respondo que sim, sem pensar realmente e faço alguma piada boba em relação a ele, apenas para que o assunto acabe ali, sem ramificações para depois.


Esconder a minha dor com a malícia da comédia foi uma boa forma que achei, combina com o personagem que eu idealizo na sociedade para que ninguém procure marcas em meu pulso, pois se procurassem, elas estariam lá, uma se sobrepondo a outra, se auto explicando por já existirem.


As horas agonizantes no meu emprego acabam, todos saem apressados para voltarem para o conforto de suas famílias ou para uma bebedeira de fim de expediente. Eu fico na porta ao relento à espera, alguns minutos se passam e logo vejo um velho corcel parar ao meu lado.


Entro no carro, você me abraça como sempre faz, posso sentir um perfume diferente em suas roupas, sei que não era uma colônia nova, tenho uma suposição boa para isso, mas ignoro, não tenho o direito de perguntar a você sobre.


Começa a dirigir, enquanto isso me pergunta como foi meu dia, digo que bem, porém, só a uma pessoa que me conhece verdadeiramente nesse mundo e ela é você, Odasaku, reconhece minhas mentiras mesmo com todo os esforços que eu faço para torná-los reais. Olha-me por um instante antes de voltar a atenção na direção, não diz nada e nem eu. Aí está, me conhece tão bem que até sabe que prefiro o silêncio nesses momentos. A maneira como respeita meu tempo, como tenta-me consolar depois com um abraço e palavras bonitas e um sorriso forçado, sempre me atingia em cheio, porque eu era exclusivo nessa parte, não havia outro alguém a quem você fizesse o mesmo que fazia por mim. Nem mesmo pelas mulheres com quem transava sempre antes de ir-me encontrar.


Chegamos no apartamento que dividia-mos, eu saio primeiro e você vai estacionar o carro na garagem. Quando volta, pergunto se está com fome, responde que não, diz que vai dormir e se tranca no quarto, eu posso ouvir o som da tranca do outro lado. Esse seu ato que se repete todas as noites me intriga, por que trancar a porta? Tem medo que eu entre sem avisar e veja algo que não devo? Ou será que você, Oda, tem medo de que eu chame e você me deixe entrar porque a porta está aberta e ir até ela trancá-la na minha cara seria entregar o jogo?


Sozinho na cozinha revejo tudo o que passamos juntos desde o começo, os bons e maus momentos se misturando com os meus traumas, minhas dores. Então meus pulsos coçam de aflição. Já não sei mais o que eu e Odasaku somos. Melhores amigos que às vezes transam e depois seguem adiante como se nada tivesse acontecido? Namorados que ficam com ciúmes um do outro? Colegas de quarto que se falam apenas quando necessário? Afinal, o que nós somos? Estivemos em tantos papéis que não sabemos mais o que somos hoje. Bom, pelo menos eu não faço ideia, mas você parece saber quando destranca a porta de seu quarto e me abraça, meus soluços devem ter chamado sua atenção. Limpa minhas lágrimas e me beija a testa, suas mãos agora agarradas em minha cintura.


Odasaku, eu sei que quer ceder, pois também quero. Todavia, você continua se mantendo forte, mas eu não sou forte ao ponto de dar o próximo passo, porque o medo que escondo da rejeição na manhã seguinte me paralisa, carrego tantas mágoas, não preciso de mais uma para a coleção, apesar de que minha mente me fazer ponderar se por você, vale a pena mais uma.


— Vá dormir Dazai, amanhã teremos um longo dia novamente. — Você diz e se afasta, voltando a se trancafiar longe de mim.


Meu choro cessa, agora sinto o vazio enorme que só Oda pode preencher, mas não o faz, não da forma que eu necessito. O seu amor nunca será para mim além das migalhas que lhe imploro, e só a você, ninguém mais.


Nem mesmo minha própria vida tem tanto valor para mim como a sua, Odasaku, entenda, você é o meu oxigênio, o que me faz levantar de manhã e resistir a vontade de fazer um corte fundo nos meus pulsos, pois, quero vê-lo sorrir sem que nem perceber enquanto como seu cereal predileto.


Eu, Dazai Osamu, sou a porra de um total dependente emocional de você, Oda Sakunosuke.


24 de Maio de 2020 às 19:03 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Fim

Conheça o autor

kanaey ⠀⠀⠀⠀⠀⠀𝙋𝙇𝙐𝙎 𝙐𝙇𝙏𝙍𝘼! -'ღ'- ⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Mais histórias

You make it easy You make it easy
Iniciativa Fanficadores - descrição do projeto Iniciativa Fanficado...
O alvorecer do amor O alvorecer do amor