kristian-tole1586053107 Kristian Tole

SIPNOSE The Doors to Hell, (título original Zaza atreves de la ouija) conta a história de seis estranhos que se encontram numa sala cheia de pó e mistério localizada no Liceu Belmont. Encontram a Ouija deixando de lado as suas diferenças para brincar e falar com os espíritos. Conseguem estabelecer contacto com um demónio chamado ZAZA, que com o passar do tempo os atormentará nos seus sonhos e na sua realidade. Não procures perguntas se não quiseres saber as respostas... Lucas, Madison, Ethan, Lara, Noé, Elizabeth, irão combater este demónio com todas as suas forças, serão eles capazes de o trazer de volta através das portas do inferno? Kristian Tole: Autor e ideia originalAngie Sanchez: Co-autora e tradutora Cmaligno: Designer da capa Disponível em 3 línguas diferentes de: Espanhol, inglês y português.


Horror Horror teen Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#lucas #ouija #horror #229
0
771 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

CAPÍTULO I Memórias Antigas

(Sinos de escola)

Eu era o miúdo novo na escola, era o meu terceiro dia em Belmont, a melhor escola secundária da cidade de Lakewood, ainda não tinha feito amigos, era a campainha no intervalo, fui ao refeitório, e reparei numa rapariga a chorar, contra uma parede, olhei para cima e virei-me para longe dela, e pensei que podia ter acontecido a esta rapariga numa sexta-feira e ela estava a chorar, "meu jovem, por favor atrasa a fila", Foi o que a empregada do refeitório me disse, pedi um café com leite para beber, e quando me virei ela já não estava lá, peguei no meu café e fui para uma mesa quando tropecei, o meu café quente derramou-se sobre mim, tirei rapidamente a camisa, todos se riram de mim e olharam fixamente para mim, mas ninguém estava disposto a ajudar-me, apenas uma senhora idosa que estava sentada me pediu: "Tiveste uma sexta-feira má, não tiveste? Pequena" e saiu, porque era óbvio que eu era a nova na escola, fui ao ano para tirar a camisa para poder lavá-la, a campainha tocou outra vez, fui para a sala de aula, à entrada lá estava ele, ele apenas se virou e saiu, mas não podia deixá-lo ir, por isso segui-o e voltei a perguntar-lhe, pois todos os idiotas continuavam a ignorar-me, sabia que era ele o responsável pela minha humilhação, por isso perguntei-lhe porque o tinha feito e ele só me disse "Tu és o novo, estavas à espera" e ele continuou a sua viagem, eu perguntei-me para onde ia e decidi perguntar-lhe, "isso não te interessa" foi o que ele me respondeu, de repente agarrou-me do mergulhador e levou-me contra uma parede, pensei que ele me ia bater, e reparei que ele tinha medo de olhar para mim para ver do que eu tinha medo e vi um professor que estava a verificar os corredores, Então ele virou-se obviamente, eu segui-o enquanto fazia este olhar o tempo estava 20 minutos atrasado, "jovens, o que fazem aqui" perguntou um professor, eu optei por não dizer nada e ele também não disse nada, o professor levou-nos para a reitoria e enquanto andávamos eu pensava que a minha vida tinha mudado desde que esse dia passou.

1 Semana Antes...

Eu estava na sala de estar e a minha mãe mandou-me organizar o meu quarto, e eu não o queria fazer, estava a ver um dos melhores espectáculos, disse-lhe para esperar mas ela insistiu que eu pedisse imediatamente, continuei deitado no sofá, e tudo começou, ela ficou chateada comigo, e um grito levou a mais gritos, o Michael trancou-se no seu quarto, a minha mãe saiu para limpar um pouco e levou o seu carro. Michael saiu do seu quarto e perguntou por ela, eu não respondi e fiquei com ciúmes por ela ter saído mas não sabia para onde, em poucos minutos o telefone da casa tocou, atendi a chamada era a polícia, fiquei sem palavras Michael perguntou o que estava acontecendo, o policial perguntou por uma pessoa mais velha, meu irmão pegou o telefone, o silêncio foi só isso, meu irmão cortou a chamada enquanto as lágrimas saíam dos seus olhos, eu sabia o que isso significava. A minha mãe tinha tido um acidente de carro e bateu num poste de luz, quando os médicos chegaram já não tinha pulso... ela tinha desaparecido. A única pessoa que nos podia ajudar era a minha tia, fomos ao hospital mas eles não nos deixaram vê-la, a meio da noite a minha tia perguntou o que tinha acontecido, os advogados da minha mãe chegaram, não respondemos que estavam em choque, os advogados organizaram o velório e o funeral, depois de a termos enterrado, arrumámos as nossas coisas que íamos viver com a nossa tia, inscreveram-me no liceu, os advogados trataram das nossas coisas para chegar à nova casa, não há vontade, por isso ia demorar algum tempo, nós saímos, eu tinha um mar de sentimentos eu sabia que a culpa era minha se ao menos eu pudesse ter mudado o que aconteceu se eu pudesse voltar, ela disse-me vezes sem conta, mas eu também sabia que o que ela estava a pensar era impossível, com imensa dor eu lembrava-me dela como a mulher mais perfeita e com lágrimas nos olhos eu adormeci.

*O homem anuncia a chegada à estação

- Lucas... Lucas! Vá lá, acorda, estamos aqui.

- (Bocejando) Sim... Sim. Agora estou acordado...

- Aqui estamos nós, vamos acordar Michael

- Claro, claro. A viagem foi cansativa, acho que mereço uma pausa. Bem, nós merecemos uma pausa. Eu disse que me estava a sentir um pouco melhor.

- Muito bem, quando lá chegarmos, instale-se no seu quarto e descanse, mas agora vamos embora.

- Está bem, eu faço-o.

Pouco depois disso...

(batentes de portas)

- (Abertura da porta) Luke! Olá

- Olá, Tom. Eu disse olá ao meu primo em voz baixa.

- Como está o meu primo favorito - o meu primo disse ao Michael, mas ele nem sequer olhou para ele

- (breve silêncio) Oh ok, desculpe

- Não... não te preocupes meu amor, tu sabes o que acabou de acontecer e tiveste um dia mau, não te preocupes com ele, ele vai melhorar num instante.

- OK, eu vou para o meu quarto.

- Muito bem, vai lá para cima, descansa, desce para jantar... diz ao Michael!

Tínhamos viajado durante 2 horas de Los Angeles para chegar aqui a Lakewood City, uma cidade com aproximadamente 80.000 habitantes. O meu irmão, um maluco de 17 anos, a minha mãe e o meu pai divorciaram-se quando tínhamos apenas seis e sete anos, o meu pai era um mulherengo e um jogador de primeira classe, penso que esta foi a razão pela qual a minha mãe decidiu divorciar-se dele, Michael, Fê-lo sentir-se muito mal, tornou-se como é agora, mas não o culpo, nem a minha mãe, nem o meu pai, apenas penso que as coisas acontecem por uma razão e se tinham de se separar, era esse o seu destino... mas o que aconteceu nesse dia, culpo-me a mim próprio.

Eu já me tinha mudado para o meu quarto no segundo andar da casa, reparei que a casa era um pouco velha e que as escadas estavam a ranger a cada passo que eu dava, sentia falta da minha antiga casa, estava sempre a dizer a mim mesmo, tinha um grande espelho cheio de pó que eu limpava, o Michael mudou-se para o quarto mesmo ao lado do meu, continuei a explorar a casa, saí para o pátio onde havia uma grande árvore e um baloiço preso a ela, parecia um pouco velha e perigosa, por isso continuei o meu passeio dentro de casa. Subi para o sótão, as escadas se desciam enquanto rangia, a luz estava a piscar para não poder olhar bem, decidi descer para a cave, e ao descer reparei que ninguém o tinha feito durante muito tempo, no quinto degrau havia uma renda enterrada na madeira que apontava para cima. "Acendi a luz para ver muito melhor e vi que havia um armário que tentei ver lá dentro mas que era impossível porque estava fechado, por isso fui jantar, liguei ao Michael mas ele não respondeu, enquanto estávamos à mesa a minha tia informou-me que podia entrar na escola amanhã se quisesse, disse-lhe que esperaria até estar bem instalado. Ao fim de dois dias já tinha desembrulhado e instalado, mas ainda não estava pronto para a escola ou para uma nova vida, mas lembrei-me que a minha mãe teria querido que eu fosse feliz, por isso decidi ir para o liceu no dia seguinte.

Acontecimentos actuais...

Estávamos em frente à porta do director, ele obrigou-nos a segui-lo individualmente primeiro e depois eu, após alguns minutos o responsável por tudo isto saiu, olhou-me nos olhos e saiu, enquanto ele olhava para mim eu reparava nos seus olhos uma fúria, mas eu continuei para a sala, entrei e o director disse-me:

- Sente-se, Sr. London", disse ele ao instalar-se, "Compreendi que era um bom rapaz, mas tanto quanto ouvi mal, liguei à sua tia e deixei uma mensagem, mas não posso deixá-lo ir, cometeu uma falta, tentou evitar a aula com o seu amigo, com o Sr. Noah... por isso (interrompe)

- Ele não é meu amigo - eu disse-lhe sem sequer olhar para cima

- Não? Então o que estava a fazer com ele fora da sala de aula durante o horário escolar?

- Eu não compreenderia.

- Devias ter-me tentado.

- Não vale a pena explicá-lo.

- Está bem, não o diga, mas tenho de o castigar ou sabe quantos alunos se safariam com isso.

- Qual delas é?

- O que é o quê?

- O castigo! - Eu disse-lhe num tom de voz agressivo

- Vai para a prisão com "o seu não amigo".

- Já lhe disse, ele não é meu amigo.

- Sim, mas o que nenhum deles me disse foi o que estavam a fazer fora da aula, hã?

- Não sei.

- (Risos do Director) Não sabe para onde ia, como é que isso é possível

- Eu estava em silêncio e perguntei-lhe: "Posso ir agora?" Ele olhou para mim e respondeu:

- Se puderes sair agora, mas da próxima vez que fores apanhado fora da aula, não será o mesmo castigo, pois não?

- Sim... sim, senhor.

- Espero que sim, miúdo. Vemo-nos depois das aulas. Não te metas em mais sarilhos.

Dirigi-me para a sala de aula, à espera que as horas passassem.

7 de Abril de 2020 às 20:08 0 Denunciar Insira 1
Continua… Novo capítulo A cada 10 dias.

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~