Atualize agora! Temos um NOVO aplicativo para Android! Baixe-o na Google Play Store. Leia mais.
thiago Thiago Silva

Em uma Nova Orleans distópica, onde a cidade é dividida entre brancos ricos e privilegiados e pretos oprimidos por sua cor de pele, uma disputa política é iniciada. Com o assassinato de seu líder despertando a ira, os negros propõem uma rebelião, a então chamada "Formação".


Ficção adolescente Todo o público.

#distopia #crítica #378 #301 #339 #society #32817 #32819 #blacklivesmetter
21
9.4mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 30 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo

— Podem ir! - o general rosnou para nós - Vão continuar sendo o bando de gente suja morando no Sul de New Orleans!

Minha mãe o encarou com ódio, enquanto segurava as lágrimas que ela mais do que nunca quis deixar jorrar, e me puxou para o carro onde nosso motorista nos aguardava para nos levar de volta para casa. Encarei o vidro da janela, encostando minha cabeça na superfície gélida enquanto processava toda a cena que eu presenciei. Estava em choque. Ainda estou em choque. Não consigo parar de vê-lo caindo naquele asfalto.

Ele morreu. Meu pai morreu por ser preto. Morreu por tentar melhorar a nossa vida e a de pessoas como nós. De pessoas de pele marrom. Fico imaginando como vou contar isso para George, meu irmão mais novo. Como ele poderá suportar, sendo que nem eu, 13 anos mais velho que ele consigo. Ele vai ficar arrasado.

Balanço a cabeça na tentativa de ter uma trégua entre meus pensamentos e minha sanidade.

— Já coloquei o George para dormir. – digo aproximando-me de minha mãe na sala de estar.

— Contou para ele?

— Não. – contraio os lábios – Não tive coragem para olhar nos olhos dele e dizer que o papai não vem mais pra casa.

— É melhor assim.

Sento no carpete próximo a lareira. Olho para minha mãe que, embora não esteja mais se envolvendo em meio as lágrimas, com certeza está de coração partido.

— O que vamos fazer agora?

— Eu não sei, Terence...

— Isso não pode passar. - digo - Nós temos que fazer.

— Não podemos. - ela me encara com desdém.

— Porque não foi anunciada. - arqueio as sobrancelhas - De tudo que já fizeram, essa foi uma das piores coisas. Mataram o papai. - sussurro as últimas palavras para que George não nos ouça - Mataram a nós.

— Preciso pensar. - murmura.

— Seja lá o que decidir. - me levanto - Quero ir junto.

— Você não vai chegar perto daquele lugar se isso realmente for decretado. - alerta - Não vai entrar em uma zona de guerra.

— Sim, eu vou! - exijo - Pelo papai e por todos os outros.

Me viro e sigo para a porta.

— No dia em que decretar essa rebelião... - lanço um olhar por sobre o ombro - Nada vai me impedir de participar da Formação.

20 de Novembro de 2020 às 21:03 2 Denunciar Insira Seguir história
8
Leia o próximo capítulo Brinde

Comente algo

Publique!
Davi Morais Davi Morais
Isso por algum motivo me lembra aqueles filmes futuristas
November 20, 2020, 22:10

  • Melissa Buava Melissa Buava
    Verdade, me lembra Divergente e Jogos Vorazes: jovens revolucionários que clamam justiça. November 23, 2020, 03:27
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 11 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!