makitasama Makita Sama

Eu realmente amo muito essa mulher


LGBT+ Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#sexo #romance
Conto
0
1.4mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Mulher que tanto amo

— Terminamos o nosso trabalho, agora podemos aproveitar juntas.

— Vamos! — Pegamos os nossos pertences da empresa e entramos nos carros, pois como não chegamos ao mesmo tempo, torna-se inviável que usemos apenas um veículo. Além disso, ainda moramos separadas.

Assim que abri a porta da minha casa peguei a minha melhor roupa, misturei-a com os meus melhores acessórios e por fim, passei uma maquiagem. No mesmo momento em que eu terminei de me arrumar, ouvi meu celular tocar.

Como eu amo a voz dessa mulher, um tom maravilhoso que faz meu coração acelerar desde que a vi pela primeira vez naquele ambiente empresarial.

— Buscarei você logo e, por favor, fique de olho ou brigarão comigo mais uma vez por causa da buzina. — Sorri e após a conversa terminar, coloquei a minha música romântica favorita.

Jamais imaginei que quatro minutos passavam tão rápido, mas felizmente aconteceu e eu fiquei extremamente feliz.

— Pronta? E antes de qualquer coisa, podemos avançar mais na nossa relação hoje? Sinto que hoje é o nosso dia.

— Sim. Eu ainda tenho medo, mas se for com você eu aceito, pois eu sei que você fará tudo certo. — No mesmo instante em que eu comecei a falar, senti meu rosto corar pela vergonha misturada com o medo, afinal, ela será a minha primeira parceira sexual.

Enfim entrei no carro, só que eu apenas conseguia pensar naquele momento, em como seria ter outra pessoa me tocando, além de que eu não sei se a minha roupa intima é bonita o suficiente, nem mesmo se eu sou bonita o suficiente.

— Você é linda, tudo em você é lindo. Eu jamais mentiria para a mulher que eu amo, entendidas?

— Sim, desculpe por ser tão insegura.

— Nada de desculpas, quero apenas você e pronto. — Sorri e logo notei o fato de todas as minhas músicas favoritas estarem tocando desde o começo, ou seja, ela está preparando o clima há alguns minutos e eu nem havia percebido.

Diante de tantas melodias, eu apenas conseguia ouvir o acelerar do meu coração pela proximidade com o local. A iluminação, a entrada, a parte interna, tudo era perfeito, sem contar no quarto que ela alugou pensando nesse momento.

O tamanho da cama, a quantidade de espelhos, enfim, tudo era planejado para o nosso conforto durante a nossa primeira relação sexual. Ainda que ela possa já ter realizado tal ato com outras, isso pouco importa por ser a nossa vez.

Antes de me deitar no móvel, beijou-me por diversas vezes até eu me acostumar com o ambiente mais sexual.

— Pronta? — Acenei com a cabeça, nisso meu corpo foi posto naquela cama extremamente macia, fazendo-me acelerar ainda mais meu coração. — Serei o mais gentil possível, pois quero ser a melhor namorada desse mundo.

— Obrigada, amor. — Aos poucos peça por peça foi retirada, deixando-nos nuas.

A cada mudança de região ela me perguntava se estava tudo bem, se ela deveria fazer de outra forma, porém tudo era maravilhoso, era algo que eu jamais havia sentido sozinha.

— Quer que eu chupe seus mamilos?

— Faça, por favor. — No começo eu senti cócegas, no entanto conforme ela intensificava o ato, senti um prazer novo, algo que me deixou sem palavras.

Com tantos toques alguns sons saíam dos meus lábios, a ponto de eu nem saber mais o que eu falava pela quantidade de palavras inexistentes. Ah! Ela pegou bem no meu ponto fraco! Eu não aguento quando tocam no meu pescoço, principalmente no meio.

Seus beijos, seus dedos passando de forma lenta e com o uso leve das unhas! Isso é maravilhoso!

— Encontrei seu ponto fraco pelo visto. Farei mais vezes durante o resto da noite. — Não demorou muito para ela chupar a minha vagina, a língua dentro do meu órgão, o movimento intenso e cheio de prazer me deixava com a mente branca.

— Amor! — Meu corpo começou a ficar estranho, como se eu tivesse sentindo um novo tipo de excitação.

Foi quando eu empurrei ainda mais a sua cabeça para dentro com as minhas pernas, deixando-a incapacitada de sair.

— Seus olhos viraram, deve ter sido maravilhoso.

— E foi. — Ainda que eu estivesse ofegante, conseguia aguentar mais um pouco, contudo ela decidiu me deixar respirar para a próxima rodada.

Após um bom tempo ela me beijou, mostrando-me ser a hora da continuação. Em suas mãos havia um pequeno vibrador com várias intensidades, algo que eu já tinha visto nas lojas, só que nunca comprei por ser acima do meu orçamento.

— Espero que você sinta tanto prazer quanto antes. — Não sei como ela pode me dar tanto prazer quanto antes, espera, é muito bom! A sensação de ter meu clitóris estimulado com tantas vibrações é sensacional! Espera um pouco, eu já estou sentindo aquela sensação de novo e a minha mente está de novo ficando sem pensamentos. Ela é mesmo incrível.

Conforme eu sentia meu corpo inteiro estimulado, ficava a olhar ao lindo rosto, seus cabelos longos, seus olhos castanho-escuros cheios de brilho, além dos seus lábios estarem expressando a sua malicia e ela fica ainda mais bela vista de baixo.

Após tudo isso ela colocou um dedo dentro da minha vagina e ao mesmo tempo lambia o clitóris para relaxar a região.

— Dói? Quer que eu pare?

— Pode continuar, eu aguento a dor.

— Não tem essa de aguentar a dor, se você sente dor, então eu devo parar e pronto. Por isso colocarei de volta o vibrador, porque eu quero te ver sentir prazer. — O tom de voz doce preocupado dava me ainda mais sensações boas e é por isso que eu a escolhi como a minha primeira parceira, por isso eu a amo. — Por que está chorando? Eu fiz algo de errado?

— Você é a mulher da minha vida. — Depois de ouvir isso, ela na hora me beijou sem parar, além de massagear meus cabelos curtos. Quando terminou, deu-me outro oral enquanto me olhava, causando-me uma vergonha ótima. — Querida, isso é muito bom!

Mais uma vez eu tinha aquele sentimento que me deixava sem palavras, mas como o vibrador ainda estava lá foi em dobro e até mesmo senti algo sair da minha vagina.

— Agora chega, porque eu te usei até demais. Ficaremos aqui mais um tempo, pois tomaremos um banho e depois iremos à sua casa, que tal?

— Eu aceito! E por mim duraria bem mais. — Pegamos as nossas roupas do chão para deixar perto da porta, assim demoraríamos menos para sair.

Assim que entramos no banheiro senti que ela ficou apreensiva por entrar comigo, talvez pela nossa intimidade ainda não ser tão grande, mas eu comecei a confortá-la aos poucos, porque eu queria estar ali.

Pouco demorou para ela assumir seu nervosismo, afinal, até mesmo pessoas mais experientes sofrem com isso. De certa forma eu me surpreendi com isso, pelo fato de que ela é sempre bem extrovertida, fala com todo mundo, diverte o escritório sem nem pensar duas vezes.

Conforme eu notava a sua insegurança, acariciava seus cabelos, além de dar vários selinhos em seus lindos lábios, ainda que isso fosse meio contraditório, já que eu sou quase sempre a passiva dos atos.

— Desculpe por ficar assim, é que também foi a minha primeira vez com uma mulher. Eu tentei ao máximo não deixar isso evidente, mas pelo visto eu falhei completamente.

— Mas você me disse que já havia ficado com outras pessoas.

— Sim, só que nenhuma delas era mulher. — Agora isso faz todo sentido, não para menos que ela também ficou nervosa.

No momento em que saímos do local, tanto do banheiro quanto do motel, notamos ser bem tarde e preferimos mesmo ir à minha casa. Durante o caminho, notei a presença de vários casais igual a nós, deixando-me bem feliz.

Enquanto o carro se movia começou a tocar uma música que eu adoro, uma música que me faz sentir nova, uma adolescente conhecendo o amor romântico.

O único problema é que essa canção demora horas e horas para sair da cabeça, fazendo-me pensar que estou louca de tanto cantar e cantar sem querer. Nesses momentos seria ótimo ter como controlar a mente, assim eu passaria menos vergonha em público.

Com o tocar do último verso da melodia voltei aos meus pensamentos, uma vez que eu não vou conseguir tirar da minha cabeça o que aconteceu hoje tão cedo, muito menos nesse ano.

— Naquela hora que você estava sentindo dor, por que não me avisou antes? Se era a sua primeira vez, você deveria ter me falado, afinal, eu não quero que haja sofrimento na sua primeira relação sexual, ainda mais comigo.

— Eu queria chegar mais longe, porque eu sempre leio que uma hora a dor diminui e vira prazer.

— Infelizmente não é bem assim que funciona, pois o prazer só acontece em poucos casos. Jamais acredite em tudo que é mostrado na ficção, isso só atrapalha na nossa vida e nos faz criar expectativas inexistentes. — Ela tem razão, eu não devo ficar apenas focada em algo que nem existe, mas sim aproveitar a realidade enquanto ela é boa para tal.

Sem que nós percebêssemos, era a hora de sairmos do veículo para entrarmos em casa. Antes que eu imaginasse abrir a porta, a minha amada fez isso por mim, mostrando seu lado poético.

Agradeci e peguei a chave para a gente poder entrar ou ficaríamos para fora sem nem ter chance de outra realidade. Assim que eu destranquei a entrada, fui direto ao meu quarto para trocar de roupa, pois eu não aguentava mais ficar vestida com tanta formalidade.

— Se quiser trocar também, fique a vontade. — Durante a criação do nosso acordo de namoro, aquele que evita problemas mais sérios em um relacionamento amoroso, decidimos que a outra terá pelo menos uma peça de roupa do tamanho da parceira. Dessa forma não tem chance de sermos obrigadas a ficar com uma vestimenta desconfortável.

— Obrigada. — Ela entrou após a minha oferta e colocou a peça casual.

Quando as duas estavam prontas para ficar em casa aproveitamos para assistir algumas séries e depois dormir, afinal, ninguém é de ferro.

— Como eu amo essa série! Os personagens são sensacionais! O enredo também é uma delicia! — Após gritarmos tanto sobre o quanto amávamos essa mídia, sentimos que era a hora de deitar a cabeça no travesseiro e sonhar.

Como não cabe nem eu direito no apartamento, fui obrigada a colocar dois colchões para que dormíssemos uma do lado da outra.

— Durma bem. — Essa foi a última frase que eu ouvi antes de cair no meu sono profundo de beleza.

— Dormi tão bem! Acho que você me faz bem mesmo, por que não mora comigo? Digo, em uma casa maior, em um local com espaço.

— Seria ótimo, precisamos apenas achar uma forma de guardar dinheiro, porque se as duas conseguirem a meta, com certeza a gente compra um apartamento maior do que esse. — Na hora eu comecei a chorar de felicidade somente ao imaginar como seria a nossa vida quando morarmos juntas.

— Eu te amo.

— Eu também te amo. — Beijamo-nos e a derrubei no colchão para ficarmos mais tempo juntas.

1 de Março de 2020 às 02:21 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Mais histórias

I Wanna Be Yours I Wanna Be Yours
Eros Eros
Novembro Azul Novembro Azul