blsilva Bárbara Lúcia

Como não se render ao charme avassalador que ele tem? Ela nunca soube. Não havia como, pensava ela. Ele é realmente perfeito demais, sabia disso, mas mesmo assim, era irresistivelmente difícil não se render àquela atração avassaladora. É perigoso, mas isso era a menor da menor de suas preocupações. Por toda a vida, foi ela. Por todas as horas, minutos, segundos... Sempre viveu por ela. E mesmo que não entenda, Damian Clark voltará ao começo de tudo, até o fim novamente, em um limbo alucinante, até Breezy Parker entender e se der conta do que está acontecendo de fato com cada uma de suas vidas...


Ficção adolescente Todo o público. © Todos os direitos reservados

#romance #mistério #vampiro #lobos #bruxas
0
1.9mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Domingos
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo: um dos começos chega ao fim...

Como não se render ao charme avassalador que ele tem?

Ela nunca soube como. Não havia. Ele era realmente perfeito demais, sabia disso e, mesmo assim, era irresistivelmente difícil não se render àquela atração avassaladora. Era perigoso, mas isso era a menor da menor de suas preocupações. Finalmente, a olhou profundamente, tanto que lhe tirou o fôlego. Ele a segurava em seus braços como se nada pudesse tirá-la dali, não deixaria que nada a machucasse, mesmo que precisasse morrer para salvá-la de qualquer mal que existe nesse mundo cruel.

Por toda a vida, foi ela. Por todas as horas, minutos, segundos... sempre viveu por ela. A razão de estar ali... era ela. E, mesmo que não entenda, ele continuará a fazer as mesmas coisas, do mesmo modo, sempre. Até ela entender e se der conta do que está acontecendo de fato com sua vida... e morte.

Ele já não se lembra mais de como é sentir o ar nos pulmões, sentir o coração pulsar, sentir o sangue quente correr por entre as veias... é quando mais sente vontade de voltar no passado e reverter tudo o que aconteceu, tentar salvar a vida dela no começo de tudo seria mais fácil, agora sabendo que, quanto mais ela voltava em uma nova vida, mais complicado ficava quando se reencontravam. Sempre era complicado para eles quando se aproximavam demais e não era justo.

Ela, finalmente, abriu os olhos por completo, depois de quase uma hora adormecida em seus braços gelados cobertos pela blusa de frio fina. Sorrindo para ele, ela diz, olhando fixamente em seus olhos:

– Há quanto tempo...

Ele a interrompeu lhe dando um beijo de leve, seus lábios rosados e gelados pelo frio se curvaram em um sorriso em seguida.

– Não se preocupe, está tudo bem.

Ele falou com tanta segurança, que ela quase acreditou que tudo não passava de um sonho... ou pesadelo. Mas o perigo era tão eminente quanto a tristeza estampada no rosto dele.

– Por favor, não minta mais para mim. Eu... Eu preciso saber de tudo o que está acontecendo entre nós...

– Ou por nossa causa. – Ele murmurou, nervoso.

Seu olhar era tão doce que ele sentia repulsa de si mesmo. Não podia continuar com isso, ela não merecia, precisava parar de procurá-la a cada nova vida e dar a ela uma chance de viver sem sofrer as consequências que o encontro dos dois traziam para suas vidas... Mas, mesmo assim, se negava a deixá-la. Amava-a tanto que chegava a doer. E ela continuou a observá-lo...

– Isso é para seu bem. – Ele falou tão suavemente, que sua voz chegou aos ouvidos dela como bolinhas de algodão. Novamente, ela olhou para a floresta, como fizera antes de adormecer. Abaixo de seus pés, havia somente neve. Estavam em terra firme agora, mas ela jurava ter saído alguns metros do chão, antes de desmaiar em seus braços... Impossível, estava delirando. Será que estava sonhando?

– E o que foi aquilo? Por que... Por que não me conta nada?

Ele cerrou os dentes, estava começando a ficar nervoso. Sempre que fazia estas perguntas, ele ficava. Não dava para explicar tudo a ela. Não havia tempo e ela jamais entenderia toda a situação. E, mesmo que ele contasse, nunca acreditaria...

– O que foi? – Disse ela, tocando de leve em seu rosto frio.

– Não é nada.

Ela sentiu aquele calafrio horroroso novamente, como se fosse um aviso. Estava cansada de senti-lo todas as vezes que chegava perto demais dele.

– É melhor você dormir mais um pouco.

Ela o olhou, a testa franzida, os lábios contraídos. Ele conhecia muito bem essa expressão.

– Não, não estou com sono. Quero uma explicação. Agora!

Ele suspirou, fechando os olhos. Ela era teimosa demais, como nas outras vidas.

– Você nunca muda...

Estranhamente, ela sorriu. Mas não havia entendido o sentido da frase.

– Vai me explicar?

– O que você quer saber?

Ele a segurava nos braços, em pé, debaixo de um pinheiro enorme.

– Há quanto tempo está me segurando aqui? Como pode fazer isso?

Ele sorriu. Ela teve que admitir, era o sorriso mais lindo que já havia visto em toda a sua vida. E sentiu que estava gostando dele, ou pior... Estava perdidamente apaixonada.

– Você não é tão pesada. E nós não estamos aqui há tanto tempo.

Pelo que ela se lembrava... Estavam sim.

– Não sei se posso confiar na sua resposta. – Ela disse, e ele sorriu e a olhou em seguida. Um vento frio bateu em seus cabelos, deixando seu aroma doce espalhado por ali. Ela era uma ótima isca e aquela, uma ótima oportunidade...

E ele amava esse cheiro. Amava e odiava. Seu desejo em possuir esse cheiro em toda a sua essência era mortalmente feroz, ele lutava contra tudo dentro de si, somente para mantê-la segura e em seus braços o quanto podia, sem a machucar...

– Nunca acreditaria se eu contasse a verdade.

Ela franziu a testa, mas, desta vez, não estava nervosa, estava assustada.

– O que está havendo?

Ele suspirou. O cheiro dela ainda estava no ar. Se já não fosse tarde, ele podia tentar salvá-la, como sempre uma tentativa desesperada e inútil de mantê-la viva, tão inútil que sempre se decepcionava com os resultados de seus esforços. Então, se contentando com os últimos minutos ou talvez segundos com ela em seus braços, ele a desceu de seu colo, passando sua mão pela sua nuca, encostando seu nariz gelado no dela e dizendo, pela... já havia perdido a conta de quantas vezes havia dito isso:

– Eu sei que não vai entender nada agora... Mas, por favor, tente se lembrar pelo menos disso...

Ele lhe deu um beijo apaixonado e tão quente quanto da última vez.

– Eu te amo, Katsya! – Ele disse, se virando para aquilo que, sem sombra de dúvida, levaria sua amada, novamente, para o leito de morte.

Aquele borrão escuro e horrendo, trajando uma capa preta, com os olhos sombrios e fome voraz se aproximou deles mais rápido o quanto podia para saciar sua fome e sede de vingança. E, então, mais um começo chega ao fim...

21 de Fevereiro de 2020 às 01:25 4 Denunciar Insira 1
Leia o próximo capítulo A Penúltima vida de Breezy Parker

Comentar algo

Publique!
Karimy Lubarino Karimy Lubarino
Olá! Escrevo-lhe por causa do Sistema de Verificação do Inkspired. Caso ainda não conheça, o Sistema de Verificação existe para verificar o cumprimento das Regras comunitárias e ajudar os leitores a encontrarem boas histórias no quesito ortografia e gramática; verificar sua história significa colocá-la entre as melhores com relação a isso. A verificação não é necessária caso não tenha interesse em obtê-la, então, se você não quiser verificar sua história, pode ignorar esta mensagem. E se tiver interesse em verificar outra história sua, pode contratar o serviço através de Serviços de Autopublicação. Sua história foi colocada "Em revisão" pelos seguintes apontamentos retirados dela: 1)Pontuação: "tentando equilibrar os materiais e ao mesmo tempo, correr" em vez de "tentando equilibrar os materiais e ao mesmo tempo correr" ou ainda "tentando equilibrar os materiais e, ao mesmo tempo, correr". 2)Acentuação: "procura-la" em vez de "procurá-la" 3)Outros: uso de dois tempos verbais na narrativa, como "é" - presente - e "era" pretérito>: é algo bastante recorrente na história. Palavras faltando, como em "tanto lhe tirou o fôlego" em vez de "tanto que lhe tirou o fôlego"; "fazia-a" em vez de "lhe fazia". Aconselho que procure um beta reader; é sempre bom ter alguém para ler nosso trabalho e apontar o que acertamos e o que podemos melhorar, e os betas do Inkspired, quando contratados, fazem uma análise detalhada da sua história e a enviam através de um comentário. Caso se interesse, esse recurso também é disponibilizado pelo Inkspired através do Serviços de Autopublicação. Além disso, também temos o blog Tecendo Histórias, que dá dicas sobre construção narrativa e poética, e o blog Esquadrão da Revisão, que dá dicas de português. Confira! Com relação ao enredo, a história parece bastante interessante e achei muito bacana ter colocado a personagem principal estudando na mesma escola que o irmão: achei uma graça os dois conversando, parecem se dar bem. Você por um acaso se inspirou na saga Fallen? Simplesmente amo essa história (estou louca para reler). Com relação à classificação etária: sua história está marcada como "Todo público", o que significa que ela não conterá cenas que insinuem sexo - sejam explícitas ou não - nem cenas violentas - sejam moderadas ou extremas. Ou seja, uma criança poderia ler a história sem problema, está correto? Caso não, peço que adeque a classificação etária de acordo com o que ocorrerá na história a fim de que ela corresponda às Regras comunitárias. Bom... Basta responder esta mensagem quando tiver revisado a história, então farei uma nova verificação.
February 26, 2020, 13:00

  • Bárbara Lúcia Bárbara Lúcia
    Olá. Gostei muito da sua observação, agradeço pelo feedback e vou seguir suas orientações. February 27, 2020, 13:12
  • Bárbara Lúcia Bárbara Lúcia
    E sim, me inspirei em Fallen, Crepúsculo e em The Vampire Diares <3 February 27, 2020, 13:57
  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Caso tenha alguma dúvida, basta falar. Uhh! Amo demais todos eles, então certamente vou adorar sua história também. Bom, se precisar de uma nova verificação, basta dizer. February 27, 2020, 14:28
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 3 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Mais histórias

Pompéia Pompéia
Nem eu imaginava Nem eu imaginava
O Cavalo Domado O Cavalo Domado