Quem é Você? Seguir história

ddfelipi ddfelipi

Com dezessete anos e uma vida relativamente calma, Eren há alguns anos vem tendo sonhos sobre a vida na qual nunca imaginou ter. E ainda mais, depois de saber que a vida que via em sonhos era contada por um anime de mais de duzentos anos. O resultado de tudo isso, foi uma dança. Estranhamente nostálgica e dolorosa, pois só ele sabia o significado de todos os gestos daquele músico que não parecia entender os sentimentos de alegria, felicidade e saudades dentro do seu peito.


Conto Todo o público.

#boyslove #yaoi #reencarnação #vidapassada #romance #attackontitan #shingekinokyojin #erenyeger #erenjaeger #riren #ereri
Conto
1
852 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Quem é Você? - Capítulo Único

Sentiu mais um empurrão.

— Não tem olhos? — esbravejou o moreno de olhos verdes para a décima pessoa que lhe tinha dado uma cotovelada aquele dia.

Este levava uma farda militar um tanto usual, com tiras de couro que apertava sua coxas e uma jaqueta também de couro, todos em um marrom escuro.

— Precisa ter mais paciência com as coisas, Eren. — respondeu um loiro de olhos azuis, com um sorriso divertido para o rosto enfezado do moreno. Este fantasiado de um filme bem antigo: Alice No País das Maravilhas, algo que combinava muito com o ar angelical que o garoto baixo e de cabelos acima do ombro passava.

— Paciência… — Murmurou entre os dentes — sabe quantas vezes já me empurraram hoje?

— Conta com aqueles que foram dados pelos seus fãs desesperados por uma foto? Acho que vários! — comentou dando uma risadinha.

— Estou falando sério. — Eren semicerrou os olhos para aquele sorriso que não sumia da boca de Armin.

— Vá, para com isso! Daqui uns minutos nós vamos embora, relaxa um pouco. — Armin falou, dando um tapinha gentil no ombro de Eren.

— Vou tentar… — retrucou com a cara azeda.

Estavam há algumas horas dentro do pavilhão gigantesco, que estava coberto por um mar de gente fantasiada dos mais variados personagens.

O pavilhão era alto e as luzes brancas faziam com que Eren perdesse um pouco a noção do tempo que ele e seu melhor amigo, Armin, estavam ali.

Eren era um cosplayer conhecido mundialmente. Sim! Mundialmente! Pelos seus famosos olhos turmalinas naturais, que eram idênticos ao personagem que mais se aplicava a dar vida. E que, por coincidência, tinha o mesmo nome.

Algumas pessoas já diziam que Eren havia nascido para fazer o papel do protagonista do anime Shingeki No Kyojin, outras diziam que ele era o próprio — tamanha semelhança.

Mas a verdade somente o moreno de olhos verdes sabia. Somente ele e mais a pessoa dos seus sonhos sabiam, ou assim pensava.

Estavam no ano de 2212 e Shingeki no kyojin se classificava como um anime antigo, mas que ficou marcado na história, a ponto de mais de duzentos anos depois ainda ser lembrado e ser aclamado pelo público.

Pelo que lia em sites e até mesmo livros de história, a animação que tanto admirava havia conquistado o topo dos melhores animes, deixando no chinelinho aquele que ficou por anos na posição.

Era surreal e inspirador.

O moreno estava no seu próprio stand com Armin ao seu lado, ajudando a vender seus produtos e fotos profissionais que tirava ao encarnar a personagem que tanto admirava.

— Vou querer aquela foto que faz referência ao Levi. — disse uma moça de cabelos encaracolados e olhos castanhos. Ela que agora tinha alcançado a sua vez na fila.

Armin sorriu.

— Uma boa escolha! — exclamou ele, andando devagar para pegar a foto que estava pendurada por um prendendor preto, em uma corda de sisal. — já percebeu que as pessoas andam pedindo muitas fotos que fazem referência ao Capitão? — comentou Armin num murmúrio ao moreno que estava do seu lado pegando uma foto também.

— Eles gostam bastante… — respondeu desinteressado.

— Deveria tentar achar alguém para fazer par contigo, as pessoas iriam pirar. — comentou ele se virando e pegando um saquinho transparente para pôr a foto.

— Queria fazer com o Lavlien, mas ele já tem o par dele… — começou por dizer — além disso, ele mora na Rússia.Como diabos eu iria para lá?

— Avião, talvez? — disse Armin dando mais um sorrisinho divertido, mas aí olhar para a carranca estampada no rosto de Eren, resolver concordar — Verdade… — comentou Armin entregando a foto a menina de cabelos enrolados que deu um sorriso e agradeceu.

— Eren, podemos tirar uma foto? — falou de repente, um rapaz francamente baixo e de cabelos castanhos.

— Claro! — respondeu o moreno com um sorriso, enquanto dava a volta para sair do stand.

— Não sei como agradecer… — disse o castanho enquanto posicionava o celular para tirar uma típica selfie.

— Pode agradecer postando essa foto e dizendo que sou a melhor pessoa desse mundo. — respondeu divertido enquanto sorria para o celular. — um abraço? — perguntou o moreno.

— Mas é claro!

E assim foi a tarde dos garotos até o cair da noite. Com vários abraços e pessoas com quem conversavam e tiravam fotos.

Não era bem a vida que Eren pensava para si, mas quando Armin chegou dizendo que o melhor anime do mundo parecia ter quase todas as pessoas do seu círculo de amigos, o moreno se assustou, ainda mais porque conhecia aquela história sem mesmo nunca ter assistido a animação.

Mas como poderia contar isso ao Armin? Como contaria que sonhava todas as noites com exatamente as mesmas coisas que o anime retratava?

Como diria?

Seria taxado de louco, no mínimo. Bom, pelo menos pensou isso apenas por alguns meses, antes de perceber que poderia lucrar com isso e o resultado foi bem mais do que o esperado.

Ganhou reconhecimento até mesmo do estúdio que tinha animado todo o mangá na época que estava sendo lançado. Poderia dizer que queria reconhecimento também do seu autor, mas isso era algo bem impossível já que o mesmo se encontrava morto há mais de duzentos anos.

O que também leva a ponderar o sucesso do estúdio, que mesmo depois de tantos anos, conseguiu se manter com uma linha de sucessos sem muitas alterações.

Estava voltando a pé pelo centro da cidade, e até mesmo Eren que sempre teve a cabeça nas nuvens, percebeu que as ruas estavam francamente mais iluminadas que o normal, principalmente na região da praça central.

O que o fazia lembrar de um concerto que teria ali aquela noite.

Mesmo cansado de todo o trabalho que fez a tarde toda, alguma coisa lhe dizia para passar pela praça e olhar quem iria cantar ou tocar.

Nos cartazes espalhados pela cidade não dizia nada sobre quem estaria presente à frente do piano, que mesmo de longe,Eren já podia escutar alguma melodia à medida que dava passos na direção do concerto.

Assim que virou uma esquina, se viu ao meio de um (mais um) mar de gente, contemplando aquele estava sendo destacado por uma luz alaranjada ao meio do palco.

De cabelos negros e bem alinhados com a linha dos olhos, terno negro e um relógio que reluzia com a iluminação de local, Eren pode ver aquele com quem sonhava todas as noites.

— Não pode ser… — murmurou depois de andar mais um pouco e forçar a vista para enxergar melhor e ter certeza de que tudo que estava vendo, era real.

"Levi? Aquele Levi reconhecido mundialmente? Aqui neste fim de mundo? Quer dizer… o Levi?" — pensou ele à medida que se aproximava mais da multidão, rompendo passagem para tentar chegar o mais perto que aquela roda de pessoas lhe permitiria.

A voz dele começou a ressoar por toda praça, deixando a maioria de boca aberta ou de olhos fechados. A letra da música era algo que ao ouvir causava arrepios e até mesmo choros silenciosos. Tamanha dedicação para tocar e cantar.

Eren não reconhecia a melodia da música, mas assim que começou a primeira estrofe, um nó na sua garganta se formou, deixando a parede interna dos seus ouvidos doendo.

O que eu devo fazer sem você?

É tarde demais para catar os pedaços?

Muito cedo para se desfazer deles?

Você se sente abatido assim como eu?

Seu rosto, ele faz meu corpo doer

Isso não vai me deixar em paz.

Eren se aproximou do palco com algumas lágrimas no rosto e o coração apertado. Era a mesma música que ouviu Levi cantar anos atrás.

Flashback

Sentado na beira da sacada do castelo QG da tropa de exploração, Levi olhava a lua nova no céu. Brilhante e azul. Estava tão acostumado com aquele céu agora, que mal se lembrava da primeira vez que o viu. Mas ainda que acostumado, aquele céu era o único que o acalmava completamente.

Nunca imaginou que aquele pirralho se declararia, falaria que o amava, falaria que queria estar junto a ele e que mataria por ele.

Era tão intenso. Osolhos não tinham um pingo de mentira, Levi havia visto apenas sinceridade dentro das orbes turmalinas. E aquilo assustava-o, de maneira que saiu de frente do garoto sem dar um resposta.

Sabia que não podia deixar as coisas assim… mas, o que fazer? Sentia a mesma coisa pelo garoto, entretanto, se ele se rebelasse contra a humanidade, a tarefa de Levi era matá-lo.

Como mataria alguém que amava?Não podia, o QG não aprovaria.

Levi olhou mais uma vez para a Lua.

— Você não pode me dar uma resposta, não é? — murmurou e de repente uma Imagem passou pela sua cabeça. Uma das vezes que teve que cantar para pagar um dívida para Isabel. Sorriu em lembrança de cantar sob a luz da lua, na frente de um bar cheio de bêbados.

Lembrava-se da letra. Uma menina que havia escrito e pediu para que cantasse para o seu amor perdido.

— É isso que quer que eu faça? Cante sob a sua luz? — Sorriue abriu a boca para cantar.

O que eu devo fazer sem você?

É tarde demais para catar os pedaços?

Muito cedo para se desfazer deles?

Você se sente abatido assim como eu?

Seu rosto, ele faz meu corpo doer

Isso não vai me deixar em paz.

Atrás de uma das cortinas, Eren observava com admiração para com o Capitão. A voz era melódica e anelada, se moldando perfeitamente à canção que cantava. Era lindo e sentia a tristeza por trás das palavras e por mais que não quisesse admitir, entendeu o recado.

Não podiam.

E foi com esses pensamentos que saiu de trás das janelas e desceu as escadas com um aperto no peito.

Fim do Flashback.

Sem muita explicação, Levi sentiu como se algo puxasse seus olhos para fora do palco, e desviando-os por alguns segundos das teclas do piano, pode ver um par de olhos verdes fixos nele.

Sentiu um aperto no peito, e por mais que nunca tivesse visto aquele garoto na vida, os olhos marejados e o rosto contorcido em tristeza, deixava o seu corpo em pânico. Como se não quisesse ver aquela expressão tristonha num rosto que deveria ser ainda mais lindo com um sorriso.

Era automático e quando deu por si, estava apenas cantando, se aproximando da ponta do palco e estendendo a mão para o moreno.

As rachaduras não vão se consertar e as cicatrizes não irão desaparecer

Acho que eu deveria me acostumar com isso

O lado esquerdo da minha cama é um espaço vazio

Eren subiu no palco e estranhou a atitude de Levi.

Ele lembrava-se de tudo? Ele sabeia quem era Eren? O que estava acontecendo? Porque o seu corpo estava quente e reagindo ao toque delicado daquelas mãos tão pálidas?

A mão de Levi apertou a cintura de Eren, trazendo-o para perto. Os olhos cinzentos lacrimejaram, e a voz tremeu um pouco sobre o microfone que tinha na camisa.

Uma nota errada. Qual era o significado?

Lembro que éramos estranhos

Então, me diga, qual é a diferença

Entre o antes e agora

Um rodopio em cima no palco? Por que aquela dança singela apenas lhe causava uma falta de ar?

E por que isso parece um afogamento?

Dificuldades para dormir

Sonhos inquietos.

Levi sentia um dor do peito, não entendia o porquê das suas atitudes, não entendia nada do que acontecia. Mas queria aquele garoto perto de si. Queria o perto, queria o ver bem, sem aquele rosto de tristeza.

E o mais estranho é que nunca parava de cantar, seus lábios se mexiam sozinhos, como se quisessem passar alguma mensagem.

Você está em meus pensamentos

Sempre, sempre

Eu só me apavorei, apavorei

Eu sei que não há mais nada para se agarrar

Mas eu ainda estou chamando seu nome

Você está em meus pensamentos

Sempre, sempre, sempre

Quando acabou a última estrofe, ouviu os aplausos. Era como se tivesse cantado apenas para aquele garoto. Não tinha visto mais o público, ou a luz alaranjada. Tinha visto só ele numa paisagem verde. O que poderia significar? O que ele significava.

O que era ele?

Eren estava praticamente em choque, a pequena dança e aquela aproximação o deixaram sem reação. Não viu mais nada depois que aquele homem o agarrou pela cintura e o rodou em cima do palco de madeira.

O que poderia ser?

Ele havia se lembrando de tudo? Poderia contar que estava apaixonado por eles durante toda a sua vida?

O coração sob a camisa batia em um ritmo desenfreado.

Levi olhou nos olhos verdes. Não poderia ficar parado ali, teria que perguntar e sanar todas as suas dúvidas:

— Quem é você?

12 de Fevereiro de 2020 às 04:38 1 Denunciar Insira 2
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Karimy Lubarino Karimy Lubarino
Olá! Escrevo-lhe por causa do Sistema de Verificação do Inkspired. Caso ainda não conheça, o Sistema de Verificação existe para verificar o cumprimento das Regras comunitárias e ajudar os leitores a encontrarem boas histórias no quesito ortografia e gramática; verificar sua história significa colocá-la entre as melhores com relação a isso. A verificação não é necessária caso não tenha interesse em obtê-la, então, se você não quiser verificar sua história, pode ignorar esta mensagem. E se tiver interesse em verificar outra história sua, pode contratar o serviço através de Serviços de Autopublicação. Sua história foi colocada "Em revisão" pelos seguintes apontamentos retirados dela: 1)Pontuação: "O resultado de tudo isso, foi" em vez de "O resultado de tudo isso foi"; "falou de repente, um rapaz francamente baixo" em vez de "falou de repente um rapaz francamente, baixo"; "antes de perceber que poderia lucrar com isso e o resultado" em vez de "antes de perceber que poderia lucrar com isso, e o resultado" 2)Acentuação: 3)Outros: A frase da sinopse começada com "E ainda mais" parece incompleta. "tiras de couro que apertava sua coxas" em vez de "tiras de couro que apertavam suas coxas"; "mas aí olhar para a carranca [...] resolver concordar" em vez de "mas ao olhar para a carranca [...] resolveu concordar". Uso incorreto de "mesmo" no lugar de "ele", "ela", "dele", dela", como em "o mesmo se encontrava morto" em vez de "ele se encontrava morto". Uso de dois tempos verbais na narração como "leva" — no presente — e "virou" — no pretérito. Observação: os apontamentos acima são exemplos, há mais o que ser revisado na história além deles. Aconselho que procure um beta reader; é sempre bom ter alguém para ler nosso trabalho e apontar o que acertamos e o que podemos melhorar, e os betas do Inkspired, quando contratados, fazem uma análise detalhada da sua história e a enviam através de um comentário. Caso se interesse, esse recurso também é disponibilizado pelo Inkspired através do Serviços de Autopublicação. Além disso, também temos o blog Tecendo Histórias, que dá dicas sobre construção narrativa e poética, e o blog Esquadrão da Revisão, que dá dicas de português. Confira! Bom... Basta responder esta mensagem quando tiver revisado a história, então farei uma nova verificação.
February 12, 2020, 14:01
~