AMORES DESCOBERTOS Seguir história

juanpablo Juan Diskay

Um rapaz jovem e bonito, em uma situação repentina, encontra e expõe os seus mais profundos desejos, numa relação íntima e intensa com uma mulher mais velha. Na sequência dos fatos, inesperadamente ele acaba encontrando na sua tia, irmã da sua mãe, uma ruiva lindíssima, um amor profundo e eterno, quebrando a monogamia dela, fazendo com que os dois procurem a melhor forma para conviver com este sentimento. Esta é uma obra de ficção. Qualquer semelhança com fatos ou pessoas terá sido mera coincidência. Obra registrada. Plágio é crime.


Erótico Para maiores de 18 apenas.

#amoresdescobertos
2
1.2mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Surgindo os desejos - Parte I

Ainda era oito horas da manhã e o calor já estava no nível do insuportável. Incomum para o período.

Neuza ainda não chegou a casa de seu filho, Lúcio. Havia vários meses que não o visitava. Está parada no trânsito a tempos e parece que não tem previsão para chegar. Ela observa as pessoas transitando nas calçadas com todas aquelas roupas. – Como é que aguentam? Pensou.

- Será que Maysa ainda estará em casa? Imaginando que sua nora teria ido trabalhar.

Maysa, sua nora, estará aguardando sua sogra chegar, pois pediu o dia de folga no seu trabalho e ajeitar alguns afazeres pessoais, e como era sexta-feira, aproveitaria também o final de semana para arrumar suas coisas.

Seu marido, Lúcio viajou no dia anterior para um congresso da empresa onde ele trabalha e deverá ficar cinco dias fora.

Neuza está apenas de passagem, para fazer alguns exames de rotina e estaria prevendo retornar no dia seguinte, no sábado, para casa.

Enfim o trânsito começou a andar um pouco. Neuza está louca para chegar na casa e tomar logo um banho. Seu corpo estava úmido de suor.

- Seu carro não tem ar condicionado? Perguntou ela ao motorista do aplicativo.

- Perdão, Senhora! Acredite. Quando respondi ao seu chamado, o ar apresentou um problema. Deve ser fusível! Respondeu o motorista.

- Lhe darei um desconto na viagem por este desconforto!

- Não quero desconto. Quero que saia logo deste trânsito! Respondeu Neuza irritada. Aqui está parecendo o deserto do Saara…!!

- Está mesmo!! Resmungou o motorista.

Enfim, Neuza chegou na casa de seu filho. Pegou suas malas, pagou o aplicativo e afobada, bateu a campainha várias vezes, irritando sua nora com tanta impaciência.

Apesar das atitudes impacientes das duas, elas sempre se deram muito bem, e desde o namoro da Maysa e Lúcio, Neuza sempre aprovou o relacionamento. “– Menina ótima! Boa escolha de Lúcio! ”. Disse.

- Oi, minha linda! Que saudades!

- Oi, Mãe! Saudades!

Abraçaram fortemente assim que se viram.

- Pare de me chamar de mãe! Nem sua sogra sou. Sou sua amiga (risos).

- Pode me chamar de Neuza mesmo...

- É só respeito. Mas tudo bem!

Maysa correu os olhos de cima até embaixo no corpo de Neuza. Ficou admirada com a beleza daquela mulher madura de quarenta e sete anos Cabelos, pele, olhos, mãos, pernas, tudo perfeito. Uma mulher mãe em um corpo de uma mocinha de 20 anos. – Linda! Pensou.

Maysa também era uma mulher muito bonita.

Uma ruiva de vinte e sete anos, (mesma idade de Lúcio) com um corpo perfeito. Pernas roliças e torneadas, cabelos bem tratados, seios perfeitos, bumbum avantajado, mas sem exagero. A pele parecia de seda. Produziram-na por dias antes de enviar para a Terra. Lindíssima.

Uma educação exemplar. Sempre tratou todos muito bem. Imaginar que ela nem frequentava academia ou fazia qualquer outro tipo de atividade física. Uma jóia.

Enquanto entravam, Maysa observava o bumbum da sogra quando ela andava, provocava um pequeno rebolado onde aparecia uma suave marca da calcinha que Neuza usava sob aquele vestido. Comentou Maysa:

- Nem sei o porquê que você veio fazer exames. Parece perfeita. Você está muito linda!

- Por fora pode até parecer perfeito, minha linda! Tenho me cuidado muito. Depois que Edmilson saiu de casa após o seu casamento com o Lúcio, percebi que estava muito abandonada e cuidando muito pouco de mim.

- Assumi o meu lado que estava adormecido e resolvi mudar minha vida por completo. Agora, eu vou ver como está por dentro! Comentou Neuza.

- É. Atitude ruim do Sr. Edmilson! Vai arrepender quando te ver novamente! Você está realmente muito bonita. Parabéns! Observou Maysa.

- Obrigada, Maysa! Você que é linda! Agradeceu a Neuza, dando outro forte abraço na nora.

Maysa levou-a até um dos quartos de hóspedes, e passaram alguns minutos conversando.

Neuza disse:

- Ufa! Preciso de um banho urgente! Não estou aguentando este calor! Tenho um exame no início da tarde. Vou me preparar!

Neuza foi tirando a roupa apressadamente, mostrando seu corpo escultural de uma mulher de meia idade, mostrando seus seios empinados com os bicos rosados, o púbis apresentando pequenos pelos como se fosse uma adolescente, pernas perfeitas unindo ao bumbum moldado, nem grande e nem pequeno, pegando a toalha e correndo para a ducha. Maysa enrubesceu as maçãs do rosto quando viu aquele corpo, olhou timidamente para a sua sogra de cima a baixo novamente.

- Vou preparar o almoço. Qualquer coisa que precisar, me avise! Levantando rapidamente.

- Obrigada, linda! Respondeu a sogra.

A água estava ótima. Morna pelo calor. Neuza ficou uns quinze minutos só saboreando o prazer daquela água contornando e serpenteando seu corpo. Uma ducha e tanto. Logo depois se lavou e vestiu uma roupa confortável. Apenas uma calcinha e um vestido solto, aguardando o momento para ir fazer os exames.

- Puxa. A água estava ótima. Estava precisando urgente deste banho. Meu corpo até transformou.

- Quando você for ao médico, tome outra ducha. Vai refrescar bem. Hoje parece que ligaram um forno! Ofertou Maysa.

Neuza observou sua nora que estava de costas para ela, e sorrateiramente pensou: - Meu filho está passando bem. Olha só que mulher linda esta minha nora!

Neuza sentou à mesa da copa e sem querer, escaneou a nora por inteiro. Parte dos cabelos soltos até a metade das costas, uma blusa coladinha no corpo, destacando a marca do soutien, mostrando as curvas de sua cintura, usava um short meio folgado e um pouco caído, aparecendo o início da fenda de sua perfeita bunda, demonstrando timidamente a marca da calcinha. As pernas perfeitas destacavam as coxas roliças e bem torneadas, a panturrilha com contornos moldados. Era perceptível que ela estava sentindo muito calor. Seu corpo brilhava meio fosco por causa do suor. Por aquela pele lisa, quase que dava para ver o brilho dos pêlos ruivos de todo seu corpo.

- Quer ajuda? Perguntou.

- Claro. Se quiser, pode começar a preparar a salada. Fique ao seu gosto. As frutas e legumes estão na parte de baixo da geladeira. Fique à vontade! Indicou Maysa.

- Ah! O meu sobrinho, filho da Beth, minha irmã, irá almoçar com a gente! Ele vai tentar vestibular aqui na capital, e está em um cursinho preparatório. Chegou quarta-feira e ficará até segunda-feira. Virá almoçar conosco hoje! Avisei a ele que você chegaria! Informou Maysa.

- Beth? Sua irmã? Acho que me lembro dela. A mais velha, né? Perguntou Neuza.

- Isso! Acho que vocês se viram no meu casamento!

- Sim. Agora me lembro! Ela já tem filhos adultos?

- Tem sim. Um rapaz, Pedro Henrique, o que está aqui e mais duas moças.

- Lúcio o conheceu? Questionou Neuza.

- Claro! Até saíram juntos! Parece que ficaram muito amigos. Quando estavam juntos, esqueciam até de mim (risos).

- Mas a noite, Lúcio lembrou de você, não é?

- Claro. Nisto ele lembra quase todos os dias! Respondeu Maysa, vergonhosamente.

- Ué? Porque você ficou vermelha? Somos amigas. Ou você acha que eu não sei dessas coisas? Disse Neuza.

- Apesar de que o Edmilson me procurava pouco, nós éramos como dois animais no cio. Fazíamos de tudo. Era muito bom!

- Nossa, Neuza! Pare com isso! Não preciso saber de suas intimidades. Irritou Maysa.

- O quê que tem? Este assunto fica só entre nós duas. Eu não comento nada disto com outra pessoa! Na verdade, tenho poucas amigas. As que eu tenho nunca falei sobre minhas intimidades.

- Me desculpe, Neuza! É que eu também tenho poucas amigas e nunca falo também sobre isto. Eu nem sei se o que eu e Lúcio fazemos é o certo ou o errado. Eu gosto, ele gosta, então está bom para nós dois! Disse Maysa.

- Vamos fazer um trato! Indagou Neuza. Vamos falar sobre isto, porém sem detalhes. Como duas amigas mesmos. Primeiro nem quero saber se Lúcio é bom ou não de cama. Segundo precisamos falar algumas coisas destas de vez em quando, até mesmo para aliviar nossos desejos e sentimentos. Desabafou Neuza.

- Concordo! Eu fico muito presa com as minhas dúvidas. Lúcio foi e é meu único homem. Perdoa meu stress. Fico feliz em poder falar um pouco sobre este assunto. Minha mãe me orientou muito pouco sobre a minha sexualidade! Trato feito! Sorriu Maysa.

- Eu precisava falar com alguém. Desde que Edmilson me largou, há dois anos, nunca estive com outro homem. Ando pela rua, nos shoppings, e sempre tem algum idiota insinuando algum atrevimento comigo. Não quero este tipo de homem. Na verdade, nem sei se tenho paciência para algum outro relacionamento mais longo ou outro casamento! Confessou Neuza.

- É evidente que uma mulher com o seu perfil e com a sua beleza irá chamar muita atenção dos homens. Ainda não sei como é ter abstinência em relação ao sexo. Estou satisfeita com o Lúcio! – E já que estamos falando sobre isto, vou confessar para você uma coisa e pelo amor de Deus, Neuza, não fala para ninguém. A muito estou louca para falar sobre este assunto.

- Pode falar, Maysa! Pode confiar em mim!

- Você sabe que eu trabalho em uma empresa de advocacia e no segundo semestre do ano passado, a empresa contratou um advogado de fora, e ele se interessou por mim. Na verdade, nem sei porque pois não dou ousadia para estas coisas e o pessoal do escritório me respeita muito, e ele começou a dar de cima de mim por meses e eu sempre relutei muito. Apesar de ele ser uma pessoa bacana, e muito bonitão, por sinal, eu resisti até ele desistir. Confesso que em determinado momento, as cantadas dele me deixava bem confusa e em um determinado momento eu cheguei a pensar em sair com ele. Só para experimentar como seria. Mas no final eu ví que seria apenas uma aventura. Depois passou e este rapaz inclusive nem trabalha mais na empresa. E no meu cotidiano atual eu nem dou atenção mais para estas coisas. O Lúcio é muito dedicado a mim. Tenho com ele toda atenção que preciso.

- Nossa, menina! Deve ter sido difícil para você. Te adoro cada vez mais em saber que meu filho tem uma esposa maravilhosa e dedicada como você!

Se abraçaram emocionadas.

O bate papo continuou e nem viram o tempo passar.

Neste meio tempo, Pedro Henrique chegou do cursinho. – Oi tia, tudo bem? E esta moça? Quem é? Questionou olhando admirado para Neuza.

- Esta é a mãe do Lúcio, minha sogra, evidente! Risos. Neuza este é o Pedro Henrique, meu sobrinho. O que te falei mais cedo!

- Oi, moço! Tudo bem? Perguntou Neuza aproximando de Pedro Henrique, também admirada com a beleza do rapaz.

- Meu Deus! Parece irmã do Lúcio! Você é tão nova! E é muito bonita também. Desabafou Pedro Henrique.

- Olha só quem está falando de juventude e beleza! Mesmo assim obrigada pelo elogio! Disse Neuza abraçando e sendo abraçada fortemente pelo rapaz.

Maysa viu aquela cena e ficou admirada com o carinho entre os dois. O Pedro Henrique era um rapaz muito carismático e um belo homem. 1,80 de altura, corpo perfeitamente moldado por musculação, um rosto perfeito, um sorriso lindo, simpático, inteligente e conquistava qualquer pessoa com sua carisma e alegria. Pedro Henrique aproximou de Maysa e lhe deu um beijo no rosto, cumprimentando-a.

Ele ficou quase hipnotizado com Neuza. Quando ela o abraçou, encostou seu corpo no dele, podendo sentir seus seios durinhos e sua coxa tocar na dele. Na verdade, ela estava um tesão naquela roupa.

Neuza também ficou muito admirada com ele. Ela imaginava uma outra pessoa. Ali ela percebeu que a genética trabalhou muito bem. Era só olhar para Maysa e para ele que percebe que a natureza foi solidária com a aquela família.

Depois de muito papo, eles almoçaram e Pedro Henrique pediu licença para deixar a mesa e foi para o seu quarto estudar para as provas.

- Quer que eu te ajude! Perguntou Neuza à Maysa.

- Obrigado, Neuza! Já estou acabando de arrumar.

Mesmo assim Neuza ajudou a Maysa a concluir a arrumação.

- Que rapaz lindo! É mesmo da sua família. Todos são bonitos! Comentou Neuza.

- É mesmo. Obrigada! Já não está na hora de se arrumar?

- Sim. Quase estava esquecendo! Quer vir me ajudar?

- Já vou! Disse Maysa.

19 de Dezembro de 2019 às 21:50 0 Denunciar Insira 1
Leia o próximo capítulo Surgindo os Desejos - Parte II

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 15 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!