Aqueles breves momentos Seguir história

renkyou renkyou

E eu sempre me lembro de você, aquela melhor lembrança, aqueles breves instantes antes do fim, de você sorrindo e do sol contra seu rosto, dos nossos olhares compenetrados um no outro, do meu coração acelerado ao ritmo da música e de todo o amor que compartilhamos ao longo do nosso curto tempo juntos, e tudo acaba quando Naruto fecha os olhos e cai, pois nesse momento eu também vou ao chão junto dele.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#breves-momentos #morte #casamento #naruto #sasuke #sns #narusasu #sasunaru
Conto
1
832 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo único

Sempre, em algum momento do meu dia, me lembro de você, e é pensando nisso que me vêm a mente toda a nossa história juntos, Naruto. História esta que parece ter sido muito breve e me sinto inconformado com isso. Uma das minhas melhores lembranças sua, para mim, é aquela onde você está sorrindo feliz de verdade, o sol te ilumina a pele e seus cabelos loiros estão bagunçados pelo vento, você está vestindo seu terno branco e seus olhos azuis estão vidrados em mim. E é para mim que você sorri de verdade, e foi nesses curtos instantes, enquanto "Baby i'm yours" tocava ao fundo e você, Naruto, deslizava pela pista de dança improvisada do casamento de Itachi, que senti uma paz inigualável, um calor no peito que me fez encher os olhos de lágrimas. Eu estava emocionado, tão feliz por ter você comigo que não conseguia expressar em palavras.


Esses curtos momentos me fazem querer chorar de novo, me fazem também querer sentir novamente o sol daquele fim de tarde; ver Itachi se casando de novo, sentir sua mão apertando a minha e sussurrando em meu ouvido que Shisui e meu irmão formavam um casal muito lindo e o quanto estava contente por eles terem vencido todos os obstáculos até ali. Eu também estava, e muito, ver meu irmão sorrindo sem parar, beijando Shisui agora seu marido e transbordando o quanto aquele momento era especial para ele, me fez um enorme bem. Tudo o que eu mais queria era vê-lo realizando seus sonhos sem impedimentos.


Queria rebobinar toda a minha vida a partir do momento atual, três anos atrás, no casamento, na pista de dança, na cerimônia, nos seus braços, nos seus beijos, em tudo, mas principalmente relacionado a você. Porque esse dia, que para mim pareceram breves instantes de tão incrível que foram, de tão fácil que me perdi nas horas em seus olhos e na felicidade de Itachi, foi um dos mais marcantes e uma lembrança constante e persistente, e que se mostra maravilhosa a cada vez que lembro; pois antecede o desastre, o fim que mesmo após três anos dói como na época.


O meu fim que veio junto do de Naruto, que deslizou para o pulmão dele e lá se alojou, somente esperando crescer o suficiente para se tornar iminente, o que somente não o fez sofrer muito graças a morfina. Eu tinha tantas esperanças de vê-lo sorrir de verdade de novo, não um sorriso para encobertar a dor e o desespero de estar partindo. Naquele ano, desde o dia 15 em que Naruto desmaiou na pista de dança com seus olhos em mim se fechando abruptamente e o seu corpo no chão, não dormi mais, e se dormi foram por breves instantes. Assim como naquele dia pareceu ser, assim como os dias após esse pareceram ser, pois cada segundo me parecia correr ainda mais rápido, como se o tempo não estivesse a favor de nós, de Naruto. Como se quisesse o levar rapidamente de mim e de todos que o amavam tanto quanto eu.


Até o dia 23 eu chorei, gritei, soquei paredes e espelhos, briguei com médicos, tudo para que algo mudasse. Um ato estúpido, eu sei, ao invés disso eu deveria ter passado mais tempo ao lado dele e ter dito mais vezes que o amava. E foi no dia 23 que o inevitável veio, que eu quis como nunca o abraçar e sentir o calor de seu corpo. Queria voltar há dois anos atrás, quando nos conhecemos, reviver nossas primeiras vezes juntos, até as brigas eu queria reviver. Eu necessitava de mais tempo, aquele não tinha sido o suficiente, eu precisava ouvir sua voz de novo, sentir seus carinhos e me deitar em seu colo para recobrar as energias.


Era manhã, me lembro tão bem quanto o dia do casamento, você acordou e eu estava apoiado no parapeito da janela, havia passado mais uma noite em claro, te olhei e desejei um bom dia mostrando todo o alívio em te ver acordar, pois o medo de você dormir e nunca mais abrir os olhos me fazia querer acordá-lo a cada dez minutos para ver se estava vivo, se ainda estava comigo nesse mundo. Naruto me retribuíu com um sorriso cansado e os olhos sem brilho, e mesmo assim o achei bonito como na primeira vez que nos vimos. Naruto Uzumaki era tão bonito por fora quanto por dentro, e todos que um dia tiveram o prazer de conhecê-lo descobriram isso.


Ficamos nos olhando por um tempo, como se recordássemos juntos momentos melhores que aqueles, e era aquilo que eu fazia e queria ter perguntado, ao meu amor; qual foi a sua última lembrança antes de ir, se foi uma nossa, uma de sua infância, uma dos jantares em família... Queria ter perguntando a ele qual dentre todas era a sua preferida e mais, queria ter perguntando como eu sobreviveria ao dia seguinte de sua morte, como eu me levantaria da cama sem vê-lo ao meu lado e seguiria ao banheiro sem escutá-lo resmungar para que eu voltasse a deitar pois ainda estava muito cedo.


Mas como eu disse antes, o tempo não foi suficiente, nós nos perdemos um nos olhos do outro pela última vez e então ele se foi, Naruto fechou os olhos, como se me olhar enquanto ia fosse lhe doer mais ainda; e se foi levando uma parte de mim, a melhor parte que só ele despertava. Os médicos vieram, mas não para tentar trazê-lo de volta e sim para os procedimentos básico de um falecimento. Eu continuei na janela, encarando o corpo sem vida de Naruto, sem coragem para tocá-lo e constatar que realmente não havia mais um coração batendo ali, até que Itachi e Shisui chegassem e arrumassem tudo para que o corpo fosse levado.


Eles me abraçaram e não disseram que tudo ficaria bem, pois ambos sabiam que para tudo estar bem de novo seria somente se Naruto estivesse ainda ali, para mim. Ao invés disso, Itachi disse que eu superaria com os anos, aos poucos, mas nunca me esqueceria de Naruto; já Shisui me disse que a dor e o vazio pareceriam eternos, mas não eram, e prometeu que ele e meu irmão não me deixariam passar por aquilo sozinho.


E cumpriram com o que prometeram. Lembro de estar no velório com ambos ao meu lado, de ver o caixão se fechando e sendo colocado em um buraco com terra sendo arremessada por cima, de Kushina e Minato, os pais de Naruto, chorando, inconformados assim como eu com a morte prematura dele. E Itachi e Shisui também estavam lá quando acordei no dia seguinte, após beber tanto para encobrir o desespero de não tê-lo mais ao meu alcance, e me dei conta de que eu havia sobrevivido ao dia anterior, completamente acabado, mas sobrevivido. E assim foram meus dias seguintes, as semanas, os meses e um ano, eu somente sobrevivia, sem sentido para nada e sem vontade para nada.


E então fui diagnósticado com depressão. Vieram os remédios e as consultas ao psicólogo e Itachi e Shisui também estavam lá, agradeço tanto a eles por isso, por terem me acolhido em sua casa e cuidado de mim, me feito ao poucos voltar a viver. E com mais dois anos, me encontro nesse exato momento arrumando minhas roupas e outros itens pessoas em malas para poder voltar ao meu apartamento, para deixar a casa de meu irmão e seu marido, para dar mais um passo em frente ao luto.


Não me sinto totalmente preparado, há um frio em minha barriga e o medo de me perder no silêncio dos cômodos sem a voz de Naruto e suas piadas sem graça alguma que ele jurava serem muito engraçadas. Sem o abraço e o beijo que ele sempre me dava quando eu chegava da faculdade e ele estava me esperando. Eu tenho medo de me perder mais uma vez, mas eu precisava seguir em frente de alguma forma, pois nada traria Naruto de volta.


Muitas lembranças foram se perdendo com o decorrer daquele três anos, mas a do dia 13 não e nem as que sucederam após ela, e muito menos a do dia 23. Levo todas em minha mente quando acabo de fechar a segunda mala, quando olho no espelho e me vejo vivo mais um dia após o enterro, quando desço as escadas e encontro Shisui me esperando na porta da sala.


"Sasuke, seu irmão está nós esperando no carro" Shisui diz e pegando uma das minhas malas, juntos saímos de casa. É com a mão dele em meu ombro que caminhamos até o carro. Entramos, então nós três trocamos olhares pelo retrovisor que dizem muito sobre o momento, Itachi liga o carro e assim que alcançamos as ruas me vejo em nostalgia com o sol daquela manhã que tocando os altos prédios os faz brilharem.


E eu sempre me lembro de você, aquela melhor lembrança, aqueles breves instantes antes do fim, de você sorrindo e do sol contra seu rosto, dos nossos olhares compenetrados um no outro, do meu coração acelerado ao ritmo da música e de todo o amor que compartilhamos ao longo do nosso curto tempo juntos, e tudo acaba quando Naruto fecha os olhos e cai, pois nesse momento eu também vou ao chão junto dele.









12 de Dezembro de 2019 às 11:42 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~