Good for me Seguir história

polly_nyah Polly Paiva

- Eu nem sei teu nome... – Murmurei fitando seus olhos. - Prazer, me chamo Kim Taehyung, Tae ‘pra você... – Sorriu. - Tae... sou Jeon Jeongguk, meus amigos me chamam de Kook. – Falei o apertando mais na cintura. - E eu? Como posso te chamar? - Do que você quiser. – Sussurrei me aproximando perigosamente de seus lábios. - Gukie, ‘tá bom pra mim, o que acha? – Falou de modo arrastado com um sotaque que me arrepiou até a alma. - Que vai ser maravilhoso ouvir você gemendo meu nome.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#bts #sex #lemon #festa #kooktae #kookv #yaoi #vkook #taekook
1
962 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo único

A música alta contribuiria bastante em uma futura enxaqueca. Já havia esvaziado vários copos de vodka e outros líquidos que juro, não faço ideia do que eram exatamente. Nessa noite tudo que eu queria fazer era me sentir livre. Esquecer dos problemas. Deixar rolar. Passei por coisas ruins demais durante um só dia. Mereço esse tempo de distração. Realmente não me arrependo de ter o largado sozinho em casa. Não me importo em estar aqui agora.

Um único deslize é capaz de extinguir cada dia juntos, cada lembrança e resquícios de amor. Um deslize pode acabar com duas vidas de uma só vez. Pena que aquele idiota não pensou nisso antes de me trair. De qualquer jeito pensar nisso é a última coisa que quero fazer essa noite. Nem aquele sorriso idiota dele será capaz de me apaziguar. Park Jimin me mostrou ser um completo idiota.

- Mais um copo, por favor. – Pedi ao cara do bar que me olhou preocupado mais não disse nada.

Do balcão onde eu estava podia observar bem algumas mesas a minha frente e a pista de dança. E foi exatamente assim observando tudo ao redor que notei um olhar em especial pesar sobre mim desde que cheguei aqui. Estava na mesa com alguns amigos. Tinha o cabelo ruivo. Olhar penetrante. Sorriso quadrado. E exalava sensualidade quando saía de sua mesa direto para pista de dança. Seus movimentos eram perfeitos. Mais sexy que ele, eu não notei em ninguém presente ali essa noite.

Seus olhos fixos em mim me traziam certa sensação que não tinha há tempos. Até a forma como falava ou tocava os amigos me instigava, e eu não entendo o porquê. Talvez seja consequência de todo álcool ingerido por mim em apenas uma noite. Eu nunca fiz o tipo que bebe um copo e já vê estrelinhas.

Virei-me para pegar meu outro copo de bebida permanecendo de costas para a pista de dança. Sorvi alguns goles enquanto pensava em tudo que andava acontecendo em minha vida até sentir o calor de outro corpo ao meu lado. Olhei de soslaio e deixei escapar um sorriso de lado ao me dar conta de quem era. O garoto de cabelo vermelho.

- Uma dose de Vodka, por favor. – Pediu.

A voz dele era um pouco rouca, forte, sexy. Quando o mesmo desviou o olhar a mim sorriu de lado se virando.

- Esse foi o meio que encontrou para se aproximar de mim? – Questionei sarcástico.

- Vai sonhando gatinho, mas não, eu não vim até aqui só para ficar perto de você. Até mesmo porque isso seria pouco.

O garoto sorriu pegando seu copo afastando-se dali. Levantei-me e o segui logo alcançando, passando a caminhar a seu lado.

- E o que seria suficiente para você? – Questionei me pondo a frente dele.

O garoto sorriu colocando o copo dele sobre uma mesa em seguida pegando o meu e abandonando também.

- Agora? Agora seria suficiente dançar com você, vem comigo.

Isso tudo estava sendo uma loucura total. Eu não deveria estar ali, não deveria ter puxado assunto com esse garoto do qual nem sei o nome muito menos deveria estar agora me deixando levar por ele direto para o centro da boate.

Uma música sexy se iniciou o fazendo sorrir malicioso. De início fiquei parado observando cada ação sua.

Seu corpo se movimentava de forma lenta, sexy e gostosa. Ele sorria e me afrontava. Olho no olho, sem quebrar a conexão.

Sua mão hora ou outro tocando meus braços. Seu aroma instigante me embriagando. Logo estávamos perto demais. Nem me dei conta de quando aquilo havia acontecido apenas me deixei levar. Com as mãos em sua cintura acompanhava cada rebolada dele. Seu olhar me penetrava de uma forma que por Deus, eu adoraria que fosse de outro jeito e não com os olhos. Eu sei exatamente o que pode – e o que vai – acontecer caso eu continue me deixando levar. Mas a essa altura do campeonato eu não deveria me importa. Jimin não se importou quando me traiu com a piranha da secretária de seu local de trabalho, porquanto devo me importar?!

- Isso deveria me parecer a coisa mais errada do mundo caso certas coisas não tivessem acontecido. – Sussurrei em seu ouvido.

- Talvez não tenha importância porque você quer isso tanto quanto eu... – Sussurrou de volta mordiscando minha orelha.

- Eu nem sei teu nome... – Murmurei fitando seus olhos.

- Prazer, me chamo Kim Taehyung, Tae ‘pra você... – Sorriu.

- Tae... sou Jeon Jeongguk, meus amigos me chamam de Kook. – Falei o apertando mais na cintura.

- E eu? Como posso te chamar?

- Do que você quiser. – Sussurrei me aproximando perigosamente de seus lábios.

- Gukie, ‘tá bom pra mim, o que acha? – Falou de modo arrastado com um sotaque que me arrepiou até a alma.

- Que vai ser maravilhoso ouvir você gemendo meu nome.

Toquei o foda-se pra minha consciência que já havia saído pra passear a tempos. Eu realmente carecia daquele garoto. Pelo menos hoje, essa noite. Eu preciso dele.

Nossos lábios se acariciavam com lentidão. Sua língua brincava com a minha. Ora ou outra sentia seus dentes prenderem meus lábios, sua boca chupar minha língua, seu corpo colar mais ainda ao meu.

O calor aumentava gradativamente entre nós. Já podia sentir meu membro pulsar dentro do meu jeans. Assim como também sentia o membro de Taehyung friccionado em minha coxa. Ambos já estávamos bastante excitados.

As mãos de Taehyung entraram sorrateiramente por baixo de minha camisa tocando meu abdômen. Seus dedos gélidos me fizeram arrepiar e constei que o mesmo percebeu ao sorrir após o ato. Não deixe por isso, fiz o mesmo que o garoto só que com menos veemência. Subi minhas mãos por dentro de sua camiseta preta até meu indicador tocar seu mamilo esquerdo. O garoto estremeceu mordiscando meus lábios. O mamilo do mesmo já se encontrava tenro. Isso só me fez pensar mais ainda em como seria bom foder ele. E aquele olhar enigmático dele só tornava as coisas mais excitantes.

- Tae... eu preciso muito ficar a sós com você. Ou vou fazer aqui mesmo tudo o que estou imaginando. – Soltei sem nenhum medo em seu ouvido.

- Vem comigo. Sei de um lugar aonde teremos mais privacidade. – O mesmo sorriu e se afastou puxando minha mão.

E mais uma vez eu estava me deixando levar, mas cá entre nós, é por uma boa razão.

Tinha muita gente naquela pista, eu não conseguiria muito de Tae se ficássemos ali. Deixei que o outro me conduzisse o caminho todo sem me importar de para onde o ruivo me levava. Logo o som da festa não era tão alto nem incomodo. Não estávamos mais cercados por pessoas e luzes, apenas por carros que ocupavam aquele lugar.

Taehyung ia à frente de mim cantarolando algo baixinho enquanto procurava por algo. Aproveitei deste momento para observar cada pedacinho de seu belo corpo, que até mesmo de costas, era maravilhoso. Ombros um pouco largos. Coxas grossas. Mãos firmes e quentes. E uma bunda de fazer inveja.

Logo fui desperto de meus pensamentos quando Tae parou se virando a mim. O mesmo tirou uma chave do bolso me mostrando, obviamente era de um carro, e pelas circunstâncias deveria ser esse ao nosso lado.

Não entendi bem de começo do porquê daquilo, mas logo o mesmo se virou abrindo a porta traseira do veículo após desativar o alarme. Retornou a me olhar sorrindo maroto.

- Já estamos a sós Gukie... O que você vai fazer? – Indagou fingindo ingenuidade.

Eu não disse nada apenas o puxei pela cintura o tomando em um ósculo afoito, necessitado. Dei alguns passos cegos até o prensar contra o carro. Seus lábios eram convidativos, não pude evitar o morder com mais força. O mesmo gemeu baixinho contra minha boca me fazendo eriçar de imediato.

Deslizei meus dedos até sua bunda apertando o local o incentivando a laçar suas pernas a mim. Taehyung entendeu o recado, pois logo já estava me puxando a si com as mesmas.

Quando o ar faltou deslizei meus lábios por seu maxilar, beijando e mordendo o local. Tudo que o ruivo fazia era gemer e ondular seu corpo contra o meu fazendo seu membro encostar-se ao meu abdômen. Deslizei a língua de sua mandíbula até o fim de sua garganta. Comecei a espalhar pequenas mordidas ali arrancando gemidos do mais alto. Seus braços circulavam meu pescoço arranhando minha nuca em resposta aos estímulos recebidos.

- Ahhh Jeonggukie isso é tão gostoso... – Gemeu ante meu ouvido enquanto ofegava quente em minha derme.

Sorri deixando uma sugada forte em seu pomo de Adão. O mesmo puxou meu cabelo me fazendo o olhar. Achegou sua boca chupando meu lábio em sequência. Seu olhar carregava luxúria e excitação.

Tudo indicava que tanto ele quanto eu já estávamos necessitando de mais contato então o desci de meus braços e o mesmo entendeu o recado. Taehyung entrou no carro já se pondo deitado de peito para cima. Adentrei o carro ficando sobre ele.

Sentei-me em seu quadril me abaixando para beijá-lo. Algo que começara vagaroso foi tomando um caminho mais intenso, mais instigante. Levei minhas mãos até o cós de sua camiseta a tirando de seu corpo. Seu tronco desnudo me fez sorrir em contentamento. Cada pequeno detalhe de Taehyung era admirável.

Beijei sua epiderme que exalava calor com carinho, porém de forma sexy. Logo meus lábios chegaram aos mamilos de Taehyung o fazendo gemer rouco e alto. Ele estava bem mais sensível do que eu. Lambi e intercalei pequenas mordidas em seus “botões” observando seus lábios se abrirem liberando um gemido delicioso, estimulante.

Depois de alguns segundos chupando seus mamilos desci meus lábios por seu abdômen circulando seu umbigo com a língua. Chupei seu abdômen recém definido trilhando seu “caminho da felicidade” como muitos dizem.

Sentei-me mais atrás sobre suas cochas para conseguir abrir sua calça – e convenhamos que tive certa dificuldade de me locomover ali dentro do automóvel de Taehyung por conta do pouco espaço.

Quis provocar um pouco o garoto ruivo que se mostrava bastante excitado. Abri o botão de forma lenta o vendo lamber os lábios em resposta. Seguida baixei seu zíper já tendo a visão de sua cueca vermelha, no mesmo tom dos fios. Sorri o tocando por cima vendo seu corpo responder se impulsionando para mim. Desci sua calça a jogando em qualquer canto do carro, logo voltei a me sentar em suas pernas passando os dedos sobre seu quadril que estava bastante sensível com qualquer toque.

- Por favor, Gukie. Aah, eu não aguento mais... – Murmurou arranhando as próprias cochas.

- Então me pede, Tae. Me diz o que você quer? – Falei com sagacidade.

- Me chupa Gukie... por favor... – Implorou manhoso com seu sotaque arrastado fodendo com a minha sanidade dessa forma.

Sorri vitorioso descendo sua peça íntima lentamente. Seu membro era fino, contudo grande, um pouco tortinho para o lado, mas nada que me fizesse broxar.

Comecei o massagear com uma mão enquanto com a outra apertava sua cocha. Aproximei minha língua de sua glande a tocando. Taehyung gemeu fechando os olhos. Comecei a o sugar lentamente a glande masturbando sua extensão. Logo comecei a deslizar minha língua por seu pênis do topo até a base o deixando bem lubrificado. Tomei seu membro em minha boca o chupando enfim, Tae gemia e mordia os próprios lábios enquanto me admirava da mesma forma de quando cheguei à boate.

Coloquei em minha boca tudo que pude de sua extensão masturbando com a mão o que não coube em minha cavidade bucal. Os gemidos altos de Taehyung estava fazendo meu membro implorar para ser liberto de minhas roupas, mas não dei importância a isso, não agora. Taehyung levou as mãos a meu cabelo apenas como apoio. O garoto estava totalmente exposto e entregue a mim. E conseguiu me fazer esquecer por uns longos minutos minhas frustrações daquela noite.

- Ohhh... Jeonggukieee...

Minha voz era chamada de forma manhosa o deixando de certa forma fofo, o que não deveria ser considerado assim no momento. Voltei a me concentrar no que fazia já percebendo o gosto de seu pré-gozo que invadia minha boca. Ele já estava quase gozando e com tão pouco – pensei.

Dei mais algumas sugadas intensas em seu membro me afastando em seguida. Taehyung gemeu reprovando meu ato, mas se acalmou.

Eu mesmo me ocupei em tirar minha roupa, primeiro a camisa desabotoando lentamente botão por botão em seguida abri meu cinto o tirando e jogando no chão do carro. Já sem tênis ou qualquer coisa que me atrapalhasse me ajoelhei no banco com o corpo de Taehyung entre minhas pernas e abaixei minha Calvin Klein o fazendo lamber os lábios com o que via. A extraí completamente permanecendo ajoelhado sob ele.

Comecei a massagear minha extensão o fitando sendo retribuído da mesma forma. Tae levou a própria mão ao pênis se masturbando na mesma velocidade que eu. Aquele joguinho estava fazendo ambos gemer em uníssono. Logo senti que não conseguiria mais então me coloquei sob ele novamente levando dois dedos a seus lábios.

- Lambe! – Ordenei.

- Não... eu quero, te quero logo, não precisa disso... – Falou entrecortando as palavras, mas de uma forma que compreendi.

Sorri em resposta assentindo. Eu não estava com muita paciência para prepará-lo e pelo visto ele também não estava com calma para esperar.

Abri bem as pernas de Taehyung roçando minha glande em sua entrada. Levei as mãos de Tae acima de sua cabeça com nossos dedos enlaçados. Iniciei um beijo carinhoso sendo correspondido pelo mesmo. Movimentei-me lentamente penetrando minha glande na entrada de Tae esperando que se habituasse.

O mesmo resmungou, porém não quebrou o ósculo. Pouco a pouco fui tomando o interior de Tae enquanto ainda o beijava. O garoto maior interrompeu o contato após todo meu membro estar dentro de si. Como não ouve preparação ele sentia doer bem mais do que esperava.

Tinha uma careta na bela face de Tae que evidenciava uma confissão de dor e incômodo com a penetração. Senti pena do mesmo, mas não iria parar, e sei que ele também não queria após o mesmo buscar por meus lábios na expectativa de se esquecer da dor até que se afeiçoasse.

O beijei com carinho acariciando seus fios tingidos enquanto as mãos do mesmo resvalavam por minhas costas arranhando de leve. Após alguns segundos apenas nos beijando, Tae movimentou a cintura demonstrando que já estava bem. Separei meus lábios dos dele firmando minhas mãos ao lado de sua cabeça. Comecei a me movimentar vagarosamente dentro de Taehyung observando sua face, caso sentisse dor eu saberia e iria parar. O mesmo sorriu para mim e acariciou meu rosto segurando meu queixo.

- Não precisa se reprimir Jeongguk. ‘Tá tudo bem... – Sussurrou sorrindo.

- Se-se eu te machucar ahhh... você me diz... ok? – Me esforcei em dizer isso enquanto em sentia comprimido dentro dele.

- Tudo bem.

Assenti em confirmação começando com movimentos mais rápidos. Tae entreabriu os lábios com os olhos fixos em mim.

Saí lentamente do ruivo o adentrando rápido indo bem fundo. Nesse momento Taehyung gemeu bem alto apertando seus dedos em meus braços. Eu havia acertado seu ponto mágico o levando ao delírio. Continuei no mesmo ritmo tentando acertar o mesmo local.

Meu corpo inteiro clamava por ele e o mesmo evidenciava querer muito mais de mim.

Os braços do garoto circularam meu pescoço me puxando para mais perto. Depositei minhas mãos em sua cintura tendo mais controle do ato. Nossas testas estavam coladas, nossos olhos fixos um no outro.

Da minha boca saiam gemidos altos enquanto da de Taehyung saiam gemidos acanhados, porém sexy.

Minhas pernas já doíam devido ao pequeno espaço e posição então abandonei o interior de Tae o puxando pela mão. Pedi que o mesmo se ajoelhasse no banco de costas para mim olhando para traseira do carro. O mesmo fez o que pedi. Logo me coloquei atrás dele o penetrando novamente.

Nossos corpos estavam bem mais unidos agora. Eu podia gemer em seu ouvido e abraçar seu corpo enquanto me movimentava. Taehyung segurava firme o no assento pendendo o rosto para trás o apoiando em meu ombro. Aproveitei da situação e tomei seus lábios em um beijo desengonçado.

O som do meu corpo batendo nas nádegas de Taehyung deixava tudo mais obsceno ainda. O penetrei mais forte uma, duas, três, muitas vezes que nem poderia dizer quantas. Tudo estava bom demais para ser considerado normal. Tomei o membro do ruivo em minhas mãos o masturbando no mesmo ritmo. Eu sentia que logo não aguentaria, porém queria que Tae alcançasse o ápice primeiro. E isso não demorou muito, logo o garoto gemeu manhoso liberando seu líquido quente em minha mão. Seu interior contraiu me fazendo gozar em seguida.

Ambos ficamos ofegando por alguns segundos e só então me retirei de Taehyung me sentando no banco. Com os lábios entreabertos eu sorria digerindo tudo que havia feito naquela noite, e o pior, com um desconhecido, que agora não é tão desconhecido assim.

Taehyung se sentou ao meu lado ainda se recuperando. O mesmo ficou a me fitar sem dizer nada. Olhei para ele sorrindo maroto e questionei o porquê daquilo:

- O que foi Tae?

- Nada é só que... ah, deixa ‘pra lá. – Desviou o olhar.

- Diz. – Incentivei.

- Eu só achei que... sei lá, seria apenas sexo casual mais não foi.

- E foi o que então?

- Foi melhor. – Disse por fim sorrindo.

Sorri também passando a mão por meus fios molhados os jogando para trás para limpar minha visão. Realmente aquilo tinha sido diferente do que imaginei, mas não foi algo ruim, jamais.

- Tae eu... eu tenho namorado. Bom, eu tinha, não sei...

- Eu sei. Park Jimin, não?

- Como você?

- Eu trabalho na mesma empresa que ele. Sei muito sobre ele aliás.

- Isso tudo foi...

- Não me entenda errado. Eu disse que o conheço e sei que vocês têm alguma coisa, mas apenas isso. Não fiquei te secando a noite toda por... a sei lá o que você tá pensando. Enfim, eu realmente quis ficar com você. Mesmo sabendo que você é comprometido com alguém. Pois é, eu sou um babaca. – Falou de modo apressado, um tanto acanhado recolhendo suas roupas.

Observei bem suas feições que me demonstravam dizer a verdade, sorri e me pronunciei.

- ‘Tá tudo bem, Taehyung. Eu não ‘tô com raiva de você ou alguma coisa do tipo. E não, você não é um babaca. Babaca é o idiota do Jimin que me traiu com aquela secretaria desgraçada. Você não chega nem perto do que aquele idiota é.

- Obrigado... eu acho.

Taehyung vestiu suas roupas abrindo a porta para sair mais antes que o fizesse peguei em seu pulso o parando.

- O que? Eu esqueci algo?

- Essa foi a melhor noite que eu já tive com alguém.

- Para mim também foi. Obrigado.

O mesmo se virou na tentativa de sair, porém o detive outra vez. Felizmente descobri que tenho mais força que ele.

- O que? – Perguntou sorrindo confuso.

- Você ‘tá livre amanhã? Digo, hoje? Nós poderíamos almoçar juntos. O que me diz???

O ruivo sorriu daquele jeitinho só dele me fazendo sorrir também.

A noite em que eu pensei e julguei ser a pior da minha vida acabou se tornando muito marcante. Principalmente pelo fato de Kim Taehyung ter feito parte dela.

5 de Dezembro de 2019 às 03:39 1 Denunciar Insira 2
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
jubanglo jubanglo
meu deus como eu amo esse lemonzinho <3
December 11, 2019, 03:04
~