A ascensão da fenix azul Seguir história

jace_beleren Lucas Vitoriano

Após voltarem de suas ferias no mundo esperitual Korra e Asami decidem revelar seu namoro. Elas encontraram muitas barreiras e preconceitos sendo figuras publicas em uma sociedade não tão aberta a esse tipo de relacionamento. Elas descobrirão porem que terão que enfrentar problemas muito mais sérios e urgentes do que seus dilemas pessoais pois nas sombras um velho inimigo ressurge.


Fanfiction Desenhos animados Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#ação #romance #korrasami #avatar #homosexualidade
0
252 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Primeiro passo

-... e o que quero dizer com isso é que estamos namorando – disse Korra reunindo toda a coragem que tinha. Fazer aquela declaração havia sido a coisa mais difícil que ela fizera em toda sua vida. Foram vinte minutos de embolação ate finalmente falar do namoro. Se não fosse Asami ao seu lado segurando sua mão delicadamente e transmitindo-lhe confiança naquele simples gesto e no olhar motivador que lhe lançava, Korra não teria coragem de fazer o que fez.

Estavam todos reunidos no jardim da ilha do ar. Asami e Korra reuniram seus mais importantes amigos para dar a noticia, ou ao menos os que estavam próximos. Nem todos viviam na cidade da republica. Su e sua família viviam em Zaofu, os pais de Korra no polo sul, Varrick e Zhu Li estavam em lua de mel em algum lugar que, se tratando da personalidade extravagante do marido poderia ser desde o cume de um vulcão em erupção ate um pântano, ou lugares ainda mais estranhos. Se tratando de Varrick podia-se esperar qualquer coisa.

Kai e Opal estavam em uma missão no reino da terra impedindo que bandidos e foras da lei fizessem ali o que quisessem. Sem Korvira no comando muitas pessoas começaram a achar que podiam fazer o quisessem e sairiam impunes. Podia-se dizer muita coisa da antiga ditadora: autoritária, fria, orgulhosa... mas ninguém podia falar que ela não sabia como colocar seus territórios em ordem.

Todos ouviram a noticia com uma expressão atônita, como se não tivessem ouvido direito ou ainda estivessem tentando processar as palavras. Estavam presentes ali: Korra, Asami, Pemma, Meeli, Ikki, Jinora, Tenzin, Mako, Bolin, Lin e Pabu, que se encontrava no ombro direito de Bolin. O pequeno animal parecia o único confortável com a noticia do namoro. Se era porque não entendera nada do que fora dito ou porque era livre de preconceitos nem a Avatar saberia dizer.

Korra e Asami estavam em pé lado-a-lado, e, ao redor delas, todos continuavam olhando-as perplexos. Korra esperou que o silencio passasse, mas ele não passou. Ah qual é gente! pensou emburrada. Eles estavam mais perplexos do que quando souberam que Korvira iria atacar a cidade da republica com uma super arma de energia espiritual. Perto disso um namoro entre duas mulheres não é nada demais.

- Eu disse... que estamos na-mo-ran-do! – repetiu, foi mais fácil falar do que da primeira vez, mas suas bochechas ainda estavam vermelhas de vergonha.

Novamente sem resposta. Pabu virou a cabeça para o lado e correu em perseguição a um coelho que passara por ali. Korra sentiu inveja dele, se pudesse também correria e se esconderia para não ter que estar naquela situação.

- Ah! – gritou Bolin cortando, ou melhor, rasgando, o silencio. Gritara tão alto que chegou a doer nos ouvidos de todos – entendi! entendi! É uma piada!!

Mas com exceção de Bolin ninguém ali achava aquilo uma piada. Lin colocou a mão no rosto e Korra teve certeza que ouviu-a murmurar “que idiota...” ou algo do tipo.

- Não Bolin – era a primeira vez que Asami se pronunciava. Sua voz era gentil e cautelosa – estamos falando serio. Korra e eu estamos namorando, e é pra valer.

Bolin ficou com a boca tão aberta de espanto que poderia engolir um bisão voador inteiro em uma só mordida. Mako baixou a cabeça triste. Nem Korra nem Asami conseguiram encara-lo. Era doloroso demais dar aquela noticia a ele.

- O que????? – gritou Meelo se jogando de joelhos na grama – nãaaaao!!! Asami eu amo você! Não pode ficar com ela!!!

Se ele estava falando serio ou brincando ninguém sabia dizer. Asami porem não parecia muito animada com a repentina e dramática declaração de amor. Meelo correu ate ela ficando de joelhos aos seus pés.

- Asami você terá que escolher de uma vez por todas a quem você ama! A mim ou... a ela!! – disse lançando um olhar mortal a Korra que apenas levantou a sobrancelha se perguntando se aquilo era mesmo serio.

Asami olhava seu pretendente com pena, o que chegava a ser bem comico. Meelo encheu os pulmões de ar e repetiu sua pergunta com ainda mais força e ênfase.

- A MIM – apontou para si mesmo e depois apontou para sua rival dirigindo-lhe um olhar mortal - OU A ELA!?!

- Com certeza absoluta, a ela – respondeu Asami sem hesitar um segundo sequer. Fora uma resposta rápida e direta. Korra ficou surpresa com a aquela resposta tão direta, preto no branco. Meelo saiu correndo derramando rios de lagrimas.

Sem jeito e com muita pena Korra tocou no ombro da namorada e cochichou em seu ouvido.

- Asami... isso foi meio... cruel não acha?

- Quanto antes essas ilusões amorosas se desfizerem melhor. Acredite sei o que estou falando – respondeu ela também aos cochichos dando de ombros. Ela não havia levado muito a serio aquela declaração e sabia que se tratando de Meelo ele iria se curar logo.

Então o silencio voltou a imperar. Korra sentiu novamente o desconforto tomar conta de si. Queria que alguém disse-se algo, qualquer coisa, não importava se fosse uma reação exagerada como a de Meelo. Ate isso era melhor do que o silencio.

- Que lindo, fico feliz pelas as duas – era Pemma quem falava. Ela era sempre amorosa e compreensiva e o novo casal sorriu feliz com a aprovação. Pemma se aproximou das duas e tocou nas mãos delas de uma forma maternal – vocês são pessoas maravilhosas e se merecem. Espero do fundo do coração que sejam muito felizes juntas.

Sem conseguir se controlar Korra se jogou nos braços de Pemma abraçando-a com força. Uma lagrima quase escorreu de seu olho direito tamanha era sua satisfação.

- Obrigada Pemma! Muito obrigada!!!

Pemma sorriu tentando esconder a dor que sentia pelo abraço esmagador que Korra lhe dera. Quando as duas se afastaram a moça finalmente pode respirar aliviada novamente. Asami também a abraçou, mas de forma mais controlada e sem ameaçar quebrar-lhe os ossos. Pemma beijou-a na bochecha desejando-lhe felicidades e pedindo para que cuidasse de Korra.

- Cuidarei dela srt. Pemma – disse Asami com muito amor olhando pelo canto do olho para sua Korra – ficaremos bem.

Ikki e Bolin apenas olhavam de Korra para Asami, de Asami para Korra sem conseguir entender o amor das duas. Depois os dois se entreolhavam procurando que o outro explicasse o que estava acontecendo, como nenhum tinha essa explicação eles davam os ombros e voltavam a olhar para Korra e depois para Asami... e assim ficaram nesse ato repetitivo.

Lin resmungou irritada, não pelo namoro das duas, mas sim pela perda de tempo que tivera indo para aquela reunião.

- Serio era isso que tinham para me dizer? – disse daquele jeito irritado que só ela tinha – vocês falaram que era urgente. Eu pensei que Korvira havia fugido da prisão ou que a lótus vermelha havia feito algum movimento. Mas se tratava apenas do namoro de vocês? Ahhh! Da próxima vez apenas falem e pronto!

Dito isso ela deu as costas e se foi. Tinha coisas mais interessantes para fazer como sair dobrando pedras por ai, dar ordens para seus subordinados ou simplesmente prender alguns malfeitores. Prender malfeitores era algo que ela adorava fazer.

Jinora se aproximou do casal a passos lentos e delicados. Pela expressão serena em seu rosto sua aceitação positiva a noticia estava clara. Dentre todos os filhos de Tenzin era Jinora a quem Korra mais se afeiçoara. A garota era inteligente, madura, aberta a novas ideias e compreensiva. Mesmo jovem ela já era um prodígio.

- Fico feliz por vocês duas – disse sorrindo com meiguice – fiquei surpresa, mas só isso. Pensei que ainda gostavam do Mako.

Ela abraçou Korra e depois fez o mesmo com Asami, um abraço longo e demorado. Lidar com Jinora era fácil, o difícil seria encarar Tenzin. O mestre de ar se aproximou das duas visivelmente sem jeito. Parou na frente delas sem saber o que dizer. Eram poucas as situações que deixaram um homem sábio como ele ficar sem palavras.

Tenzin abriu a boca, mas tornou a fecha-la. Estava confuso e ate inseguro. Parecia uma criança naquele momento, uma criança que tinha que lidar com uma situação e não sabia como resolve-la. Ele desviou o olhar sem jeito e Korra fez o mesmo, mas ao fazê-lo viu algo ainda mais difícil de encarar.

Era Mako. Discretamente e sem dizer nada ele se afastava de todos caminhando para a saída do ilha do ar. Por mais que quisesse falar com Tenzin Korra sabia que o mestre estaria disponível para uma conversa sempre. Mako porem fugia dessa conversa. Ela sabia que se não conversasse com ele naquele momento não teria coragem de fazê-lo no futuro.

- Mako! – deu dois passos para ir atrás do amigo, mas uma mão segurou-a pelo ombro. Virou-se pensando se tratar de Tenzin, mas para sua surpresa fora o rosto de Asami que vira. Ela sorria com tristeza.

- Deixa que eu falo com ele Korra. Eu também namorei com ele, sei que Mako precisa de uma explicação para isso tudo. Acho melhor você ficar e conversar com Tenzin enquanto isso.

Korra concordou aliviada por ser Asami a falar com Mako. Depois que ela falasse com ele seria mais fácil para Korra ter sua conversa com o amigo. Korra murmurou um “obrigada” e viu Asami se distanciar a passos apressados indo na mesma direção aonde Mako fora.

Ela voltou a fitar Tenzin. O seu mestre estava tão desconfortável com aquela situação quanto ela. Korra encolheu-se como uma menina que havia feito algo errado e teme uma bronca dos pais. Não havia feito nada errado, mas Tenzin era como um pai para ela. Não sabia dizer se receberia ou não uma bronca, mas se Tenzin a olhasse com reprovação isso seria pior que qualquer bronca que ele pudesse lhe dar.

- Korra... minha querida... – disse ele lentamente querendo ganhar tempo. Tenzin coçou a cabeça, olhou para o lado e depois voltou a olhar para sua discípula. Com dificuldade continuou – olhe... eu... isso é tudo muito novo para mim... talvez... talvez eu demore um tempo para me acostumar...

- Esta decepcionado comigo? – perguntou Korra cortando-o. Ele estava enrolando para falar, da mesma forma que ela enrolara para dizer que estava namorando. Não sentiria raiva dele mesmo que ele estivesse decepcionado. Tenzin era como um pai e ela devia muito a ele, não apenas lições sobre dobrar de ar, mas também, e principalmente, lições de vida.

Tenzin ficou espantado ao ouvir aquilo. A resposta veio em um rompante de emoção.

- Meu deus Korra claro que não! – ele repousou as mãos nos ombros dela. Pela primeira vez a olhava nos olhos – eu a amo e sempre aceitarei suas decisões. Você e Asami... isso é muito novo para mim. Eu sou uma pessoa meio cabeça dura as vezes... mas eu sei que você a ama e se ela te faz feliz tudo que eu tenho a fazer é abençoar a relação das duas.

Korra não conseguiu conter sua felicidade abraçou Tenzin com muita euforia e carinho repousando a cabeça em seu ombro. Tenzin retribuiu o abraço acariciando as costas de sua discípula. A lagrima que resistira a cair quando Korra abraçara Pemma finalmente escorreu pelo seu rosto.

- Obrigada Tenzin... obrigada mesmo...

*****

Asami correra para alcançar Mako, mas não precisou correr tanto. O amigo estava sentado em uma pedra, mãos repousadas nos joelhos, olhar triste e vago. Era o abatimento em pessoa. Velo naquele estado fez Asami se encher de tristeza. Ela se aproximou tímida. Mako movera o rosto em sua direção fitando-a, nada disse, estava abatido demais para começar uma discussão ou para fugir de uma. Asami sentara-se de joelhos na grama ficando frente a frente com ele.

- Oi... – deu um sorriso fraco.

- Oi – respondeu Mako. Ele levantou o olhar e encarou-a. Ver Asami atiçava-lhe os sentimentos. No passado ele a amara, e mesmo com o tempo tendo passado ainda sentia os resquícios daquele amor. Asami era charmosa e elegante, sempre tão arrumada e maquiada, mas na verdade seu verdadeiro charme não estava nas roupas nem na maquiagem. A moça tinha uma espécie de aura que atraia a todos ao seu redor. Mako pensava que essa aura atraia apenas homens, mas descobrira que o mesmo acontecia com mulheres.

Nenhum dos dois sabia o que dizer além do “oi”. Asami mentalizara aquela conversa inúmeras vezes, mas uma coisa era imaginar e outra era torna-la realidade.

- Eu e Korra. Nós não queríamos magoa-lo Mako – disse gentilmente escolhendo cada palavra com cuidado - temos muito carinho por você. Eu espero que o meu namoro com Korra não mude as coisas entre nós três.

Mako respirou fundo. O moço fechou os olhos, e, para o deleite de Asami, sorriu. Um sorriso fraco, meio forçado, meio triste, mas mesmo assim um sorriso.

- Eu também espero que não Asami. Só que... é estranho... acho que Bolin não estava tão errado ao perguntar se a noticia do namoro de vocês era uma piada, porque assim me pareceu... as duas mulheres que eu namorei, as duas mulheres que eu amei, e, de um certo modo ainda amo... as minhas duas melhores amigas estão namorando. Soa como uma piada não?

Asami tinha que admitir que parecia sim uma piada de mal gosto que o destino pregara com ele. Ela nem conseguia imaginar como estava a cabeça do amigo, devia estar a maior confusão. Ela tentou descontrair a situação, aquela seriedade toda estava dando um tom triste a conversa.

- Ei não fique assim. Aposto que logo você encontrara uma moça linda e muito especial ao qual se apaixonara – ela sorria otimista – talvez você ate já conheça sua princesa encantada. Alguém do trabalho talvez? – arriscou uma sugestão dando uma piscadela charmosa.

Mako riu com naturalidade. O clima entre os dois ficara mais ameno e leve. Ele ficara um pouco mais animado.

- A única mulher que tenho contato no meu trabalho é a minha chefe, Lin. Eu preferiria enfrentar Korvira, Zaheer e Amon juntos do que começar um namoro com ela!

Os dois riram juntos. Fazia tempo que não riam assim, tão naturalmente, tão levemente. Mako se levantou e Asami fez o mesmo. Estavam bem mais felizes do que quando iniciaram aquela conversa. Um pouco de riso era o que precisavam. Mako não estava com raiva das duas. Ele as amava. Tinha raiva sim do rumo que a vida tomou. Perdera as mulheres que amava e elas compartilhavam juntas uma felicidade a qual ele não poderia desfrutar. Os três eram amigos inseparáveis, mas se tratando de amor só havia Korra e Asami. Mako estava de fora.

- Eu desejo que o namoro de vocês duas de certo. Sei que encontrarão preconceito, não apenas pelo fato de serem duas mulheres namorando, mas pelo fato de ser a Avatar e você, uma das mulheres mais ricas e importantes de toda a cidade da republica, a namorarem.

Asami sabia disso. Korra era a avatar, e não era de hoje que tinha seus problemas com o presidente Raiko. Asami por seu lado era dona das empresas Futuro uma das maiores desenvolvedoras de tecnologia em todo o mundo. Seus produtos eram exportados para todo o lugar desde o reino da terra ate a tribo da água. Realizar um projeto milionário era atividade comum em seu cronograma.

Ela já havia saído no jornal varias vezes e estava presente nos mais importantes eventos da cidade. Os jornais a chamavam de “a mulher do futuro”, Asami se perguntava do que a chamariam depois que soubessem de seu namoro.

- Eu sei, vai ser uma dureza aguentar a pressão, mas eu sou forte e Korra também. Arranjaremos um jeito de lidar com isso.

- Sim vocês são – disse Mako com um certo orgulho na voz. Ele conhecia a força delas – Asami eu preciso ir. Lin não estava irritada a toa, estamos com muito trabalho lá na central de policia... nos meio que não deveríamos estar aqui agora... se é que você entende.

Asami sabia que Mako era muito ocupado com o trabalho, mas não tinha ideia que ele estava deixando de trabalhar para ter ido ate ali. Era muito gentil da parte dele. Ela estava tão envolvida em seu namoro com Korra que esquecera que seus amigos também tinham seus problemas para cuidar.

- Mas hoje é domingo, esta acontecendo alguma coisa na cidade da republica para a policia estar tão ocupada? – que ela sabia Mako não trabalhava aos domingos. Ele não era de fazer trabalho de campo, rondando as ruas atrás de malfeitores. Mako era um detetive e os domingos eram seus dias de folga por direito.

Mako assumiu uma postura seria, era engraçado como ele se transformava em um perfeito policial em certas horas. Em um momento Asami estava conversando com seu amigo Mako sobre seu namoro, em um piscar de olhos estava conversando com o detetive Mako sobre a segurança da cidade.

- Muita coisa aconteceu enquanto você e Korra estavam fora. O ataque de Korvira destruiu metade da cidade, isso revoltou muita gente. Sem seus lares muitas pessoas começaram a roubar para conseguir o pão de cada dia. Perdemos muitos oficiais também na guerra. O numero de bandidos aumentou enquanto o de servidores da lei diminuiu... é uma situação complicada. A inspetora Beifong esta trabalhando de segunda a segunda para tornar as coisas um pouco menos caóticas. Eu meio que me tornei o braço direito dela... e... acho que devo voltar para a central correndo. Ela esta precisando de seu braço direito agora...

Asami sabia como Lin poderia ser assustadora quando estava irritada. Se normalmente ela já era rígida, em momentos de pressão ela era um demônio. Ela segurou as mãos de Mako com carinho.

- Entendo. Boa sorte Mako, nos falamos depois então.

Mako concordou com um aceno com a cabeça e então se foi correndo. Asami ficou observando-o ate que ele sumisse de vista. Ela voltou ao templo e encontrou Korra e Jinora conversando. Pelo expressão leve de Korra sua conversa com Tenzin havia sido muito boa.

Asami sorriu. Estava tudo bem. Tornar o namoro publico havia sido o primeiro passo, e não fora tão difícil assim quanto ela pensava. Os passos seguintes seriam mais difíceis, mas Korra e ela os dariam, juntas.

21 de Novembro de 2019 às 22:44 0 Denunciar Insira 0
Leia o próximo capítulo Desencontros

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 17 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!