Relacionamento a dois Seguir história

jace_beleren Lucas Vitoriano

Haruka e Mako são namoradas, mas um amor nem sempre é saudável, mesmo que os dois lados acreditem que tudo está bem.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#orange #hentai #pwp
Conto
0
234 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo único

NOTAS DO AUTOR: A todos os fãs da Haruka. Eu adoro a personagem, maaaaaaaas, como queria tratar de relacionamentos nada saudáveis, sobrou para ela fazer papel de vilã rs. Então, não misturem as coisas e tenham uma boa leitura ;)


*****

Haruka empurrou Mako contra a parede, suas mãos imprensando as da mais jovem contra o concreto solido. Seus corpos faziam pressão um no outro. Haruka, maior, mais velha e mais forte, dominava a situação. Mako arfava, acuada como um animal assustado. A respiração da garota era acelerada e seu coração batia forte no peito.

- O que eu disse sobre não me visitar enquanto trabalho? – perguntou Haruka, o tom de sua voz era sério e ríspido. Seu olhar pesava em Mako como um peso mortal e a garota se encolheu em seu canto.

- Eu... eu só queria fazer uma surpresa amor...

E havia feito, com certeza. Mako e Haruka haviam começado a namorar não havia nem um mês e estavam bastante apaixonadas, mas era claro para quem via o casal que Mako estava totalmente derretia por Haruka, se humilhando a fazer todos os caprichos da outra. Em uma relação a balança do amor raramente está equilibrada e normalmente uma das partes sempre está mais apaixonada do que a outra.

Foi pensando em agradar Haruka que ela havia ido encontra-la em sua oficina naquela manhã de sexta, como era feriado ela não precisava ir para a aula e poderia ver seu amor. Mako tinha dezoito anos, era uma garota atlética que adorava esportes e lutas. Seus cabelos eram castanhos ondulados e, naquele momento, estavam presos em um rabo de cavalo. Vestia uma blusa branca simples e uma longa saia cinza. Haruka olhava para aqueles seios imaginando como seria chupa-los. Mas tudo a seu tempo. Elas teriam a noite inteira para isso.

Haruka era bem mais velha, tinha vinte e cinco anos e trabalhava como pilota de corrida, mas também como mecânica nas horas vagas. O motivo para ela ter se tornado mecânica era simples: era ciumenta demais com seu carro para deixar que qualquer outra pessoa o tocasse. Esse ciúmes também se estendia a sua namorada, mas com isso ela não tinha com o que se preocupar. Mako estava tão perdidamente apaixonada que jamais a trairia com ninguém.

Ela possuía cabelos bem curtos, beges, sua voz mais grossa do que do “padrão” feminino, seu jeito considerado “masculino” e até sua atividade profissional a faziam ser confundida muitas vezes com um homem. A corrida profissional era um esporte predominantemente masculino e Haruka adorava esfregar na cara dos corredores que ela, uma mulher, era muito mais competente que eles.

Naquele momento Haruka vestia seu macacão. O cheiro na oficina era de gasolina, graxa e suor, mas, se você prestasse mais atenção, sentiria outro aroma no ar. O cheiro de desejo. Havia uma forte tensão sexual ali. Haruka dava uma bronca na namorada, mas elas estavam tão próximas, com os corpos tão colados, que não demoraria muito para que aquela briga terminasse em um longo beijo.

- Já lhe disse que não gosto que me visite enquanto trabalho – dizia Haruka fuzilando a namorada com o olhar – está tentando invadir meu espaço particular? – a pergunta foi feita em tom de reprovação.

Mako tremia, os seus pulsos doíam um pouco pois Haruka os segurava com força. Mako também era forte, era faixa preta em karate. Ela sabia oito formas diferentes de se livrar de Haruka, mas perto da namorada Mako não passava de uma menina apaixonada e indefesa. Ela tremia e seus olhos estavam úmidos.

- Não, eu jamais faria isso – agora ela tinha que fazer o máximo de esforço para não chorar – eu... eu trouxe um lanche para você... foi eu mesma que preparei...

Haruka desviou rapidamente o olhar para a sacola que Mako havia derrubado no chão quando havia sido empurrada contra a parede. Seu olhar se voltou rapidamente para a namorada e ela perguntou em tom sério e um tanto grosseiro.

- É essa sacola amarela?

- S-sim... fiz bolinhos de arroz e sushi... – Mako tremia assustada, temia que Haruka estivesse brava com ela. Só o pensamento que a namorada estaria insatisfeita com algo que havia feito lhe enchia de pavor.

Haruka soltou a garota e caminhou até a sacola se abaixando e pegando-a. Deu uma rápida espiada no conteúdo e depois voltou a fitar Mako que estava parada assustada, como uma criança que sabe que fez algo errado e está a espera da branca dos pais.

- Obrigada – disse simplesmente – eu volto para meu apartamento as dezenove. Passe lá a essa hora e podemos conversar e talvez... fazer algo.

O tom de sua voz foi vago. Mako não sabia se esse “algo” seria assistir a um filme na televisão da sala ou dormirem juntas. A garota apenas baixou a cabeça e murmurou um pedido de desculpas que Haruka não ouviu ou então simplesmente ignorou.

Mako saiu da oficina da namorada triste e abatida, mas Haruka não se incomodou muito com isso. Ela sabia que Mako era caidinha por ela e iria fazer tudo por ela independente da forma como ela havia lhe tratado minutos atrás. Além do mais não podia reter a namorada ali. A visita surpresa havia quase se tornado um escanda-lo caso Mako a fizesse em outro momento, enquanto Haruka estivesse tratando de assuntos que não queria que sua namorada soubesse. Foi por isso que ficara tão irritada com a visita de Mako e queria deixar bem claro que não queria que coisas assim se repetissem no futuro.

Haruka abriu a sacola e se deliciou com os maravilhosos sushis feitos pela namorada. Culinária era uma das maiores qualidades de Mako e Haruka tinha o privilegio de ser mimada com todos os tipos de comida que a namorada lhe fazia. Comeu todos os sushis, mas deixou os bolinhos de arroz para comer depois, colocando a sacola com os petiscos em cima de uma estante.

Depois de se alimentar Haruka voltou ao trabalho, estava distraída trocando algumas peças de seu carro quando ouviu o som de alguém entrando em sua oficina. Ela se virou e abriu um sorriso de satisfação quando viu quem acabava de chegar

- Hey, estava te esperando Rei.

Rei Hino era uma linda garota de longos cabelos escuros que desciam até a altura da cintura. Ela era uma das melhores amigas de Mako, embora não merecesse se considerar assim devido ao seu comportamento nas ultimas duas semanas.

- Ola Haruka... – Rei sorriu tímida e Haruka foi até ela, cumprimentando-a com um longo beijo na boca. Rei se sentiu derreter com aquele beijo e seu corpo amoleceu nos braços da mais velha.

Quando o beijo terminou a morena estava com um sorriso tímido e totalmente apaixonado no rosto. Haruka também sorria, feliz por estar pegando tanto Mako como uma de suas melhores amigas, duas garotas bastante bonitas e cobiçadas.

- Como está o trabalho? – perguntou Rei olhando para sua amante com o macacão sujo de graxa. Ela se sentia muito culpada por estar traindo sua amiga, mas Haruka havia sido tão incisiva na primeira vez que ficaram e ela era tão atraente e impositiva que Rei não conseguiu lhe dizer não. E mesmo que conseguisse Rei não saberia se as coisas teriam sido diferentes. Haruka não era o tipo de mulher que aceitava um não como resposta.

- Interrompido agora que você chegou – disse Haruka fitando a bela morena, dando especial atenção aos seios da garota.

Rei corou e desviou um pouco o olhar, quando o fez viu a sacola que Mako havia trazido e perguntou curiosa o que era.

- Um lanche – respondeu a mais velha com naturalidade – podemos dividir, são bolinhos de arroz, você gosta?

- Claro – disse Rei – eu adoro bolinhos de arroz!.

*****

Haruka chegou no seu pequeno apartamento as oito da noite, uma hora depois do que havia planejado com Mako. Estava subindo de elevador enquanto se lembrava dos motivos de seu atraso. O seu “atraso” se devera ao fato de ter passado tempo demais com Rei. As duas trocaram vários beijos e caricias e, quando a coisa esquentou, a mais velha arrancou as roupas da morena ali mesmo e fez amor com rei na própria oficina. Havia sido uma bela transa, ou melhor, umas belas transas. No plural. Haruka possuirá a morena por umas quatro ou cinco vezes em varias posições diferentes e ao fim se despediu sem antes dizer que marcariam de sair de novo para repetir a dose.

Agora o elevador havia chegado no segundo andar e Haruka se dirigiu ao seu apartamento, o 201. Para a surpresa da moça havia uma pessoa a esperando na porta do apartamento. Mako estava encostada na parede e havia algumas sacolas em suas mãos. Ela deu um sorriso ao ver a namorada.

- Haruka, como você está? Ainda brava comigo? – a pergunta havia saído com insegurança e ansiedade.

Haruka se aproximou da moça de cabelos castanhos e lhe deu beijo rápido na boca, em seguida colocou a chave no cadeado e abriu a porta.

- Tudo bem, já esqueci aquilo. Não se preocupe – disse dando um breve sorriso. Mako ficou extremamente aliviada ao ouvir aquelas palavras. Mesmo assim ela fez questão de ressaltar – mas nunca mais me visite de surpresa entendeu?

- Prometo – respondeu e, depois, com ternura na voz completou - você é a melhor namorada do mundo, eu não te mereço – disse Mako enquanto as duas entravam juntas no apartamento.

Haruka apenas riu e disse para ela não ser dramática e que ela agia como qualquer boa namorada faria. Diise para Mako ficar a vontade e foi tomar um banho e trocar de roupa. Vinte minutos depois saiu do banho vestindo apenas uma blusa longa que ia até o meio das coxas, era uma roupa grande demais e informal demais, cinza com botões. Para sua surpresa, quando chegou na cozinha, deparou-se com a mesa posta. Mako estava no fogão e passava pedaços de frango em uma frigideira.

- Você veio na hora certa amor – disse Mako, ela virava o frango na frigideira para assar o outro lado – estou preparando sua comida, espere só um minutinho!

Haruka se sentou confortavelmente na mesa e experimentou um copo de suco que Mako havia feito. Ela observava sua namorada terminar de cozinhar e enquanto isso resolveu puxar assunto.

- O que acha de dormir aqui hoje? – disse como quem não quer nada – amanhã é sábado e você não precisa acordar cedo.

Mako veio com um belo pedaço de frango e colocou no prato da namorada e depois serviu outro pedaço para si. Ela se sentou de frente para Haruka.

- Ficaria muito feliz, obrigada! – suas bochechas coraram levemente – vai ser a primeira vez que eu durmo na sua casa...

- Primeira de muitas – disse Haruka experimentando o frango – está ótimo como sempre amor.

Mako ficou muito feliz e as duas continuaram a comer enquanto conversavam sobre assuntos aleatorios. Haruka explicou como foi o seu dia de trabalho na oficina (nada demais, apenas o de sempre) enquanto Mako falava-lhe do stress com as provas finais que seriam na semana que vem. Ao termino do jantar Mako lavou a louça e as duas foram para a cama juntas. Haruka se sentou sobre Mako que estava deitada, e ficou observando com desejo a namorada.

- Esperei o dia todo por isso – disse com um sorriso malicioso no olhar. Haruka levantou a blusa de Mako revelando seu sutiã amarelo claro e seu corpo atlético.

Mako estava envergonhada. Para ela era incrível estar namorando com Haruka. Ela não sabia o que a mais velha via nela, mas ficava muito feliz por ter o seu amor. Haruka era tão independente e madura. O tipo de mulher que poderia ter qualquer mulher a seus pés, mas mesmo assim a havia escolhido. Mako se sentia a namorada mais sortuda do mundo.

Tudo começou com as mãos de Haruka explorando os seios de Mako, seus dedos massageavam os belos seios com experiencia, apertando-os com força e vontade. Mako segurou os gemidos, sentia o ar lhe faltar de tão nervosa que estava afinal aquela era apenas a segunda vez que faziam amor.

- Você está muito nervosa... relaxe querida – disse a mais velha enquanto retirava o sutiã de Mako, revelando seios medianos e muito atraentes.

- D-desculpe – Mako corou ainda mais, se sentia tão diminuída na frente de uma mulher tão estupenda quanto Haruka que era como se tivesse perdido toda a experiência que possuía e voltado a ser uma virgem inocente – vou tentar me acalmar.

Haruka continuou com seus toques, agora sentindo diretamente a pele macia de Mako e não mais o tecido do sutiã. Ela adorava aqueles lindos seios então deitou-se sobre Mako e os chupou com gosto. Eram longos chupões que deixavam marcas vermelhas nos seios da garota. As vezes ela lambia os mamilos ou então dava-lhes beijos carinhosos o que fazia Mako se contorcer de prazer.

Ser possuída por Haruka era tudo de mais belo que existia e ainda mais. Mako amava aquilo, se sentia tão completa, tão única. Havia dúzias de mulheres que desejavam Haruka, mas Mako era a única que poderia dizer que aquela linda corredora era só sua e de mais ninguém.

- Haruka... eu a amo tanto... tanto – disse a garota entre dóceis gemidos. A mais velha não dizia nada em resposta, não palavras ao menos, pois se ocupava em trabalhar com sua boca para dar prazer a garota.

As duas ficaram nisso por algum tempo até que Haruka começou a desabotoar sua camisa, sem parar de trabalhar nos seios da namorada. Ela jogou a peça de roupa no chão ficando só de calcinha. Haruka tinha um belo corpo de atleta, era alta e esguia, com músculos firmes e bem definidos. Mako admirou aquele lindo corpo e o tocou com carinho e cuidado. Suas mãos acariciaram a barriga e as coxas de Haruka e depois passaram aos seios. Aonde se demoraram por um longo tempo.

Elas voltaram a se beijar, com um ardor queimando dentro de si. Haruka gemeu algumas vezes sentindo sua intimidade ficar úmida. Ansiosa começou a despir o resto das roupas de Mako, suas bocas se pressionavam em beijos mais ousados e as vezes elas davam leves mordiscadas nos lábios da outra.

Não demorou para que Haruka se livrasse de todas as roupas de Mako e, em seguida, livrou-se também de sua incomoda calcinha. As duas estavam totalmente nuas. Haruka voltou a se sentar sobre Mako, as pernas das duas cruzando-se umas nas outras, enquanto suas intimidades se encostavam. A mais velha repousou as mãos nos seios da namorada, apertou-os com firmeza e então, já louca de desejo, começou a dar estocadas fortes.

- Ahhh!! – Mako gemeu alto, suas mãos se fechavam sobre o lençol da cama com força em um movimento instintivo. As estocadas eram firmes e faziam a garota quase gritar de prazer. Ela não estava acostumada ao ritmo de Haruka, que a possuía com muito mais força e vigor do que da outra vez que fizeram amor. Por isso arfava enquanto seus corpos suados se moviam com intensidade naquela dança erótica.

Haruka sorria, estava amando aquilo. Enquanto possuía Mako se lembrou de que algumas horas antes havia possuído Rei naquela exata posição. A morena era mais atraente como um todo, mas Haruka gostava particularmente mais dos seios de Mako. Ela imaginou como séria se possui-se as duas ao mesmo tempo. Só esse pensamento a encheu ainda mais de desejo.

- Ah... amor... assim você me deixa louca... – disse Mako, sentindo que seu corpo não era mais dela e sim de sua namorada. Haruka a controlava totalmente e a usava e ela adorava aquilo. Ela sabia que, se fosse qualquer outra pessoa tratando-a assim, ficaria receosa. Mas era Haruka, seu amor. E ela estava feliz em ser dominada.

Haruka prosseguiu, ia e vinha com movimentos cheios de ímpeto e desejo. Mako reagia a cada estocada com um gemido, seu corpo se contorcendo a cada vez que sua intimidade se chocava contra a da namorada. O ato de amor das duas poderia durar a noite inteira, mas encerrou-se com um forte grito de Mako e um orgasmo da mesma. O corpo da garota desabou na cama. Ela estava exausta e ensopada de suor. Haruka também estava muito cansada e suada. Ela se afastou por alguns segundos para tomar folego.

- Então... – disse a mais velha arfando. Havia tido uma boa transa a noite e ainda uma bela dose de sexo pela tarde. Estava exausta – satisfeita amor?

Mako sorriu visivelmente cansada. Ela puxou a namorada para mais perto em um gostoso abraço e beijou-a nos lábios com carinho.

- Com você sempre estou satisfeita Haruka – disse com toda a sinceridade de seu coração.

- Eu também querida – respondeu a outra acariciando o rosto da namorada.

Elas ficaram ali abraçadas. Mako pegou no sono primeiro, mas Haruka ainda ficou acordada. Ela se distraia acariciando os seios e rosto de sua namorada enquanto planejava quando seria seu próximo encontro com Rei. Elas não haviam tido muitos programas românticos ainda. Normalmente suas saídas se resumiam a sexo escondido e só. Haruka achou que já era tempo de investir mais em seu caso com Rei, afinal se não o fizesse a paixão da garota poderia esfriar. Uma saída a um parque de diversões talvez? Rei certamente ficaria feliz de ter uma saída assim afinal, assim como Mako, estava estressada devido as provas finais que logo chegariam.

Haruka decidiu-se que no dia seguinte ligaria para Rei e marcaria a saída, no domingo. Esse era o dia que todos ficam em casa para descansar então ela poderia usar essa desculpa para recusar uma saída com Mako caso a namorada a convidasse.

Ela sabia que poderia acontecer de Mako querer visita-la de surpresa, como havia feito naquela manhã. As chances eram pequenas, mas Haruka deveria levar em contar a possibilidade. Caso isso acontecesse Haruka poderia dizer que havia saído de casa para resolver algum problema de ultima hora. Era uma boa desculpa e Mako iria aceita-la sem suspeitar de nada.

Feliz em ter planejado tudo em sua mente Haruka se permitiu cair no sono. E assim as duas namoradas dormiram juntas, abraçadas, em um sinal de amor e confiança que, infelizmente, não era mutuo.

19 de Novembro de 2019 às 11:01 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Lucas Vitoriano Ola, me chamo Lucas, adoro escrever, ver animes, jogar Magic the gathering, ler entre outras coisas mais rs. Sou particulamente fissurado em mitologia grega, meus autores favoritos são Neil Gaiman e Kazuo Ishiguro e, meu livro favorito, é As brumas de Avalon.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~