Contos eróticos - Yugioh Seguir história

jace_beleren Lucas Vitoriano

Contos eróticos envolvendo os personagens da série yugioh.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#hentai #yugioh #pwp
0
313 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Yugi - Ishizu

NOTAS DO AUTOR: Sei que pode parecer obvio, mas não custa nada ressaltar. Não sei a idade original dos personagens no anime, se tem 16, 17 ou 18... mas aqui, neste conto e nos demais, todos os personagens são maiores de 18 ok? Dito isso, boa leitura a todos!


*****

A batalha da cidade havia por fim terminado. Ishizu fora derrotada, mas ela pouco se importava com isso. Não estava ali pela vitória e sim para reaver seu irmão e, graças ao farão, havia conseguido completar esse objetivo.

Agora que tudo estava acabado ela deveria voltar ao Egito junto com Marik, mas antes de partir tinha uma ultima coisa que ela tinha que fazer. Ishizu tinha pouco mais de vinte anos, sua expressão transparecia serenidade e inteligência, ela vestia roupas brancas como uma sacerdotisa do farão com braceletes e brincos de ouro. Era uma mulher esbelta com longos e lisos cabelos negros que desciam até a cintura. Ela, como todos os finalistas do duelo da cidade estavam em uma gigantesca plataforma com uma arena. A plataforma sobrevoava a cidade e continha quartos para todos os finalistas e seus amigos convidados.

Quando o relógio soou dez horas da noite Ishizu saiu de seu quarto, seguiu pelos corredores vazios até chegar ao quarto do garoto Yugi. Ela deu duas batidas na porta e, poucos instantes depois, a mesma foi aberta e Yugi apareceu.

- Ishizu? – ele estava descalço vestia um longo pijama infantil, azul claro com alguns desenhos de nuvens. Yugi tinha um olhar ingênuo, era baixo com cabelos escuros e espetados e mechas loiras e avermelhadas.

Yugi estava com uma expressão de surpresa e sono, mas ele sorriu ao ver Ishizu e a convidou para entrar o que a sacerdotisa o fez agradecendo. O quarto do garoto era simples. Yugi sentou na cama e olhou para a moça com curiosidade.

- O que veio fazer aqui tão tarde? Aconteceu algo?

- Não meu farão, eu vim apenas agradecer pelo que fez por meu irmão. Foi um gesto muito nobre.

Yugi sorriu daquela forma ingênua que só ele sabia sorrir. Ele esticou o braço e pegou em uma gaveta um lindo colar dourado e o ofereceu a Ishizu.

- O seu colar do milênio, você me deu e ele me foi muito útil, mas agora não preciso mais e acredito que o melhor seja que fique com você.

Ela pegou o objeto com cuidado e o colocou em seu pescoço. O colar do milênio era uma das sete relíquias mágicas do Egito antigo e concedia ao seu portador o poder de ver o futuro. Claro que apenas ter o colar não significa controlar perfeitamente esse poder, mas Ishizu o carregara consigo a vida toda e podia acessar a visão do futuro com tanta facilidade quanto respirar.

- Obrigada farão, bem, como eu estava dizendo, vim aqui lhe agradecer – ela ajeitou o seu vestido abaixando sutilmente o seu decote – tenho certeza que posso fazer com que se sinta mais a vontade.

- Eu estou bem obrigado. Mais alguma coisa? – perguntou ele com seu olhar inocente. Ishizu não achou que precisaria ser tão explicita, mas aquele garoto não parecia perceber quando uma mulher se insinuava para ele. Ela tinha certeza que ele não era apenas virgem como nunca havia sequer beijado alguém.

Como ele nunca iria entender com palavras ela foi direto ao ponto. Ishizu se abaixou, ajoelhando-se em frente a Yugi, o garoto lhe lançou um olhar curioso e levou um susto quando ela tocou na calça de seu pijama e a abaixou.

- I...Ishizu o que você...? – Yugi tremia assustado e completamente sem reação. Ishizu fitou a cueca branca do garoto, não havia nenhum volume ali embaixo e ela concluiu que precisaria estimular seu farão ainda mais para que seu pequeno animal no meio das pernas despertasse.

Ela tocou no membro do garoto por cima da cueca, era tão mole e pequeno que ela quase se perguntou se havia mesmo alguma coisa ali. Com movimentos experientes, apertões e massagens ela o estimulou até que o membro de Yugi endurecesse um pouco. Mas mesmo com seus toques ela não tinha algo muito grande o volumoso em suas mãos, o membro estava apenas um pouco duro, mas ainda bem molenga. Yugi gemia baixa sem conseguir fazer nada além disso e Ishizu soube que precisaria tomar toda a iniciativa ali. Ela precisaria ser ainda mais direta para que aquilo começasse de fato.

- Com licença farão – disse educadamente enquanto abaixava a cueca do garoto e revelava um pequeno pênis. O tamanho não a surpreendeu, pois ela já imaginava que não teria que lidar com proporções muito grandes. Aquele séria um trabalho que ela não precisaria se esforçar muito. Yugi não parecia do tipo que tinha muito folego para esse tipo de coisa.

- Ahh.. ah... Ishizu... pare... – disse ele debilmente quando a garota começou a tocar no seu pênis diretamente realizando uma massagem lenta e prazerosa.

Yugi balbuciava e Ishizu ignorou suas palavras, pois sabia, pela rigidez do pênis do garoto, que ele estava gostando. Mesmo duro Yugi não tinha um pênis muito avantajado, mas Ishizu percebeu que aquele pequeno broto que o garoto tinha entre as pernas não iria crescer nada além do que seus humildes doze centímetros. Conformada, e um tanto decepcionada, ela colou os lábios nele e começou a chupar.

Yugi soltou um longo gemido de alivio e prazer, ele não tinha mais forças, nem vontade, de resistir aos toques de Ishizu e apenas aceitou passivo o que ela fazia. Ishizu continuou a chupar lentamente ouvindo os fracos gemidos do garoto. O pênis estava bem duro e ela sentiu que se continuasse com aquilo o garoto teria um orgasmo cedo demais então retirou seus lábios e se afastou um pouco.

- Como se sente farão? – perguntou com sua voz calma e educada.

Yugi arfava e parecia completamente desestabilizado. Ishizu não se surpreendia por isso, pois, para alguém que nunca beijara receber sexo oral era um pouco demais.

- Isso é... muito... bom... – disse ofegante.

- Que bom que gostou, pois vai ficar ainda melhor.

Dito isso Ishizu se levantou e retirou a blusa do garoto deixando-o completamente despido. Yugi se cobriu tímido colocando uma mão no meio das pernas e outra na frente dos peitos. Como seu pênis era pequeno foi facilmente coberto. Ishizu se levantou e, com um simples gesto, deixou que suas vestes brancas deslizassem pelo seu corpo e caíssem no chão revelando toda sua nudez. Ela apenas usava brincos e braceletes dourados que lhe davam um ar ainda mais atraente. No seu pescoço reluzia o colar do milênio

Yugi arregalou os olhos e até deixou de se cobrir ao ver toda a beleza da mulher a sua frente. Diferente dele ela possuía um corpo maduro com curvas atraentes, seios fartos e uma vagina grande e suculenta. A pele de Ishizu era morena, queimada do sol, e possuía uma beleza quase mística, ainda mais para alguém que nunca havia visto uma mulher nua na vida.

Com cuidado ela sentou-se no colo de Yugi, sua vagina engolindo sem dificuldades o pequeno pênis do garoto. Ela sentiu um leve incomodo e, quando se deu conta, ele já estava totalmente dentro dela. Ishizu sorriu internamente, aquilo séria bem rápido e não lhe causaria muito esforço. Com suavidade a morena começou a rebolar lentamente, sua cintura se movia de forma provocativa enquanto suas mãos iam de encontro ao peitoral e ombros dele, acariciando-o.

- Está bom meu farão?

Yugi estava em êxtase, gemia baixo maravilhado com aquele momento. Ele precisou de alguns instantes para sair de seu transe e responder de forma tímida.

- S-sim muito bem – ele gemeu baixo, a frente de seu rosto estavam os grandes seios da garota que se projetavam de forma intimidadora em sua direção. Ele queria aqueles seios, mas tinha vergonha de toca-los – Ishizu... eu... posso toca-la...?

- Sinta-se a vontade farão.

Muito sem jeito Yugi tocou nos seios de Ishizu, ele os massageou de forma atrapalhada, e vermelho de vergonha beijou-os com carinho. Ishizu continuava a rebolar em seu ritmo lento e gostoso, ela colocou a mão na nuca do garoto e a acariciou docilmente.

Yugi estava adorando aquilo, embora tudo parecesse surreal demais. Era até engraçado que ele não se impressionasse mais com artefatos mágicos e monstros do Egito antigo, mas parecesse não acreditar quando uma garota tirava as roupas na sua frente e o tocava. Yugi fechou os olhos e chupou aqueles seios como uma criança mama nos seios da mãe, Ishizu deixou que ele assim o fizesse e, sutilmente, aumentou o ritmo de seus movimentos com a cintura, rebolando um pouco mais rápido.

Yugi soltou um gemido abafado com a cara afogada nos seios da garota e, após alguns instantes começou a ficar ofegante. Ele gemia cada vez mais fraco, sem conseguir acompanhar o ritmo de Ishizu. Não foi preciso que ela esperasse muito para que seu pequeno farão desabasse na cama arfando com o corpo levemente úmido de suor.

Ishizu se levantou saindo de dentro do garoto. O pênis dele estava completamente mole e úmido de orgasmo e isso significava que seu trabalho ali havia sido concluído. Ela nem havia sentido quando Yugi tivera um orgasmo, mas também era até mesmo difícil sentir quando o pênis dele dentro dela.

Ishizu observou o garoto ofegante deitado na cama. Yugi estava esgotado enquanto ela nem sequer havia suado. Seu farão era mais garoto do que homem, até mesmo os pelos no meio das pernas eram finos e escassos. Ela não estava satisfeita, mas também Yugi não lhe dera prazer ao ponto dela desejar mais. Afinal transar com o garoto não tinha sido muito diferente de uma suave masturbação.


19 de Novembro de 2019 às 10:48 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Lucas Vitoriano Ola, me chamo Lucas, adoro escrever, ver animes, jogar Magic the gathering, ler entre outras coisas mais rs. Sou particulamente fissurado em mitologia grega, meus autores favoritos são Neil Gaiman e Kazuo Ishiguro e, meu livro favorito, é As brumas de Avalon.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~