Ode a uma princesa Seguir história

alarinrin Alarinrin .

"Estranho ela ter escolhido este tempo para vir mais uma vez e ainda manter sua essência, tão dissonante à fluidez inconsistente reinante. Talvez em outros tempos, em outros lugares, onde seu vestido longo arranhava a relva, onde os castelos se erguiam pedra sobre pedra e quando o tempo gotejava preguiçosamente, lá também fosse uma estrangeira. " Uma singela homenagem a uma amiga do coração


Conto Todo o público.

#homenagem #amizade #carinho #princesa
Conto
0
718 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Ode a uma princesa



Seu sapato alto e cristalino se esconde nas sandálias de couro. Sua voz melodiosa enclausura-se em tons baixos e discretos. Sua bondade derrama-se em gestos tão singelos e sutis, quase desapercebidos à corrente gritante e a mentes distraídas. Seus atos avolumam-se na delicadeza.


Estranho ela ter escolhido este tempo para vir mais uma vez e ainda manter sua essência, tão dissonante à fluidez inconsistente reinante. Talvez em outros tempos, em outros lugares, onde seu vestido longo arranhava a relva, onde os castelos se erguiam pedra sobre pedra e quando o tempo gotejava preguiçosamente, lá também fosse uma estrangeira. Sua mansidão não abria as portas da submissão em tempos esquecidos, muito embora a serenidade em seu rosto assim pudesse parecer.


Talvez lá, onde os séculos se perderam, a princesa se remexia impacientemente na prisão do espartilho, desejando a liberdade que seu espírito se baseava. Talvez aqui, onde os anos se condensam em instantes, uma blusa preta e um simples jeans tenham mais majestade de que toda a seda do manto perdido.


Talvez a princesa transpasse o tempo, procurando a si mesma nos eternos longos cabelos negros caídos nas costas.


Ela veio, talvez renegando todas as firulas passadas e mergulhando nas ciências tão exatas, porém imersa também na doçura da poesia e na profundidade da prosa. Ou talvez ela nada negue, nada deseje e apenas passeie pela eternidade com calçados diferentes a cada passo.


Talvez ela já tenha se achado, mas não se reconheça.


Talvez.


Mas nós sabemos quem ela é.






9 de Novembro de 2019 às 19:46 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Alarinrin . É estranho me adjetivar. Melhor que as histórias que escrevo falem de mim e por mim.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~