Viva Ela Seguir história

marizelia-guedes1559813156 Marizelia Guedes

uma criança, aparentemente normal, sofre uma perda brusca da visão aos seis anos de idade, passando a conviver com dores e irritações a claridades. tem com a fé e esperança sua cura, em ação de graça paga as mais sofridas promessas em prol de sua recuperação. orações são movidas a Deus e com amor encara todas as suas dificuldades, culminância relacionada com Irma Dulce a Santa dos Pobres.


Histórias da vida Todo o público.

#garotasink #
0
868 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Viva Ela

A luz... Tão clara, como as atitudes de seus princípios e tradições que configuram sua própria forma de vida. a decência vem atrelada aos padrões naturais de sua existência. veem calar com veemência qualquer ato que possa ferir sua moral, digna, cabeça erguida viva, vivida, vem seguir os caminhos de suas escolhas pelas opções que lhe foram oferecidas, sem constrangimentos ou arrependimentos.

A dor em meio a seus poucos anos de vida, na soma precocemente era abusada por tamanha agonia, já não tinha mais luz, apenas a escuridão, não a da noite mas a de seus olhos.

Era primogênita entre 10 irmãos, sua sina estava traçada, nos mais longos dias de dor, agonias e solidão. Isolada em seu quarto no refúgio de seus próprios limites. esta a merce de abdicação de sua infância, pois nada podia ver alem do breu, a intensidade da luz causava uma forte irritação assim sozinha reconhecia sua própria solidão. dormência nos olhos, essa era seu enfermo. nascida em 17 de setembro de 1946 chega ao mundo Luzia nome escolhido por sua mãe, que mal sabia que no decorrer de seu destino carregaria em sofrimento as angustias de Santa Luzia, que perdeu seus olhos mas sendo logo restaurados pelo milagre divino. assim desde novinha aos 6 anos de idade ja passava por incômodos dolorosos, sacrificada a permanecer isolada, para assim sofre singular com sua dor.

vinda de uma família humilde sem recursos para providenciarem tratamento adequado e aliviar suas mais intensas lamúrias, sempre obediente aos pais vivia em seu mundo, e num belo dia uma amiga da família comovida por seus sofrimentos, se pôs a fazer uma promessa em nome da cura daquela simples e humilde criança, com o intuito de assim por em pratica a sua fé, vivenciada pelo amor e caridade.

A menina passou por varias consultas medicas, e nenhum diagnóstico veio a pelo menos amenizar seu clamor, ia padecer na escuridão pois não havia remédio para o seu referido mal.

alguns dias se passaram, e a velha senhora sempre otimista com a recuperação de Luzia sempre lembrava de sua promessa, onde de fato a curasse teria que homenagear Santa Luzia rezando de forma anual, em seu dia 13 de dezembro pela graça recebida em agradecimento pelo milagre tão aguardado. a insistência e persistência da procura da cura, com remédios caseiros, medicinais, eram incansável, e quando todos os esforços foram esgotados, Sua mãe, se lembrou de um velho conhecido que morava na cidade, lugar conhecido por Vila, um senhor de idade, que tinha uma venda e la se encontrava de tudo, um senhor experiente em todas as enfermidades, pois lidava com inúmeras que apareciam por sua procura. e como se fosse a ultima tentativa saiu de sua Vereda, ja com um não, que expressava a concordância por toda aquela situação. lá, timidamente a menina se acomodava a uma cadeira rústica, de madeira pura, enquanto a mãe explicava seu problema, o olhar daquele homem, era de dó, pois vontade tinha em ajudá-la, mais sabia dos seus limites e naquele momento não tinha a melhor resposta para o alento daquela criança que sofria, penava, e passava por muitas dificuldades. dando lhes as costas restou apenas a fé, e com essa fé, subiu em uma escada e pegou um vidro de colírio, e disse: _não tenho remédio para que possa curá-la, mas de coração, leve esse frasco, e coloque duas a três vezes o dia, e que Deus seja a verdade o caminho e a vida.

a afeição e aflição se misturavam, e da ordem recebida foi acatada, e por vários dias o colirio foi colocado, mas a escuridão ainda estava ali.

numa certa manha, bem cedinho, depois de dias de agonias, muitas outras promessas foram feitas, e dentre as já efetuadas, vinha somar a ida a pé, ao Bom Jesus da Lapa, em caso de sua cura. a esperança, o amor e a fé, jamais saíram dos pensamentos e agradecimentos daquela menina inocente, que vivia o seu maior problema, e aceitá-lo também era reconhecer como graça a sua existência. o poder de Deus através das orações.

Bem cedinho despertou, sentiu um ardor profundo, seus olhos chamegavam, uma dor insuportável, acompanhada de lágrimas, a sua noite era intensa, porem, o sol se fez luz, e a claridade deu o ar da graça, ali um milagre se fez concreto.

Foi uma comoção imensa, de todos Luzia mais uma vez via a luz e aos poucos foi reacostumando com toda aquela nitidez. agradecida e gratificada pela ação divina, deu graça, e seguiu acreditando em suas orações.

Apos 3 anos de sua visão ser curada, planejou pagar sua promessa de visitar o SR Bom jesus da lapa, a pé sendo acompanhada por seu pai, onde a viagem demorou 30 dias, e assim cumpriu com exito sua missão, e desde que recuperou sua visão reza todo dia 13 de Dezembro em homenagem a sua recuperação onde celebra sua fé, partilha seu amor e deixa acesa a sua eterna esperança, nos ensinamentos divino. culminando essa historia, baseada em fatos reais, faço dessa narração uma comparação a nossa Irmã Dulce que recentemente teve reconhecimento de seus atos em nome de Deus, uma mulher simples de fibra, e que ser humilde e solidaria ia alem de seus limites. atualmente consagrada em santidade, Santa Dulce dos Pobres. que todas as mulheres tenham corações vibrantes e gestos de compreensão para com o nosso próximo, e a graça divinamente de representar com orgulho toda uma classe feminina com muito fervor, com certeza Dulce Baiana nossa Santa jamais será esquecida e sempre sera lembrada como exemplo de vida e vivencia humana. Viva Ela.

Fim...

23 de Outubro de 2019 às 00:24 5 Denunciar Insira 3
Fim

Conheça o autor

Marizelia Guedes meu nome é Marizelia "O minimo que posso querer é o máximo onde quero chegar". As certezas que temos é não ter certezas de nada, as duvidas que surgem é somente o resultado do desconhecido, mas isso é motivador, pois a resposta que procura pode esta exposta em uma outra pergunta. nossos sentimentos podem serem controversos regados de significados, mas muito vulnerável a concordâncias.

Comentar algo

Publique!
Lollys Mars Lollys Mars
Oi, tudo bom? Conte-nos como foi participar desse desafio! Se divertiu? Leu boas histórias? Sua opinião é importante para nós! Gostamos bastante de sua história, uma bela homenagem à primeira Santa brasileira, Santa Dulce dos Pobres. Seu conto traz uma história um pouco triste no começo, mas, ao fim, nos deixa contentes em saber que tudo termina bem. Sua história é bastante interessante, pois aborda um tema que não é comumente trabalhado nas literaturas modernos, e isso a torna bem interessante. Foi extremamente prazeroso de ler! Obrigada por participar, esperamos você num próximo desafio Inkspired ;) Até mais!

  • Marizelia Guedes Marizelia Guedes
    obrigada, a experiencia de participar deste desafio expresso pelo próprio nome, minha primeira participação nesse tipo de esrita foi de bastante aprendizado, ainda tenho dificuldades de interação e exposição de minhas historias mas poder compartilhar com todos foi gratificante, obrigada pela oportunidade e que venha os proximos desafios. 2 weeks ago
Netuno Chase Netuno Chase
Viva ela mesmo, tocante história!
Rafael Amaral Rafael Amaral
Uma história muito inspiradora, parabéns.
~

Histórias relacionadas