Vamos estreitar a amizade? Seguir história

kim_laka Lais Rodrigues

Ficamos abraçados por um tempo até que senti uma mão apertar minha bunda -Sabe, eu li uma vez que transar algumas vezes com o melhor amigo, estreita mais a amizade. Não quer tentar? - sussurrou em um tom rouco no minha orelha e logo depois deu uma mordidinha na ponta (História também postada no Spirit e Wattpad)


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#lemon #fluffy #abo #kaisoo
0
744 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

A vida de um ômega não é fácil.

Você sofre um certo preconceito simplesmente por ser um, as pessoas acham que você tem que ser submisso pelo simples fato de ser considerado o mais fraco da pirâmide populacional, o que eu acho uma coisa sem pé nem cabeça. Mas se tem algo que é pior que esses problemas sociais, é aquele problema biológico chamado cio. Sim, aquela época que a única coisa que se passa na cabeça de um ômega é: “Quero um pau bem fundo dentro de mim”.

Desde meus 18 anos, eu os passo dopado. Porém, quando fui ao médico esses tempos, me disseram que isso acarreta problemas e blá blá blá, ainda mais que passei 3 anos fazendo isso. Então a partir de agora não posso mais me dopar

Quero morrer

Minha vontade de se matar aumentou ainda mais nessa semana que estou sentindo os primeiros sintomas do cio. Ondas de calor do nada, cheiro mais forte que faz atrair olhares de alfas, qualquer coisinha considerada no mínimo provocante me deixa molhado, sem falar na vergonhosa vontade que me dá de ficar se esfregando no meu amigo alfa. Aliás, outro problema

Kim Jongin, o nome dele. Ele é o típico alfa popular bonitão que a maioria dos ômegas solteiros da faculdade gostariam de ter na cama. Além de ser dono de um sorriso matador e uma pele morena maravilhosa, ele também é simpático, gentil e muito fofo. Totalmente diferente de mim, por isso nem sei porquê ele é meu amigo.

E falando no demônio, ele aparece

-Oi, Soo - disse se sentando ao meu lado na mesa do refeitório e me abraçando de lado

Amigo, se você tem consideração por mim, não faz isso. Se afasta pra bem longe com esse corpo e esse cheiro gostoso

-Olá, Nini. Como você está? - respondi e tomei um gole do meu suco

-Estou bem. Escuta, queria saber se você não quer ir lá em casa hoje. Estava tão ocupado esses tempos com trabalhos da faculdade que nem deu tempo de passarmos um tempinho de amigos. Vaai, por favorzinho - falou fazendo biquinho e uma cara de cachorro abandonado. Sério, ás vezes ele mais parecia um ômega do que um alfa

- Hoje não vai dar, tenho trabalho - falei e vi ele fazendo uma expressão triste que cortou meu coração. Então logo completei - Mas que tal amanhã? Esse fim de semana vou estar livre

- Sério? Ebaa. Umas 8 da noite está bom? Aí você dorme lá também

- Ok, eu apareço lá

Deu o horário pra aula e nos levantamos. Como era mais perto, ele me acompanhou até meu prédio e quando chegamos me deu um beijo na bochecha. Muitos devem pensar que namoramos, por causa do jeito que nos tratávamos, mas não era verdade, só éramos muito carinhosos um com o outro.

Assisti as aulas com tédio e quase dormindo. Meu dia só piorou quando na última, tivemos teste surpresa. Sério, logo numa sexta feira? Esse tipo de professor não merece ir pro céu. Levantei as mãos pro alto quando acabou, não me importando se iriam me achar esquisito e praticamente corri até a saída. Quando cheguei na rua, andei normalmente. Meu trabalho era na outra avenida então não demorei a chegar. Trabalhava em uma cafeteria como garçom. Cheguei e cumprimentei meus colegas e fui direto para o vestiário pra colocar meu uniforme. Quando terminei fui me sentar perto do balcão pra esperar os clientes. Ainda eram quatro da tarde e começa a encher só la pela cinco. Enquanto esperava falei com os amigos que trabalhavam comigo, colocar a fofoca em dia. Soube que Beakhyun tava namorando com um alfa do departamento de engenharia, um tal de Chanyeol e que Luhan estava esperando um bebê

- Mas e você, Kyungsoo? Quando vai desencalhar? - Luhan perguntou enquanto se debruçava no balcão

- Ainda não apareceu ninguém pra mim - falei

Eles se olharam e logo caíram na gargalhada

- Ok, qual foi a graça? - perguntei sem entender

-Abra os olhos, Soo, porque a sua alma gêmea pode estar mais perto do que pensa - Beakhyun disse limpando algumas lágrimas que caíram e se levantou pra ir atender o cliente que chegou

Olhei pra Luhan perguntando com os olhos o que ele queria dizer, mas o mesmo só levantou as mãos em um gesto de “nem me pergunte” e foi pra cozinha

Eu hein, amigos doidos

***

Acordei no sábado sentindo um calor enorme se apossar do meu corpo. Essa samana foi comum acordar assim então nem liguei. Tomei um banho frio pra tirar o suor e isso diminuiu um pouco a sensação de quentura, mas não passou completamente. Na parte da manhã, aproveitei pra fazer uma faxina no apartamento e no começo da tarde adiantei alguns trabalhos da faculdade. Quando deu três horas, resolvi dormir, porém exagerei e só acordei ás sete. Lembrei que iria pra casa de Kai então resolvi me arrumar. Tomei mais um banho gelado e como só iria para a casa de um amigo, tomei a liberdade de usar roupas femininas. Não é sempre que as uso, até tenho pouquíssimas peças, mas como estava sentindo calor, resolvi fazer esse sacrifício. Vesti uma calcinha de renda rosa claro junto com a uma saia de pregas branca cinta alta que batia no meio das coxas e um cropped roxo claro com mangas que batiam antes do cotovelo. Me olhei no espelho e até que gostei do resultado. Quando terminei, faltavam 15 minutos para as oito então resolvi sair. Andei pela rua sentindo os olhares de alfas em mim. Sério, por que eles gostam tanto de ver ômegas machos vestidos com roupas femininas? Tá aí algo que não irei entender. Andei algumas quadras e cheguei no apartamento de Jongin. O senhorzinho que era o porteiro me conhecia pela tantas vezes que fui lá então não precisou me anunciar e só deu um sorriso, apesar da feição de surpresa. Afinal, sempre que eu aparecia lá, usava roupas pretas masculinas e agora apareço usando uma saia, até entendo seu espanto

Entrei no elevador e apertei o andar de Jongin. Saí e apertei a campainha logo sendo atendido por um Jongin sorridente que logo foi substituido por uma cara surpresa.

-Nossa - finalmente falou me olhando de cima a baixo me deixando quente

Malditos hormônios!

-Aish, tu para com isso até parece que nunca me viu vestido com roupas femininas - falei entrando no apartamento e lhe abraçando

- Já vi, mas é tão raro esse acontecimento que sempre é uma surpresa - falou brincalhão, fechando a porta e retribuindo o abraço - Tudo isso é pra mim? - falou rouco me apertando e com o rosto enfiado em meu pescoço, seu hálito quente me arrepiando. Nossa senhora do fogo no cu, dai-me forças senão ataco esse homem

- Claro claro - falei com sarcasmo e me afastando - O que vamos fazer?

- Tava te esperando pra pedir uma pizza e fazermos uma maratona de filmes de terror. Sei que adora essa combinação - falou com um sorrisinho convencido

- Quero de mussarela e chocolate - falei me sentando no sofá e pegando o controle na mesinha de centro e começando a ver quais filmes ele baixou

- É pra já, princesa - falou sorrindo e logo depois correndo pra fugir da almofada que foi em sua direção

***

Enquanto a pizza não chegava, resolvi fazer uma pipoca pra tampar o buraco do dente. Fui até a cozinha e procurei o pacote

-Droga - resmuguei ao abrir o armário e ver que os pacotes estavam na última prateleira.

Porra Jongin! O armário já ficava no alto e ainda por cima tu coloca na última prateleira? Fala sério. Me coloquei na ponta dos pés pra ver se ao menos conseguia triscar os dedos, mas nada. Já estava chamando mentalmente todos os palavrões que conhecia, quando uma mão apertou minha cintura e um braço moreno se estendeu acima da minha cabeça pegando facilmente o pacote

- Aqui, baixinho - Jongin disse com um sorriso provocador enquanto estendia o pacote pra mim

Idiota! Ele sabe que odeio que me lembrem da minha carência de altura

- Baixinho o caralho - falei irritado lhe dando um soco no braço e indo até o microondas

- Não se preocupe, isso é um charme - falou dando uma risadinha

Coloquei o tempo necessário e me sentei em um dos bancos que tinha ao redor da bancada para esperar ficar pronto. Comecei a pensar sobre a vida até que senti braços ao meu redor e um peito quente em minhas costas. Fiquei quente e me arrepiei com esse mínimo contato

-Seu cheiro está forte - Jongin comentou enquanto enfiava o rosto em meu pescoço cheirando-o. -Seu cio está perto? - perguntou com os lábios encostados na minha orelha, me enviando arrepios por todo o corpo até aquele lugar, me fazendo sentir minha lubrificação natural começar a aparecer. Qual é, gente, me dá um desconto. Tô super sensível e ter um alfa gostoso falando no seu pescoço não é uma boa maneira de se controlar, mesmo que o alfa em questão seja seu melhor amigo

-S-sim. Próxima semana acho que já vem - falei com os olhos fechados e quase gemendo ao sentir ele deixar um beijo no lugar

- Se querer ajuda, é só me dizer - sussurrou dando mais um beijo e me soltando, indo até a sala

Fiquei de olhos fechados, divagando por um momento e só despertando quando ouvi o barulho do microondas avisando que a pipoca estava pronta. Enquanto colocava na tigela, fiquei pensando porquê Kai se ofereceu pra me ajudar. Sério, sou um ômega que em meu ponto de vista não tem nenhum atrativo e ele é um alfa bonito e sexy que poderia ter qualquer um aos seus pés. Sem falar também que somos amigos. Ele não deveria sentir atração por um amigo, né?

Voltei pra sala com a tigela em mãos e vi Kai jogado no sofá mexendo no celular. Quando me viu, deu um sorriso e se ajeitou dando espaço pra eu sentar. Pegou um punhado de pipoca e deu play no filme. Estávamos na metade de invocação do mal quando a campainha tocou

-É a pizza, pega lá - Kai falou com os olhos vidrados na televisão

- Da aí o dinheiro - falei me levantando

- A senha é 1301 - falou me dando o cartão de crédito

Fui até a porta e a abri.

-Boa noite - o entregador falou me olhando de cima a baixo e dando um sorriso paquerador

Revirei os olhos mentalmente. Ele até que era bonitinho, mas não rolava

-Boa noite - respondi simplesmente sem retribuir o sorriso

Enquanto digitava a senha na maquininha, podia sentir seu olhar fixo em minhas pernas

- Aqui - falei em quanto retirava o cartão e lhe devolvia a maquina

-Obrigado. Escuta, queria saber se você não... - me deu as caixas de pizza e o refrigerante e tentou falar algo, mas foi interrompido

- Que demora! Ah, deixa que eu te ajudo - Era Jongin que apareceu pegando as caixas da minha mão e lançou um olhar estranho pro cara que se encolheu, e logo em seguida voltou pra sala

-O que você queria perguntar? - falei enquanto pegava na porta com a intenção de fechar

-Ah nada nada - e logo depois saiu

Eu hein, cara estranho

Dei de ombros e fui até a cozinha pra pegar os copos e depois voltei pra sala. Voltamos a assistir o filme enquanto comíamos

***

Já eram meia-noite e estavámos no quarto filme quando comecei a me sentir estranho. Senti algumas leves pontadas no ventre, mas não liguei. A coisa piorou quando 20 minutos depois as pontadas vieram mais fortes e junto com ela um calor insuportável subiu em meu corpo, junto com minha lubrificação natural sendo produzida

MERDA

NÃO, NÃO, NÃO

AGORA NÃO

Arregalei meus olhos mais do que já eram e olhei pro lado. Kai estava olhando pra frente com as pupilas dilatadas e respirava pausadamente pra sentir menos meu cheiro

- Kyungsoo, saia daqui - falou rouco. Sua voz me fez soltar um gemidinho e me remexer no sofá. Ao ouví-lo, cerrou os punhos e fechou os olhos - Não vou conseguir me controlar com seu cheiro tão perto.

Pensei o máximo que minha mente afetada pelo cio conseguia. As pontadas estavam dolorosas demais pra ignorar e tinha um alfa que me perguntou se podia me ajudar aqui do meu lado. É claro que fiz a escolha menos sensata

Tasquei o foda-se e subi em seu colo. Sei que vou me arrepender quando esses dias acabarem, mas vou deixar a vergonha pra depois. Tenho coisas mais importantes pra se preocupar

-Não se controle - sussurrei em seu ouvido enquanto me acomodava em cima de seu membro e rebolava com força

- Foda-se - ele rosnou agarrando minha cintura e me dando um beijo desesperado

Pov Narrador

Quando se separaram apenas um fio de saliva ligava suas bocas. Kai desceu os beijos para o pescoço de Kyungsoo e começou a dar chupões fortes que vão deixar marcas

-Nini... Ahm - gemeu manhoso

Rosnando, se levantou com o ômega no colo colocando as mãos na sua bunda para o segurar. Ele a apertou e quando sentiu que o amigo estava usando calcinha, soltou um rosnado mais alto fazendo-o estremecer gemendo em seu colo e a lubrificação escorrer pelas coxas fartas. O alfa andou até o quarto e no meio do caminho prensou-o ontra a parede, fazendo-o gemer pelo contato frio no corpo quente. Kai espalha beijinhos por todo o pescoço de Soo subindo em direção a boca e dando um beijo selvagem e intenso, lhe tirando o fôlego. Dá um aperto mais forte na bunda do ômega e logo em seguida um forte tapa estralado que o faz gemer alto

O alfa afasta Soo da parede e o leva em direção ao quarto. Jogando-o na cama, tira o cropped que o ômega usava e o vira pra ficar de quatro e levantar a saia ficando de cara com bunda branquinha e sem marcas. Kai roça o dedos na entrada por cima do tecido da calcinha, simulando penetrações. Kyungsoo treme e enfia seu rosto entre os travesseiros deixando sua bunda mais empinada. O alfa afasta o tecido pro lado e dessa vez roça os dedos sem nada impedindo. Seus olhos dilatam ao ver a entrada piscar por atenção e a lubrificação encharcar seus dedos e escorrer em abundância pelas coxas. Não aguentando mais só olhar, Jongin rasga a calcinha e começa a lamber e chupar com gosto todo o liquido que saía e de vez em quando dando penetradas com a língua. O ômega geme extremamente alto e rebola na cara do outro em busca de mais contato

O alfa, enquanto o chupa, passa as pontas dos dedos nos mamilos rosados deixando-os eriçados e depois desce as mãos pelas laterais do corpo do outro indo em direção ao pênis pulsante, o agarrando

- Nini... Ahm... N-não me tortura mais... Ugh... Me fode logo - Kyungsoo pediu suplicante enquanto apertava os lençóis agoniado

Kai o vira deixando-o de frente pra si e lhe dá um beijo lento, porém intenso. Se separa do ômega e começa a tirar suas roupas. Quando está completamente nú, dá um sorriso convencido ao ver os olhos do ômega vidrados em seu corpo. Impulsionado pelo desejo de tocar a pele morena, Kyungsoo se ajoelha na cama indo até a borda e coloca as mãos no peitoral do alfa, descendo-as pelo abdômen definido e indo em direção ao membro pulsante. Começa a masturbá-lo lentamente enquanto lhe dá chupões no pescoço. O alfa não resistindo mais a essa provocação, coloca as mãos na cintura do outro e o joga na cama denovo, subindo em cima dele. Rodeia um dedo ao redor da entrada e o penetra. Foi fácil então logo penetra mais um dedo e faz movimentos de tesoura. O ômega rebola em busca de mais contato então Kai penetra o terceiro dedo. Já achando que estava acostumado o suficiente, tira os dedos de seu interior e posiciona seu pênis

-Vou colocar, sim? Se doer, me avise - Kai falou preocupado enquanto dava beijinhos por todo o rosto do outro

-Só vai logo

Kai tentou o penetrar lentamente, mas o ômega impaciente envolveu as pernas ao redor da cintura do alfa e o puxou fazendo-o penetrar tudo de uma vez

-AHHH - gritou Kyungsoo em uma mistura de dor e prazer

- ahm.. Soo. Você é tão apertado ahm - ficou parado para o ômega se acostumar

-Agiliza, idiota

Jongin, sabendo que era a primeira vez do ômega, planejava ir devagar para não machucá-lo, mas como o ômega estava impaciente, resolveu ser selvagem. Retirou as pernas que estavam entrelaçadas em sua cintura e colocou em cima dos seus ombros. Segurou forte o quadril do outro para não se mover e se pôs a estocar rápida e profudamente

- Ahhh... Assim... Ahm... Isso - murmurava o ômega com os olhos fechados e um sorriso de satisfação do rosto

-Assim -uma estocada violenta - que você - outra estocada - Gosta? - essa última atingiu o ponto doce do ômega o que o fez gritar escandalosamente

-SIM! Sim, alfa... Ahhh... Acerta aí denovo - pediu manhosamente

Kai mirou e começou a acertar fortemente naquele ponto, fazendo o ômega gemer aos gritos. Com certeza teriam problemas com os vizinhos, mas não ligavam. Estavam ocupados demais pra se preocupar

- P-para um i-instante - Soo pediu entre gemidos

O alfa se preocupou e pensou que o outro queria parar, mas não era bem assim. Kyungsoo o colocou deitado e se posicionou em cima do membro de Kai, descendo vagarosamente e dando breves gritinhos. Começa a subir e descer cada vez mais rápido enquanto o alfa lhe dava fortes tapas na bunda fazendo-o gemer alto. Em certo momento, Jongin masturba o membro de Soo, que com esse estímulo não aguenta e goza chamando o nome do alfa

- AHHHH... JONGIN - gritou enquanto se desfazia na mão do mesmo

Kai vendo aquela maravilhosa cena somada ao aperto que o interior de Kyungsoo fazia em seu membro, também gozou logo formando o nó e o prendendo-o. Os dois estavam com a respiração ofegante e Kyungsoo caiu exausto no peito do alfa que passou os braços ao redor de sua cintura.

- O nó ainda vai demorar pra se desfazer então descanse um pouco - Jongin falou fazendo um carinhos nos cabelos do parceiro que deu um sorrisinho e logo dormiu

***

Pov Kyungsoo

Tá tudo bem

Eu só passei a semana do cio com meu melhor amigo

Nada demais, muita gente faz isso, é comum

.

.

.

NÃO ESTÁ TUDO BEM AHHHHHHJ

Passei essa outra semana o evitando. Sempre dava um jeito de despistá-lo pelos corredores, respondia secamente suas mensagens, ficava de olho na porta do refeitório pra ver quando ele entraria pra eu poder sair de fininho. Sei que isso pode estar deixando-o triste, mas não posso evitar, afinal estou com muita vergonha. Só de lembrar o que eu fiz nesse tempo faz meu rosto ferver. Eu agi como uma puta necessitada! Nunca que em meu estado perfeito faria isso

O que ele deve estar pensando de mim?

Minha jornada foi bem sucedida até o domingo á tarde. Estava estudando e ouvi a campainha tocar. Ao chegar perto da porta, senti o cheiro dele atrás dela e comecei a pensar em formas de fugir

Será que faz muito estrago eu pular da janela do sexto andar?

- Eu sei que você está aí, consigo sentir seu cheiro - Opa

Suspirei desanimado e abri a porta. Ele estava de braços cruzados e expressão séria

- Precisamos conversar, Kyungsoo - ditou entrando e logo em seguida fechando a porta

Ihh, ele me chamou pelo nome inteiro. Tô fudido e não é do jeito bom

-Por que está me evitando? - perguntou diretamente

-Eu? Isso é coisa da sua cabeça - minto descaradamente

- Ah é? Então por que não atende minha ligações ou responde minhas mensagens decentemente? Na quarta, você me viu do outro lado do gramado e nem foi falar comigo. E não diga que não porque eu estava olhando fixamente pra você pra ver se fazia algo, porém nada. Me conta, por favor. Não quero perder meu melhor amigo - suspirou desanimado - É por causa da semana passada? Você não gostou? - perguntou a última parte em um tom temeroso

-NÃO! Não é isso. É só que... -respondi e olhei pro lado

-O quê? Me fala. Não aguento mais ficar sem falar com você

- A verdade é que eu tô com vergonha, é isso - falei de uma vez e me virando de costas pra ele

- O quê? Mas por que? - perguntou confuso.

Sério que ele não vê a situação que a gente passou?

- Como assim “por que”? - perguntei indignado e me virando de volta - Nós passamos o meu cio juntos. Me lembro exatamente que agi igual uma putinha. O que você deve estar pensando de mim? Provavelmente que sou o amigo que foi pra sua casa justamente no dia que o cio ia começar pra você ser obrigado a me ajudar - despejei tudo com lágrimas nos olhos

- Ei ei, não fale assim - falou vindo me abraçar - Eu nunca pensaria isso de você. Afinal, é meu melhor amigo

Não sei porquê, mas quando ele falou essa última parte, meu coração doeu

-Foi um acidente, estávamos juntos na hora errada só isso - continuou ainda me abraçando - E se me permite dizer e se te faz ficar melhor... Você é ótimo na cama - falou começando a rir

Fiquei o rosto vermelho e lhe dei um tapa no braço. Ele riu mais ainda, porém parou e me olhou sério

-Por favor, não me ignore mais. Não sabe como eu fiquei triste achando que nossa amizade tinha acabado

- Não se preocupe, foi só um crise que eu tive - falei e o abracei para o acalmar

Ficamos abraçados por um tempo até que senti uma mão apertar minha bunda

-Sabe, eu li uma vez que transar algumas vezes com o melhor amigo, estreita mais a amizade. Não quer tentar? - sussurrou em um tom rouco no minha orelha e logo depois deu uma mordidinha na ponta

Minha única resposta foi dar um sorriso malicioso e o puxar para o meu quarto.

31 de Agosto de 2019 às 00:48 0 Denunciar Insira 0
Leia o próximo capítulo Extra

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!