O pombo preso no galinheiro Seguir história

jpsantil Jp Santsil

As dificuldades de sua infância o tornou um jovem inteligente. E, holisticamente, confortava-se com as dificuldades de sua mocidade, que provavelmente vislumbrara que o tornaria um sábio ancião.


Conto Todo o público.

#cronicas
Conto
0
288 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

O pombo preso no galinheiro

Notara-se perdido no ponto atual de sua vida. Não soube ao certo como tudo lhe escapou. De repente, no parque de Kfar Saba, se viu em um lugar onde nunca quisera estar. Em que nunca imaginara, ou ao menos sonhara e desejara.

_ Oh vida! _ exclamou como se estivesse perdido em si mesmo.

As pessoas que o arrodeavam o contradizia. Nada tinha a ver com aqueles indivíduos cabeças de tarnegolot (galinhas). Seus papos eram mundanos, seus assuntos profanos, suas palavras besteiras. Não assim pensava ele, pelo fato de se julgar superior, mesmo sabendo que era uma pessoa superior. Apenas sentia-se estranho com aquela gente, como um pombo que ficou preso no galinheiro. Mesmo assim, esforçava-se para ser gentil. Mantinha sempre um sorriso no rosto, não com tons de cinismo ou ironia, mas de simplicidade. Pois, sabia muito bem ele, que aqueles indivíduos nada tinham a ver com sua angustia, apenas estava no lugar errado. E, se perguntava:

_ O que estou fazendo aqui? Como vim parar aqui?

Não era preciso ter muito cérebro para realizar aquele trabalho. Sabia que podia muito mais, e que era muito mais inteligente. Ali estava apenas por motivo de necessidade de adaptação. Assim, recebia ordens dos ignorantes e tolos, e as efetuava com a humildade daquele que sabe quem é, e crer no que quer. Somente se sentia desconfortável com isso. E pensava:

_ É isso… só isso.

Quando menino era observador, astuto e de olhos abertos. Estava a mil anos à frente dos demais. Quando adolescente era engenhoso, vívido e sagaz. E os adultos e as pessoas de mais idades, diziam:

_ Este, será um grande líder.

Aos vinte anos pensava como um homem de trinta. Era responsável, sonhador e trabalhador. Além de ser independente e autodidata. Tinha os seus próprios projetos e não trabalhava para ninguém. Além de ser bonito, sabia se expressar e se comportar. Era ousado, e tinha a força e a magia de tudo fazer acontecer. Nada tinha de timidez, mas ousava ser tímido apenas como estratégia para conquistar o que se queria, e todos o invejavam.

Por isso, não entendia o porquê de todo aquele silêncio nessa sua atual fase de sua vida. Só porque resolveu mudar de país? Porém, ignorava que mudando de país, mudara de cultura, e dessa forma, tinha que aprender como fazer tudo do início novamente.

_ Nascer de novo. _ afirmava para si constantemente.

Não era só pelo motivo de estar aprendendo a falar uma nova língua, o motivo era adentrar uma nova e difícil estranha cultura aos trinta anos. E saber que tudo que realizara e conquistara até agora, nada até então, tinha de muito valor por ali.

Se viu despido, e podado. Como uma mangueira jovem que já estava dando bons e doces frutos, mas que foi retirada do seu lugar de nascença, pois o senhor da casa, ali resolveu fazer uma piscina. E assim, a podaram. Cavaram ao seu redor, e a levantaram da terra violentamente quebrantando suas fortes raízes. E, levaram-na para replantar no meio das laranjeiras, numa terra seca e pobre. Onde retiraram todas as suas folhas, restando apenas um tronco com tocos de galhos.

As dificuldades de sua infância o tornou um jovem inteligente. E, holisticamente, confortava-se com as dificuldades de sua mocidade, que provavelmente vislumbrara que o tornaria um sábio ancião.

Entretanto, a mangueira que ajudara a replantar, cavando um grande buraco sob sol escaldante do verão israelense, em que colocara grandes quantidades de estercos, klipohts (cascas secas de árvores) e muita água, não resistiu e morreu em meio as frondosas laranjeiras.

_ Vearchshav! Ma ehiyeh iti… (E agora! O que será de mim…) _ pensou.

30 de Agosto de 2019 às 06:59 0 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Jp Santsil Nasceu em Salvador, capital do Estado da Bahia, tendo se dedicado mais da metade de sua vida a projetos de ativismo social, educacional, cultural e ecológico com crianças e jovens em estado de risco e extrema pobreza nas favelas e comunidades carentes do Brasil e Ecuador. Atualmente vive e é cidadão do Estado de Israel, oriente médio asiático, onde se dedica a projetos ecologicamente sustentáveis. ​

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~