Com o simples puxar de uma corda Seguir história

jace_beleren Lucas Vitoriano

Em meio a todo o caos na invasão a cidade de Nova York, devido ao exercito de aliens trazido por Loki. Clint, o gavião arqueiro, pensa em seu papel naquela guerra, sendo ele apenas um cara de arco e flecha.


Fanfiction Filmes Todo o público.

#vingadores #Gavião-arqueiro
Conto
0
392 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Com o simples puxar de uma corda

Nova York estava sendo invadida por um exército de alienígenas com armamento de alta tecnologia. Armas e veículos tão avançados que faziam as armas do exercito parecerem brinquedos de plástico. Isso, claro, sem levar em conta as criaturas que se assemelhavam a baleias gigantesca a flutuar no céu. Ah, e tinha o deus, o cara com cetro mágico capaz de controlar mentes

E, diante de todo esse apocalipse, Clint Barton estava a lutar com um arco e flecha. Nada contra a arma, mas era meio difícil marcar presença quando seu grupo continha um combatente fortificado com o soro do super-soldado e armado com um escudo de vibranium. Mas as coisas ainda não paravam por ai. Ainda tinha o egocêntrico, filantrópico, bilionhario e narcisista Tony Stark com sua armadura de alta tecnologia e... se não fosse injustiça o suficiente, Thor. É, o deus do trovão. Ok que o cara também usasse uma arma aparentemente arcaica. Mas o Mjonir era um martelo magico que lançava raios enquanto Clint lançava... flechas, e elas nem eram magicas nem nada. E isso tudo sem contar Hulk, o monstro verde que destrói tudo que vê pela frente.

Clint deu um suspiro. Sentia-se uma formiguinha naquela guerra de titãs. Pelo menos não era o único “humilde” do grupo. Natasha era como ele, só uma assassina treinada, excepcionalmente boa no que fazia. Nada de magia, nada de tecnologia, nada de soros que transformam os outros em super-soldados ou monstros verdes com raciocínio questionável.

Ele retirou mais uma flecha de sua aljava. Estava em cima de um arranha-céu. Lugares altos eram os melhores para um arqueiro montar sua vigília. Com cautela, Clint retesou a corda do arco. Um olho se fechava enquanto o outro fazia mira.

Ele avistou duas daquelas naves pequenas dos aliens. As coisas pareciam lanchas voadoras. Com um movimento sutil, o arqueiro fez a flecha voar pelos céus. A mesma se cravou no pescoço de um dos aliens. Ele perdeu o controle de seu veículo, fazendo-o colidir com o que vinha atrás. Dois veículos destruídos, cada um com dois tripulantes. Somando tudo, quatro aliens com uma só flechada. Se fosse um jogo de boliche, ele teria acabado de fazer um strike.

E tudo isso com o puxar de uma simples corda. Barton sorriu orgulhoso de si mesmo. Ai a porra de seu sorriso morreu quando a droga do Hulk passou correndo pela Rua 46, esmagando aliens como se fosse um rolo compressor. Mais a esquerda, Thor abatia uma daquelas baleias gigantescas com uma rajada de raios.

Clint praguejou baixo. Tinha certeza que quando ganhassem aquela guerra, se ganhassem aquela guerra. Todos iam falar do Thor e do Hulk, mas ninguém ia se lembrar do cara com arco.

Ser super-herói era meio frustrante quando seus parceiros eram tão mais “super” que você.

26 de Agosto de 2019 às 01:37 0 Denunciar Insira 0
Fim

Conheça o autor

Lucas Vitoriano Ola, me chamo Lucas, adoro escrever, ver animes, jogar Magic the gathering, ler entre outras coisas mais rs. Sou particulamente fissurado em mitologia grega, meus autores favoritos são Neil Gaiman e Kazuo Ishiguro e, meu livro favorito, é As brumas de Avalon.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~