Lost - Quando Não Existe Mais Cura. Seguir história

gabrioliver Vitor Gabriel

Em uma era em que o mundo é totalmente devastado pela doença incura, jovens de todo o mundo são escolhidos, reunidos e levados para uma ilha chamada Security. Não sabendo eles que seriam usados como fórmula para desenvolvimento de uma possível cura para o vírus. O mundo havia sido praticamente extinto. A INCURA transformava seres humanos em Meio mortos, tirava suas consciências e os levava a matar sua própria espécie. Verdades são descobertas e tudo que aconteceu no passado cai no ventilador. Quem fez esse vírus? Quem são os culpados por tudo isso? Descubra lendo esse livro.


Pós-apocalíptico Todo o público. © Direitos reservados ao autor da obra.

#sobrevivência #suspense #drama #virus #zumbi #ação
0
1.3mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Sábados
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo One.

The New York times 20/08/2070


¨Doença misteriosa surge em paciente do hospital Geral de Tóquio, seus sintomas e causas ainda são desconhecidos para os médicos¨


"Paciente apresenta dores,vômitos e ressecamento da pele"


Nenhum método conhecido foi capaz de combater a doença, os médicos estão apavorados.


Médicos e outros pacientes são contaminados pela doença, que muitos a denominam como INCURA


Transmissão da Incura é feita atavés doar e do toque em outros indivíduos.


06/09/2070


INCURA se alastra rapidamente por toda a capital japonesa, e Tóquio e Coreia são colocados em quarentena.



01/01/2095



Todas as noites era o mesmo sonho.


Estava no meio de muitas pessoas que não conhecia, eram muitas crianças.


Minha mãe me acariciava e me dizia:


_ Tudo ficará bem, Josh.


Não conseguia entendero que ela queria dizer com aquilo.


Eram muitas pessoas gritando ao meu redor, estava difícil raciocinar algo.O barulho me impedia de pensar direito.


Se formava uma imensa fila - eram milhares de pessoas acompanhadas de seus filhos. Algumas mães pareciam estar chorando e conversando com eles.- Não conseguiria ver o final da fila.


Três homens com roupas de Militares com máscaras e armados com armas tecnológicas acompanhavam a mim e a minha mãe. Nos levaram até um homem de jaleco branco. Era ele queescolhia as crianças que levariam para Security.



_ Onde estamos? – perguntei a minha mãe.



_ Salvacão ... – disse ela – eles te levaram para um lugar melhor.



Ela estava chorando enquanto me abraçava, sabia que seria a última vez que iria vê-la.


Meu nome já tinha sido chamado naquela grande fila, eram os Sobreviventes - Todos os chamavam assim.


Escolheram muitos jovens naquela noite. Mas ainda me recordo do rosto dela, minha mãe me parecia muito triste mas precisava me entregar a eles - Mas já se passaram tantos anos, não me lembro direito dela mais.



Um homem de jaleco branco segurou em meu braço direito. _ Venha, iremos te levar para um lugar seguro.


Eu não queria ir, ou soltá-la. Estava com medo! Me vi sem saídas.


Senti uma dor muito forte quando os médicos me aplicaram uma injeção. Meu corpo começou a doer, minha cabeça parecia estar girando. Só escutei quando diziam. _ Fique tranquilo, durma agora. Foi a última vez que a vi.



Sempre acordava na parte em que me colocavam dentro de um helicóptero, mas não conseguia me lembrar de nada depois daquilo, apenas sonhava e acordava namadrugada no susto.


_ AHH! - levantei rapidamente, mas esqueci que dormia na parte de baixo da beliche, a qual eu dividia com Jackie.


Até as paredes pareciam ter se movido com a minha cabeçada na cama.


Jackie acordou num sobressalto, quem não assustaria com um barulho daquele. Ainda mais em uma beliche de ferro.



_ Porra, ta de sacanagem mano!!!



_ Foi mal. Disse enquanto esfregava minha testa com a dor.



Ele bufou e perguntou.


_ Você teve aquele sonho de novo?



Respirei fundo. _ Sim. respondi ainda tentando adaptar minha visao ao escuro. Os quartos no abrigo eram muito escuros.



_ Josh, vai dormir, amanhã precisaremos acordar bem cedo.



_ Está bem. Mas não consegui dormir, pelo fato de estar com uma baita dor do caralho na cabeça, e por já ter mais de meses que sonhava com aquela mulher me entregando a eles. Mas não me lembrava dela, por mais que tentasse.



Security talvez fosse o lugar mais seguro do mundo, ao menos naquele momento.


Era uma ilha de ferro, construída em meio ao oceano, sem fundamentos e totalmente trancada. - Ninguém se quer saia ou entrava. Alguns a chamavam de Fallen Sky.



O ano havia acabado de começar, era o primeiro dia. Eu seria novamente a cobaia, mas ninguém percebia isso. Eles oferecem salvação, mas nunca acreditei que fosse de graça. Havia um preço.


Sempre achei estranho, treinarem crianças e transformá-las em matadoras.



Jackie dividia o quarto, ou o que podemos chamar de sela comigo. E todas as manhãs ele me chamava, com três toques no beiral da cama.



_ Josh, Josh, acorda. Era notável a sua cara de sono. – Acorda, temos que levantar.



_ Me deixa, agora que consegui pegar no sono. Falei com a voz sonâmbula e uma respiração bem funda.



Ele insistente como sempre, me chamou mais uma vez.


_ Cara, levanta, são 6:00 hrs. Me cutucou no ombro enquanto me olhava de pé ao lado da cama. – Se você não levantar, eles viram aqui.



Ainda tentando abrir os olhos, com o pouco de claridade que entrava por sobre uma pequena janela na parede.


_ Estou levantando. Minha vontade mesmo era dormir, mas quem disse que aqui seguimos nossas regras.



Me levantei, tonto e com um rosto como se fosse um zumbi. Isso que dá não dormir a noite.



Olhei para Jackie, ainda escovando meus dentes.


_ Todo dia é isso, cara você não se cansa?


Eu estava farto de ser tratado como apenas uma arma ou ser enganado por todos.



_ Mano, eu estou, mas não podemos fazer nada, o que conhecíamos acabou Josh. Seu olhar era de tristeza. _ Tudo que conheciamos foi destruído.



_ O que me enlouquece é nunca saber para o que estamos sendo preparados. O mundo havia mudado eu sei, mas acho que não apenas ele.



Os alarmes tocavam as 6:30. O dia estava apenas começando. Mas me acostumei, porque simplesmente tudo acontecia igual.


O destino de tudo isso estava em nossas mãos, ou pelo menos nas deles.



_ Josh, está pronto? Me olhou de cima a baixo. Minha testa ainda estava um pouco vermelha.



_ Quer saber, não. Difícil estar pronto com tanta pressão. Mas a dor havia ido embora.



_ Todo dia você me diz isso! Estou acostumado.



Devolvi um olhar.


_ Eu sei.



Todas as portas então se abriram, era hora de sair da prisão.


Por mais que parecesse, Security não chegava nem perto de ser um lugar perfeito.


Imagino o quanto demoraram para construi-lá por completo. Já que ela ficava sobre uma parte do oceano. Mas saber onde que é a questão.



Eu sabia que não eramos os únicos. Existia mais uma, mas era apenas boatos.


Ninguém se quer havia visto outra, mas parece que não fomos os únicos antecipados a construir uma ilha tão grande assim.


A não ser que tudo isso tenha sido uma arma biológica que provocasse uma terceira guerra mundial ou o fim dela. Mas algo saiu muito errado.



_ Guardas e mais guardas. O lugar era cheio deles, mas quem os pagava? O dinheiro nem tinha mais tanta importância.



_ Josh, é impossível alguém fugir daqui. E mesmo que consiga, morreria tentando atravessar o oceano, e morreria com o vírus.



Jackie era um medroso e um filho da puta.


_ Fique tranquilo, eu não seria idiota de tentar fugir, já viu o tamanho das armas deles?



Estávamos quase chegando ao lugar de sempre. Era difícil ver mulheres por ali.


Eram treinadas em outro lugar.


Mas as vezes víamos, Elisa.


E Jackie era fissurado nela.Talvez porque ela fosse virgem assim como nós, ou porque ele a amava.


Mas como assim dizer, ela era cachorro grande. Andava com os mais fortes e mais treinados. Falar com ela seria suicídio.


Sem contar que nunca, mais nunca os mais fracos se misturam com os mais fortes.



_ Ei, babaca? Olha ali. Gostava de fazer graça com Jackie, na sua cara estava estampado o título de babaca apaixonadinho.



_ Me deixa Josh, Idiota. Era incrível ver sua cara de bobo apaixonado.



_ Terminaram meninos?



_ Sr. Harris... Era nosso protetor, ou quem era responsáveis por nós. Um cientista talvez, eu realmente só sabia seu sobrenome.



_ Não se preocupem, está na hora. Ele me olhou friamente. Claro que não confio nele.


Na verdade em ninguém ali. Eram todos lobos em pele de cordeiro. E mais cedo ou mais tarde, seríamos tragados.



_ Está na hora do que? Não esperava que a resposta fosse o que estava pensando.



_ Está na hora de vocês se tornarem mais forte. Ele era estranho, mas em comparação com os outros, era até que legal, se fingia, fingia muito bem.


_ Passaremos para a fase dois dos testes, não querem ser como eles?


Apontou para o grupo de Elisa. Os fortes, conhecidos por Dilaceradores.



Jackie segurou a mão de Harris.


_ Sr. Harris, melhor notícia que recebi. Está ouvindo Josh, nos vamos passar para a fase dois.



Não queria desapontar Jackie, mas ele não deveria ficar muito feliz, o sonho dele era virar um Dilacerador. Mas ele sabia que estávamos longe. Demoraria talvez anos até chegarmos a mais alta patente.


O que conhecíamos sobre eles não ajudava em nada, eu não conseguia confiar em ninguém ali, pessoas como eles só pensavam emsi mesmas.


Tive um breve pressentimento, seriauma péssima ideia. Torcia para estar errado.

25 de Agosto de 2019 às 07:57 1 Denunciar Insira 1
Continua… Novo capítulo Todos os Sábados.

Conheça o autor

Vitor Gabriel UM ESCRITOR APAIXONADO PELA ESCRITA DEDICADA, AS VEZES OS LIVROS ME POSSIBILITAM SAIR FORA DA REALIDADE 😍

Comentar algo

Publique!
Karimy Karimy
Olá! Escrevo-lhe por causa do Sistema de Verificação do Inkspired. Caso ainda não conheça, o Sistema de Verificação existe para ajudar os leitores a encontrarem boas histórias no quesito ortografia e gramática; verificar sua história significa colocá-la entre as melhores com relação a isso. A verificação não é necessária caso não tenha interesse em obtê-la, então, se você não quiser verificar sua história, pode ignorar esta mensagem. E se tiver interesse em verificar outra história sua, pode contratar o serviço através de Serviços de Autopublicação. Sua história foi colocada "Em revisão" pelos seguintes apontamentos retirados dela: 1)Pontuação: uso de vírgulas para unir frases que deveriam estar separadas por ponto, como em "hospital Geral de Tóquio, seus sintomas e causas" em vez de "Hospital Geral de Tóquio. Seus sintomas e causas" — isso acontece porque a primeira frase está concluída e com sentido completo, enquanto a segunda frase inicia um assunto diferente e com uma ideia principal divergente. Falta de vírgula antes de conjunção adversativa. Falta de pontuação para separar vocativos, como "ta de sacanagem mano" em vez de "tá de sacanagem, mano". 2)Coesão, coerência e outros: na primeira frase diz que os sintomas são desconhecidos, mas na segunda os sintomas são expostos. Aconselho uma reformulação. "contaminados pela doença, que muitos a denominam como" em vez de "contaminados pela doença, que muitos denominam como"; "através doar" em vez de "através do ar"; "Transmissão [...] é feita através [...] do toque em outros indivíduos" — este parágrafo deixa a entender que ninguém pode tocar em ninguém, absolutamente, estando ou não contaminado. Caso esse não seja o caso, aconselho acrescentar "contaminados" no final da frase. Uso de hífen no lugar de travessão. "Militares" escrito com início maiúsculo no meio da frase; apenas usa-se letra maiúscula em casos de nomes próprios e início de frase. "Salvacão" — acredito que deveria ser "Salvação". 3)Acentuação: "ta de sacanagem" em vez de "tá de sacanagem". Observação: os apontamentos acima são exemplos, há mais o que ser revisado na história além deles. Aconselho que procure um beta reader; é sempre bom ter alguém para ler nosso trabalho e apontar o que acertamos e o que podemos melhorar, e os betas do Inkspired, quando contratados, fazem uma análise detalhada da sua história e a enviam através de um comentário. Caso se interesse, esse recurso também é disponibilizado pelo Inkspired através do Serviços de Autopublicação. Além disso, também temos o blog Tecendo Histórias, que dá dicas sobre construção narrativa e poética, e o blog Esquadrão da Revisão, que dá dicas de português. Confira! Bom... Basta responder esta mensagem quando tiver revisado a história, então farei uma nova verificação.
~