Conto
1
508 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Um Pesadelo Curto

Eu vejo um corredor de tijolos alaranjados, uma formação quadrada e fria guarda a vida de um casal a espera da notícia.

O que se faz quando a criança vinga? Vai ter vida, fome e necessidades?

Vai ter que educar? Para que?

Para sobreviver ao opróbrio do descaso?

Já com tantos outros filhos pequenos que correm pelo polígono disforme e gélido, vejo que eles só brincam no meio fio do desespero.

Meu coração bate, ele anseia pela notícia e assim vem a profeta, sem criança nenhuma, só palavras de consolo e algumas lágrimas.

Eles choram, eu brinco. Me retardo com os esfomeados, faço o desafio de correr até o chão seco, rachado e desnutrido, meu quintal é meu sertão, só tem cacto e lagartixa.

Eu me escondo entre os espinhos e os famintos me perseguem.

Eu rio, sinto alívio, “lá se vai um peso a mais.”

Quem iria te sustentar?

Aquelas tetas secas?

Que leite teria para ti pobre criatura? Vais tarde pequena borboleta, troque sete dias por sete horas, troque sua vida por uns centavos no sinal.

Então o cortejo fúnebre interrompe meu desabafo e com ele lá vem as mulheres enxeridas e chorosas, no canto do rosto tem aquele sorriso safado, estampando o gosto pelo sofrer.

Os pais levam seu pequeno feto morto num saco, um saco… um saco… com uma pequena cruz, é só isso.

Quão poderosa é a empatia​ da morte. Me vejo jorrar de dor e pena, me vejo seguindo o cortejo acompanhada dos meus demônios famintos, embora já com suas barrigas cheias de meu remorso.

Vejo ali, enterrado o corpo de minha aflição, mandei para o fim o que me deu repúdio, sacrifiquei o que me oprimiu, beijei sua face inocente e fria pela última vez.

Jogo terra por cima do anjo inocente, cravo ali uma cruz e choro desesperadamente.

Vai com Deus pobre miserável!

19 de Agosto de 2019 às 22:23 1 Denunciar Insira 1
Fim

Conheça o autor

Bárbara Oliveira A leitura que deveria ser apenas mais uma fuga do tédio constante, tornou-se uma paixão ardente. Posso dizer que tive o mesmo problema com os filmes e animes que mantenho como lemas para qualquer coisa na vida. Talvez uma geek desde quando Timão, Pumba e Simba eram os meus únicos amigos na infância aos dias solitários lendo Marchado de Assis e Jane Austen. Agora tento escrever os meus pensamentos sem medo de ser feliz.

Comentar algo

Publique!
Rodrigo Borges Rodrigo Borges
Wow, vejo aqui a misteriosa forma de descrição que os escritores antigos utilizavam, eu gosto disso.
~

Histórias relacionadas